Accessibility / Report Error

Estudo retrospectivo de latrodectismo na Bahia, Brasil

Resumos

O trabalho apresenta um estudo retrospectivo de setenta e sete casos de latrodectismo no Estado da Bahia, Brasil, de agosto de 1980 a julho de 1990. Os dados foram levantados nos livros de registro e arquivo de fichas do CIAVE. O agente etiológico em 28% dos acidentes aracnídeos foi a espécie L. curacaviensis e a maior incidência foi registrada no meio urbano (57%), em indivíduos do sexo masculino (70%) e faixa etária de 10 a 29 anos (58%). Os principais sinais locais foram dor (56%), pápula eritematosa (21%) e edema discreto (17%), e os sistêmicos foram dor em membros inferiores (29%), tremores e contraturas (29%), sudorese (28%) parestesia em membros (21%) e dor abdominal (17%). O tratamento foi sintomático em 67% dos casos e específico em 21%. O tempo de permanência hospitalar após o uso do soro antilatrodectus foi menor que 24 horas em 64% dos casos.

Latrodectismo; Latrodectus curacaviensis; Estado da Bahia


This work is a retrospective study of latrodectism in the State of Bahia, Brazil, from August 1980 to July 1990. The data concerning the accidents were obtained from file cards at the Antivenom Information Center of Bahia (AVICB). Latrodectus curacavienis was the ethiologic agent identified in 28% of the arachnid accidents. The major incidence was registered in urban area (57%) affecting men (70%) more than women, with 10 to 29year-old age group (58%). Local pain (56%), erythematous papula (29%) and light oedema (17%) were the principal local symptoms. Pain in the limbs (29%), tremor and rigidities (29%), sweating (28%), limbs and arms paresthesia (21%) and abdominal pain (17%) were systemic ones. The treatment was mainly symptomatic (67%) and antivenin serum was used in 21% of the cases. After serotherapy, 64% of the patients left the hospital within less than 24 hours.

Latrodectism; Latrodectus curacaviensis; Bahia State


ARTIGOS

Estudo retrospectivo de latrodectismo na Bahia, Brasil

Rejâne Maria Lira-da-Silva; Graciela Brige Matos; Roney Orismar Sampaio; Tania Brazil Nunes

Endereço para correspondência Endereço para correspondência: Prof a. Rejâne Maria Lira-da- Silva. Laboratório de Animais Peçonhentos, Dept o de Zoologia, Instituto de Biologia, Universidade Federal da Bahia, Campus Universitário de Ondina, 40170-210, Salvador, Bahia, Brasil. Tel: (071) 247-3744; Fax: (071) 245-6909.

RESUMO

O trabalho apresenta um estudo retrospectivo de setenta e sete casos de latrodectismo no Estado da Bahia, Brasil, de agosto de 1980 a julho de 1990. Os dados foram levantados nos livros de registro e arquivo de fichas do CIAVE. O agente etiológico em 28% dos acidentes aracnídeos foi a espécie L. curacaviensis e a maior incidência foi registrada no meio urbano (57%), em indivíduos do sexo masculino (70%) e faixa etária de 10 a 29 anos (58%). Os principais sinais locais foram dor (56%), pápula eritematosa (21%) e edema discreto (17%), e os sistêmicos foram dor em membros inferiores (29%), tremores e contraturas (29%), sudorese (28%) parestesia em membros (21%) e dor abdominal (17%). O tratamento foi sintomático em 67% dos casos e específico em 21%. O tempo de permanência hospitalar após o uso do soro antilatrodectus foi menor que 24 horas em 64% dos casos.

Palavras-chave: Latrodectismo. Latrodectus curacaviensis. Estado da Bahia.

ABSTRACT

This work is a retrospective study of latrodectism in the State of Bahia, Brazil, from August 1980 to July 1990. The data concerning the accidents were obtained from file cards at the Antivenom Information Center of Bahia (AVICB). Latrodectus curacavienis was the ethiologic agent identified in 28% of the arachnid accidents. The major incidence was registered in urban area (57%) affecting men (70%) more than women, with 10 to 29year-old age group (58%). Local pain (56%), erythematous papula (29%) and light oedema (17%) were the principal local symptoms. Pain in the limbs (29%), tremor and rigidities (29%), sweating (28%), limbs and arms paresthesia (21%) and abdominal pain (17%) were systemic ones. The treatment was mainly symptomatic (67%) and antivenin serum was used in 21% of the cases. After serotherapy, 64% of the patients left the hospital within less than 24 hours.

Keywords: Latrodectism. Latrodectus curacaviensis. Bahia State.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em 25/07/94.

Laboratório de Animais Peçonhentos, Departamento de Zoologia, Instituto de Biologia, Universidade Federal da Bahia e Centro de Informações Antiveneno da Bahia (CIAVE) Sanvador, BA.

  • 1. Araújo CL, Souza IM. Estudo clínico e comparativo do latrodectismo na Bahia. Revista da Sociedade Brasileira de Toxicologia 1:53-55, 1988.
  • 2. Brazil V, Vellard J. Contribuition a l'etude du vcnin des araignées. Memórias do Instituto Butantan, Tomo II, Fase. único, 1925.
  • 3. Bucharetchi F. Acidentes por Latrodectus. Latrodectismo. In: Schvartsman S (ed) Plantas venenosas e animais peçonhentos. 2a edição, Editora Sarvier p. 204-206,1992.
  • 4. Bücherl W. Invertebrados. As Aranhas. Coleção Cientistas do Amanhã. Edart Livraria e Editora. São Paulo, 1972.
  • 5. De Biasi P. Variações em aranhas do complexo Latrodectus mactans - Latrodectus curacaviensis (Araneae; Theridiidae). Revista Brasileira de Biologia 30:233-244,1970.
  • 6. Gajardo-Tobar R. El araneismo en el mundo tropical y sub-tropical. Memórias do Instituto Butantan 33:454-54,1966.
  • 7. Grisolia GS, Peluso FO, Stanchi NO, Francini F. Epidemiologia del latrodectismo en la província de Buenos Aires, Argentina. Revista de Saúde Pública 26:1-5,1992.
  • 8. Machado O. Latrodectus mactans sua ocorrência no Brasil. Boletim do Instituto Vital Brazil 5:153- 160,1948.
  • 9. Maciel TR, Silva RML, Silva LLC. Estudo do comportamento de Latrodectus curacaviensis (Araneidae: Theridiidae). Im Resumos do XV Congresso Brasileiro de Zoologia, Curitiba p. 633, 1988.
  • 10. Maretic Z, Latrodectism in mediterran coutries, including South Russia, Israel, and North Africa. In: Bücherl W, Buckley EE, Deulofeu V (eds) Venomous animals and their venoms. Academic Press, Nova Yorque, Vol. Ill, p. 299-309,1971.
  • 11. Maretic Z. Venoms of Theridiidae, Genus Latrodectus. Epidemiology of envenomation, symptomatology, pathology and treatment. In: Bettini S (ed) Handbook of experimental pharmacology. Arthropds venoms. Springer- Verlag Berlin/Heideberg,Vol. 48, p.185-212,1978.
  • 12. Maretic Z. Latrodectism: variations in clinical manifestations provoked by Latrodectus species of spiders.Toxicon 21:457- 466,1983.
  • 13. Maretic Z, Gonzalez-Lourenzo D. Caráter Professional del Latrodectismo en Paises Mediterrâneos, com especial referência a experiência en Iugoslávia y Espana. Revista Clinica EspanolaTomo 160:225-228,1981.
  • 14. Martino OA, Mathet H, Masini RD, Grasso AI, Thompson RM, Gondel C, Bosch JE. Emponzonamiento humano provocado por venenos de origem animal. Estudo epidemiológico, clínico y experimental. Sector Educación para la Salud. Argentina, 1979.
  • 15. Projeto Estudo dos Animais Peçonhentos da Bahia. Relatório Final. Departamento de Zoologia, Instituto de Biologia da Universidade Federal da Bahia. Salvador: Laboratório de Animais Peçonhentos, Dep. de Zoologia, Instituto de Biologia, Universidade Federal da Bahia, vol II, 1992.
  • 16. Rodrigues DS, Nunes TB. Latrodectismo na Bahia. Revista Baiana de Saúde Pública. 12:38-43,1985.
  • 17. Rodrigues JH, Peres MSZ,Nóbrega MM,Torres, JB. Acidentes com aracnídeos. Revista HCPA, 6:91- 96, dez, 1986.
  • 18. Sampayo R. Latrodectus mactans y Latrodectismo. Tese de doutorado, Buenos Aires, Argentina, 1942.
  • 19. Schenone H. Latrodectismo y loxoscelismo en Chile. Incidência, características clínicas, prognóstico, tratamento y prevencion. Memórias do Instituto Butantan 33:207-211,1966.
  • 20. Vellard J. El araneismo en Bolívia. Memórias do Instituto Butantan 33:699-700,1966.
  • Endereço para correspondência:

    Prof
    a. Rejâne Maria Lira-da- Silva.
    Laboratório de Animais Peçonhentos, Dept
    o de Zoologia,
    Instituto de Biologia, Universidade Federal da Bahia,
    Campus Universitário de Ondina,
    40170-210,
    Salvador, Bahia, Brasil.
    Tel: (071) 247-3744;
    Fax: (071) 245-6909.
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      09 Abr 2013
    • Data do Fascículo
      Set 1995

    Histórico

    • Aceito
      25 Jul 1994
    • Recebido
      25 Jul 1994
    Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Caixa Postal 118, 38001-970 Uberaba MG Brazil, Tel.: +55 34 3318-5255 / +55 34 3318-5636/ +55 34 3318-5287, http://rsbmt.org.br/ - Uberaba - MG - Brazil
    E-mail: rsbmt@uftm.edu.br