Accessibility / Report Error

Morbidade da esquistossomose mansoni em uma comunidade rural de Minas Gerais

Resumos

Realizou-se um estudo seccional sobre a esquistossomose mansoni em uma comunidade rural do Município de Itanhomi, Vale do Rio Doce, Minas Gerais, no período de 1973 a 1974, com o objetivo de determinar a morbidade da doença em 1480 habitantes da população, através da avaliação das formas clinicas, da prevalência, dos índices de infecção dos moluscos e do contato da população com as águas dos córregos. Em 1973, a prevalência da infecção esquistossomótica através de exames de fezes foi de 60,8% e, em 1974, de 62,3%, com predomínio em jovens entre 16 e 30 anos e nos de sexo masculino. A classificação clínica dos pacientes infectados revelou 61,7% com esquistossomose-infecção; 32,5% com esquistossomose-doença, forma hépato-intestinal e 5,8% com forma hépato-esplênica, dos quais 0,8% apresentavam hipoevolutismo. Estabeleceu-se uma correlação direta entre as formas hépato-esplênicas, preponderantes na faixa etária entre 11 e 15 anos e no sexo masculino, com a maior exposição aos focos de B. glabrata e, também, com a maior intensidade de infecção, determinada pelo número mediano de ovos de S. mansoni por grama de fezes.


A two-years cross-sectional study of schistosomiasis mansoni in a rural community of the county of Itanhomi (State of Minas Gerais, Brasil) was performed. Particular attention was given to morbidity rates in 1,480 inhabitants, sanitary facilities, and intermediate host infection rates, in view of a later longitudinal work at the same region. Figures of prevalence over 60 percent in 1973 and 1974, and a 5.8 percent of patients with severe forms of the disease (liver and spleen enlargement), suggest the high endemicity of schistosomiasis in the area. Distribution of the infected population as to the clinical forms of the disease were as follows: 61.7 percent with subclinical infections; 32.5 percent with hep ato intestinal form; and 5.8 percent with liver and spleen enlargement (including 0.8 percent of teenagers with delayed sexual maturation and physical growth). Strong correlation was observed between severe cases in 11 to 15 years old males and greater exposition to the intermediate host (Biomphalaria glabrata) foci, and higher infection rates as shown by the average number of eggs of S. mansoni per gram of faeces.


Morbidade da esquistossomose mansoni em uma comunidade rural de Minas Gerais * * Trabalho do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da U.F.R.J., realizado com o auxílio do Conselho de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Maria José Conceição; J.R. Coura

RESUMO

Realizou-se um estudo seccional sobre a esquistossomose mansoni em uma comunidade rural do Município de Itanhomi, Vale do Rio Doce, Minas Gerais, no período de 1973 a 1974, com o objetivo de determinar a morbidade da doença em 1480 habitantes da população, através da avaliação das formas clinicas, da prevalência, dos índices de infecção dos moluscos e do contato da população com as águas dos córregos.

Em 1973, a prevalência da infecção esquistossomótica através de exames de fezes foi de 60,8% e, em 1974, de 62,3%, com predomínio em jovens entre 16 e 30 anos e nos de sexo masculino.

A classificação clínica dos pacientes infectados revelou 61,7% com esquistossomose-infecção; 32,5% com esquistossomose-doença, forma hépato-intestinal e 5,8% com forma hépato-esplênica, dos quais 0,8% apresentavam hipoevolutismo.

Estabeleceu-se uma correlação direta entre as formas hépato-esplênicas, preponderantes na faixa etária entre 11 e 15 anos e no sexo masculino, com a maior exposição aos focos de B. glabrata e, também, com a maior intensidade de infecção, determinada pelo número mediano de ovos de S. mansoni por grama de fezes.

ABSTRACT

A two-years cross-sectional study of schistosomiasis mansoni in a rural community of the county of Itanhomi (State of Minas Gerais, Brasil) was performed. Particular attention was given to morbidity rates in 1,480 inhabitants, sanitary facilities, and intermediate host infection rates, in view of a later longitudinal work at the same region.

Figures of prevalence over 60 percent in 1973 and 1974, and a 5.8 percent of patients with severe forms of the disease (liver and spleen enlargement), suggest the high endemicity of schistosomiasis in the area.

Distribution of the infected population as to the clinical forms of the disease were as follows: 61.7 percent with subclinical infections; 32.5 percent with hep ato intestinal form; and 5.8 percent with liver and spleen enlargement (including 0.8 percent of teenagers with delayed sexual maturation and physical growth).

Strong correlation was observed between severe cases in 11 to 15 years old males and greater exposition to the intermediate host (Biomphalaria glabrata) foci, and higher infection rates as shown by the average number of eggs of S. mansoni per gram of faeces.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em 15.1.1978.

  • 1. BARBOSA, F.A.S.: Mordidade da Esquistossomose.: Rev. Bras. Malar, Número Especial, 3-159,1966.
  • 2. BINA, J.C. & PRATA, A.: Hycanthone no tratamento de esquistossomose em uma área rural com baixo índice de transmissão da doença. Gaz. Méd. Bahia, 70(2) : 127-130, 1970.
  • 3. BRENER, Z. & MOURÃO, O.G.: Inquéritos clínico-epidemiológicos em focos endêmicos de Esquistossomose mansoni em Minas Gerais. Rev. Bras. Matar., 8(4) : 519-526,1956a.
  • 4. BRENER, Z & MOURÃO, O.G.: Observações sobre a forma hépato-esplênica da Esquistossomose mansoni em Minas Gerais. Rev. Bras. Malar., 8(3) : 511-517,1956b.
  • 5. CNPq: Estudos longitudinais da Esquistossomose: Objetivos, cõnceituação e metodologia. Documento do Grupo de Estudos sobre Esquistossomose mansoni. Curitiba, fevereiro de 1974, 35p.
  • 6. CONCEIÇÃO, M.J.; NOLASCO, P.;STEINER, J. & COURA, J.R.: Estudo clínico sobre Esquistossomose mapsoni em área rural do município de Itanhomi, Minas Gerais. Anais do IX Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Fortaleza, 1973. Resumo no 123.
  • 7. COURA, J.R.;WANKE, B.; FIGUEIREDO, N. & ARGENTO, C.A.: Evolutive pattern of schistosomiasis and lifespan of S. mansoni in patients living in non-endemic area in Brazil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., 8(4) : 193-198, 1974.
  • 8. DIAS, E.: Estudos preliminares sobre a Esquistossomose mansoni no município de Bambuí, Estado de Minas Gerais. Rev. Bras. Malar., 5(3): 211-215, 1953.
  • 9. FREITAS, C.A.: Situação atual da Esquistossomose no Brasil. Rev. Bras. Malar., 24(1/4) : 3-63,1972.
  • 10
    FUNDAÇÃO IBGE:Sinopsepreliminardo Censo Demográfico. 89 Recenseamento geral - 1970. Rio de Janeiro, 1970.
  • 11. HOFFMAN, W.A.; PONS, J.A. &JANER, J.L.: The sedimentation concentration method in Schistosomiasis mansoni. Puerto Rico J. Publ. Hlth., 9(3): 283-291,1934.
  • 12. KAGAN, I.G.; PELLEGRINO, J. & MEMÓRIA, J.M.P.: Studies on the standartization of the Intradermal test for the diagnosis of Bilharziasis. Amer J. Trop. Med. Hyg., 10(2) : 200-207, 1961.
  • 13. KATO, K.: A correct application of the thick-smear technique with cellophane paper cover. A pamphlet. 9p., 1960 (In japanese). IN KOMIYA, Y. & KOBAYASHI, A. - Evaluation of Kato thick-smear technique with a cellophane cover for helminth eggs in feces. Japan. J. Med. Sci. Biol., 19(1): 59-64, 1966.
  • 14. KATZ, N.; ANTUNES, C.M.F.; ANDRADE, R.M.; PELLEGRINO, J. & COELHO, P.M.Z.: An attettipt to control Schistosomiasis mansoni in an endemic area by combyning clinical treatment and molluscicide application. J. Parasit., 56(4) : 434, 1970. Section II, Part 2 of 3 Parts.
  • 15. KATZ, N. &BRENER, Z.: Evolução clínica de 112 casos de Esquistossomose mansoni observados após 10 anos de permanência em focos endêmicos de Minas Gerais. Rev. Inst. Med. Trop. S. Paulo, 8(3) : 139-142, 1966.
  • 16. KATZ, N.: CHAVES, A. &PELLEGRINO, J.: A simple device for quantitative stool thick-smear technique in Schistosomiasis mansoni. Rev. Inst. Med. Trop. S. Paulo, 14(6): 397-400,1972.
  • 17. KLOETZEL, K. &RODRIGUES DA SILVA, J.: Schistosomiasis mansoni acquired in adulthood: behavior of eggs counts and the Intradermal test. Amer. J. Trop. Med. Hyg., 16(2) : .167-169, 1967.
  • 18. LEWIS, E.M.;SANTOS,M.L.; ANTUNES, N.; CONCEIÇÃO, M.J. & COURA, J. R.: Prevalência e morbidade da Esquistossomose mansoni em área urbana do município de Itanhomi, Minas Gerais. Comunicação Pessoal, 1974.
  • 19. LUTZ, A.: Observações sobre a evolução do "Schistosomum mansoni". Brasil- méd., 30(49) : 385-387, 1916.
  • 20. LUTZ, A.: O Schistosomum mansoni e a Schistosomatose segundo observações feitas no Brasil. Mem. Inst. Osw. Cruz, 11(1) : 121-155, 1919.
  • 21. LUTZ, A. & PENNA, O.: Estudos sobre a Schistosomatose feitos no norte do Brasil por uma comissão do Instituto Oswaldo Cruz. Mem. Inst. Osw. Cruz, 10(1) : 83-94, 1918.
  • 22. MACIEL, H.: O problema da Schistosomose intestinal no Brasil. Arch. Hosp. Mar., 2(3) : 183-187, 1925.
  • 23. MARTINS, A.V. &VERSIANI, W.: Schistosomose mansoni no norte de Minas Gerais. Brasil-méd., 52(36) :812-816, 1938.
  • 24. MEIRA, J.A.: Esquistosomíase mansoni- subsídio ao estudo de sua incidência e distribuição geográfica no Brasil. Arch. Fac. Hig. S. Paulo, 1 (1) :5-146, 1947.
  • 25. MENEZES, A.P. & COURA, J.R. Prevalência e morbidade da Esquistossomose mansônica em área urbana do município de Riachuelo, Sergipe. Anais do XI Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Rio de Janeiro, fevereiro de 1975.
  • 26. PARAENSE, W.L. & SANTOS, J.M.: Um ano de observações sobre Esquistossomose em Planorbídeos da Lagoa Santa. Rev. Bras. Matar., 5(3): 255- 269, 1953.
  • 27. PELLEGRINO, J.: Diagnóstico de laboratório da Esquistossomose mansoni. Métodos Imunológicos. Rev. Bras. Malar., 2(2/3) : 507-551, 1959.
  • 28. PELLEGRINO, J. & MACEDO, D.G.: Novo critério de leitura da reação intradérmica na Esquistossomose. Rev. Bras. Malar., 8(3): 499-509. 1956.
  • 29. PELLEGRINO, J. & MEMÓRIA, J.M.P.: A reação intradérmica na Esquistossomose mansoni. III. Influência da idade, sexo, cor e local da reação. Rev. Inst. Med. Trop. S. Paulo, 2(4) : 218-223, 1960.
  • 30. PELLON, A.B. & TEIXEIRA, I.: I. Distribuição geográfica da Esquistossomose mansônica no Brasil. Publicação da Divisão de Organização Sanitária do Ministério da Saúde. Rio de Janeiro, 1953.
  • 31. PELLON, A.B. & TEIXEIRA, I.: O inquérito helmintológico escolar em cinco Estados das regiões leste, sul e centro-oeste. Publicação da Divisão de Organização Sanitária do Ministério da Saúde. Rio de Janeiro. 1953.
  • 32. PESSOA, S.B.: Epidemiologia. Rev. Bras. Malar., 8(4) : 565-594,1956.
  • 33. PESSOA, S.B. & BARROS, P.R.: Notas sobre a Epidemiologia da Esquistossomose mansônica no Estado de Sergipe. Rev. Med. Cir. S. Paulo, 13(4) : 147-154, 1953a.
  • 34. PESSOA, S.B. & BAROS, P.R.: Sobre o diagnóstico da Esquistossomose mansônica na infância pela Intradermo-reação com antígeno de esquistossomos adultos. Hospital. 43(1): 19-25, 1953b.
  • 35. PIRAJÁ DA SILVA, M.: Contribuição para o estudo da Schistosomíase na Bahia. Brasil-Méd., 22(29) : 281-283, 1908.
  • 36. PIRAJÁ DA SILVA, M.: Contríbution to the study of Schistosomiasis in Bahia. J. Trop. Med. Hyg., 12(11) : 159-163, 1909.
  • 37. PRATA, A. & ÈINA, J.C.: Development of the hepatosplenic form of Schistosomiais. Gaz. Méd. Bahia, 68(2) : 49- 60, 1968.
  • 38. RODRIGUES DA SILVA, J.: Estudo clínico da Esquistossomose mansoni; Doença de Manson - Pirajá da Silva. TESE. Faculdade Nacional de Medicina da U.B., Rio de Janeiro, 1949, 452p.
  • 39. SANTOS, M.L. & COURA, J.R.: Prevalência e morbidade da Esquistossomose mansoni em área urbana do Município de Padre Paraíso, Minas Gerais. Relatório apresentado ao CNPq, 1976.
  • 40. SCOTT, J.A.: Schistosomiasis in Venezuela. Amer. J. Hyg., 35(3) : 337-366, 1942.
  • *
    Trabalho do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da U.F.R.J., realizado com o auxílio do Conselho de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      10 Jun 2013
    • Data do Fascículo
      Dez 1978

    Histórico

    • Aceito
      15 Jan 1978
    • Recebido
      15 Jan 1978
    Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Caixa Postal 118, 38001-970 Uberaba MG Brazil, Tel.: +55 34 3318-5255 / +55 34 3318-5636/ +55 34 3318-5287, http://rsbmt.org.br/ - Uberaba - MG - Brazil
    E-mail: rsbmt@uftm.edu.br