Accessibility / Report Error

Estudo piloto sobre esquistossomose mansoni em área rural do Município de Itanhomi, Vale do Rio Doce, Minas Gerais

Resumos

Neste trabalho os autores apresentam dados relativos à prevalência e formas clinicas da esquistossomose mansoni, hospedeiro intermediário e determinação do seu índice de infecção em Santa Luzia do Carneiro, área rural do Município de Itanhomi, Vale do Rio Doce, Minas Gerais. O estudo seccional da população revelou 42,1% de positividade para ovos de S.mansoni em um exame de fezes peto método de Lutz (Hoffmann, Ponz, Janer) e um percentual de 6,8% de pacientes com hepato-esplenomegalia. O hospedeiro intermediário encontrado foi a B.glabrata com um índice de infecção de 3,2%.


Data on prevalence and morbidity of Schistosomiasis mansoni, local intermediate host and its rate of infection, in the county of Santa Luzia do Carneiro, State of Minas Gerais, Brazil, are presented. A cross-seccionai study demonstrated a figure of 42.1 per cent of positivity for S.mansoni eggs in one faeces parasitoiogic examination by Lutz method (Hoffman, Pons, Janer metod). Liver and spleen eniagement were observed in 6.8 per cent of the patients. The intermediate host B.glabrata showed an infection rate of 3.2per cent.


Estudo piloto sobre esquistossomose mansoni em área rural do Município de Itanhomi, Vale do Rio Doce, Minas Gerais* * Trabalho do Departamento de Medicina Preventiva da U. F. RJ., realizado com auxílio do CNPQ.

Maria José Conceição; Paulo Nolasco Pedrosa; Joyce N. Stainer da Silva; José Rodrigues Coura

RESUMO

Neste trabalho os autores apresentam dados relativos à prevalência e formas clinicas da esquistossomose mansoni, hospedeiro intermediário e determinação do seu índice de infecção em Santa Luzia do Carneiro, área rural do Município de Itanhomi, Vale do Rio Doce, Minas Gerais.

O estudo seccional da população revelou 42,1% de positividade para ovos de S.mansoni em um exame de fezes peto método de Lutz (Hoffmann, Ponz, Janer) e um percentual de 6,8% de pacientes com hepato-esplenomegalia.

O hospedeiro intermediário encontrado foi a B.glabrata com um índice de infecção de 3,2%.

ABSTRACT

Data on prevalence and morbidity of Schistosomiasis mansoni, local intermediate host and its rate of infection, in the county of Santa Luzia do Carneiro, State of Minas Gerais, Brazil, are presented.

A cross-seccionai study demonstrated a figure of 42.1 per cent of positivity for S.mansoni eggs in one faeces parasitoiogic examination by Lutz method (Hoffman, Pons, Janer metod).

Liver and spleen eniagement were observed in 6.8 per cent of the patients.

The intermediate host B.glabrata showed an infection rate of 3.2per cent.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em 10.1.1978.

  • 1. ANTUNES, C.M.F.; KATZ, N.; PEREIRA, J.P.; ZICKER, F. & SILVA, A.: Tentativas de controle de helmintoses intestinais através de tratamento em massa com Pamoato de pirantel em uma aldeia indígena. Anais do IX Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Fortaleza 1973. Resumo no 45.
  • 2. BARBOSA, F. A. S.: Morbidade da esquistossomose. Rev. Bras. Matar Número Especial, 3-159, 1966.
  • 3. BARBOSA, F.A.S.; COELHO, M.V. & DORBIN JR, J. E.: Qualidades do vetor dos hospedeiros de S.mansoni no Nordeste do Brasil. 2 - Duração da infestação e eliminação de cercárias em A.glabratus. Publ. Av. Inst. Aggeu Magalhães, 3: 79-92, 1954.
  • 4. BASSÉRES, M. S. & PANTOJA, W. P.: Verminose: algumas considerações em torno das verminoses na área do Rio Doce. Rev. SESP, 1: 235-245, 1947.
  • 5. BRENER, Z. & MOURÃO, O. G,:Inquéritos clínico-epiderriiológicos em focos endêmicos de Esquistossomose mansoni em Minas Gerais. Rev. Bras. Matar., 5:519-526,1956.
  • 6. CANÇADO, J. R.: Contribuição ao estudo da Esquistossomose mansônica no Brasil; dados relativos a sua distribuição no Estado de Minas Gerais. Rev. Bras. Med. 4:31-35, 1947.
  • 7. CONCEIÇÃO, M. J. & COURA, J.R. ( Orientador ): Morbidade da Esquistossomose mansoni em uma comunidade rural de Minas Gerais. TESE - Mestrado em Doenças Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da U.F.R.J. Rio de Janeiro. 1976,91p.
  • 8. DIAS, E.: Estudos preliminares sobre a Esquistossomose mansoni no Município de Bambui, Estado de Minas Gerais. Rev. Bras. Matar., 5: 211-215, 1953.
  • 9
    FUNDAÇÃO IBGE: Sinopse preliminar do Censo Demográfico 8P Recenseamento Geral -1970 - Rio de Janeiro - 1970.
  • 10. HOFFMAN, W. A; PONS, J.A. & JANER, J. L.: The sedimentation concentration method in Schistosomiasis mansoni. Puerto Rico J. Publ. Hlth., 9: 283-291, 1934.
  • 11. KAGAN, I. G.; PELLEGRINO, J. & MEMÓRIA, J. M. P.: Studies on the standardization of the intradermal test for the diagnosis of Bilharziasis. Amer. J. Trop. Med. Hyg., 10: 200: 207, 1961.
  • 12. KATZ, N.: Terapêutica específica no controle da esquistossomose. Rev. Soc. Med. Trop. 6:420-421, 1972.
  • 13. KATZ, N.: Estudos longitudinais da Esquistossomose. Objetivos, conceituação e metodologia. Documento do Grupo de Estudos sobre Esquistosso-mose mansoni. Curitiba, fevereiro de 1974, p. 6.
  • 14. KATZ, N.; ANTUNES, C. M. F.; ANDRADE, R. M.; PELLEGRINO, J. & COELHO, P. M.Z.:An attempt to control Schistosomiasis mansoni in an endemic area by combyning clinical treatment and molluscicide application. J. Parasit., 56:434-1970. Section 11, Part 2 of 3 Parts.
  • 15. KATZ, N. & BRENER, Z.: Evolução clínica de 112 casos de Esquistossomose mansoni observados após 10 anos de permanência em focos endêmicos de Minas Gerais. Rev. Inst. Med. Trop. S. Paulo, 8: 139-142,1966.
  • 16. KLOETZEL, K.: Aspectos epidemiológicos da Esquistossomose mansônica em uma população de Pernambuco. TESE - Clínica de Doenças Tropicais e Infectuosas. Faculdade de Medicina da U.S.P., São Paulo, 1962, 119 p.
  • 17. LEWIS, E. M. & COURA, J. R.: Tratamento da Esquistossomose mansoni com oxamniquine em área urbana de Minas Gerais. Comunicação pessoal, 1975.
  • 18. LUTZ, A.: O Schistosomum mansoni e a Schistosomatose segundo observações feitas no Brasil. Mem. Inst. Osw. Cruz, 11:121-155, 1919.
  • 19. MARTINS, A. V. & VERSIANI, W.: Schistosomose mansoni no norte de Minas Gerais - Brasil-Méd., 52: 812- 816, 1938.
  • 20. PELLEGRINO, J. & MACEDO, D. G.: Novo Critério de leitura da reação intradérmica na Esquistossomose. Rev. Bras. Matar. 8:499-509, 1956.
  • 21. PESSOA, S. B. & AMORIM, J. P.: Notas sobre a Esquistossomose mansônica em algumas localidades de Alagoas. Rev. Bras. Med., 74:420-422, 1957.
  • 22. PESSOA, S. B. & BARROS, P. R.: Notas sobre a Epidemiologia da Esquistossomose mansônica no Estado de Sergipe. Rev. Med. Cir. S. Pauto, 13: 147-154, 1953.
  • 23. PINTO, C.: Um ano de combate às moléstias parasitárias que atacam os rodoviários da estrada Rio-Bahia. 1942- 1943. Mem. Inst Osw. Cruz, 40 (3) 1944. In Martins, A. V. & Versiani, W. - Schistossomose mansoni no Norte de Minas Gerais. Brasil-Méd., 52:812-816, 1938.
  • 24. RODRIGUES DA SILVA, J.: Estudo clínico da Esquistossomose mansoni. Doença de Manson - Pirajá da Silva. Tese - Faculdade Nacional de Medicina da U.B. Rio de Janeiro, 1949, 452 p.
  • 25. SANTOS, M. L. & COURA, J. R. (Orientador): Estudo da morbidade e interferência da terapêutica específica, em uma área endêmica. Tese - Mestrado em Doenças Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da UFRJ. Rio de Janeiro, 1978, 99 p.
  • *
    Trabalho do Departamento de Medicina Preventiva da U. F. RJ., realizado com auxílio do CNPQ.
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      10 Jun 2013
    • Data do Fascículo
      Dez 1978

    Histórico

    • Recebido
      10 Jan 1978
    • Aceito
      10 Jan 1978
    Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Caixa Postal 118, 38001-970 Uberaba MG Brazil, Tel.: +55 34 3318-5255 / +55 34 3318-5636/ +55 34 3318-5287, http://rsbmt.org.br/ - Uberaba - MG - Brazil
    E-mail: rsbmt@uftm.edu.br