Accessibility / Report Error

Doença de Chagas congênita: avaliação imunocitoquímica do parasitismo em tecidos de feto macerado

Resumos

O método imunocitoquímico de peroxidase anti-peroxídase é aplicado, pela primeira vez, em tecidos de natimorto macerado de II-III graus para coloração específica de amastigotas do Trypanosoma cruzi, em caso de doença de Chagas congênita. Os resultados mostram que o encontro de ninhos de amastigotas é muito facilitado pelo método, mesmo em tecidos autolisados, onde a morfologia dos parasitas geralmente se mostra muito alterada; o método é recomendável, também nestes casos, para a avaliação mais precisa da intensidade do parasitismo.

Peroxidade, anti-peroxidase; Doença de Chagas congênita; Maceração fetal; Trypanosoma cruzi


In order to specijically stain the Trypanosoma cruzi amastigotes, the immunocytochemical peroxiIn order to specijically stain the Trypanosoma cruzi amastigotes, the immunocytochemical peroxidase anti peroxidase melhod was carried out in advanced macerated premature tissues of u case of human congenital Chagas' disease. The results have shown that the immunocytochemical method markedly improved the identijication o f the tissue parasitism when compared with the hematoxylin and eosin stain, even in advanced autolysed tissues.

Peroxidase anti-peroxidase teehnique; Congenital Chagas' disease; Fetal maceration; Trypanosoma cruzi


ARTIGOS

Doença de Chagas congênita: Avaliação imunocitoquímica do parasitismo em tecidos de feto macerado

Ana Maria A. LanaI; Eliane Lages-SilvaII; Alfredo J. A. BarbosaI

IFaculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais

IICentro de Pesquisas René Rachou - Fiocruz, Belo Horizonte, MG

Endereço para correspondência Endereço para correspondência: Dra. Ana Maria A. Lana Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Faculdade de Medicina da UFMG Av. Alfredo Balena 190 30000 Belo Horizonte, MG, Brasil.

RESUMO

O método imunocitoquímico de peroxidase anti-peroxídase é aplicado, pela primeira vez, em tecidos de natimorto macerado de II-III graus para coloração específica de amastigotas do Trypanosoma cruzi, em caso de doença de Chagas congênita. Os resultados mostram que o encontro de ninhos de amastigotas é muito facilitado pelo método, mesmo em tecidos autolisados, onde a morfologia dos parasitas geralmente se mostra muito alterada; o método é recomendável, também nestes casos, para a avaliação mais precisa da intensidade do parasitismo.

Palavras-chave: Peroxidade, anti-peroxidase. Doença de Chagas congênita. Maceração fetal. Trypanosoma cruzi.

ABSTRACT

In order to specijically stain the Trypanosoma cruzi amastigotes, the immunocytochemical peroxiIn order to specijically stain the Trypanosoma cruzi amastigotes, the immunocytochemical peroxidase anti peroxidase melhod was carried out in advanced macerated premature tissues of u case of human congenital Chagas' disease. The results have shown that the immunocytochemical method markedly improved the identijication o f the tissue parasitism when compared with the hematoxylin and eosin stain, even in advanced autolysed tissues.

Keywords: Peroxidase anti-peroxidase teehnique. Congenital Chagas' disease. Fetal maceration. Trypanosoma cruzi.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em 2/7/1985.

Trabalho realizado no Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal (DAPML) da Faculdade de Medicina da UFMG com auxílio financeiro da FINEP e CNPq.

  • 1. Araú jo M O G . J a c omo l l l l . Yunes M A K Doe n ça de Chagas congênita em Brasília. Apresentação de 28 casos. In: Anais do XV Congresso Brasileiro de Patologia, Natal, 1983.
  • 2. Barbosa AJA. Método imunocitoquimico para a identificação de amastigotas de Trypanosoma cruzi em cortes histológicos de rotina. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo 27: 293-297. 1985.
  • 3. Bittencourt AL. Congenital Chagas disease. American Journal of Disease in Childhood 130:97-103. 1976.
  • 4. Bittencourt AL. Sadigursky M. Barbosa HS. Doença de Chagas congênita. Estudo dc 29 casos. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo 17:146- 159. 1975.
  • 5. Bittencourt AL. Barbosa HS. A importância do estudo do feto macerado para o diagnóstico da forma congênita da doença de Chagas. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo 14:260-263, 1972.
  • 6. Krettli AU, Weiss-Carrington P, Nussenzweig RS. Membrane bound antibodies of bloodstream Trypanosoma ouzi in mice: strain differences in susceptibility to complement-mediated lysis. Clinical and Experimental lmmunology 37:416-423. 1979.
  • 7. Rubio M, Howard J. Observación de células gigantes parasitadas por Trypanosoma cruzi en ninos con enfermedad de Chagas congênita. Biologica 34:50-60. 1963.
  • 8. Sternberger L. Immunocytochemistry. 2a ed. In: John Wyley and Sons. New York. Chichester. Brisbanc. Toronto, p. 104-169. 1979.
  • Endereço para correspondência:

    Dra. Ana Maria A. Lana
    Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal
    Faculdade de Medicina da UFMG
    Av. Alfredo Balena 190
    30000
    Belo Horizonte, MG, Brasil.
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      06 Jun 2013
    • Data do Fascículo
      Jun 1986

    Histórico

    • Aceito
      02 Jul 1985
    • Recebido
      02 Jul 1985
    Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Caixa Postal 118, 38001-970 Uberaba MG Brazil, Tel.: +55 34 3318-5255 / +55 34 3318-5636/ +55 34 3318-5287, http://rsbmt.org.br/ - Uberaba - MG - Brazil
    E-mail: rsbmt@uftm.edu.br