Fatores de risco para fratura por osteoporose e baixa densidade óssea em mulheres na pré e pós-menopausa

OBJETIVO: Estimar a prevalência e analisar os fatores de risco associados com osteoporose e fratura por baixo impacto entre mulheres. MÉTODOS: Estudo transversal realizado com 4.332 mulheres acima de 40 anos de idade provenientes de atendimento primário de saúde na área metropolitana da Grande São Paulo, SP, entre 2004 e 2007. Dados antropométricos e ginecológicos e relativos a hábitos de vida, fratura prévia, antecedentes pessoais, ingestão alimentar e atividade física foram avaliados por meio de entrevista individual e quantitativa. Fratura por baixo impacto foi definida como decorrente de queda da própria altura ou menos em indivíduos com mais de 50 anos de idade. Modelos de regressão multivariada e logística analisaram, respectivamente, a densidade óssea e a fratura por osteoporose como variáveis dependentes e todas as outras como independentes. O nível de significância estatística estabelecido foi p < 0,05. RESULTADOS: A prevalência de osteoporose e de fraturas por fragilidade óssea foi de 33% e 11,5%, respectivamente. Os principais fatores de risco associados com baixa densidade óssea foram idade (OR = 1,07; IC 95%: 1,06;1,08), menopausa (OR = 2,16; IC 95%: 1,49;3,14), fratura prévia (OR = 2,62; IC 95%: 2,08;3,29) e tabagismo atual (OR = 1,45; IC 95%: 1,13;1,85). Por outro lado, elevado IMC (OR = 0,88; IC 95%: 0,86;0,89), atividade física regular (OR = 0,78; IC 95%: 0,65;0,94) e terapia hormonal atual (OR = 0,43; IC 95%: 0,33;0,56) desempenharam papel protetor. Os fatores de risco significativamente relacionados com fratura por osteoporose foram idade (OR = 1,05; IC 95%: 1,04;1,06), menopausa (OR = 4,12; IC 95%: 1,79;9,48), história familiar de fratura de quadril (OR = 3,59; IC 95%: 2,88;4,47) e baixa densidade óssea (OR = 2,28; IC 95%: 1,85;2,82). CONCLUSÕES: Idade avançada, menopausa, fratura prévia por baixo impacto e tabagismo atual são os principais fatores de risco associados com baixa densidade óssea, a qual se associa com as fraturas por fragilidade óssea. O uso clínico desses parâmetros para identificar mulheres de maior risco para fraturas pode ser uma estratégia interessante para melhorar a abordagem da osteoporose.

Fraturas Ósseas; Densidade Óssea; Osteoporose Pós-Menopausa; Osteoporose; Fatores de Risco; Estudos Transversais; Saúde da Mulher


Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Avenida Dr. Arnaldo, 715, 01246-904 São Paulo SP Brazil, Tel./Fax: +55 11 3061-7985 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revsp@usp.br