Accessibility / Report Error

Evolução da taxa de incidência de depressão e do desemprego em Portugal entre 1995–2013: dados da Rede Médicos Sentinela

RESUMO

OBJECTIVO

Quantificar, para ambos os sexos, a correlação entre a taxa de incidência de depressão e a taxa de desemprego, em Portugal, entre 1995 e 2013.

MÉTODOS

Foi desenvolvido um estudo ecológico no qual se correlacionou a evolução das taxas de incidência de depressão estimadas pela Rede Médicos Sentinela e as taxas de desemprego anuais disponibilizadas pelo Instituto Nacional de Estatística em publicações oficiais.

RESULTADOS

Observou-se uma correlação positiva entre taxa de incidência de depressão e taxa de desemprego em Portugal, sendo esta significativa apenas para o sexo masculino (R2 = 0,83; p = 0,04). Estimou-se, para este sexo, um aumento de 37 novos casos de depressão por 100.000 habitantes a cada 1% de aumento da taxa de desemprego entre 1995 e 2013.

CONCLUSÕES

Embora o desenho do estudo não permita o estabelecimento de uma relação causal entre desemprego e depressão, os resultados obtidos sugerem que a evolução do desemprego em Portugal poderá ter tido um impacto não desprezável no nível de saúde mental dos portugueses, em especial no sexo masculino.

Depressão, epidemiologia; Desemprego; Fatores Socioeconómicos; Estudos Ecológicos

ABSTRACT

OBJECTIVE

Quantify, for both genders, the correlation between the depression incidence rate and the unemployment rate in Portugal between 1995 and 2013.

METHODS

An ecological study was developed to correlate the evolution of the depression incidence rates estimated by the General Practitioner Sentinel Network and the annual unemployment rates provided by the National Statistical Institute in official publications.

RESULTS

There was a positive correlation between the depression incidence rate and the unemployment rate in Portugal, which was significant only for males (R2 = 0.83, p = 0.04). For this gender, an increase of 37 new cases of depression per 100,000 inhabitants was estimated for each 1% increase in the unemployment rate between 1995 and 2013.

CONCLUSIONS

Although the study design does not allow the establishment of a causal association between unemployment and depression, the results suggest that the evolution of unemployment in Portugal may have had a significant impact on the level of mental health of the Portuguese, especially among men.

Depression, epidemiology; Unemployment; Socioeconomic Factors; Ecological Studies

INTRODUÇÃO

O contexto internacional de crise económica e financeira implicou para a Região Europeia mudanças políticas em um reduzido período de tempo1717. Kleinert S, Horton R. Health in Europe: successes, failures, and new challenges. Lancet. 2013;381(9872):1073-4. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(13)60603
https://doi.org/10.1016/S0140-6736(13)60...
. Em Portugal, o contexto internacional e a assinatura de um memorando de entendimento sobre as condicionalidades de política económica entre Portugal e a designada Troika em Maio de 2011 impuseram, à semelhança do que ocorreu em outros países da Região Europeia, em especial do sul da Europa, a adoção de um conjunto de medidas de austeridade transversais a todas as áreas de governação.

A redução dos encargos financeiros com a proteção do emprego, o sector social e a saúde, são as medidas que apresentam um maior impacto negativo sobre os determinantes sociais da saúde, dos quais se destaca o desemprego44. Brand H, Rosenkötter N, Clemens T, Michelsen K. Austerity policies in Europe-bad for health. BMJ. 2013;346:f3716. https://doi.org/10.1136/bmj.f3716
https://doi.org/10.1136/bmj.f3716...
. Em Portugal, a taxa de desemprego em todos os grupos etários e classes sociais atingiu o seu máximo no primeiro trimestre de 2013 (17,5% em ambos os sexos e 17,7% no sexo masculino)a a Instituto Nacional de Estatística (PRT). Dados estatísticos: principais indicadores. Lisboa; 2015 [citado 11 jun 2015]. Disponível em: https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_indicadores&indOcorrCod=0005599&contexto=pi&selTab=tab0 .

O desemprego, em especial o prolongado, tem sido associado a uma alteração do estado de saúde dos indivíduos e à adoção de estilos de vida menos saudáveis, a par de um menor acesso aos cuidados de saúde, como referem McKee M et al.2121. Mckee M, Karanikolos M, Belcher P, Stuckler D. Austerity: a failed experiment on the people of Europe. Clin Med. 2012;12(4):346-50. https://doi.org/10.7861/clinmedicine.12-4-346
https://doi.org/10.7861/clinmedicine.12-...
Isso pode contribuir para o aumento de depressão, suicídios, comportamentos aditivos, e alteração do padrão de sono2121. Mckee M, Karanikolos M, Belcher P, Stuckler D. Austerity: a failed experiment on the people of Europe. Clin Med. 2012;12(4):346-50. https://doi.org/10.7861/clinmedicine.12-4-346
https://doi.org/10.7861/clinmedicine.12-...
,b b Dias CM, Fonseca R, Contreiras T, Pereira-Miguel J. Os efeitos da austeridade na saúde da população: evidência internacional e experiência portuguesa. In: Ferreira EP, coordenador. A austeridade cura? A austeridade mata?. Lisboa: Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa; 2013. p.927-54. .

A hipótese de que o desemprego possa ter um efeito negativo na saúde mental (depressão, ansiedade, sintomas psicossomáticos, bem-estar subjetivo e auto-estima) não é nova, tendo sido amplamente estudada66. Catalano R. The health effects of economic insecurity. Am J Public Health. 1991[cited 2017 Mar 20];81(9):1148-52. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1405640/pdf/amjph00209-0054.pdf
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/article...
,2424. Murphy GC, Athanasou JA. The effect of unemployment on mental health. J Occup Organ Psychol. 1999;72(1):83-99. https://doi.org/10.1348/096317999166518
https://doi.org/10.1348/096317999166518...
,2525. Paul KI, Moser K. Unemployment impairs mental health: meta-analyses. J Vocat Behav. 2009;74(3):264-82. https://doi.org/10.1016/j.jvb.2009.01.001.
https://doi.org/10.1016/j.jvb.2009.01.00...
em contextos de crise anteriores, e é hoje um dos principais assuntos em estudo na Região Europeia99. Evans-Lacko S, Knapp M, McCrone P, Thornicroft G, Mojtabai R. The mental health consequences of the recession: economic hardship and employment of people with mental health problems in 27 European countries. PLoS One. 2013;8(7):e69792. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0069792
https://doi.org/10.1371/journal.pone.006...
,1313. Ifanti AA, Argyriou AA, Kalofonou FH, Kalofonos HP. Financial crisis and austerity measures in Greece: their impact on health promotion policies and public health care. Health Policy. 2013;113(1-2):8-12. https://doi.org/10.1016/j.healthpol
https://doi.org/10.1016/j.healthpol...
,1414. Iglesias García C, Sáiz Martinez P, García-Portilla Gonzáles MP, Bousoño Garcia M, Jiménez Treviño L, Sánchez Lash F, et al. Effects of the economic crisis on demand due to mental disorders in Asturias: data from the Asturias Cumulative Psychiatric Case Register (2000-2010). Actas Esp Psiquiatr. 2014 [cited 2017 Mar 20];42(3):108-15. Available from: http://www.actaspsiquiatria.es/repositorio//16/89/ENG/16-89-ENG-108-115-707503.pdf
http://www.actaspsiquiatria.es/repositor...
. O efeito negativo do desemprego na saúde mental apresentou-se ainda maior nos países com menor nível de desenvolvimento económico; distribuição desigual de riqueza; baixo investimento em políticas sociais; ou com níveis de desemprego elevados nos períodos imediatamente anteriores à época de crise55. Buffel V, Straat V, Bracke P. Employment status and mental health care use in times of economic contraction: a repeated cross-sectional study in Europe, using a three-level model. Int J Equity Health. 2015;14(1):29. https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-3.
https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-...
,1010. Fountoulakis KN, Gonda X, Dome P, Theodorakis PN, Rihmer Z. Possible delayed effect of unemployment on suicidal rates: the case of Hungary. Ann Gen Psychiatry. 2014;13:12. https://doi.org/10.1186/1744-859X-13-12
https://doi.org/10.1186/1744-859X-13-12...
,1616. Katikireddi SV, Niedzwiedz CL, Popham F. Trends in population mental health before and after the 2008 recession: a repeat cross-sectional analysis of the 1991-2010 Health Surveys of England. BMJ Open. 2012;2(5):e001790. https://doi.org/10.1136/bmjopen-2012-001790
https://doi.org/10.1136/bmjopen-2012-001...
,2525. Paul KI, Moser K. Unemployment impairs mental health: meta-analyses. J Vocat Behav. 2009;74(3):264-82. https://doi.org/10.1016/j.jvb.2009.01.001.
https://doi.org/10.1016/j.jvb.2009.01.00...
.

Considerado que os países apresentam diferentes características e padrões de adaptação e resiliência, a Organização Mundial de Saúde (OMS)2929. World Health Organization. The financial crisis and global health report of a High-Level Consultion, 19 January 2009; Geneva. Geneva: WHO; 2009 [cited 2017 Mar 20]. Available from: http://www.who.int/mediacentre/events/meetings/2009_financial_crisis_report_en_.pdf
http://www.who.int/mediacentre/events/me...
refere que o desafio atual passa por conhecer e monitorizar o impacto que a crise económica e social poderá ter na saúde das populações, em cada país em particular, de modo a identificar os grupos mais suscetíveis durante os períodos de crise e assim contribuir para a implementação de estratégias protetoras dirigidas a esses grupos2929. World Health Organization. The financial crisis and global health report of a High-Level Consultion, 19 January 2009; Geneva. Geneva: WHO; 2009 [cited 2017 Mar 20]. Available from: http://www.who.int/mediacentre/events/meetings/2009_financial_crisis_report_en_.pdf
http://www.who.int/mediacentre/events/me...
.

De acordo com essas recomendações da OMS2929. World Health Organization. The financial crisis and global health report of a High-Level Consultion, 19 January 2009; Geneva. Geneva: WHO; 2009 [cited 2017 Mar 20]. Available from: http://www.who.int/mediacentre/events/meetings/2009_financial_crisis_report_en_.pdf
http://www.who.int/mediacentre/events/me...
, estudos realizados na população grega revelaram uma alteração dos fatores de risco de depressão durante a crise. Em 2008, ser do sexo feminino, ser divorciado ou viúvo e estar desempregado eram os principais fatores de risco para a depressão1919. Madianos M, Economou M, Alexiou T, Stefanis C. Depression and eco-nomic hardship across Greece in 2008 and 2009: two cross-sectional surveys nationwide. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 2011;46(10):943-52. https://doi.org/10.1007/s00127-010-0265-4
https://doi.org/10.1007/s00127-010-0265-...
; no entanto, em 2011, foi identificado um risco acrescido de depressão em indivíduos jovens, casados e desempregados88. Economou M, Madianos M, Peppou LE, Patelakis A, Stefanis CN. Major depression in the era of economic crisis: a replication of a cross-sectional study across Greece. J Affect Disord. 2013;145(3):308-14. https://doi.org/10.1016/j.jad.2012.08.008
https://doi.org/10.1016/j.jad.2012.08.00...
.

Também em Espanha, a recessão económica pareceu aumentar significativamente os problemas de saúde mental nos utentes dos cuidados de saúde primários, particularmente, em famílias atingidas pelo desemprego e com dificuldade no cumprimento do pagamento de empréstimos1212. Gili M, Roca M, Basu S, Mckee M, Stuckler D. The mental health risks of economic crisis in Spain: evidence from primary care centres, 2006 and 2010. Eur J Public Health. 2013;23(1):103-8. https://doi.org/10.1093/eurpub/cks035
https://doi.org/10.1093/eurpub/cks035...
. Em Portugal, o conhecimento dos efeitos da atual crise na saúde da população é ainda escasso22. Augusto GF. Mental health in Portugal in times of austerity. Lancet Psychiatry. 2014;1(2):109-10. https://doi.org/10.1016/S2215-0366(14)70251-2
https://doi.org/10.1016/S2215-0366(14)70...
.

Dados da Rede Médicos Sentinela portuguesa mostram aumento da taxa de incidência de depressão em 2012, especialmente nos indivíduos do sexo masculino, com 55–64 anos de idade (277,3/100.000 em 2004 e 859,8/100.000 em 2012)2727. Rodrigues AP, Uva MS, Nunes B, Marques S, Antunes L. Dias CM. Taxas de incidência de primeiros episódios de depressão nos cuidados de saúde primários em 2004 e 2012: dados da Rede Médicos-Sentinela. Observações Bol Epidemiol. 2014 [cited 2017 Mar 21];(7):28-9. Available from: http://repositorio.insa.pt/retrieve/6687/Boletim_Epidemiologico_Observacoes_7_2014.pdf
http://repositorio.insa.pt/retrieve/6687...
. Tais resultados são a favor da hipótese de um aumento do risco de desenvolvimento de depressão no sexo masculino em alturas de crise económica e social, como já descrito em outros países do sul da europa11. Artazcoz L, Benach J, Borrel C, Cortès I. Unemployment and mental health: understanding the interactions among gender, family roles, and social class. Am J Public Health. 2004;94(1):82-8. https://doi.org/10.2105/AJPH.94.1.82
https://doi.org/10.2105/AJPH.94.1.82...
,2525. Paul KI, Moser K. Unemployment impairs mental health: meta-analyses. J Vocat Behav. 2009;74(3):264-82. https://doi.org/10.1016/j.jvb.2009.01.001.
https://doi.org/10.1016/j.jvb.2009.01.00...
. De facto, em países com elevadas taxas de desemprego, os homens, independentemente da sua condição laboral, apresentam um pior nível de saúde mental (e maior procura de cuidados de saúde), possivelmente associados ao estigma do desemprego masculino e à insegurança quanto ao posto trabalho55. Buffel V, Straat V, Bracke P. Employment status and mental health care use in times of economic contraction: a repeated cross-sectional study in Europe, using a three-level model. Int J Equity Health. 2015;14(1):29. https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-3.
https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-...
. No entanto, no sexo feminino esse efeito apenas foi observado nas mulheres empregadas55. Buffel V, Straat V, Bracke P. Employment status and mental health care use in times of economic contraction: a repeated cross-sectional study in Europe, using a three-level model. Int J Equity Health. 2015;14(1):29. https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-3.
https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-...
. Apesar de essas diferenças poderem ser em parte explicadas pelas diferenças de género observadas no binómio emprego e saúde, nos últimos anos tem-se observado, em ambos os sexos, um aumento das desigualdades de emprego entre pessoas com e sem limitações de longa duração2020. Mcfadyen RG. Coping with threatened identities: unemployed people’s self-categorizations. Curr Psychol. 1995;14(3):233-56. https://doi.org/10.1007/BF02686910
https://doi.org/10.1007/BF02686910...
.

Partindo do pressuposto da existência de uma associação entre desemprego e depressão5–7, este estudo pretendeu quantificar, para cada sexo, a correlação entre a taxa de incidência de depressão e a taxa de desemprego em Portugal nas últimas décadas, tendo como hipótese que essa correlação possa ser mais forte no sexo masculino, dado o seu maior risco de desenvolvimento de doenças mentais em períodos de crise económica e social55. Buffel V, Straat V, Bracke P. Employment status and mental health care use in times of economic contraction: a repeated cross-sectional study in Europe, using a three-level model. Int J Equity Health. 2015;14(1):29. https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-3.
https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-...
. A escolha da taxa de desemprego prendeu-se com o facto de ser um indicador sensível às mudanças ocorridas nos períodos de crise, usado também em outros estudos nesse âmbito55. Buffel V, Straat V, Bracke P. Employment status and mental health care use in times of economic contraction: a repeated cross-sectional study in Europe, using a three-level model. Int J Equity Health. 2015;14(1):29. https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-3.
https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-...
,2626. Rachiotis G, Stuckler D, McKee M, Hadjichristodoulou C. What has happened to suicides during the Greek economic crisis? Findings from an ecological study of suicides and their determinants (2003–2012). BMJ Open. 2015;5(3):e007295. https://doi.org/10.1136/bmjopen-2014-007295
https://doi.org/10.1136/bmjopen-2014-007...
,2828. Van Hal G. The true cost of the economic crisis on psychological well-being: a review. Psychol Res Behav Manag. 2015;8:7-25. https://doi.org/10.2147/PRBM.S44732
https://doi.org/10.2147/PRBM.S44732...
.

MÉTODOS

No presente trabalho, desenvolveu-se um estudo ecológico de correlação, no qual foram utilizados os valores das taxas de incidência de depressão provenientes da Rede Médicos Sentinela e das taxas de desemprego anuais disponibilizadas pelo Instituto Nacional de Estatística em publicações oficiais entre 1995–1997, 2004 e 2012–2013a a Instituto Nacional de Estatística (PRT). Dados estatísticos: principais indicadores. Lisboa; 2015 [citado 11 jun 2015]. Disponível em: https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_indicadores&indOcorrCod=0005599&contexto=pi&selTab=tab0 .

A Rede Médicos Sentinela é um sistema de observação em saúde constituído por médicos de família do Serviço Nacional de Saúde que notificam voluntariamente, de modo contínuo e sistemático, uma série de eventos de saúde ocorridos nos seus utentes. A população sob observação efetiva na Rede Médicos Sentinela, usada no cálculo das taxas de incidência, resulta do somatório das listas de utentes dos médicos ativos em cada semana, isto é, dos médicos que notificaram casos em cada semana. Nos anos em estudo, a população sob observação na Rede variou entre um mínimo de 28.184 indivíduos em 2013 e um máximo de 164.676 indivíduos em 1995.

Foram usadas as taxas de incidência de depressão observadas na população sob observação da Rede Médicos Sentinela nos anos 1995, 1996, 1997, 2004, 2012 e 2013.

Os eventos em notificação variam em cada ano; assim, a depressão apenas esteve em estudo em 1995–1997, 2004, 2012 e 2013, razão pela qual só se encontram disponíveis as taxas de incidência para esses anos. No triénio 1995–1997, os eventos em notificação foram todos os novos casos de depressão (primeiro episódio na vida do utente ou episódios seguintes); em 2004, 2012 e 2013, estiveram em notificação todas as consultas por depressão com identificação do motivo da consulta para cada caso (primeiro episódio na vida do utente, episódios seguintes, consulta de seguimento ou consulta para renovação da medicação). Em todos os anos em estudo, a definição de caso de depressão usada foi baseada no melhor conhecimento clínico, isto é, seguindo os mesmos critérios usados na abordagem diagnóstica e terapêutica do doente, existindo ainda um manual de procedimentos para uniformizar o modo como era feita a notificação dos casos. Considerando apenas o primeiro episódio na vida do utente ou os episódios seguintes, foi possível calcular a taxa de incidência de depressão de forma semelhante para todos os anos em estudo.

Procedeu-se à padronização das taxas de depressão pelo método direto usando a população padrão europeia de 1976. Foi estimada a razão de taxas de incidência entre ambos os sexos para os anos em análise. Por meio de um modelo de regressão linear, estimou-se, para cada sexo, a correlação entre a taxa de desemprego e a taxa de incidência de depressão. Foi verificada a normalidade dos dados (pressuposto para a aplicação do modelo linear) usando o teste de Shapiro-Wilk. Considerou-se um nível de significância estatística de 5%.

RESULTADOS

Verificou-se um aumento da taxa de incidência de depressão a partir de 2004, em ambos os sexos. O sexo feminino apresentou em todos os anos taxas de incidência mais elevadas; no entanto, a razão entre sexos sofreu uma redução em 2012 e 2013 (Tabela).

Tabela
Taxa de desemprego e taxa de incidência de depressão em Portugal entre 1995 e 2013.

Observou-se maior correlação entre desemprego e depressão no sexo masculino (R2 = 0,83; p = 0,04) (Figura 1), na qual cerca de 83% da variabilidade da taxa de incidência de depressão se encontrou relacionada com o valor da taxa de desemprego. No sexo feminino, a correlação estimada não foi estatisticamente significativa (R2 = 0,71, p = 0,11) (Figura 2).

Figura 1
Correlação entre desemprego e taxa de incidência padronizada de depressão em Portugal, para o sexo masculino.

Figura 2
Correlação entre desemprego e taxa de incidência padronizada de depressão em Portugal, para o sexo feminino.

Atendendo à equação da reta que traduz a relação entre a taxa de incidência de depressão e a taxa de desemprego (taxa de incidência de depressão = 3.706,5 × taxa de desemprego + 10,38), pode-se estimar um aumento de 37 novos casos de depressão por 100.000 habitantes a cada 1% de aumento da taxa de desemprego, no sexo masculino.

DISCUSSÃO

Neste estudo, observou-se uma correlação positiva entre a taxa de incidência de depressão e a taxa de desemprego em Portugal entre 1995 e 2013, apenas significativa para o sexo masculino, nos anos em que o país se encontrou em situação de crise económica, financeira e social. Esses resultados encontram-se concordantes com aqueles obtidos por outros autores77. Chin WY, Chan KTY, Lam CLK, Wong SY, Lo YY, Lam TP, et al. Detection and management of depression in adult primary care patients in Hong Kong: a cross-sectional survey conducted by a primary care practice-based research network. BMC Fam Pract. 2014;15:30. https://doi.org/10.1186/1471-2296-15-30
https://doi.org/10.1186/1471-2296-15-30...
,2424. Murphy GC, Athanasou JA. The effect of unemployment on mental health. J Occup Organ Psychol. 1999;72(1):83-99. https://doi.org/10.1348/096317999166518
https://doi.org/10.1348/096317999166518...
, e observados também em outros países em situação de crise e consequente austeridade11. Artazcoz L, Benach J, Borrel C, Cortès I. Unemployment and mental health: understanding the interactions among gender, family roles, and social class. Am J Public Health. 2004;94(1):82-8. https://doi.org/10.2105/AJPH.94.1.82
https://doi.org/10.2105/AJPH.94.1.82...
,1212. Gili M, Roca M, Basu S, Mckee M, Stuckler D. The mental health risks of economic crisis in Spain: evidence from primary care centres, 2006 and 2010. Eur J Public Health. 2013;23(1):103-8. https://doi.org/10.1093/eurpub/cks035
https://doi.org/10.1093/eurpub/cks035...
,1313. Ifanti AA, Argyriou AA, Kalofonou FH, Kalofonos HP. Financial crisis and austerity measures in Greece: their impact on health promotion policies and public health care. Health Policy. 2013;113(1-2):8-12. https://doi.org/10.1016/j.healthpol
https://doi.org/10.1016/j.healthpol...
,2323. Minton JW, Pickett KE, Dorling D. Health, employment, and economic change, 1973-2009: repeated cross sectional study. BMJ. 2012;344:e2316. https://doi.org/10.1136/bmj.e2316
https://doi.org/10.1136/bmj.e2316...
. Dadas as semelhanças metodológicas, salienta-se um estudo grego que observou uma correlação positiva entre desemprego e suicídio em homens, mas não em mulheres2626. Rachiotis G, Stuckler D, McKee M, Hadjichristodoulou C. What has happened to suicides during the Greek economic crisis? Findings from an ecological study of suicides and their determinants (2003–2012). BMJ Open. 2015;5(3):e007295. https://doi.org/10.1136/bmjopen-2014-007295
https://doi.org/10.1136/bmjopen-2014-007...
.

Também o estudo de Buffel et al.55. Buffel V, Straat V, Bracke P. Employment status and mental health care use in times of economic contraction: a repeated cross-sectional study in Europe, using a three-level model. Int J Equity Health. 2015;14(1):29. https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-3.
https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-...
mostrou que, em países com elevadas taxas de desemprego, os homens, independentemente da sua condição laboral, apresentam um pior nível de saúde mental (e maior procura de cuidados de saúde).

Tais resultados têm sido atribuídos ao papel social e responsabilidades familiares historicamente associados aos homens. Por essa razão, os homens podem sentir-se mais ameaçados e com maior dificuldade em lidar com o estigma social do desemprego relativamente às mulheres, o que os coloca em maior risco de desenvolvimento de doenças mentais1818. Kulik L. Jobless men and women: a comparative analysis of job search intensity, attitudes toward unemployment, and related responses. J Occup Organ Psychol. 2000;73(4):487-500. https://doi.org/10.1348/096317900167173
https://doi.org/10.1348/096317900167173...
,2020. Mcfadyen RG. Coping with threatened identities: unemployed people’s self-categorizations. Curr Psychol. 1995;14(3):233-56. https://doi.org/10.1007/BF02686910
https://doi.org/10.1007/BF02686910...
,2525. Paul KI, Moser K. Unemployment impairs mental health: meta-analyses. J Vocat Behav. 2009;74(3):264-82. https://doi.org/10.1016/j.jvb.2009.01.001.
https://doi.org/10.1016/j.jvb.2009.01.00...
.

Dado que, atualmente, a maioria dos indivíduos com problemas de saúde mental recorre ao médico de família2222. Ministério da Saúde (PRT), Direção Geral de Saúde. Portugal: saúde mental em números 2014: Programa Nacional de Saúde Mental. Lisboa: DGS; 2014 [cited 2017 Mar 21]. Available from: https://www.dgs.pt/estatisticas-de-saude/estatisticas-de-saude/publicacoes/portugal-saude-mental-em-numeros-2014.aspx
https://www.dgs.pt/estatisticas-de-saude...
, considera-se que a utilização da taxa de incidência de depressão em cuidados de saúde primários é um indicador sensível para a análise desse problema de saúde. A utilização de dados primários colhidos de modo voluntário por médicos-sentinela obviou a limitação apontada aos atuais registos clínicos no que se refere à necessidade de maior adesão ao registo informático desses problemas de saúde ao nível dos cuidados de saúde primários2222. Ministério da Saúde (PRT), Direção Geral de Saúde. Portugal: saúde mental em números 2014: Programa Nacional de Saúde Mental. Lisboa: DGS; 2014 [cited 2017 Mar 21]. Available from: https://www.dgs.pt/estatisticas-de-saude/estatisticas-de-saude/publicacoes/portugal-saude-mental-em-numeros-2014.aspx
https://www.dgs.pt/estatisticas-de-saude...
. Embora os casos que por diversos fatores (sociais, culturais ou acessibilidade aos cuidados de saúde) não recorrem aos serviços de saúde sejam excluídos, considerando que este efeito ocorreu em todos os anos em estudo, o indicador escolhido pode ser entendido como uma proxy do aumento do risco de depressão na comunidade. Apesar disso, reconhece-se que ao estar dependente da procura de cuidados médicos possa ser influenciado por eventuais mudanças no padrão de utilização dos serviços de saúde ocorridas em Portugal. Também a definição de caso utilizada (novos casos de depressão, que recorrem a uma consulta em cuidados de saúde primários, definidos de acordo com o melhor conhecimento clínico) não permite distinguir diferentes níveis de gravidade na apresentação dessa patologia, mas reflete o conjunto de situações que justificam procura de cuidados médicos.

A alteração da definição de caso de depressão, ocorrida na Rede Médicos Sentinela em 2004 (consultas por depressão em vez de novos casos de depressão), aliada ao facto de os médicos poderem encontrar-se mais atentos a esse problema de saúde, pode ter contribuído para a notificação de casos prevalentes como incidentes, conduzindo assim à sobrestimativa da incidência a partir desse ano e consequente redução da correlação observada entre desemprego e depressão. Note-se, no entanto, que os nossos resultados corroboram o aumento da proporção de utentes com registo de problemas mentais em cuidados de saúde primários entre 2011 e 2013 observado pela Direcção Geral de Saúde2222. Ministério da Saúde (PRT), Direção Geral de Saúde. Portugal: saúde mental em números 2014: Programa Nacional de Saúde Mental. Lisboa: DGS; 2014 [cited 2017 Mar 21]. Available from: https://www.dgs.pt/estatisticas-de-saude/estatisticas-de-saude/publicacoes/portugal-saude-mental-em-numeros-2014.aspx
https://www.dgs.pt/estatisticas-de-saude...
e o aumento do consumo de antidepressivos em Portugal observado entre 2000 e 20121111. Furtado C. Psicofármacos: evolução do consumo em Portugal Continental (2000–2012). Lisboa: Infarmed; 2013 [cited 2017 Mar 21]. Available from: http://www.infarmed.pt/documents/15786/17838/psicofarmacos_relatorio2013+(1).pdf/3e52568f-7f90-47c8-9903-d128395c73e5
http://www.infarmed.pt/documents/15786/1...
.

Também um estudo belga33. Boffin N, Bossuyt N, Declercq T, Vanthomme K, Van Casteren V. Incidence, patient characteristics and treatment initiated for GP-diagnosed depression in general practice: results of a 1-year nationwide surveillance study. Fam Pract. 2012;29(6):678-87. https://doi.org/10.1093/fampra/cms024
https://doi.org/10.1093/fampra/cms024...
, realizado por uma rede de médicos-sentinela, estimou uma taxa de incidência de depressão em 2008 de 719/100.000 no sexo masculino e 1.440/100.000 no sexo feminino. Esses valores, ainda que distintos dos observados em Portugal em 2012 (sexo masculino 571,5/100.000; sexo feminino 2.136,0/100.000), encontram-se dentro da mesma ordem de grandeza, o que indica uma adequação da metodologia usada.

Assume-se, no entanto, que o desenho do estudo (estudo ecológico) não permite estabelecer relações causais entre a variável de exposição (desemprego) e a variável resultado (depressão), pelo que se reconhece a necessidade de desenvolvimento de estudos com desenhos mais robustos, que permitam confirmar a hipótese agora apontada. No entanto, e apesar das limitações referidas, este é um dos primeiros trabalhos cujos resultados indicam que, em Portugal, o aumento do desemprego pode ter tido um impacto não desprezável no nível de saúde mental dos portugueses e, consequentemente, na procura de cuidados de saúde. Realça ainda que a magnitude dessa associação foi diferente entre os dois sexos, sugerindo que, no período em estudo, a crise económica e social pode ter tido um impacto mais negativo no sexo masculino.

Apesar de algumas teorias sugerirem o aumento da depressão nas sociedades modernas, fruto das alterações ambientais e do contexto social1515. Hidaka BH. Depression as a disease of modernity: explanations for increasing prevalence. J Affect Disord. 2012;140(3):205-14. https://doi.org/10.1016/j.jad.2011.12.036
https://doi.org/10.1016/j.jad.2011.12.03...
, os resultados obtidos no presente estudo, em concordância com trabalhos similares realizados em anos anteriores, e no atual contexto de crise económica, sugerem a necessidade de reforço da monitorização desse problema de saúde mental, em particular, no sexo masculino. Essa monitorização poderá contribuir para a efetiva implementação de estratégias de prevenção de doença mental, dirigidas em especial a grupos mais vulneráveis, identificados no atual contexto português.

REFERENCES

  • 1
    Artazcoz L, Benach J, Borrel C, Cortès I. Unemployment and mental health: understanding the interactions among gender, family roles, and social class. Am J Public Health 2004;94(1):82-8. https://doi.org/10.2105/AJPH.94.1.82
    » https://doi.org/10.2105/AJPH.94.1.82
  • 2
    Augusto GF. Mental health in Portugal in times of austerity. Lancet Psychiatry 2014;1(2):109-10. https://doi.org/10.1016/S2215-0366(14)70251-2
    » https://doi.org/10.1016/S2215-0366(14)70251-2
  • 3
    Boffin N, Bossuyt N, Declercq T, Vanthomme K, Van Casteren V. Incidence, patient characteristics and treatment initiated for GP-diagnosed depression in general practice: results of a 1-year nationwide surveillance study. Fam Pract 2012;29(6):678-87. https://doi.org/10.1093/fampra/cms024
    » https://doi.org/10.1093/fampra/cms024
  • 4
    Brand H, Rosenkötter N, Clemens T, Michelsen K. Austerity policies in Europe-bad for health. BMJ 2013;346:f3716. https://doi.org/10.1136/bmj.f3716
    » https://doi.org/10.1136/bmj.f3716
  • 5
    Buffel V, Straat V, Bracke P. Employment status and mental health care use in times of economic contraction: a repeated cross-sectional study in Europe, using a three-level model. Int J Equity Health 2015;14(1):29. https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-3
    » https://doi.org/10.1186/s12939-015-0153-3
  • 6
    Catalano R. The health effects of economic insecurity. Am J Public Health 1991[cited 2017 Mar 20];81(9):1148-52. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1405640/pdf/amjph00209-0054.pdf
    » https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1405640/pdf/amjph00209-0054.pdf
  • 7
    Chin WY, Chan KTY, Lam CLK, Wong SY, Lo YY, Lam TP, et al. Detection and management of depression in adult primary care patients in Hong Kong: a cross-sectional survey conducted by a primary care practice-based research network. BMC Fam Pract 2014;15:30. https://doi.org/10.1186/1471-2296-15-30
    » https://doi.org/10.1186/1471-2296-15-30
  • 8
    Economou M, Madianos M, Peppou LE, Patelakis A, Stefanis CN. Major depression in the era of economic crisis: a replication of a cross-sectional study across Greece. J Affect Disord 2013;145(3):308-14. https://doi.org/10.1016/j.jad.2012.08.008
    » https://doi.org/10.1016/j.jad.2012.08.008
  • 9
    Evans-Lacko S, Knapp M, McCrone P, Thornicroft G, Mojtabai R. The mental health consequences of the recession: economic hardship and employment of people with mental health problems in 27 European countries. PLoS One 2013;8(7):e69792. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0069792
    » https://doi.org/10.1371/journal.pone.0069792
  • 10
    Fountoulakis KN, Gonda X, Dome P, Theodorakis PN, Rihmer Z. Possible delayed effect of unemployment on suicidal rates: the case of Hungary. Ann Gen Psychiatry 2014;13:12. https://doi.org/10.1186/1744-859X-13-12
    » https://doi.org/10.1186/1744-859X-13-12
  • 11
    Furtado C. Psicofármacos: evolução do consumo em Portugal Continental (2000–2012). Lisboa: Infarmed; 2013 [cited 2017 Mar 21]. Available from: http://www.infarmed.pt/documents/15786/17838/psicofarmacos_relatorio2013+(1).pdf/3e52568f-7f90-47c8-9903-d128395c73e5
    » http://www.infarmed.pt/documents/15786/17838/psicofarmacos_relatorio2013+(1).pdf/3e52568f-7f90-47c8-9903-d128395c73e5
  • 12
    Gili M, Roca M, Basu S, Mckee M, Stuckler D. The mental health risks of economic crisis in Spain: evidence from primary care centres, 2006 and 2010. Eur J Public Health 2013;23(1):103-8. https://doi.org/10.1093/eurpub/cks035
    » https://doi.org/10.1093/eurpub/cks035
  • 13
    Ifanti AA, Argyriou AA, Kalofonou FH, Kalofonos HP. Financial crisis and austerity measures in Greece: their impact on health promotion policies and public health care. Health Policy 2013;113(1-2):8-12. https://doi.org/10.1016/j.healthpol
    » https://doi.org/10.1016/j.healthpol
  • 14
    Iglesias García C, Sáiz Martinez P, García-Portilla Gonzáles MP, Bousoño Garcia M, Jiménez Treviño L, Sánchez Lash F, et al. Effects of the economic crisis on demand due to mental disorders in Asturias: data from the Asturias Cumulative Psychiatric Case Register (2000-2010). Actas Esp Psiquiatr 2014 [cited 2017 Mar 20];42(3):108-15. Available from: http://www.actaspsiquiatria.es/repositorio//16/89/ENG/16-89-ENG-108-115-707503.pdf
    » http://www.actaspsiquiatria.es/repositorio//16/89/ENG/16-89-ENG-108-115-707503.pdf
  • 15
    Hidaka BH. Depression as a disease of modernity: explanations for increasing prevalence. J Affect Disord 2012;140(3):205-14. https://doi.org/10.1016/j.jad.2011.12.036
    » https://doi.org/10.1016/j.jad.2011.12.036
  • 16
    Katikireddi SV, Niedzwiedz CL, Popham F. Trends in population mental health before and after the 2008 recession: a repeat cross-sectional analysis of the 1991-2010 Health Surveys of England. BMJ Open 2012;2(5):e001790. https://doi.org/10.1136/bmjopen-2012-001790
    » https://doi.org/10.1136/bmjopen-2012-001790
  • 17
    Kleinert S, Horton R. Health in Europe: successes, failures, and new challenges. Lancet 2013;381(9872):1073-4. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(13)60603
    » https://doi.org/10.1016/S0140-6736(13)60603
  • 18
    Kulik L. Jobless men and women: a comparative analysis of job search intensity, attitudes toward unemployment, and related responses. J Occup Organ Psychol 2000;73(4):487-500. https://doi.org/10.1348/096317900167173
    » https://doi.org/10.1348/096317900167173
  • 19
    Madianos M, Economou M, Alexiou T, Stefanis C. Depression and eco-nomic hardship across Greece in 2008 and 2009: two cross-sectional surveys nationwide. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol 2011;46(10):943-52. https://doi.org/10.1007/s00127-010-0265-4
    » https://doi.org/10.1007/s00127-010-0265-4
  • 20
    Mcfadyen RG. Coping with threatened identities: unemployed people’s self-categorizations. Curr Psychol 1995;14(3):233-56. https://doi.org/10.1007/BF02686910
    » https://doi.org/10.1007/BF02686910
  • 21
    Mckee M, Karanikolos M, Belcher P, Stuckler D. Austerity: a failed experiment on the people of Europe. Clin Med 2012;12(4):346-50. https://doi.org/10.7861/clinmedicine.12-4-346
    » https://doi.org/10.7861/clinmedicine.12-4-346
  • 22
    Ministério da Saúde (PRT), Direção Geral de Saúde. Portugal: saúde mental em números 2014: Programa Nacional de Saúde Mental. Lisboa: DGS; 2014 [cited 2017 Mar 21]. Available from: https://www.dgs.pt/estatisticas-de-saude/estatisticas-de-saude/publicacoes/portugal-saude-mental-em-numeros-2014.aspx
    » https://www.dgs.pt/estatisticas-de-saude/estatisticas-de-saude/publicacoes/portugal-saude-mental-em-numeros-2014.aspx
  • 23
    Minton JW, Pickett KE, Dorling D. Health, employment, and economic change, 1973-2009: repeated cross sectional study. BMJ 2012;344:e2316. https://doi.org/10.1136/bmj.e2316
    » https://doi.org/10.1136/bmj.e2316
  • 24
    Murphy GC, Athanasou JA. The effect of unemployment on mental health. J Occup Organ Psychol 1999;72(1):83-99. https://doi.org/10.1348/096317999166518
    » https://doi.org/10.1348/096317999166518
  • 25
    Paul KI, Moser K. Unemployment impairs mental health: meta-analyses. J Vocat Behav 2009;74(3):264-82. https://doi.org/10.1016/j.jvb.2009.01.001
    » https://doi.org/10.1016/j.jvb.2009.01.001
  • 26
    Rachiotis G, Stuckler D, McKee M, Hadjichristodoulou C. What has happened to suicides during the Greek economic crisis? Findings from an ecological study of suicides and their determinants (2003–2012). BMJ Open 2015;5(3):e007295. https://doi.org/10.1136/bmjopen-2014-007295
    » https://doi.org/10.1136/bmjopen-2014-007295
  • 27
    Rodrigues AP, Uva MS, Nunes B, Marques S, Antunes L. Dias CM. Taxas de incidência de primeiros episódios de depressão nos cuidados de saúde primários em 2004 e 2012: dados da Rede Médicos-Sentinela. Observações Bol Epidemiol 2014 [cited 2017 Mar 21];(7):28-9. Available from: http://repositorio.insa.pt/retrieve/6687/Boletim_Epidemiologico_Observacoes_7_2014.pdf
    » http://repositorio.insa.pt/retrieve/6687/Boletim_Epidemiologico_Observacoes_7_2014.pdf
  • 28
    Van Hal G. The true cost of the economic crisis on psychological well-being: a review. Psychol Res Behav Manag 2015;8:7-25. https://doi.org/10.2147/PRBM.S44732
    » https://doi.org/10.2147/PRBM.S44732
  • 29
    World Health Organization. The financial crisis and global health report of a High-Level Consultion, 19 January 2009; Geneva. Geneva: WHO; 2009 [cited 2017 Mar 20]. Available from: http://www.who.int/mediacentre/events/meetings/2009_financial_crisis_report_en_.pdf
    » http://www.who.int/mediacentre/events/meetings/2009_financial_crisis_report_en_.pdf
  • a
    Instituto Nacional de Estatística (PRT). Dados estatísticos: principais indicadores. Lisboa; 2015 [citado 11 jun 2015]. Disponível em: https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_indicadores&indOcorrCod=0005599&contexto=pi&selTab=tab0
  • b
    Dias CM, Fonseca R, Contreiras T, Pereira-Miguel J. Os efeitos da austeridade na saúde da população: evidência internacional e experiência portuguesa. In: Ferreira EP, coordenador. A austeridade cura? A austeridade mata?. Lisboa: Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa; 2013. p.927-54.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    2017

Histórico

  • Recebido
    8 Set 2015
  • Aceito
    14 Ago 2016
Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Avenida Dr. Arnaldo, 715, 01246-904 São Paulo SP Brazil, Tel./Fax: +55 11 3061-7985 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revsp@usp.br