Health and psychosocial effects of flexible working hours

OBJETIVO: Investigar se ocorre prejuízo à saúde e à vida social com diferentes tipos de horas de trabalho flexíveis e se há relação entre estes efeitos e características específicas das horas de trabalho. MÉTODOS: Foram realizados dois estudos, uma pesquisa em uma empresa (N=660) e outra pela Internet (N=528). O primeiro estudo consistiu de um questionário (papel e lápis) aplicado a funcionários sujeitos a diferentes ajustes "típicos" de horas de trabalho flexíveis em empresas e áreas ocupacionais diversas (área da saúde, fábrica, comércio varejista, administração, serviços de central telefônica). O segundo estudo consistiu em um levantamento pela Internet, usando-se uma versão adaptada do questionário do primeiro estudo. RESULTADOS: Os resultados de ambos os estudos demonstraram de modo compatível que a alta variabilidade das horas de trabalho está associada a um maior prejuízo da saúde e do bem-estar, sobretudo se esta variabilidade é controlada pela empresa. Os efeitos são menos acentuados se a variabilidade é autocontrolada; a autonomia, no entanto, não contrabalança os efeitos da variabilidade. CONCLUSÕES: Devem ser feitas sugestões para um planejamento adequado de horas de trabalho flexíveis para minimizar os efeitos prejudiciais à saúde e ao bem-estar psicossocial. Além de permitir o uso de um critério pessoal para o controle de horas de trabalho (flexíveis), a variabilidade das horas de trabalho flexíveis deve ser pequena (ou, no mínimo, moderada), mesmo se ela for autocontrolada.

Jornada de trabalho; Jornada de trabalho; Saúde ocupacional; Questionários; Pesquisa; Internet; Condições de trabalho


Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Avenida Dr. Arnaldo, 715, 01246-904 São Paulo SP Brazil, Tel./Fax: +55 11 3061-7985 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revsp@usp.br