Mulheres em situação de prostituição e covid-19: por que excluídas dos grupos vulneráveis?

Michelle Ishida Chiang Maitê Leite Basile Ana Beatriz Pereira de Souza Isabella Dastler Moccagatta Julia Rabello Guerra Vieira Thaís Rocha Lourenço Mariana Langanke Gonçalves Helena Afférri Fernandes Pinto Rosane Lowenthal Michele Lacerda Pereira Ferrer Giselle Burlamaqui Klautau Sobre os autores

RESUMO

Esta pesquisa analisou a exposição de mulheres em situação de prostituição no centro de São Paulo à covid-19. Este estudo transversal contou com amostra de conveniência selecionada em maio de 2021. Entrevistou-se 219 mulheres majoritariamente negras, de meia idade, pobres e com comorbidades. Dentre essas mulheres, 61 tiveram sintomas de covid-19, 23 com teste positivo,7 foram internadas e 4 relataram complicações pós-covid-19. Somente 26 (30,2%) haviam sido vacinadas. Além das desigualdades de gênero, raça e classe, essas mulheres são expostas a um maior risco de contraírem covid-19, devido às condições de trabalho e por apresentarem doença grave relacionada à idade e falta de vacinação.

Mulheres; Profissionais do Sexo; COVID-19, epidemiologia; Fatores de Risco; Iniquidade de Gênero; Fatores Raciais

Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Avenida Dr. Arnaldo, 715, 01246-904 São Paulo SP Brazil, Tel./Fax: +55 11 3061-7985 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revsp@usp.br