O conceito de tempo-de-vida como ferramenta para a definição da tolerância de perda de terra por erosão

Por definição, a tolerância de perda de terra por erosão deve considerar a preservação do solo como um recurso natural essencial para a produção das culturas. Taxas de erosão do solo superiores a sua renovação ocasionam diminuição da sua espessura. Uma espessura mínima foi definida como sendo a espessura abaixo da qual os insumos (fertilizantes, resíduos de culturas) e a tecnologia de manejo (irrigação, culturas geneticamente melhoradas) são insuficientes para manter economicamente a produtividade. Assim, taxas de erosão maiores do que a formação podem ser aceitas somente durante o tempo no qual não foi atingida a espessura mínima. Este período foi definido como tempo-de-vida. O conceito de tempo-de-vida foi aplicado na bacia do Ceveiro (1.945 ha), localizada em Piracicaba no sudeste do Brasil. O cálculo do tempo de vida foi realizado usando Sistema de Informações Geográficas. Para isto foram utilizadas estimativas das taxas de erosão pela Equação Universal de Perda de Solo e das profundidades do solo obtidas em levantamento de campo. Foram consideradas ainda uma taxa de formação de 0,2 mm ano-1, uma profundidade mínima do solo de 1,0m, e o cenário atual de uso da terra. Ò uso da terra se distribui em 1.319 ha (68%) de cana-de-açúcar, 346 ha (18%) de florestas e 278 ha (14%) de pastagens. A área na qual a erosão foi menor do que a formação (área não associada a impactos irreversíveis) representou 475 ha (24%). Esta área inclui o total de florestas, 48% das pastagens e nenhuma área de cana-de-açúcar. A área com taxas de erosão maiores do que a formação e profundidade do solo menor que 1,0 m, representou 832 ha (42%), nos quais o tempo de-vida é igual a zero (impactos irreversíveis da erosão no tempo atual). O uso da terra nesta situação se compõe de 702 ha de cana-de-açúcar e 130 ha de pastagens. Para a área restante de 638 ha (32% da bacia) onde a erosão é maior do que formação e profundidade do solo é maior do que 1,0 m, foi estimado o tempo necessário para que 50% da área atingisse a profundidade mínima do solo. Este tempo, definido como meia-vida, foi estimado em 350 anos, sendo que nesta situação se enquadram 620 ha de cana-de-açúcar e 15 ha de pastagem. O conceito de tempo-de-vida mostrou-se eficiente na avaliação de maneira integral e confiável do risco extremo de degradação da Microbacia Hidrográfica do Ceveiro.

Tolerância de perda de terra por erosão; tempo-de-vida


São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" USP/ESALQ - Scientia Agricola, Av. Pádua Dias, 11, 13418-900 Piracicaba SP Brazil, Tel.: +55 19 3429-4401 / 3429-4486, Fax: +55 19 3429-4401 - Piracicaba - SP - Brazil
E-mail: scientia@usp.br