Produção de matéria seca, valor nutritivo e a maturidade de Digitaria decumbens Stent. cv. transvala

Dry matter production, nutritive value and the maturity of Digitaria decumbens Stent. cv. transvala

Cláudio Maluf Haddad José Alfredo Salinas Daiub Flávio Geraldo Ferreira Castro Luis Fernando Monteiro Tamassia Sobre os autores

Resumos

Este experimento teve como objetivo avaliar a produção de matéria seca, a digestibilidade in vitro e a variação na composição químico-bromatológica e mineral do capim-Transvala (Digitaria decumbens Stent. cv. Transvala) em função da idade de corte. O delineamento estatístico adotado foi inteiramente casualizado, com seis tratamentos e cinco repetições. Os tratamentos constaram de seis idades de corte, com intervalo de 10 dias entre cada corte, sendo que o primeiro corte foi realizado 20 dias após o corte de uniformização. A produção de matéria seca aumentou de forma linear (P < 0,05) com o avanço da idade da planta e a digestibilidade in vitro da matéria seca e o teor de proteína bruta decresceram quadraticamente (P < 0,05). Inversamente, o teores de fibra em detergente neutro e fibra em detergente ácido aumentaram de forma quadrática (P < 0,05) com a idade da planta e os teores de fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre sofreram decréscimos quadráticos (P < 0,05). As concentrações de Cu e Zn diminuíram de forma quadrática (P < 0,05) com o avanço da idade da planta, enquanto o teor de Mn aumentou de forma quadrática. A análise dos resultados permitiu concluir que no manejo do capim do capim-Transvala deve ser adotado o intervalo entre cortes de 30 a 40 dias, levando-se em conta os valores dos níveis dos parâmetros analisados e as necessidades nutricionais dos animais.

Digitaria decumbens; composição química; idade de corte; pastagem


The objective of this experiment was to evaluate dry matter production, in vitro dry matter digestibility, variability in chemical composition and in macro and micro mineral contents for Transvala digitgrass (Digitaria decumbens Stent.), as related to the age at cutting. The experimental design was completely randomized, with six treatments, replicated five times. Treatments consisted of six cutting ages spaced 10 days apart, with the first cut made 20 days after staging. Dry matter production increased linearly (P < 0.05) with the age of the plant and in vitro dry matter digestibility and crude protein concentration decreased quadratically (P < 0.05). Conversely, neutral detergent fiber and acid detergent fiber concentrations increased quadratically (P < 0.05) with the age of the plant and the concentrations of the phosphorus, potassium, calcium, magnesium and sulfur decreased quadratically (P < 0.05). Concentrations of copper and zinc decreased quadratically (P < 0.05), whereas that of manganese increased quadratically (P < 0.05). Results showed that the cutting age to be recommend should be between days 30 to 40, if a well balanced feeding material of high quality that would satisfy animal nutritional requeriments, is desired.

Digitaria decumbens; chemical composition; cutting age; pasture


Produção de matéria seca, valor nutritivo e a maturidade de Digitaria decumbens Stent. cv. transvala

Cláudio Maluf Haddad1*; José Alfredo Salinas Daiub2; Flávio Geraldo Ferreira Castro2; Luis Fernando Monteiro Tamassia2,3

1Depto. de Produção Animal - ESALQ/USP, C.P. 09 - CEP: 13418-900 - Piracicaba, SP.

2Pós-Graduando do Depto. de Produção Animal - ESALQ/USP.

3Bolsista da CAPES.

*e-mail: cmhaddad@carpa.ciagri.usp.br

RESUMO: Este experimento teve como objetivo avaliar a produção de matéria seca, a digestibilidade in vitro e a variação na composição químico-bromatológica e mineral do capim-Transvala (Digitaria decumbens Stent. cv. Transvala) em função da idade de corte. O delineamento estatístico adotado foi inteiramente casualizado, com seis tratamentos e cinco repetições. Os tratamentos constaram de seis idades de corte, com intervalo de 10 dias entre cada corte, sendo que o primeiro corte foi realizado 20 dias após o corte de uniformização. A produção de matéria seca aumentou de forma linear (P < 0,05) com o avanço da idade da planta e a digestibilidade in vitro da matéria seca e o teor de proteína bruta decresceram quadraticamente (P < 0,05). Inversamente, o teores de fibra em detergente neutro e fibra em detergente ácido aumentaram de forma quadrática (P < 0,05) com a idade da planta e os teores de fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre sofreram decréscimos quadráticos (P < 0,05). As concentrações de Cu e Zn diminuíram de forma quadrática (P < 0,05) com o avanço da idade da planta, enquanto o teor de Mn aumentou de forma quadrática. A análise dos resultados permitiu concluir que no manejo do capim do capim-Transvala deve ser adotado o intervalo entre cortes de 30 a 40 dias, levando-se em conta os valores dos níveis dos parâmetros analisados e as necessidades nutricionais dos animais.

Palavras-chave:Digitaria decumbens, composição química, idade de corte, pastagem

Dry matter production, nutritive value and the maturity of Digitaria decumbens Stent. cv. transvala

ABSTRACT: The objective of this experiment was to evaluate dry matter production, in vitro dry matter digestibility, variability in chemical composition and in macro and micro mineral contents for Transvala digitgrass (Digitaria decumbens Stent.), as related to the age at cutting. The experimental design was completely randomized, with six treatments, replicated five times. Treatments consisted of six cutting ages spaced 10 days apart, with the first cut made 20 days after staging. Dry matter production increased linearly (P < 0.05) with the age of the plant and in vitro dry matter digestibility and crude protein concentration decreased quadratically (P < 0.05). Conversely, neutral detergent fiber and acid detergent fiber concentrations increased quadratically (P < 0.05) with the age of the plant and the concentrations of the phosphorus, potassium, calcium, magnesium and sulfur decreased quadratically (P < 0.05). Concentrations of copper and zinc decreased quadratically (P < 0.05), whereas that of manganese increased quadratically (P < 0.05). Results showed that the cutting age to be recommend should be between days 30 to 40, if a well balanced feeding material of high quality that would satisfy animal nutritional requeriments, is desired.

Key words:Digitaria decumbens, chemical composition, cutting age, pasture

INTRODUÇÃO

A necessidade de aumentar significativamente a produtividade dos rebanhos de gado de corte e de leite na América Latina é cada vez mais presente. Pastagens de alta qualidade e bem manejadas permitem satisfazer as demandas alimentares dos rebanhos. Melhorar a disponibilidade e a qualidade das forragens é um fato amplamente reconhecido como forma de satisfazer tais exigências.

A exploração pecuária nos países latino-americanos na sua maioria se encontra em regiões tropicais, onde 884 milhões de hectares são constituídos de Oxissolos e Ultissolos (Sánchez & Isbell, 1982). Esses solos caracterizam-se por serem altamente lixiviados, comumente deficientes em bases e apresentarem elevada acidez, baixa disponibilidade de N, P, S e alta concentração de Al e Mn trocáveis. Além disso, possuem alta capacidade de fixação de fósforo e deficiência de Zn, Cu e Mo, constituindo-se nos principais fatores limitantes do crescimento das forrageiras.

Esses fatores limitantes podem ser superados, através da introdução de espécies forrageiras adaptadas às condições edafoclimáticas, através do conhecimento de suas necessidades nutricionais e resposta ao pastejo, garantindo-se assim a sua persistência e maximizando produtividade e qualidade. Dentre essas a Digitaria decumbens Stent. cv. Transvala se caracteriza por apresentar resistência a pragas e doenças (Schank et al., 1990) e, boa adaptação as condições tropicais e subtropicais, apresentando bom valor nutritivo, sendo utilizada sob a forma de pastejo, ou na forma de forragem conservada (feno).

O capim-Transvala é oriundo da África do Sul, sendo introduzido nos Estados Unidos da América em 1964, onde passou por intensiva seleção, sendo liberado em 1973 (Schank et al., 1990). Essa cultivar inicia seu crescimento com 13,9ºC de temperatura do solo, sendo que para o Pangola é necessário 19,4ºC, indicando deste maneira a capacidade do capim a se desenvolver sem grande inconvenientes em áreas de clima subtropical (Mansfield et al., 1990).

Experimentos conduzidos na Flórida (Boyd et al., 1973) mostraram uma alta produção anual do capim-Transvala sendo a máxima produtividade alcançada quando o intervalo de pastejo foi de 6 semanas, quando comparada com intervalos de 3 semanas. O aumento do período de descanso da pastagem, por outro lado, resultou em uma queda na qualidade (proteína bruta).

A qualidade de uma forrageira é determinada pelas análises de vários fatores: digestibilibade, produção de matéria seca e conteúdo protéico (Mislevy et al., 1982). Os mesmos autores acrescentam que na fase experimental de avaliação de uma forrageira é aconselhável o estudo do efeito do ambiente sobre o germoplasma, além de monitorar a qualidade da planta e determinar a sua resposta à desfolhação.

O valor nutritivo de uma forragem é determinado por sua composição, estando associado diretamente à sua maturidade (Van Soest, 1994). Assim, fatores como idade, época de corte, adubação, temperatura, solo, umidade e luz, bem como a interação destes fatores, estão diretamente associados à variações na sua composição.

Segundo Minson (1981) com o avanço da idade da planta, ocorre um incremento da fibra e um decréscimo no conteúdo de proteína e no valor da digestibilidade da matéria seca, face ao aumento na lignificação e diminuição na proporção folha/colmo, além do aumento na proporção de parede celular (Van Soest, 1994).

Van Soest (1994), postulou que importantes minerais, paralelamente à digestibilidade, declinam com o conteúdo celular e com a diminuição do tecido metabólico, em função da maturidade da planta. Essa tendência geral de queda nos teores de minerais com o aumento na idade das plantas foi sumarizada por Haag (1984), para gramíneas tropicais.

A finalidade deste estudo foi a de avaliar a produção de matéria seca e os teores de proteína bruta (PB), fibra em detergente neutro (FDN), fibra em detergente ácido (FDA) e da digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS), e, também, estudar a variação da composição de macro e micronutrientes no capim-Transvala aos 20, 30, 40, 50, 60 e 70 dias de crescimento da planta.

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi conduzido em uma área de pastagem de capim-Transvala, no Haras Arakatú, no município de Itapetininga, Estado de São Paulo, localizado nas coordenadas geográficas 23° 35' 09"de latitude sul e 48° 03' 11" de longitude oeste, com uma altitude aproximada de 760 metros.

O clima da região segundo a classificação de Koppen corresponde Cfa, caracterizado por precipitação média anual de 1134 mm, sendo os meses de dezembro, janeiro e fevereiro os de maior precipitação e julho o mais seco. As temperaturas máximas e mínimas registradas no ano são 31,3° e 8,3°C nos meses de janeiro e julho, respectivamente (Instituto Agronômico de Campinas - IAC, 1980).

O solo do local do experimento foi classificado como Podzólico Vermelho-Amarelo (PVA), sendo previamente amostrado para análise química no perfil de 0-20 cm. A análise realizada apresentou os seguintes resultados: pH = 5,4; matéria orgânica = 26 g dm-3; P = 10 mg dm-3; K+ = 5,2 mmolc dm-3; Ca2+ = 59 mmolc dm-3; Mg2+ = 30 mmolc dm-3; SB = 94 mmolc dm-3; CTC = 122 mmolc dm-3; V = 77 %; Cu = 0,80 mg dm-3; Fe = 67 mg dm-3; Mn = 194,30 mg dm-3; Zn = 1,9 mg dm-3.

Foi utilizada uma área de 650 m2 de uma pastagem de capim-Transvala (Digitaria decumbens Stent.) estabelecida há um ano.

O experimento foi conduzido no período de janeiro de 1993 a março de 1994. O início da fase experimental se caraterizou por um corte de uniformização a uma altura média de 5 cm do nível do solo. Imediatamente após esse corte foi realizada a remoção do material cortado e procedeu-se uma adubação à lanço em toda a área experimental. Foram aplicadas, conforme resultado da análise química do solo, doses equivalentes a 60 kg ha-1 de P2O5 na forma de superfosfato simples, 60 kg ha-1 de N e 60 kg ha-1 K2O na fórmula comercial 20-00-20 + micronutrientes na forma de FTE BR-10 (Zn = 7%; B = 2,5%; Cu = 1%; Fe = 4%; Mn = 4%; Mo = 0,10%; Co = 0,10%).

O delineamento estatístico foi o inteiramente casualizado, com seis tratamentos e cinco repetições. Os tratamentos consistiram de seis períodos de crescimento determinados através de cortes efetuados aos 20, 30, 40, 50, 60 e 70 dias após o corte de uniformização.

Para amostragem do material a ser analisado foi utilizado um quadrado com área interna de 1 m2, arremessado aleatoriamente dentro de cada parcela. O material contido no interior do quadrado foi cortado a uma altura de 5 cm do nível do solo. As áreas amostradas foram identificadas, de modo a não serem amostradas novamente. O material amostrado foi utilizado para estimativa da produção de matéria seca a 65°C, teor de PB (teor de N multiplicado por 6,25), DIVMS (Tinnimit, 1974), FDN e FDA (Goering & Van Soest, 1970), macro e micronutrientes (Malavolta et al., 1989) e enxofre (Bataglia, 1976). As concentrações de minerais foram expressas com base na matéria seca a 65ºC.

A análise de variância foi executada através do procedimento de Modelos Lineares Gerais do programa estatístico SAS. A comparação entre as médias dos tratamentos foi feita usando-se o Teste de Tukey, ao nível de 5%. Os graus de liberdade para cortes, para todas variáveis estudadas, foram desdobrados em uma análise de regressão para obtenção da curva descritiva dos resultados, a partir do procedimento de análise de regressão do mesmo programa, descrito no manual SAS Institute (1988).

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os dados de produção de matéria seca (MS) e composição químico-bromatológica do capim-Transvala, encontram-se na TABELA 1.

A produção de matéria seca do capim-Transvala apresentou aumentos significativos (P < 0,05) com o aumento da idade até 40 dias de corte. Esses aumentos se deram de forma linear, segundo análise de regressão (Figura 1).

Figura 1
- Produção de matéria seca da parte aérea do capim-Transvala em função da idade de corte (

Esse aumento da produção em função da idade está de acordo com vários autores (Mislevy et al., 1982; Boyd et al., 1973) que trabalhando com o mesmo nível de adubação nitrogenada (50-60 kg ha-1) obtiveram produções variando de 3 a 6 t ha-1 por corte. Yeh (1990) trabalhando com Digitaria decumbens também verificou aumento na produção anual de matéria seca quando o intervalo entre cortes foi retardado de 4 para 8 semanas (14,2 para 21,9 t ha-1).

O período de maior acúmulo de MS ocorreu entre 20 e 40 dias, sendo os maiores aumentos entre 30 e 40 dias, concordando com Boyd et al. (1973), que também obtiveram acréscimos significativos do acúmulo de matéria seca aos 40 dias de crescimento no capim-Transvala.

De acordo com Escuder (1980), no crescimento das pastagens em geral, observa-se que após um desenvolvimento inicial lento, segue-se um período no qual o crescimento é linear com o tempo e posteriormente ocorre um declínio, quando o sombreamento causado pelas folhas superiores diminui a eficiência fotossintética das folhas inferiores. Assim, o autor sugere que as pastagens deveriam ser utilizadas quando a taxa de crescimento começasse a diminuir. Como, no presente trabalho, esse declínio na produção de matéria seca, não ocorreu ainda aos 70 dias, fica a decisão de utilização do capim mais novo quando seu valor nutritivo é mais elevado.

Dos dados de digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS), destaca-se a significativa queda nesses valores até a idade de 50 dias (P < 0,05), estabilizando em seguida (TABELA 1). Esse parâmetro decresceu de forma quadrática com o aumento da idade (Figura 2), concordando com Minson (1981) e Van Soest (1994), que destacaram o declínio na DIVMS com o avanço da idade das gramíneas devido ao processo de lignificação. Por outro lado, a diminuição diária em unidades percentuais da DIVMS verificada não foi acentuada sendo os valores (0,70; 0,54; 0,22; 0,18 e 0,11) menores aos mencionados por Minson (1981) que estabeleceu queda de 1 a 2 unidades percentuais ao dia para digestibilidade em capins tropicais.

Figura 2
- Composição químico-bromatolócia (DIVMS, FDA, FDN e PB) da parte aérea do capim-Transvala em função da idade de corte (

Os valores da DIVMS obtidos no presente ensaio corroboram os de Mislevy (1977), Boyd et al. (1973) e Kien et al. (1976) que trabalhando com capim-Transvala, determinaram valores de 660, 690 e 650 g kg-1 aos 20, 30 e 35 dias de crescimento, respectivamente.

Os teores de proteína bruta (PB) sofreram decréscimos significativos (P < 0,05) até 50 dias de crescimento, depois se estabilizando (TABELA 1). Essa variável diminuiu de forma quadrática com o avanço da idade (Figura 2). Essa tendência de queda no conteúdo de PB com o aumento da idade de corte concorda com os resultados de vários autores (Kien et al., 1976; Yeh, 1990; Iisu et al. 1993; Chen & Hsich 1994). As concentrações de PB de 125,9; 77,8 e 61,2 g kg-1 verificadas aos 20, 30 e 40 dias, respectivamente, foram inferiores às verificadas por Yeh (1990) (105,3 e 88,5 g kg-1 aos 28 e 42 dias, respectivamente), porém concordam com as obtidas por Kien et al. (1976) e encontram-se dentro dos parâmetros recomendados por Minson (1981), segundo o qual quando o teor de PB de uma forragem se encontra abaixo de 60 a 80 g kg-1 o consumo voluntário é menos da metade do esperado.

Os valores de FDN do capim-Transvala apresentaram aumentos significativos (P< 0,05) nos intervalos de corte de 20 e 30 dias (de 673,8 a 739,3 g kg-1), ocorrendo uma tendência de estabilização a partir desses intervalos (TABELA 1). Esse parâmetro sofreu acréscimos de forma quadrática, como ilustrado na Figura 2. Mislevy (1977) menciona a pouca variação no teor de fibra dos 30 aos 90 dias em Digitarias sp. Isto também foi constatado por Bose (1971) e Ress et al. (1974), que obtiveram em Digitarias sp. valores de FDN entre 650 e 780 g kg-1 dentro do período de 20 e 60 dias, semelhantes aos do presente ensaio (TABELA 1). Esse fato pode justificar a prática da utilização do capim-Transvala como "feno em pé".

O teor de fibra em detergente ácido (FDA) teve comportamento similar à FDN, nos intervalos de 20 aos 70 dias (TABELA 1 e Figura 2). Os valores obtidos concordam com os de Ress et al. (1974) e Bose (1971).

Acredita-se que o valor nutritivo não tenha sido afetado pelo processo de maturação devido aos efeitos ambientais como luz, temperatura e umidade prevalecerem em condições satisfatórias durante os 70 dias do período experimental. Este fato discorda, aparentemente, do exposto por Gomide et al. (1969), Minson (1981) e Vickery (1981), segundo os quais esses fatores influenciam o processo de lignificação das forrageiras, levando a uma queda rápida do valor nutritivo da forragem.

Os decréscimos nos valores de FDN e FDA nos últimos intervalos, podem estar relacionados à perdas por senescência, como foi observado por Hodgson et al. (1981).

Iisu et al. (1993) trabalhando com Digitaria decumbens verificaram decréscimos na DIVMS e no conteúdo de PB e acréscimos nos teores de FDN e FDA, quando o intervalo entre cortes foi retardado de 2 para 8 semanas. Observações confirmadas no presente estudo.

Os resultados referentes às concentrações de nitrogênio (N), fósforo (P), potássio (K), cálcio (Ca), magnésio (Mg) e enxofre (S) na matéria seca da parte aérea do capim-Transvala, em função da idade, são apresentados na TABELA 2.

Através da análise de variância para a concentração de macronutrientes, observou-se que os mesmos foram influenciados (P < 0,05) pela idades de corte, apresentando decréscimos quadráticos (P < 0,05) com o avanço da idade (Figura 3).

Figura 3
- Teores de macronutrientes (P, K, Ca, Mg, S) da parte aérea do capim Transvala em função da idade de corte (

A TABELA 3 apresenta os resultados referentes às concentrações dos micronutrientes Cu, Mn e Zn na parte aérea do capim-Transvala, em função da idade da planta.

Através da análise de variância para micronutrientes, observou-se que a concentração desses micronutrientes com exceção do Mn, decresceu (P < 0,05) em função da idade da planta. Pela analise de regressão os teores de Cu e Zn diminuíram de forma quadrática (P < 0,05), enquanto o teor de Mn aumentou de forma quadrática (Figura 4).

Figura 4
- Teores de micronutrientes (Zn, Mn e Cu) da parte aérea do capim-Transvala em função da idade de corte (

Essa tendência geral de queda nos teores de minerais com o aumento na idade das plantas foi sumarizada por Haag (1984), que concluiu que as espécies forrageiras diferem entre si quanto aos teores dos elementos, que eles decrescem com o aumento da idade, podendo essa queda ser mais ou menos acentuada.

Gomide (1976), observou que com a maturidade das plantas verifica-se, comumente, queda nos teores dos minerais, provavelmente em decorrência do efeito de sua diluição na matéria seca produzida e acumulada. Além disso, com o avanço na idade das plantas, ocorrem alterações na relação colmo/folha (Norton, 1982), morte de folhas senescentes (Wilson & Mannetje, 1978), diversidade no padrão de absorção dos elementos durante o ciclo da cultura, e sua redistribuição entre os vários órgãos da planta, levando à diminuição da concentração dos minerais na planta.

Em termos de nutrição animal as concentrações de minerais mostraram-se adequadas até os intervalos de 30 a 40 dias de crescimento, com exceção dos teores de cobre e zinco que foram incapazes de atender estas exigências durante todo o período estudado (National Research Council, 1988; 1989; 1996).

CONCLUSÕES

Com os resultados obtidos, nas condições do presente experimento, as seguintes conclusões podem ser apontadas:

  • A composição química e a digestibilidade, permitem sugerir que no manejo do capim-Transvalaque seja adotado o intervalo entre cortes de 30 a 40 dias de crescimento da planta.

  • Em função do capim-Transvala manter por tempo prolongado valores razoáveis de nutrientes, poderia-se sugerir sua utilização como "feno em pé".

Recebido para publicação em 13.08.98

Aceito para publicação em 20.04.99

  • BATAGLIA, O.C. Determinaçăo indireta de enxofre em plantas por espectrofotometria de absorçăo atômica. Cięncia e Cultura, v.28, n.6, p.672-675, 1976.
  • BOSE, M.L.V. Composiçăo em fibra bruta, celulose e lignina, digestibilidade da celulose in vitro e em C.E.D. dos capins coloniăo, gordura, jaraguá, napier, pangola em desenvolvimento vegetativo. Piracicaba, 1971. 63p. Tese (Doutorado) - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz, Universidade de Săo Paulo.
  • BOYD, F.T.; SCHANK, S.C.; SMITH, R.L.; HODGES, E.M.; WEST, S.H.; KRETSCHEMER Jr., AE.; BROLMANN, J.B.; MOORE, J.E. Transvala digitgrass: a tropical forage resistant to sting nematode and pangola stunt virus. Gainsville: University of Florida/ Florida Agricultural Experiment Station, 1973. 16p. (Circular, S-22).
  • CHEN, J.F.; HSIEH, W.C. The effects of cutting frequency on growth Pangolagrass and soil hardness. Journal of Taiwan Livestock Research, v.27, n.4, p.285-292, 1994. /Resumo em CAB Abstracts on CD-ROM, 1994-1995/
  • ESCUDER, C.J. Utilizaçăo e manejo das pastagens tropicais. Informe Agropecuário, v.6, n.70, p.63-70, 1980.
  • GOERING, N.K; VAN SOEST, P.J. Forage fiber analysis: apparatus, reagentes, procedures and some aplications. Washington: USDA, 1970. 20p. (Agriculture Handbook, 37a).
  • GOMIDE, J.A. Composiçăo mineral de gramíneas e leguminosas forrageiras tropicais. In: SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO SOBRE PESQUISA EM NUTRIÇĂO MINERAL DE RUMINANTES E PASTAGENS, 1., Belo Horizonte, 1976. Anais Belo Horizonte: EPAMIG, 1976. p.20-33.
  • GOMIDE, J.A.; NOLLER, C.H.; MOTT, G.O; HILL, D.L. Mineral composition of six tropical grasses as influenced by plant age and nitrogen fertilization. Agronomy Journal, v.61, p.120-123, 1969.
  • HAAG, H.P. Nutriçăo mineral de forrageiras no Brasil. Campinas: Fundaçăo Cargill, 1984. 152p.
  • HODGSON, J. BIRCHAM, J.S.; GRANT, S.A.; KING, J. The influence of cutting and grazing management on herbage growth and utilization. In: SIMPOSIUM ON PLANT PHYSIOLOGY AND HERBAGE PRODUCTION, Nottingham, 1981. Proceedings. Belfast: British Grassland Society, 1981. p.51-62.
  • IISU, F.I.I.; HONG, K.Y.; LEE, M.J. The effects of cutting interval on forage yield and quality of Pangola grass and Coast Cross II Bermuda grass. Journal of Taiwan Livestock Research, v.26, n.1, p.91-97, 1993. /Resumo em CAB Abstracts on CD-ROM, 1992-1993/
  • INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS. Seçăo de Climatologia Agrícola. Boletim de dados climáticos. Campinas, 1980. 50p.
  • KIEN, L.T.; RUELKE, O.C.; BRELAND, H.L. Effects of fertilizer on "Pangola" and "Transvala" digitgrass, and "Costcross-1" bermudagrass. Soil and Crop Science Society of Florida Proceedings, v.35, p.80-83, 1976.
  • MALAVOLTA, E.; VITTI, G.C.; OLIVEIRA, S.A. de. Avaliaçăo do estado nutricional das plantas: princípios e aplicaçőes. Piracicaba: POTAFOS, 1989. 201p.
  • MANSFIELD, C.W.; MISLEVY, P.; HAMMOND, L.C. Yield and nutritive value of forages grown under irrigated and non irrigated conditions. Tropical Grasslands, v.24, n.1, p.55-60, 1990.
  • MINSON, D.J. Nutricional differences between tropical and temperature pastures. In: MORLEY, F.H.W. (Ed.) Grazing animals. Amsterdam: Elsevier Scientific, 1981. cap.8, p.143-157.
  • MISLEVY, P. Influence of harvest management systems on the performance of tropical grasses. Soil and Crop Science Society of Florida Proceedings, v.36, p.162-172, 1977.
  • MISLEVY, P.; MOTT, G.O.; MARTIN, F.G. Effet of grazing frequency on forage quality and stolon characteristics of tropical perennial grasses. Soil and Crop Science Society of Florida Proceedings, v.41, p.77-82, 1982.
  • NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Nutrient requirements of dairy cattle. 6.ed. Washington: National Academy Press, 1988. 157p. (Nutrient Requirement of Domestic Animals, 3).
  • NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Nutrient requirements of horses. 5.ed. Washington: National Academy Press, 1989. 100p. (Nutrient Requirement of Domestic Animals, 6).
  • NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Nutrient requirements of beef cattle. 7.ed. Washington: National Academy Press, 1996. 242p. (Nutrient Requirement of Domestic Animals, 4).
  • NORTON, B.W. Differences in plant species in forage quality. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON NUTRITIONAL LIMITS TO ANIMAL PRODUCTION FROM PASTURE, St. Lucia, 1982. Proceedings Farnham Royal: Commonweath Agricultural Bureaux, 1982. p.89-110.
  • RESS, M.C.; MINSON, D.J.; SMITH, F.W. The effect of suplementary and fertilizer sulphur on voluntary intake, digestibility, retention time in rumen, and site of digestion of pangola grass in sheep. Journal of Agricultural Science, v.82, p.419-422, 1974.
  • SÁNCHEZ, P.A.; ISBELL, R.F. Comparaçăo entre os solos tropicais da América Latina e os da Austrália. In: TERGAS, L.F.; SANCHES, P.A.; SERRĂO, E.S. (Ed.) Produçăo de pastagens em solos ácidos dos trópicos. Brasília: Editerra, 1982.
  • SAS INSTITUTE. SAS user's guide: realese 6.03. Cary: Statistical Analysis System Institute, 1988. 1028 p.
  • SCHANK, S.C.; BOYD, F.F.; SMITH, L.; REX, L.; HODGES, E.M.; WEST, S.H.; KRETSCHEMER, A.E.; BROLMANN Jr; J.B.; MOORE, J.E. Registration of "Transvala" digitgrass. Crop Science, v.30, p.1368-1369, 1990.
  • TINNIMIT. P. Forage evaluation using varius laboratory techniques. East Lansing, 1974. Thesis (Ph.D.) - Michigan State University.
  • VAN SOEST, P.J. Nutritional ecology of the ruminant. 2.ed. Ithaca: Cornell University Press, 1994. 476p.
  • VICKERY, P.J. Pasture growth under grazing. In: MORLEY, F.H.W. (Ed.) Grazing animals. Amsterdam: Elsevier Scientific, 1981. cap.8, p.55-77.
  • WILSON, J.R.; MANNETJE, L. Senescence, digestibility and carbohidrate content of Buffel grass and Green Panic leaves in swards. Australian Journal of Agricultural Research, v.29, p.503-516, 1978.
  • YEH, M.T. The effects of cutting interval on forage yield and quality of Pangola grass. Journal of Taiwan Livestock Research, v.23, n.1, p.57-61, 1990. /Resumo em CAB Abstracts on CD-ROM, 1990-1991/

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    17 Set 1999
  • Data do Fascículo
    Jul 1999

Histórico

  • Aceito
    20 Abr 1999
  • Recebido
    13 Ago 1998
São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" USP/ESALQ - Scientia Agricola, Av. Pádua Dias, 11, 13418-900 Piracicaba SP Brazil, Tel.: +55 19 3429-4401 / 3429-4486, Fax: +55 19 3429-4401 - Piracicaba - SP - Brazil
E-mail: scientia@usp.br