Tolerância de porta-enxertos de cajueiro anão-precoce à salinidade: índices fisiológicos e de crescimento

Paulo Torres Carneiro Pedro Dantas Fernandes Hans Raj Gheyi Frederico Antônio Loureiro Soares Sergio Batista Assis Viana Sobre os autores

A cultura de caju (Anacardium occiedentale L.) é de grande importância, econômica e social para o Nordeste brasileiro, região normalmente sujeita a problemas de salinidade da água e do solo. Este estudo, realizado em casa de vegetação, objetivou avaliar efeitos de quatro níveis de condutividade elétrica da água de irrigação (CEa: 0,7, 1,4, 2,1 e 2,8 dS m-1, a 25 ºC), sobre índices fisiológicos e de crescimento de cinco porta-enxertos de cajueiro anão-precoce: CCP06, CCP09, CCP1001, EMBRAPA50 e EMBRAPA51. Foram avaliados altura de planta, área foliar, fitomassa de raízes, da parte aérea e total, teor de água das folhas, relação raiz/parte aérea, razão de área foliar, taxas de crescimento absoluto, relativo e de assimilação líquida. A maioria das variáveis estudadas foi afetada pela salinidade da água de irrigação e variou entre clones, mas sem, haver efeito interativo desses fatores. O valor de CEa = 1,39 dS m-1 foi considerado como limite de tolerância à salinidade para o crescimento dos porta-enxertos utilizados neste estudo. O cajueiro anão-precoce é moderadamente sensível à salinidade do solo na fase de formação de porta-enxertos. Os clones EMBRAPA51 e EMBRAPA50 apresentaram, respectivamente, os piores e os melhores valores para os índices avaliados.

Anacardium occidentale; condutividade elétrica; clones; estresse salino


São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" USP/ESALQ - Scientia Agricola, Av. Pádua Dias, 11, 13418-900 Piracicaba SP Brazil, Tel.: +55 19 3429-4401 / 3429-4486, Fax: +55 19 3429-4401 - Piracicaba - SP - Brazil
E-mail: scientia@usp.br