Agressividade e especialização fisiológica em isolados de Septoria tritici Rob.

Testes de patogenicidade destinados a verificar o comportamento de isolados de Septoria tritici frente a genótipos de trigo (Triticum aestivum L.) devem ser considerados como uma prioridade na seleção de materiais resistentes, já que a agressividade de cada isolado pode variar significativamente em função do hospedeiro. O objetivo do presente trabalho foi determinar se existe variação da agressividade ou especialização fisiológica em isolados de Septoria tritici Rob. originários de Argentina e EUA em cultivares e linhagens de trigo. Os experimentos foram estabelecidos em Castelar-Argentina e em Davis-EUA. Na primeira localidade utilizou-se um delineamento experimental em parcelas divididas com quatro repetições, onde as cultivares foram aleatorizadas nas parcelas e os isolados nas subparcelas. Cada subparcela foi composta por três plantas pertencentes a um determinado cultivar. Na segunda localidade, foi adotado um delineamento em blocos casualizados e arranjo em faixas, com seis repetições, onde as parcelas experimentais foram constituídas por um vaso contendo três plantas de cada cultivar. A inoculação foi feita no estádio fenológico de folha bandeira em ambas localidades com uma suspensão de conídios ajustada a uma concentração de 10(6)-10(8) esporos mL-1, empregando a técnica de inoculação por aspersão foliar. As avaliações foram feitas registrando-se a área foliar coberta por picnídios (AFCP) no estádio de folha bandeira com auxílio de escalas de notas. Em ambas localidades foram detectadas diferenças significativas (P < 0,0001) em AFCP entre cultivares. Foram também detectados efeitos significativos de isolados e da interação cultivares x isolados (P < 0,0001). Foram detectadas variações na agressividade e virulência dos isolados sugerindo a presença de resistência horizontal e vertical no material vegetal testado. Testes de patogenicidade destinados a verificar o comportamento de isolados de Septoria tritici devem ser considerados como uma prioridade na seleção de materiais de trigo resistentes a este patógeno.

Mycosphaerella graminicola; Triticum aestivum; mancha foliar; resistência vertical; resistência horizontal


São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" USP/ESALQ - Scientia Agricola, Av. Pádua Dias, 11, 13418-900 Piracicaba SP Brazil, Tel.: +55 19 3429-4401 / 3429-4486, Fax: +55 19 3429-4401 - Piracicaba - SP - Brazil
E-mail: scientia@usp.br