Fluorescência da clorofila no tegumento de sementes de Brassica oleracea como indicador da maturidade e qualidade da semente

H. Jalink A. Frandas R. van der Schoor J.B. Bino Sobre os autores

A fluorescência da clorofila do tegumento (testa) de sementes foi proposta como um método não destrutivo para a determinação da maturidade e da qualidade das sementes. Sementes de repolho (Brassica oleracea) foram separadas individualmente, em quatro subamostras, classificadas de acordo com a intensidade da fluorescência (baixa, média ,alta, muito alta). Os resultados indicaram a existência de uma relação inversa entre a magnitude da fluorescência e a qualidade das sementes, expressa pela percentagem de germinação, percentagem de plântulas normais, taxa de germinação (T50) e uniformidade de germinação (T75 - T25). Verificou-se incremento de 90 para 97% de plântulas normais no teste de germinação quando foram descartadas 13% de sementes classificadas como de emissão muito alta. O método apresenta vantagens por expressar alta sensibilidade, não destruir a semente, pela rapidez com que a fluorescência é avaliada e pela especificidade por um único elemento, a clorofila. Outros pigmentos ou substâncias, que podem alterar a coloração da semente mas não apresentam emissão de fluorescência no comprimento de onda de excitação e emissão da clorofila, não contribuem para a identificação. Estas características tornam a fluorescência pela clorofila um método adequado para a separação de sementes de acordo com a qualidade fisiológica.

sementes; maturação; fluorescência de clorofila; repolho; qualidade


Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" USP/ESALQ - Scientia Agricola, Av. Pádua Dias, 11, 13418-900 Piracicaba SP Brazil, Phone: +55 19 3429-4401 / 3429-4486 - Piracicaba - SP - Brazil
E-mail: scientia@usp.br
Accessibility / Report Error