Degradabilidade in situ de híbridos de milho e de capim-elefante colhidos em quatro estádios de maturidade

Dentre as forragens, a silagem de milho é amplamente utilizada pelos fazendeiros que visam explorar o máximo do potencial genético dos animais. No entanto, outros volumosos tropicais como o capim-elefante (Pennisetum purpureum) são mais produtivos e, portanto, mais baratos do que a silagem de milho. Nosso objetivo foi comparar a degradabilidade in situ do capim-elefante com a degradabilidade de híbridos de milho, colhidos em quatro estágios de maturidade. O experimento seguiu um delineamento de blocos ao acaso com sub-parcelas. Dois híbridos de milho: AG5011 e ZN8392 foram colhidos com 25, 30, 35 e 40% matéria seca (MS) na planta toda e separados na fração colmo + bainha + folhas e espigas. Capim elefante foi colhido 30, 40, 50 e 60 dias após o corte de nivelamento. As amostras secas e trituradas foram incubadas no rúmen por 0, 6, 12, 24, 48 e 72 h para cálculo da cinética da degradação ruminal da MS e da fibra em detergente neutro (FDN). O avanço da maturidade aumentou os teores de FDN e fibra em detergente ácido (FDA) do capim elefante e reduziu a degradabilidade da MS. Entretanto, a maturidade teve pouco efeito sobre os teores de fibra e a degradabilidade da MS da fração planta dos híbridos de milho. O capim elefante apresentou maior degradabilidade da FDN do que híbridos de milho, e não houve efeito da maturidade sobre a degradabilidade da FDN das duas espécies. A degradabilidade da fibra de capim-elefante não é pior do que a de híbridos de milho e, portanto a escolha da forragem deve ser feita com base em análises econômicas ao invés de assumir um menor potencial de produção em dietas a base de capim elefante.

Pennisetum purpureum; digestibilidade; gramínea tropical; rúmen; silagem-de-milho


São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" USP/ESALQ - Scientia Agricola, Av. Pádua Dias, 11, 13418-900 Piracicaba SP Brazil, Tel.: +55 19 3429-4401 / 3429-4486, Fax: +55 19 3429-4401 - Piracicaba - SP - Brazil
E-mail: scientia@usp.br