Controle do ácaro da falsa ferrugem (Phyllocoptruta oleivora Ashm., 1879) por um juvenóide e outros defensivos agrícolas

Control of citrus rust mite (Phyllocoptruta oleivora Ashm., 1879) by a juvenoid and other pesticides

Resumos

Vários defensivos agrícolas, incluindo um juvenóide, foram aplicados contra o acaro da falsa ferrugem em pomar localizado em Limeira,SP, uma das principais áreas citrícolas do Brasil. Os tratamentos constaram de uma única aplicação, feita em 01/10/89. Tratamentos: A) testemunha; B) flucicloxurom (juvenóide) 40 cm³; C) bromopropilato 65 cm³; D) quinometionato + enxofre 200 cm³; E) quinometionato + enxofre 250 cm³; F) formetanato22,5 g; G) formetanato 31,5 g. As quantidades referem-se aos produtos comerciais para 100 litros de água. Cada laranjeira recebeu 10 litros de calda. Espalhante-adesivo: "Extravon" (25 cm³/100 litros). O delineamento estatístico feito foi de blocos ao acaso, com 4 repetições. Foram feitas 6 avaliações: 1 prévia e 5 após 06, 20, 36, 50 e 68 dias da aplicação. F, G e C foram os melhores tratamentos. D e E foram eficientes somente aos 06 e 20 dias e o juvenóide, aos 20, 36 e 50 dias.

ácaro da falsa ferrugem; citros; Phyllocoptruta oleivora; juvenóide


In order to control the citrus rust mite on orange-trees a field experiment was carried out in Limeira, State of São Paulo, Brazil, an important citrus producing area. Treatments correspondend to a single application on 01/10/89 of: A) check; B) juvenoid flucycloxuron, 40 cm³; C) bromopropilate 65 cm³; D) quinomethionate + sulphur 200 cm³; E) quinomethionate + sulphur 250 cm³; F) fonnetanate 22,5 g; G) formetanate 31,5 g. The quantities are of commercial formulations in 100 liters of water. Each tree received 10 liters of the mixtures. Avaliations were made before spraying and 6, 20, 36, 50 and 68 days after the application. The most effective results in the last three avaliations were obtained with treatments F, G and C. Treatments D and E were effective only for 6 and 20 days and the juvenoid for 20, 36 and 50 days after spraying.

citrus rust mite; Phyllocoptrufa oleivora; citrus; juvenoid


FITOTECNIA

Controle do ácaro da falsa ferrugem (Phyllocoptruta oleivora Ashm., 1879) por um juvenóide e outros defensivos agrícolas

Control of citrus rust mite (Phyllocoptruta oleivora Ashm., 1879) by a juvenoid and other pesticides

R.C. RangelI; R. HamamuraI; E.B. RegitanoI; A.I. ClariI; L.F. MesquitaI; M.A.C. CardosoI; F.A.M. MariconiII

IDep. de Zoologia da ESALQ/USP, Caixa Postal, 9 - CEP: 13418-900-Piracicaba,SP

IIProf. Titular do Dep. de Zoologia da ESALQ/USP, Caixa Postal, 9 - CEP: 13418-900- Piracicaba,SP

RESUMO

Vários defensivos agrícolas, incluindo um juvenóide, foram aplicados contra o acaro da falsa ferrugem em pomar localizado em Limeira,SP, uma das principais áreas citrícolas do Brasil. Os tratamentos constaram de uma única aplicação, feita em 01/10/89. Tratamentos: A) testemunha; B) flucicloxurom (juvenóide) 40 cm3; C) bromopropilato 65 cm3; D) quinometionato + enxofre 200 cm3; E) quinometionato + enxofre 250 cm3; F) formetanato22,5 g; G) formetanato 31,5 g. As quantidades referem-se aos produtos comerciais para 100 litros de água. Cada laranjeira recebeu 10 litros de calda. Espalhante-adesivo: "Extravon" (25 cm3/100 litros). O delineamento estatístico feito foi de blocos ao acaso, com 4 repetições. Foram feitas 6 avaliações: 1 prévia e 5 após 06, 20, 36, 50 e 68 dias da aplicação. F, G e C foram os melhores tratamentos. D e E foram eficientes somente aos 06 e 20 dias e o juvenóide, aos 20, 36 e 50 dias.

Descritores: ácaro da falsa ferrugem, citros, Phyllocoptruta oleivora, juvenóide.

ABSTRACT

In order to control the citrus rust mite on orange-trees a field experiment was carried out in Limeira, State of São Paulo, Brazil, an important citrus producing area. Treatments correspondend to a single application on 01/10/89 of: A) check; B) juvenoid flucycloxuron, 40 cm3; C) bromopropilate 65 cm3; D) quinomethionate + sulphur 200 cm3; E) quinomethionate + sulphur 250 cm3; F) fonnetanate 22,5 g; G) formetanate 31,5 g. The quantities are of commercial formulations in 100 liters of water. Each tree received 10 liters of the mixtures. Avaliations were made before spraying and 6, 20, 36, 50 and 68 days after the application. The most effective results in the last three avaliations were obtained with treatments F, G and C. Treatments D and E were effective only for 6 and 20 days and the juvenoid for 20, 36 and 50 days after spraying.

Key Words: citrus rust mite, Phyllocoptrufa oleivora, citrus, juvenoid.

INTRODUÇÃO

Dada a importância atual da citricultura no Brasil, o acaro da falsa ferrugem Phyllocoptruta oleivora (Ashm., 1879) assume grande destaque e sendo uma das principais pragas justifica-se que trabalhos de combate estejam sendo continuamente realizados.

Mortalidades superiores a 91% foram obtidas por MURAI et al. (1973) com a pulverização de bromopropilato, clorobenzilato, ometoato e dicrotofós, aos 41 dias de aplicação. NAKANO et al. (1977) obtiveram melhores resultados com o óxido de fembutatina, dicrotofós + malatiom e clorobenzilato. SANTOS et al. (1977) obtiveram reduções notáveis na população com o aldicarbe granulado a 10%, no solo, à razão de 100 e 200 g por laranjeira; não houve diferença significativa entre as duas dosagens, até 66 dias após a aplicação. BRUNELLI et al. (1978) conseguiram resultados de combate surpreendentes com o aldicarbe e o oxamil, ambos granulados incorporados ao solo. A partir de 126 dias o oxamil começou a apresentar controle menos eficiente. O aldicarbe atuou muito bem até aos 218 dias da aplicação (4g IA/planta) e 10g IA/planta até aos 246 dias. MARCONATO et al. (1980) obtiveram bons resultados com a pulverização de ciexatina e triflumurom (ex-triflurom), e no solo, com granulados de aldicarbe e oxamil. O bromopropilato foi considerado por ALMEIDA et al. (1981) muito eficiente, embora tenha caído uma forte e prolongada chuva logo após a pulverização realizada por eles; por outro lado, esses autores não recomendam os inseticidas-acaricidas piretróides FMC 54617 e bifentrina (FMC 54800) em citros, devido ao intenso desequilíbrio biológico causado. MARICONI et al (1986) aplicaram diversos defensivos, entre eles, o bromopropilato e a clofentezina. Estes acaricidas conduziram a resultados bons a excelentes até 117 dias de pulverização. GERALDI et al. (1987) experimentaram granulados sistêmicos no solo e líquidos em pulverização. Duas formulações de dicofol foram muito eficientes: uma delas, formulada com dicofol técnico não purificado, foi um pouco melhor, principalmente aos 83 dias da pulverização; a outra, preparada com dicofol livre de várias impurezas, atuou muito bem até aos 70 dias. O aldicarbe apresentou bons resultados; tornou-se muito bom aos 53, 70 e 83 dias, após a ocorrência de chuvas.

MATERIAL E MÉTODOS

Local: Campo experimental instalado no Sítio Santa Rosa, município de Limeira, Estado de São Paulo, de propriedade do Sr Etelvino Novello.

Campo Experimental: Formado de laranjeiras da variedade Pera Natal, com idade de 9 anos, plantadas em espaçamentos de 6,30m entre plantas e 7,10m entre linhas (222 plantas por hectare). As árvores apresentavam altura média de 3,5m.

Tratamentos: Em número de 7, com quatro repetições, tendo sido adotado o delineamento de blocos casualizados. Cada parcela era constituída de três árvores, sendo que somente a árvore central foi pulverizada. Os tratamentos, produtos comerciais, formulações e consumo de materiais podem ser vistos na Figura 1.

Aplicação: Uma única pulverização foi realizada em 01 de outubro de 1989. Em todos os tratamentos os produtos foram aplicados com pulverizadores costais motorizados. Foram utilizados 10 litros de calda por planta.

Coletas: Foram realizadas 06 amostragens: a inicial em 28 de setembro de 1989 (03 dias antes da aplicação) e cinco outras, 6, 20, 36 e 50 e 68 dias após a aplicação. Em cada amostragem foram apanhadas 30 folhas por planta (30 folhas por parcela; 120 folhas por tratamento). A coleta das folhas foi feita ao acaso em toda a volta das plantas, com a ressalva de que não fossem muito velhas ou muito novas (com coloração intermediária). As folhas de cada parcela eram postas em saquinhos plásticos rotulados e, em seguida, em caixas de isopor. Estas foram protegidas do sol e levadas para o laboratório logo após o término da coleta.

Contagens: realizadas em laboratório, com o auxilio de microscópios estereoscópicos com aumento de 30 vezes. Numa área circular, feita com vazador n° 12 (18 mm de diâmetro interno), contaram-se todos os ácaros presentes. A área localizava-se na página inferior da folha, próxima a sua base (TABELA 1).

Redução real ou eficiência: Calculada pela fórmula de "Abbott", tomando-se por base a população de ácaros de cada tratamento, transformada em porcentagem de sobrevivência (TABELA 2).

Análise estatística: O número de ácaro das 4 parcelas (TABELA 3), em todos os tratamentos e em cada avaliação, foi transformado em raiz quadrada de x + 0,5, sendo a quantidade de ácaro em cada parcela. A soma dos 4 valores transformados foi dividida por 4, para se ter a população média do tratamento numa determinada avaliação.

Os resultados foram analisados pelo teste "F" e, a seguir, fez-se a análise das médias pelo teste de "Tukey" ao nível de 5% de probabilidade (TABELA 4).

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Pela análise estatística, a nível de 5% de probabilidade (TABELA 1) e mortalidades reais (TABELA 2), pode-se observar os seguintes resultados:

Contagem prévia: todos os tratamentos se assemelham à testemunha.

1ª Contagem (após 06 dias da aplicação): todos os tratamentos diferiram de A (testemunha); B (juvenóide) foi menos enciente, ao contrário dos outros 5.

2ª Contagem: (20 dias após): todos os tratamentos diferiram da testemunha. B melhorou e os demais não se diferenciaram entre si e continuaram a apresentar resultados excelentes.

3ª e 4ª Contagens (36 e 50 dias depois da pulverização): D e E (ambos, quinometionato + enxofre) sofreram drástica redução em suas eficiencias. Os 4 melhores tratamentos C (bromopropilato), B (juvenóide), G (formetanato, dosagem maior) e F (formetanato, dosagem menor) não se mostraram diferentes entre si. F (98,3% e, 96,6% de eficiência) e G (94,8% e 96,6%) foram os melhores.

5ª Contagem (depois de 68 dias): a população de ácaro foi muito reduzida; entretanto C, G e F continuaram diferentes da testemunha. A população de ácaro s fitoseiídeos foi, antes da pulverização, muito baixa; em nenhuma avaliação, esses predadores apresentaram alta população.

CONCLUSÕES

O formetanato conduziu a excelentes resultados, sem mostrar diferenças significativas entre as duas dosagens, dos 06 aos 68 dias. O bromopropilato apresentou excelentes a bons resultados. O juvenóide (flucicloxurom) foi bom dos 20 aos 50 dias.

As duas dosagens de quinometionato + enxofre foram excelentes a boas somente aos 06 e 20 dias de pulverização.

Trabalho entregue para publicação em 08.11.90

Trabalho aprovado para publicação em 30.09.92

  • ALMEIDA, S.L.; CORTE, C.R.; MORAIS, A.A.; GALHARDO , L.C.S.; FEKETE, T.J.; MARICONI, F.A.M. Defensivos químicos e o fungo Hirsutella thompsonii (Fisher, 1950) pulverizados contra Phyllocoptruta oleivora (Ashm., 1879) (ácaro da falsa ferrugem dos citros. O Solo, Piracicaba, v.73, n.2, p.11-17, 1981.
  • BRUNELLI JÚNIOR, H.C.; CARVALHO, J.C.; OLIVEIRA FILHO, J.C.; FAGAN, R.; SANTOS, B.M.; AMORIM NETO, L.A.; MARICONI, F.A.M. Granulados sistêmicos incorporados ao solo no combate ao ácaro Phyllocoptruta oleivora (Ashm., 1879) em laranjeiras adultas. O Solo, Piracicaba, n.70, n.2, p.15-19, 1978.
  • GERALDI, F.I.; BIONDO, C.J.; CLARI, A.I; DONATONI, J.L.; RAIZER, A.J.; ARASHIRO, F.Y.; MARICONI, F.A.M. Combate ao ácaro da falsa ferrugem Phyllocoptruta oleivora (Ashm, 1879), em laranjeiras com granulados sistêmicos e líquidos. O Solo, Piracicaba, v.79, n.1/2, p.27-32, 1987.
  • MARCONATO, J.R.; TAVARES, S.; BRUNELLI JUNIOR, H.C.; FAGAN, R.; OLIVEIRA FILHO, J.C.; CARVALHO, J.C.; MARICONI, F.A.M. Combate químico ao "ácaro da falsa ferrugem" Phyllooptruta oleivora (Ashm., 1879). O Solo, Piracicaba, v.72, n.1, p.53-56, 1980.
  • MARICONI, F.A.M.; MOTTA, R.; SILVA, J.M., TAKAOKA, M.; RAIZER, A.J.; KATO, W.Y. Eficiência no combate ao ácaro da falsa ferrugem Phyllocoptruta oleivora (Ashm, 1879). Anais da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Piracicaba, v.43, p.751-762, 1986.
  • MURAI, N.T.; IDAGAWA, T.; MARICONI, F.A.M. Pulverização a alto volume contra o ácaro da falsa ferrugem dos citros Phyllocoptruta oleivora (Ashm., 1879). O Solo, Piracicaba, v.65, n.l, p.27-29, 1973.
  • NAKANO, O.; SANTOS, L.A.; SUGUINO, H.; ARRUDA, J.M.M. Controle químico experimental visando o "ácaro da falsa ferrugem" Phyllocoptruta oleivora (Ashm., 1879) em citros. Divulgação Agronômica, São Paulo, v.42, p. 16-20, 1977.
  • SANTOS, B.M.; BRUNELLI JUNIOR, H.C.; FAGAN, R.; AMORIM NETO, L.A.; TARDIVO, J.C.; DIONÍSIO, A.; FRANCO, J.F.; MARICONI, F.A.M. Combate experimental ao "ácaro da falsa ferrugem da laranjeira" com sistêmicos aplicados no solo. O Solo, Piracicaba, v.69, n.2, p.32-36, 1977.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    02 Ago 2005
  • Data do Fascículo
    Maio 1993

Histórico

  • Recebido
    08 Nov 1990
  • Aceito
    30 Set 1992
São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" USP/ESALQ - Scientia Agricola, Av. Pádua Dias, 11, 13418-900 Piracicaba SP Brazil, Tel.: +55 19 3429-4401 / 3429-4486, Fax: +55 19 3429-4401 - Piracicaba - SP - Brazil
E-mail: scientia@usp.br