Stress ocupacional e avaliação cognitiva: um estudo com forças de segurança

Anabela Esteves A. Rui Gomes Sobre os autores

Este estudo analisa a experiência de stress laboral numa amostra de profissionais de segurança pública, observando igualmente a importância dos processos de avaliação cognitiva do modelo transacional (Lazarus, 1991, 2000) no ajustamento aos contextos de trabalho. Foram incluídos 196 profissionais de segurança pública, que responderam a um protocolo de avaliação sobre stress ocupacional, avaliação cognitiva primária e secundária, burnout e sintomatologia depressiva. Os resultados apontaram experiências laborais mais negativas nos profissionais casados, nos que não praticavam exercício físico, nos que exerciam maioritariamente funções no exterior das instalações de trabalho, nos que trabalhavam mais horas por semana e nos que possuíam categorias profissionais mais baixas. Os processos de avaliação cognitiva foram determinantes na explicação da experiência de stress ocupacional, burnout e sintomatologia depressiva. O stress ocupacional e a avaliação cognitiva foram variáveis importantes na predição do burnout. Em conclusão, os resultados evidenciaram a importância das variáveis pessoais e profissionais na experiência de stress laboral, bem como a adaptabilidade do modelo transacional no estudo do stress laboral nesta classe de profissionais.

Stress; Avaliação cognitiva; Burnout; Sintomatologia depressiva


Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. Associação Paulista de Saúde Pública. Av. dr. Arnaldo, 715, Prédio da Biblioteca, 2º andar sala 2, 01246-904 São Paulo - SP - Brasil, Tel./Fax: +55 11 3061-7880 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: saudesoc@usp.br