Violência conjugal: elementos que favorecem o reconhecimento do agravo

Marital violence: factors that favor the recognition of appeal

Resumos

Estudo qualitativo, com objetivo de apontar elementos que favoreçam o reconhecimento da violência conjugal como agravo à saúde das mulheres. Realizaram-se entrevista e Análise Temática. O estudo revelou que, além das manifestações visíveis decorrentes da agressão física, a violência conjugal guarda relação com o aborto provocado e com aspectos da saúde mental, tal como a depressão. Os profissionais de saúde suspeitam de violência doméstica diante das sequelas físicas, o que permeia a formação tecnicista de valorização dos aspectos clínicos. Faz-se necessário espaço de discussão sobre a temática da violência doméstica contra a mulher e sobre as questões de gênero durante a formação.

Violência doméstica; Profissionais da saúde; Qualificação profissional


Qualitative study aiming to point out elements that favor the recognition of marital violence as injury to women's health. We conducted interviews and thematic analysis to organize the raw material. The study revealed that besides the visible manifestations resulting from physical assault, domestic violence is related to the abortion and mental health aspects, such as depression. Health workers suspected of domestic violence injuries on physical sequelae, which permeates the technical education to clinical recovery. It is necessary space for discussion on the topic of domestic violence against women and on gender issues during training.

Domestic violence; Education health; Vocational education


  • ARCOS G. E. et al Perspectiva de género en la formación de profesionales de la salud: Una tarea pendiente. Revista Médica do Chile, Chile, v.135, p. 708-717, 2007.
  • AUDI, C. A. F. et al Violência doméstica na gravidez: prevalência e fatores associados. Revista de Saúde Publica, São Paulo, v. 42, n. 05, p.877-885, 2008.
  • BAPTISTE, M. H C. Violência doméstica: consequências para a mulher. 2007. 196f. Dissertação (Mestrado de Saúde Pública) - Faculdade de Saúde Pública, Universidade São Paulo, São Paulo, 2007.
  • BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009. 223p.
  • BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 196 Dispõe sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Revista Bioética, Brasília, v.4, n.1, p.15-25, 1996.
  • ______. Lei n. 10.778, de 24 de novembro de 2003. Notificação compulsória da violência contra a mulher. Brasília: Presidência da República, 2003. Disponível em <http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral. action?id=225310&norma=237891>. Acesso em: 15 abr. 2007.
  • ______. Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006. Brasília: Presidência da República, 2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm>. Acesso em: 15 abr. 2007.
  • ______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Área Técnica de Vigilância e Prevenção de Violências e Acidentes. Caracterização das vítimas de violências doméstica, sexual e outras violências interpessoais notificados no VIVA. Norma técnica. 2. ed. atual. e ampl. Brasília; 2008.
  • ______. Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República. Central de Atendimento à Mulher. Norma técnica. 5. ed. Brasília; 2010.
  • CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ. Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. Belém: Convenção de Belém do Pará, 1995. 8p.
  • CORREA, M. E. C; LABRONICI, L. M; TRIGUEIRO, T.H. Sentir-se impotente: um sentimento expresso por cuidadores de vítimas de violência sexual. Revista Latino Americana de Enfermagem, São Paulo, v. 17, n.03, p.289-294, 2009.
  • DOMINGUES, B.; MACHADO, K. Às vítimas de violência sexual, atendimento humanizado. Radis: comunicação em saúde, Rio de Janeiro, n. 92, p. 10-15, abr. 2011.
  • GOMES, N. P. Trilhando caminhos para o enfrentamento da violência conjugal. 2009. 220f. Tese (Doutorado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.
  • GOMES, N. P.; DINIZ, N. M. F. Homens desvelando as formas de violência conjugal. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 21, n.2, p. 262-267, 2008.
  • GUEDES, R. N; SILVA, A. T.M. C; FONSECA, R. M. G.S. A Violência de Gênero e o Processo Saúde-Doença das Mulheres. Revista Anna Nery de Enfermagem, Rio de Janeiro, v.13, n.03, p.625-631, 2009.
  • INSTITUTO AVON. Pesquisa Instituto AVON/IPSON: percepções sobre a violência contra a mulher no Brasil. São Paulo: IPSON, 2011. 17p.
  • MIRANDA, M.P.M; PAULA, C. S.; BORDIN, I. A. Violência conjugal física contra a mulher na vida: prevalência e impacto imediato na saúde, trabalho e família. Revista Panamericana de Salud Publica, Washington, DC, v. 27, n.4, 2010.
  • PORTUGAL. Plano Nacional Contra a Violência Doméstica. Lisboa: Presidência da República, 2007. Disponível em: <http://www.portugal.gov.pt/NR/rdonlyres/DA3EF4A0-74A1-4531-BC08-6A8714E295AB/0/III_PNCVD.pdf> . Acesso em: 25 nov. 2008.
  • _____. Violência doméstica: números em Portugal são intoleráveis. Lisboa: Presidência da República, 2008. Disponível em: <http://www.mp.gov.pt/mp/pt/GabImprensa/NoticasLusa/GC15/20031125_Violencia_Domestica.htm>. Acesso em: 05 nov. 2008.
  • REIS, M. J. et al Vivências de enfermeiros na assistência à mulher vítima de violência sexual. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.44, n.02, p.325-331, 2010.
  • ROSA, A. G. et al A violência conjugal contra a mulher a partir da ótica do homem autor da violência. Revista Saúde e Sociedade, São Paulo, v.17, n.3 p.152-160, 2008.
  • SALIBA, O. et al Responsabilidade do profissional de saúde sobre a notificação dos casos de violência doméstica. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.41, n.03, p. 472-477, 2007.
  • SALVADOR. Superintendência de Políticas para Mulheres. SPM promovendo políticas para todas as mulheres: dados estatísticos. Salvador: Superintendência de Políticas para Mulheres, 2009. Disponível em: <http://www.spm.salvador.ba.gov.br/index.php?option=com_content&task>. Acesso em: 13 abr. 2009.
  • SCHRAIBER, L. B. et al Prevalência da violência contra a mulher por parceiro íntimo em regiões do Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 5, p.797-807, out. 2007.
  • SILVA, P. A. et al Notificação da violência intrafamiliar contra criança e adolescentes na percepção dos profissionais de saúde. Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá, v.06, n. 02, p.56-62, 2009.
  • VICENTE, L. M.; VIEIRA, E. M. O conhecimento sobre a violência de gênero entre estudantes de medicina e médicos residentes. Revista Brasileira de Educação Medica, Rio de Janeiro, v. 33, n.1, p. 63-71, 2009.
  • VIEIRA, E. M.; PERDONA, G. S. C.; SANTOS, M. A. Fatores associados a violência física por parceiro íntimo em usuárias de serviço de saúde. Revista de Saúde Pública, São Paulo , v. 45, n. 4 . 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid =S0034-89102011000400013&tlng=pt.>. Acesso em: 01 set. 2011.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    02 Abr 2013
  • Data do Fascículo
    Dez 2012

Histórico

  • Recebido
    Maio 2012
  • Aceito
    Set 2012
Centro Brasileiro de Estudos de Saúde Av. Brasil, 4036, sala 802, 21040-361 Rio de Janeiro - RJ Brasil, Tel. 55 21-3882-9140, Fax.55 21-2260-3782 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: revista@saudeemdebate.org.br