Intersetorialidade: possibilidade de parcerias entre a Estratégia Saúde da Família e a Pastoral da Criança

Intersectoriality: possibility of partnerships between the Family Health Strategy and the Pastoral Care of the Child

Fabrine Costa Marques Karine Suene Mendes Almeida Ribeiro Warley Queiroz Santos Sobre os autores

Resumos

Trata-se de estudo descritivo/qualitativo, com o objetivo de conhecer a percepção dos enfermeiros com relação à parceria com a pastoral da criança. Para coleta de dados, utilizou-se entrevista semiestruturada e os dados foram analisados através da análise do discurso. A percepção foi considerada relevante ante a viabilidade do acompanhamento intensivo das crianças. As estratégias utilizadas pelas equipes na concretização da parceria foram: reuniões; processos de referência e contrarreferência; educação continuada e pesagem. A parceria mostrou-se relevante e efetiva na promoção da saúde, sobretudo na prevenção e no combate de doenças prevalentes na infância.

Intersetorialidade; Programa Saúde da Família; Desenvolvimento da comunidade; Promoção da Saúde


This is a descriptive-qualitative study aiming to understand the perception of nurses regarding the partnership with pastoral care of children. For data collection, we used semi structured interviews and data were analyzed using discourse analysis. The perception was considered relevant at the feasibility of intensive monitoring of children. The strategies used by the teams in the implementation of the partnership were: meetings; reference and counter-reference processes, continuing education and weighing. The partnership proved to be relevant and effective in promoting health, particularly in preventing and combating common childhood diseases.

Intersectioriality; Family Health Program; Community development; Health promotion


  • ANJOS, G. Maternidade, cuidados do corpo e "civilização" na Pastoral da Criança. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.15, n.01, p.27-44, jan/abr. 2007.
  • BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. 1519 p.
  • ______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006a. 60 p. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/PoliticaNacionalPromocaoSaude.pdf>. Acesso em: 22 jun. 2010.
  • ______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Desenvolvimento Social. Em visita a Montes Claros, Ministro Patrus afirma que Programa do Leite gera trabalho e garante alimentação. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, 20 setembro 2006b. Disponível em: <http://www.mds.gov.br/noticias/>. Acesso em: 06 out. 2008.
  • ______. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria n.750, de 10 de outubro de 2006. Diário Oficial da União, Brasília, n. 197, out. 2006c. Disponível em:<http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=79&data=13/10/2006>. Acesso em: 02 maio 2010.
  • ______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. 4. ed.. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. 68 p. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/volume _4_completo.pdf>. Acesso em: 08 nov. 2009.
  • ______. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da Família. Brasília: Departamento de Atenção Básica, 2004. Disponível em: <http://dab.saude.gov.br/atencaobasica.php>. Acesso em: 14 ago. 2009.
  • CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE (Brasil). Conferência Nacional de Saúde, 11, 2000, Brasília. O Brasil falando como quer ser tratado: efetivando o SUS: acesso, qualidade e humanização na atenção à saúde com controle social: relatório final. Brasília: Ministério da Saúde, 2003. 198 p. Disponível em: <http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/popup/03_1444.htm>. Acesso em: 03 maio 2010.
  • JUNQUEIRA, L. A. P. A gestão intersetorial das políticas sociais e o terceiro setor. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.13, n.01, p.25-36, jan/abr., 2004.
  • LOPES, M. J. M.; LEAL, S. M. C. A feminização persistente na qualificação profissional da enfermagem brasileira. Cadernos Pagu, Campinas, n.24, p.105-125, jan./jun., 2005.
  • MAGALHÃES, R.; BODSTEIN, R. Avaliação de iniciativas e programas intersetoriais em saúde: desafios e aprendizados. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 03, p. 861-868, maio/jun. 2009.
  • MENDONÇA, M. H. M. de. Agente Comunitário de saúde: o ser, o saber, o fazer. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 05, set/out, 2004, p. 1433-1434. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2004000500041> Acesso em: 16 abr. 2012.
  • MINAYO, M. C. S. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 2006. 406 p.
  • ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 4. ed. Campinas: Pontes, 1996. 276 p.
  • PASTORAL DA CRIANÇA. Guia do Líder da Pastoral da Criança. 10. ed. Curitiba, 2007. 304 p.
  • PAULA, K. A.; PALHA, P. F.; PROTTI, S. T. Intersetorialidade: uma vivência prática ou um desafio a ser conquistado? O discurso do Sujeito Coletivo dos Enfermeiros nos núcleos de saúde da Família do Distrito Oeste – Ribeirão Preto. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v.08, n.15, p. 331-348, mar./ago., 2004.
  • STARFIELD, B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO Brasil, Ministério da Saúde, 2004. 726 p.
  • TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1992. 176 p.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    02 Abr 2013
  • Data do Fascículo
    Dez 2012

Histórico

  • Recebido
    Fev 2012
  • Aceito
    Jun 2012
Centro Brasileiro de Estudos de Saúde Av. Brasil, 4036, sala 802, 21040-361 Rio de Janeiro - RJ Brasil, Tel. 55 21-3882-9140, Fax.55 21-2260-3782 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: revista@saudeemdebate.org.br