Os ciganos entre perseguição e emancipação

The gypsies between persecution and emancipation

Toda sociedade que classifica os homens e separa os grupos autóctones dos grupos "estrangeiros" inclui um sistema de crenças, religiosas ou outras. Suas representações obedecem a uma norma que dá a seus atos um sentido ético. Esses atos não são cometidos por criminosos ou loucos, mas por pessoas que sabem o que é permitido ou proibido, qual é a diferença entre o bem e o mal. O ponto de partida das reflexões apresentadas é que estereótipos - categorias discriminando grupos em brancos e negros, cristãos e judeus, franceses e alemães, indígenas e espanhóis, ciganos e romenos, etc. - constituem, em suma, um modo de conhecimento com a função de opor os "semelhantes" preferidos aos "diferentes" desprezíveis, de distinguir aqueles que não são como nós.

preconceito; ciganos; representações sociais; Psicologia Social


Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília Instituto de Ciências Sociais - Campus Universitário Darcy Ribeiro, CEP 70910-900 - Brasília - DF - Brasil, Tel. (55 61) 3107 1537 - Brasília - DF - Brazil
E-mail: revistasol@unb.br