Política energética e agentes científicos: o caso das pesquisas em células a combustível no Brasil* * Este artigo traz resultados da pesquisa de mestrado intitulada "Em busca de alternativas energéticas: estudo sobre as pesquisas em células combustíveis no Brasil" (Lorenzi, 2012), defendida no Programa de Pós-graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade (PPGCTS) da UFSCar, São Carlos, com financiamento da Fapesp.

Thales Novaes de Andrade Bruno Rossi Lorenzi Sobre os autores

Resumo

Este artigo tem como objetivo fazer uma análise das dimensões políticas e sociais das pesquisas em células a combustível e uso energético do hidrogênio no Brasil. Esta pesquisa é um estudo de caso sobre o Centro Nacional de Referência em Energia do Hidrogênio (Ceneh), centro público de pesquisa e consulta em tecnologias relacionadas ao hidrogênio e células a combustível. Como referencial teórico, partimos da sociologia da ciência, em especial a Teoria Ator-Rede de Bruno Latour e Michel Callon, com a qual pudemos identificar os diversos atores sociais envolvidos nas pesquisas nesta área, suas ações, relações e tensões, assim como o panorama social e político em âmbito nacional e internacional relacionado às células à combustível.

Palavras-chave:
células a combustível; hidrogênio; Ceneh; sociologia da ciência

Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília Instituto de Ciências Sociais - Campus Universitário Darcy Ribeiro, CEP 70910-900 - Brasília - DF - Brasil, Tel. (55 61) 3107 1537 - Brasília - DF - Brazil
E-mail: revistasol@unb.br