Sensibilidade de isolados de Cercospora coffeicola a azoxistrob

Leandro Alvarenga Santos Edson Ampélio Pozza Paulo Estevão de Souza Otávio Henrique Stivanin Deila Magna dos Santos Botelho Viviane Bartelega Sobre os autores

O Brasil é o maior produtor mundial de café (Coffea arabica L.) e o segundo maior mercado consumidor. Dentre os fatores bióticos que acometem a produção do cafeeiro, cita-se a ocorrência da cercosporiose, doença cujo agente etiológico é o fungo Cercospora coffeicola Berk. & Cooke) (11 Custódio, A. A., Pozza, E. A., de Paiva Custodio, A. A., de Souza, P. E., Lima, L. A., da Silva, A. M. Effect of center-pivot irrigation in the rust and brown eye spot of coffee. Plant Disease, v. 98, n. 7, p. 943-947, 2014. Disponivel em < https://doi.org/10.1094/PDIS-07-13-0801-RE> Acesso em: 12 de nov. 2020
https://doi.org/10.1094/PDIS-07-13-0801-...
). A azoxistrobina foi registrada no Brasil em 2005 e desde então vem sendo utilizada na cafeicultura para controle de diversas doenças. Dentre os fungicidas registrados no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento aproximadamente 10% possuem azoxistrobina na sua composição, seja como ingrediente ativo único ou junto com triazóis. Neste contexto, o presente estudo objetivou avaliar a sensibilidade de oito isolados de C. coffeicola a azoxistrobina. Os isolados de C. coffeicola foram coletados em lavouras de cafeeiro com sintomas da doença nos municípios de Campos Altos (CA1), Candeias (CAN1 e CAN3), Ilicínea (ILI3 e ILI1), Machado (MAC1), Três Pontas (TP1), São Francisco da Glória (SFG1), todos pertencentes ao estado de Minas Gerais, responsável por aproximadamente metade da produção de café do Brasil. A identificação dos isolados foi realizada com base em caracteres morfológicos e os mesmos encontram-se preservados na coleção do Laboratório de Fisiologia do Parasitismo da Universidade Federal de Lavras. A concentração inibitória a 50% (IC50), concentração inibitória mínima (CIM) e a percentual de inibição do crescimento micelial (ICM) foram determinada com base no crescimento micelial dos isolados de C. coffeicola em meio de cultura malte contendo diferentes concentrações de azoxistrobina (250; 25; 2,5; 0,25; 0,025 e 0 µg ia/ml). O ácido salicilhidroxâmico (SHAM) foi adicionado ao meio de cultura extrato de malte (MEA) na dosagem de 100 µg/ml visando suprimir a via alternativa da oxidase. O tratamento controle consistiu de placas contendo SHAM sem adição de azoxistrobina. A avaliação do diâmetro da colônia foi realizada sete dias após a transferência dos discos de micélio de C. coffeicola. O experimento foi instalado em delineamento em blocos casualizados, com 48 tratamentos (seis doses e oito isolados) e quatro repetições. O experimento foi realizado duas vezes. Os isolados IL1, CAN3 apresentaram maior sensibilidade, com EC50 de 0,38 µg/mL e 0,39 µg/mL à azoxistrobina, respectivamente. Já o isolado CA1 apresentou baixa sensibilidade ao fungicida, com EC50 de 146,85. Isolados de Cercospora beticola foram classificados em resistentes à estrobirulina baseado em valores de EC50 ( ≥10–100 µg/ml) e sensíveis (≤0.01 µg/ml) (33 Piszczek, J., Pieczul, K., Kiniec, A. First report of G143A strobilurin resistance in Cercospora beticola in sugar beet (Beta vulgaris) in Poland. Journal Plant Disease Protection, v.125, p. 99–101, 2018 Disponivel em < https://link.springer.com/article/10.1007/s41348-017-0119-3> Acesso em: 12 de nov. 2020
https://link.springer.com/article/10.100...
). Com base nesta classificação, dentre os isolados de C. coffeicola avaliados, nenhum isolado foi classificado como sensível. Já os isolados TP1, CAN4 foram classificados como resistentes (44 Vaghefi, N., Hay, F. S., Kikkert, J. R.. Pethybridge, S. J.. Genotypic Diversity and Resistance to Azoxystrobin of Cercospora beticola on Processing Table Beet in New York. Plant Disease, v.100, p.1466-1473, 2016. Disponivel em < https://apsjournals.apsnet.org/doi/epdf/10.1094/PDIS-09-15-1014-RE>. Acesso em: 12 de abri. 2021.
https://apsjournals.apsnet.org/doi/epdf/...
). A ocorrência de isolados de C. coffeicola com diferentes graus de sensibilidade azoxistrobina foi detectada nas diferentes regiões amostradas, indicando possíveis diferenças de backgrounds genéticos pois, a resistência a azoxistrobina frequentemente está associada a uma única mutação no gene citrocromo b (22 Gisi, U., Sierotzki, H., Cook, A., McCaffery, A. Mechanisms influencing the evolution of resistance to Qo inhibitor fungicides. Pest Manage. Sci., v.58, p. 859-867, 2002). Os isolados destes campos provavelmente foram expostos à pressão de seleção pela aplicação de azoxistrobina, por longos períodos. Desta forma, o presente estudo constatou a variabilidade na sensibilidade de isolados de C. coffeicola à azoxistrobina e destaca a necessidade de implementação de estratégias de manejo doença para minimizar a ocorrência de isolados resistentes à azoxistrobina em cafezais.

Figura 1
Distribuição geográfica dos oito isolados de Cercospora coffeicola avaliados quanto sensibilidade a azoxistrobina. (IC50 - Concentração inibitória a 50%; CIM – Concentração inibitória mínima e ICM - Percentual de inibição do crescimento micelial)

REFERENCIAS

  • 1
    Custódio, A. A., Pozza, E. A., de Paiva Custodio, A. A., de Souza, P. E., Lima, L. A., da Silva, A. M. Effect of center-pivot irrigation in the rust and brown eye spot of coffee. Plant Disease, v. 98, n. 7, p. 943-947, 2014. Disponivel em < https://doi.org/10.1094/PDIS-07-13-0801-RE> Acesso em: 12 de nov. 2020
    » https://doi.org/10.1094/PDIS-07-13-0801-RE
  • 2
    Gisi, U., Sierotzki, H., Cook, A., McCaffery, A. Mechanisms influencing the evolution of resistance to Qo inhibitor fungicides. Pest Manage. Sci., v.58, p. 859-867, 2002
  • 3
    Piszczek, J., Pieczul, K., Kiniec, A. First report of G143A strobilurin resistance in Cercospora beticola in sugar beet (Beta vulgaris) in Poland. Journal Plant Disease Protection, v.125, p. 99–101, 2018 Disponivel em < https://link.springer.com/article/10.1007/s41348-017-0119-3> Acesso em: 12 de nov. 2020
    » https://link.springer.com/article/10.1007/s41348-017-0119-3
  • 4
    Vaghefi, N., Hay, F. S., Kikkert, J. R.. Pethybridge, S. J.. Genotypic Diversity and Resistance to Azoxystrobin of Cercospora beticola on Processing Table Beet in New York. Plant Disease, v.100, p.1466-1473, 2016. Disponivel em < https://apsjournals.apsnet.org/doi/epdf/10.1094/PDIS-09-15-1014-RE>. Acesso em: 12 de abri. 2021.
    » https://apsjournals.apsnet.org/doi/epdf/10.1094/PDIS-09-15-1014-RE

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    06 Jun 2022
  • Data do Fascículo
    Jan-Mar 2022

Histórico

  • Recebido
    03 Jan 2018
  • Aceito
    13 Jan 2022
Grupo Paulista de Fitopatologia FCA/UNESP - Depto. De Produção Vegetal, Caixa Postal 237, 18603-970 - Botucatu, SP Brasil, Tel.: (55 14) 3811 7262, Fax: (55 14) 3811 7206 - Botucatu - SP - Brazil
E-mail: summa.phyto@gmail.com