Impact of degenerative radiographic abnormalities and vertebral fractures on spinal bone density of women with osteoporosis

INTRODUÇÃO: A quantificação da densidade óssea através da densitometria de dupla emissão de raio X é o método de maior acurácia para o diagnóstico de osteoporose. Entretanto, esse método apresenta a desvantagem de medir a densidade de todos os componentes minerais incluindo osteófitos, calcificações vasculares e extravertebrais. Essas alterações podem influenciar os resultados da densidade óssea, dificultando a interpretação densitométrica. OBJETIVO: Correlacionar os achados radiográficos e densitométricos de mulheres com osteoporose e avaliar a influência dos processos degenerativos e fraturas vertebrais na avaliação da densidade mineral óssea da coluna lombar. TIPO DE ESTUDO: Estudo retrospectivo. LOCAL: Ambulatório de Osteoporose do Hospital das Clínicas, Universidade Estadual de Campinas. CASUÍSTICA: 96 mulheres na pós-menopausa com osteoporose diagnosticada pela densitometria óssea. MÉTODO: A densidade mineral óssea da coluna lombar e do fêmur foi avaliada através da técnica da densitometria de dupla emissão de raio-X, utilizando-se um densitômetro LUNAR-DPX. As fraturas vertebrais, osteófitos e calcificações de aorta foram avaliadas através de radiografias simples de coluna torácica e lombar na projeção lateral. RESULTADO: As radiografias revelaram a presença de fraturas vertebrais em 41,6%, osteófitos em 33,3% e calcificações de aorta em 30,2%. A freqüência de fraturas e calcificações da aorta aumentou com o aumento da idade. A média da densidade mineral óssea foi de 0,783 g/cm² e os valores médios de T-score de --3,47 desvio-padrão. A presença de fraturas e calcificações de aorta não influenciaram significativamente a densidade mineral óssea das pacientes (P = 0,36 e P = 0,09, respectivamente) embora as vértebras fraturadas apresentassem maior densidade mineral óssea (P < 0,02). As pacientes com osteófitos nas vértebras lombares apresentaram maior densidade óssea (P = 0,04). A análise de regressão múltipla mostrou que os osteófitos estiveram associados à densidade mineral óssea da coluna lombar (P = 0,01). CONCLUSÃO: Os osteófitos e as fraturas de coluna lombar podem superestimar a densidade óssea. Sugerimos que em pacientes mais idosas, a interpretação dos resultados densitométricos sejam complementados pela radiografia simples de coluna lombar para minimizar esse efeito.

Osteoporose; Fraturas vertebrais; Densidade mineral óssea; Osteófitos; Calcificação de aorta


Associação Paulista de Medicina - APM APM / Publicações Científicas, Av. Brigadeiro Luís Antonio, 278 - 7º and., 01318-901 São Paulo SP - Brazil, Tel.: +55 11 3188-4310 / 3188-4311, Fax: +55 11 3188-4255 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revistas@apm.org.br