Placas ateroscleróticas em carótidas em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico: freqüência e fatores de risco associados

CONTEXTO E OBJETIVO: Doença aterosclerótica é importante causa de morbidade e mortalidade em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico. Não há estudos que verifiquem a prevalência de aterosclerose em carótidas nesses pacientes no Brasil. O objetivo deste trabalho foi estimar a prevalência de aterosclerose em carótidas em pacientes com lúpus e em controles, e avaliar associação entre fatores de risco e aterosclerose em carótidas. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo transversal na: Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina, São Paulo, Brasil. MÉTODOS: Foi utilizado o ultra-som modo B de carótidas em 82 mulheres com lúpus eritematoso sistêmico e em 62 controles. A idade média das pacientes foi de 34,0 anos (variação 16-65) e dos controles foi de 35,7 anos (variação 18-64). Placa aterosclerótica foi definida como área distinta de hiperecogenicidade ou como área focal de protrusão da parede para o lúmen do vaso. Foram pesquisados fatores de risco para doença coronária e variáveis relacionadas ao lúpus. RESULTADOS: 50% dos pacientes e 29% dos controles apresentaram placas em carótidas (p = 0,011). Idade mais avançada, maior tempo de lúpus, maior pontuação do escore Systemic Lupus International Collaborating Clinics, maiores níveis de lipoproteína de baixa densidade, maior freqüência de diabetes, falência ovariana precoce, obesidade e história familiar de doença coronariana foram encontrados em pacientes com placas de carótidas. Pacientes com placas em carótidas tiveram menor média de idade em relação às controles com placas. Fatores de risco associados a placas em carótidas foram diagnóstico de lúpus (razão de chances: 4,74; intervalo de confiança de 95%: 1,83 a 12,27), obesidade (razão de chances: 6,16; intervalo de confiança de 95%: 1,84 a 20,64), idade avançada (razão de chances: 1,12; intervalo de confiança de 95%: 1,07 a 1,17), maior escore Systemic Lupus International Collaborating Clinics (razão de chances: 1,69; intervalo de confiança de 95%: 1,31 a 2,52) e maior tempo de lúpus (razão de chances: 1,65; intervalo de confiança de 95%: 1,06 a 2,56). CONCLUSÃO: Pacientes jovens com lúpus apresentam maior prevalência de aterosclerose de carótidas. O diagnóstico de lúpus eritematoso sistêmico foi fator de risco para aterosclerose de carótidas.

Lúpus eritematoso sistêmico; Doenças cardiovasculares; Ultra-som; Doenças das artérias carótidas; Arteriosclerose


Associação Paulista de Medicina - APM APM / Publicações Científicas, Av. Brigadeiro Luís Antonio, 278 - 7º and., 01318-901 São Paulo SP - Brazil, Tel.: +55 11 3188-4310 / 3188-4311, Fax: +55 11 3188-4255 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revistas@apm.org.br