As teorias da matéria de Francis Bacon e Robert Boyle: forma, textura e atividade

Luciana Zaterka Sobre o autor

O presente estudo pretende contribuir para o entendimento da química seiscentista, especialmente para aspectos das teorias da matéria presentes nas obras de Francis Bacon (1561-1626) e Robert Boyle (16271691). Considerados protagonistas da filosofia experimental na revolução científica da modernidade, esses autores podem enriquecer nossa compreensão da gênese teórica e histórica da química moderna. De fato, notaremos como suas respectivas noções de "forma" deixarão gradualmente de ter uma significação metafísica para ganharem um estatuto mais corporificado e material, colaborando, assim, para o desenvolvimento de uma ciência mais operativa e experimental. Nesse momento, veremos a importância do diálogo dessas teorias da matéria com a química paracelsista, pois ambos os autores ingleses servem-se também de uma concepção de matéria ativa.

Bacon; Boyle; Paracelso; Corpuscularismo; Forma; Espírito; Filosofia experimental; Textura; Matéria


Universidade de São Paulo, Departamento de Filosofia Rua Santa Rosa Júnior, 83/102, 05579-010 - São Paulo - SP Brasil, Tel./FAX: (11) 3726-4435 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: secretaria@scientiaestudia.org.br
Accessibility / Report Error