Condições sociodemográficas e padrões de consumo de crack entre mulheres1 1 Extraído da dissertação - Vivências de mulheres que consomem crack em Pelotas-RS, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PPGEnf) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), em 2012.

Vania Dias Cruz Michele Mandagará de Oliveira Leandro Barbosa de Pinho Valéria Cristina Christello Coimbra Luciane Prado Kantorski Jeane Freitas de Oliveira Sobre os autores

O objetivo deste estudo foi caracterizar as condições sociodemográficas e os padrões de consumo de crack entre mulheres. Realizou-se um estudo exploratório-descritivo, de abordagem qualitativa, por meio de entrevista semiestruturada com 16 mulheres que consomem ou consumiam crack cadastradas na Estratégia de Redução de Danos de Pelotas-RS, no mês de janeiro de 2012. Para a análise dos resultados, utilizou-se a análise de conteúdo, na modalidade análise temática. Identificou-se um grupo de mulheres jovens, com baixa escolaridade e renda, exercendo atividades ocupacionais informais e com pelo menos um filho. O consumo de crack era do tipo "binge" e interferia nas atividades diárias preexistentes, caracterizando o grupo de mulheres como usuárias abusivas. A partir do padrão de consumo de crack entre as mulheres e sua relação com questões de gênero, constatou-se a produção de novas inserções e discursos, pondo em discussão os comportamentos predefinidos na sociedade.

Usuários de drogas; Crack; Mulheres; Identidade de gênero


Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Enfermagem Campus Universitário Trindade, 88040-970 Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, Tel.: (55 48) 3721-4915 / (55 48) 3721-9043 - Florianópolis - SC - Brazil
E-mail: textoecontexto@contato.ufsc.br