Participação familiar no tratamento da hipertensão arterial na perspectiva do doente1 1 Extraído da dissertação - Não adesão à terapêutica medicamentosa em indivíduos com hipertensão arterial em Maringá, Paraná, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual de Maringá (UEM), em 2012.

Mayckel da Silva Barreto Sonia Silva Marcon Sobre os autores

Neste estudo teve-se por objetivo compreender de que modo as pessoas com hipertensão arterial percebem a influência da família na adesão/não adesão ao tratamento. Pesquisa descritiva, de natureza qualitativa, realizada em Maringá-PR. Os dados foram coletados no domicílio de 18 indivíduos, em entrevista semiestruturada, durante os meses de janeiro e fevereiro de 2012. Os depoimentos foram submetidos à análise de conteúdo, modalidade temática. Com os achados apreendeu-se que, para algumas pessoas, a família foi o agente facilitador da adesão ao tratamento, ao incentivar as práticas de autocuidado. Quando tal situação não ocorria era porque os indivíduos se sentiam responsáveis pelo autocontrole da doença. Observou-se que a vivência de situações estressoras reduzia a prática do autocuidado e muitos não recebiam apoio familiar na proporção desejada. Conclui-se que alguns participantes deste estudo consideravam a família como facilitadora para a adesão ao tratamento da hipertensão arterial, contudo, outros careciam de apoio familiar.

Hipertensão; Relações familiares; Terapêutica; Rede social; Enfermagem


Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Enfermagem Campus Universitário Trindade, 88040-970 Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, Tel.: (55 48) 3721-4915 / (55 48) 3721-9043 - Florianópolis - SC - Brazil
E-mail: textoecontexto@contato.ufsc.br