ARRANJOS VIOLENTOS E ESPERANÇA: COMO A LINGUAGEM DOS DIREITOS HUMANOS OPEROU NUM ATENTADO EM FORTALEZA, CE

VIOLENT ARRANGEMENTS AND HOPE: HOW THE LANGUAGE OF HUMAN RIGHTS WAS ENACTED AFTER A TERRORIST ATTACK IN FORTALEZA, CE, BRAZIL

Daniel do Nascimento e Silva Claudiana Nogueira Alencar Sobre os autores

RESUMO

Este artigo tem por objetivo descrever algumas formas de resistência a arranjos violentos contemporâneos - entendidos como as relações tensas, no Brasil, entre grupos do crime organizado violento e entre estes e o mundo público - que emergiram na fala de pessoas que sobreviveram ou foram afetadas por um atentado terrorista no bairro do Benfica, em Fortaleza, CE, ocorrido em março de 2018. Em linha com outros estudos sobre formas de florescimento subjetivo e coletivo em circunstâncias de violência ou destruição política, damos o nome a essa forma de resistência de 'esperança'. A partir de entrevistas com dois sobreviventes do atentado, uma professora e um ativista de direitos humanos, defendemos que ter esperança, nesses diálogos que buscavam ressignificar uma fratura, significou responder à violência não por meio de vingança ou de mecanismos extralegais ou excepcionais de violência reativa mas por meio de tropos que informam a defesa dos direitos humanos.

Palavras-chave:
esperança; direitos humanos; metapragmática; violência

UNICAMP. Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) Unicamp/IEL/Setor de Publicações, Caixa Postal 6045, 13083-970 Campinas SP Brasil, Tel./Fax: (55 19) 3521-1527 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: spublic@iel.unicamp.br