A LINGUAGEM DOS EMOJIS1 1 Uma primeira versão deste texto foi apresentada em uma mesa redonda no 20º InPLA na PUCSP, em 2015. Agradeço aos meus primeiros leitores pelas sugestões para esta versão. São eles: Acir Karwoski, Júlio Araújo, Rodrigo Aragão e Ronaldo Gomes.

THE LANGUAGE OF EMOJIS

Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva Sobre o autor

RESUMO

Partindo do pressuposto de que a linguagem é um sistema adaptativo complexo, este artigo demonstra que as tecnologias de comunicação digital têm forte impacto na interação humana, especialmente quando mediadas por tecnologias móveis, e, como consequência, introduzem mudanças na linguagem. Um desses fenômenos é o uso de emojis, figuras geradas pelo sistema Unicode para representar emoções, e os stickers usados para o mesmo fim em redes sociais como o Facebook. Este texto apresenta a história dos emojis; discute sua circulação nas interações por tecnologia móvel; e identifica regularidades sintáticas e discursivas em dados recolhidos do Twitter, WhatsApp e Facebook. Além disso, demonstra como essa nova linguagem tem sido usada por outros meios de comunicação.

Palavras-chave:
complexidade; comunicação; emojis

ABSTRACT

On the assumption that language is a complex adaptive system, this article demonstrates that digital communication technologies have a strong impact on human interactions, especially when mediated by mobile technologies. As a consequence, they bring changes into language. One such phenomenon is the use of emojis, pictures generated by the Unicode system to represent emotions, and stickers used for the same purpose in some social networks such as Facebook. This paper presents the history of emojis; discusses their circulation in interactions with mobile technology; and identifies syntactic and discursive regularities in emojis and stickers in Twitter, WhatsApp and Facebook. In addition, the text demonstrates how this new language has been used by other media.

Keywords:
complexity; communication; emojis

Ancient Egyptians had hieroglyphics. Modern Man has emojis. Maeve Maddox, 2015

INTRODUÇÃO

A língua, como todo sistema complexo, está sempre em transformação. Ela muda no tempo e no espaço. O conceito de língua como um sistema adaptativo complexo (SAC) foi introduzido no artigo seminal de Larsen-Freeman (1997)LARSEN-FREEMAN, D. (1997). Chaos/complexity science and second language acquisition. In: APPLIED Linguistics, v.18, n. 2, pp.141-165. e, desde então, vários estudiosos da linguagem vêm analisando fenômenos linguísticos à luz da complexidade (ver, dentre muitos, ELLIS e LARSEN FREEMAN, 2006ELLIS, Nick C.; LARSEN FREEMAN, D. (2006). (Eds.). Language Emergence: Implications for Applied Linguistics. Applied Linguistics. v. 27, n, 4.; PAIVA e NASCIMENTO e seus colaboradores, 2009PAIVA, V.L.M.O.; NASCIMENTO, M. (2009).(Org.) Sistemas adaptativos complexos: lingua(gem) e aprendizagem Belo Horizonte: Faculdade de Letras/FAPEMIG. (reeditado pela Pontes, em 2011); BEL-ENGUIX, G. e JIMÉNEZ-LÓPEZ, M. D. e seus colaboradores, 2010BEL-ENGUIX, G.; JIMÉNEZ-LÓPEZ, M.D. (2010). (Eds.). Language as a complex system: interdisciplinary approaches. Newcastle upon Tyne, UK.; ELLIS, 2011ELLIS, N. C. (2011) The emergence of language as a complex adaptive system. In: SIMPSON, J. (Ed.). Routledge Handbook of Applied Linguistics. London: Routledge/Taylor Francis, pp. 666-679.; BYBEE, J. e BECKNER e seus colaboradores, 2015BYBEE, J.; BECKNER, C. (2015). Emergence at the cross-Linguistic level: attractor dynamics in language change, In: MacWhinney, B. ; O'GRADY, W. (Eds,). The Handbook of Language Emergence. New York: JohnWiley & Sons.; KRETZSCHMAR, 2015KRETZSCHMAR Jr, W. A. (2015). Language and Complex Systems. Cambridge: Cambridge University Press.; OLIVEIRA, 2015OLIVEIRA, M. A. (2015). Por uma abordagem etológica e ecológica da variação linguística. In: CAVALARI, S. M. S. et al. (Orgs.). Pesquisas em linguística no século XXI: perspectivas e desafios teóricos-metodológicos. Série Trilhas Linguísticas. nº 27, São Paulo: Cultura Acadêmica, pp. 45-70.; SILVA e RODRIGUES, 2015SILVA, T.; LEITE, C. (2015). Padrões sonoros emergentes: (oclusiva alveolar + sibilante) no português brasileiro. Cadernos de Letras. n.24, pp.15-36. Disponível em: <Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/cadernodeletras/article/view/7270 >. Acesso em: 07 jan. 2016.
https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/ind...
; SILVA e LEITE, 2015SILVA, T.; LEITE, C. (2015). Padrões sonoros emergentes: (oclusiva alveolar + sibilante) no português brasileiro. Cadernos de Letras. n.24, pp.15-36. Disponível em: <Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/cadernodeletras/article/view/7270 >. Acesso em: 07 jan. 2016.
https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/ind...
).

The Five Graces group (2009, p.1- 2)The "Five Graces Group" (BECKNER, C. et al.) (2009). Language is a complex adaptive system: position paper. In: ELLIS, N. C.; LARSEN-FREEMAN, D. (Eds.) Language as a complex adaptive system. Special issue. Language Learning, 59, Supplement 1. explica:

A língua como um SAC envolve as seguintes características chave: O sistema consiste de vários agentes (os falantes na comunidade de fala) em interação. O sistema é adaptativo; ou seja, o comportamento dos falantes é baseado em interações passadas, e as interações atuais em conjunto com as passadas alimentam os comportamentos futuros. O comportamento de um falante é consequência de fatores concorrentes que vão desde restrições perceptuais a motivações sociais. As estruturas da língua emergem a partir de padrões inter-relacionados da experiência, da interação social, e de mecanismos cognitivos.2 2 Esta e todas as demais traduções são de minha responsabilidade.

Embora os autores reconheçam que "a mudança na linguagem é um processo evolutivo cultural" (THE FIVE GRACES GROUP, 2009, p.9The "Five Graces Group" (BECKNER, C. et al.) (2009). Language is a complex adaptive system: position paper. In: ELLIS, N. C.; LARSEN-FREEMAN, D. (Eds.) Language as a complex adaptive system. Special issue. Language Learning, 59, Supplement 1.), o foco desse ensaio e de outros estudos, no viés da complexidade, é a língua e não se inclui a interação com outras formas de significação não verbais. Em função disso, defendo que as tecnologias de comunicação e das mídias sociais são também elementos do SAC, pois afetam o desenvolvimento da linguagem. O que podemos observar na interação mediada pela tecnologia nos permite afirmar que novos comportamentos discursivos também emergem a partir da inter-relação entre as experiências, a interação social, os mecanismos cognitivos, os propiciamentos3 3 Minha tradução de affordances, defendida no texto PAIVA, V.L.M.O. Propiciamento (affordance) e autonomia na aprendizagem de língua inglesa In: LIMA, Diógenes Cândido. Aprendizagem de língua inglesa: histórias refletidas. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2010. e as restrições tecnológicas. Um exemplo é o uso crescente da multimodalidade.

A interação sempre foi multimodal. Usamos palavras, entonação, expressões faciais, e gestos para interagir com os outros. Como pontua Kress (2010KRESS, G. (2010). Multimodality: a social semiotic approach to contemporary communication. London and New York: Routledge ., p.5), "os gestos estão presentes em todas as culturas, mesmo que em formas bastante diferentes" e sabemos que as imagens aparecem na comunicação humana desde a pré-história.

As imagens, segundo Sternbergh (2014STERNBERGH, A. (2014). Smile, You're speaking emoji: the rapid evolution of a wordless tongue. New York News & Politics. Disponível em: <http://nymag.com/daily/intelligencer/2014/11/emojis-rapid-evolution.html>. Acesso em 16 out. 2015.
http://nymag.com/daily/intelligencer/201...
), podem ser classificadas em pictogramas, logogramas, e ideogramas. O pictograma, do latim pinctos (pintado, do verbo pingere)+grama (escrita) do grego4 4 http://etimologias.dechile.net/?pictograma , é a representação de um conceito por meio de uma figura. Joan Costa (1989COSTA, Joan. (1989). Señalética. 2.ª ed. Barcelona: Ceac. , p. 139), citada por Neves (2007NEVES, J.V.M. (2007). Pictografia. Disponível em: <http://repositorio.ipcb.pt/bitstream/10400.11/2100/1/pictografia.pdf>. Acesso em: 06 jan. 2016.
http://repositorio.ipcb.pt/bitstream/104...
), "entende pictograma como um signo figurativo simplificado que representa coisas e objetos do meio envolvente: os pictogramas provêm dos antigos hieróglifos e são parte dos códigos funcionais atuais". Exemplos de pictograma são os desenhos de homem e de mulher na porta dos banheiros em locais públicos, como nos restaurantes.

O logograma (palavra+escrita) é um símbolo que representa uma palavra, como, por exemplo, o símbolo do dólar ($) e o da libra (£). O ideograma (ideia+escrita), na definição de Sternbergh (2014STERNBERGH, A. (2014). Smile, You're speaking emoji: the rapid evolution of a wordless tongue. New York News & Politics. Disponível em: <http://nymag.com/daily/intelligencer/2014/11/emojis-rapid-evolution.html>. Acesso em 16 out. 2015.
http://nymag.com/daily/intelligencer/201...
) são "figuras ou símbolos que representam uma ideia ou conceito abstrato". Ele cita, como exemplo de ideograma moderno, "o símbolo de uma pessoa na cadeira de rodas que comunica, universalmente, acessibilidade".

Com o advento das tecnologias digitais, pictogramas, ideogramas e logogramas ganharam suas versões digitais.

Reed (2014REED, J. (2014). How social media is changing language. In: Oxford Dictionaries: language matters. Disponível em: <Disponível em: http://blog.oxforddictionaries.com/2014/06/social-media-changing-language >. Acesso em15 out. 2015.
http://blog.oxforddictionaries.com/2014/...
) reconhece que a evolução da língua tem também a ver com sua interação com a tecnologia. Segundo ele, "como a língua que usamos para nos comunicar com os outros tende a ser mais maleável do que a da escrita formal, a combinação do informal, da comunicação pessoal e a da plateia de massa propiciada pelas mídias sociais é uma receita para mudanças rápidas". Dentre as mudanças, ele cita a introdução de novas palavras e a ressignificação de palavras velhas (ex. amigo, e curti (like), dentre outras, no Facebook) e as novas formas de comunicação como os acrônimos e as abreviações. Reed (2014) REED, J. (2014). How social media is changing language. In: Oxford Dictionaries: language matters. Disponível em: <Disponível em: http://blog.oxforddictionaries.com/2014/06/social-media-changing-language >. Acesso em15 out. 2015.
http://blog.oxforddictionaries.com/2014/...
lembra, ainda, que o emoticon ;-) e o acrônimo LOL ('laughing out loud'), que "acrescentaram novos elementos na comunicação não verbal, fizeram 25 anos em 2014".

É justo lembrar também o pioneirismo do Orkut com a introdução de BuddyPokes, avatares animados usados para expressar emoções diversas (ver estudo sobre BuddyPokes em ARAÚJO, 2012ARAÚJO, J. (2012). Buddypokes: cenas multimodais de violência no Orkut? ANTARES, vol.4, nº 7, jan./jul., pp.178-190.).

Reed (2014REED, J. (2014). How social media is changing language. In: Oxford Dictionaries: language matters. Disponível em: <Disponível em: http://blog.oxforddictionaries.com/2014/06/social-media-changing-language >. Acesso em15 out. 2015.
http://blog.oxforddictionaries.com/2014/...
) ressalta que, no Twitter, aprendemos a tirar o máximo de 140 caracteres5 5 Notícia veiculada no USA Today, de 5 de janeiro de 2016, (http://www.usatoday.com/story/tech/news/2016/01/05/twitter-may-soon-go-beyond-140-characters/78304512/?hootPostID=a50dc5157235ed304b6eb8e36bfa3d5b) acena com a possibilidade de o Twitter aumentar o limite de caracteres para 10k. O argumento é que algumas pessoas já burlam o limite de caracteres quando transformam seus textos em imagens. Os usuários continuariam a ver 140 caracteres com a possibilidade de clicar em Read More e ver o resto da mensagem. Neste momento (tarde de 5 de janeiro de 2016), o top trend no twitter é #Twitter10k e a maioria dos Tweets é de pessoas contrárias ao aumento do tamanho das mensagens. Muitos argumentam que isso não diferenciaria o Twitter de outros blogs, lamentam a perda do charme dessa rede social e dizem que seria muito melhor ter a possibilidade de edição. e que o uso de hashtag (#) para a categorização de tweets "se espalhou para outras plataformas de mídias sociais - e até alcançaram a língua falada" (...) e encontramos "hashtags em toda a cultura popular, de cartões de cumprimentos a camisetas e diálogos de personagens em seriados de televisão".

Ao lado de todas essas novidades na comunicação escrita, utilizamos três tipos de figuras: os emoticons, que são representações tipográficas de expressões faciais, como :) que se transforma automaticamente em ☺ pelo editor de texto Microsoft Word; os emojis6, que são gravuras produzidas com a tecnologia criada por um grupo sem fins lucrativos denominado Consórcio UNICODE e os Stickers, figurinhas disponíveis em algumas plataformas como o Facebook, por exemplo.

Uma prova da influência dessas mudanças na interação humana tem sido as escolhas das palavras do ano. Em 2013, a palavra selfie foi a escolha dos Oxford Dictionaries7 7 Ver http://blog.oxforddictionaries.com/press-releases/oxford-dictionaries-word-of-the-year-2013/ , o que revela o impacto das tecnologias móveis e a forte presença da fotografia na interação social; em 2014, o Global Language Monitor8 8 Ver http://www.languagemonitor.com/category/word-of-the-year/ elegeu, como palavra do ano, o emoji ♥ (coração/amor), apesar de não ser uma palavra e, em 2015, o reconhecimento do intenso uso de emojis se reflete na seleção do emoji como palavra do ano dos Oxford Dictionaries9 9 Ver http://blog.oxforddictionaries.com/2015/11/word-of-the-year-2015-emoji/ .

Segundo Sternbergh (2014STERNBERGH, A. (2014). Smile, You're speaking emoji: the rapid evolution of a wordless tongue. New York News & Politics. Disponível em: <http://nymag.com/daily/intelligencer/2014/11/emojis-rapid-evolution.html>. Acesso em 16 out. 2015.
http://nymag.com/daily/intelligencer/201...
), os emojis não têm um nome oficial, mas apelidos dados pelos usuários. O emoji de alegria, palavra do ano de 2015, é também chamado "rosto com lágrimas de alegria" ou "chorando de rir" e foi criado na "América do Norte, em torno de 2011, quando a Apple colocou um teclado de emojis de acesso fácil no iOS 5 para o iPhone".

É interessante observar a inter-relação entre os elementos do SAC. Assim como os gestos humanos se transformam em emojis, a linguagem da internet também afeta o comportamento verbal e não verbal como é o caso da verbalização de hashtag (#) em conversas e também no gesto com 4 dedos imitando o sinal.

Apesar de discordar de que emojis sejam eleitos com o status de palavras, Maddox (2015MADDOX, M, (2015). Emoji. In: Daily Writing Tips. Disponível em: <http://www.dailywritingtips.com/emoji/>. Acesso em: 11 Jun. 2015.
http://www.dailywritingtips.com/emoji/...
) afirma que os egípcios antigos tinham os hieróglifos e o homem moderno tem os emojis. Aceitando ou não as últimas escolhas, temos que concordar que elas indicam que a linguagem escrita informal está cada vez mais multimodal com a inserção dessas representações visuais.

Maddox (2015MADDOX, M, (2015). Emoji. In: Daily Writing Tips. Disponível em: <http://www.dailywritingtips.com/emoji/>. Acesso em: 11 Jun. 2015.
http://www.dailywritingtips.com/emoji/...
) afirma que símbolos para expressar emoções são usados desde 1980, primeiramente por meio do teclado, como foi o uso de sinais de pontuação e que foram denominados emoticons (emotion+icon) em 1990. Houston (2013HOUSTON, K. (2013). Smile! A History of Emoticons: the digital smiley is 31 years old, but emoticons recur throughout modern history. The Wall Street Journal. Disponível em: <Disponível em: http://www.wsj.com/articles/SB10001424052702304213904579093661814158946 >. Acesso em 07 jan. 2016.
http://www.wsj.com/articles/SB1000142405...
) informa que a origem dos emoticons na Internet data de 1982, "quando uma piada sobre um falso vazamento de mercúrio na Universidade Carnegie Mellon foi publicada em uma lista de discussão digital e foi confundida com um aviso genuíno de segurança"10 10 Esta e outras citações não contêm página por serem retiradas de texto na web sem paginação. . O grupo começou a discutir como fazer para distinguir o que era sério do que era piada e o professor Scott E. Fahlman sugeriu marcar piadas com :-) e o que não era piada com :-( .

Já os pictogramas, nomeados pela palavra japonesa emojis, segundo Maddox (2015MADDOX, M, (2015). Emoji. In: Daily Writing Tips. Disponível em: <http://www.dailywritingtips.com/emoji/>. Acesso em: 11 Jun. 2015.
http://www.dailywritingtips.com/emoji/...
), surgiram em 1997. Segundo ela, "a semelhança entre emoji e emoticon é uma coincidência". A palavra japonesa foi cunhada em 1928, provavelmente, com base na palavra inglesa pictograph e foi composta por "e", que significa gravura e "moji" que significa letra ou caractere. Ou seja, o "e" inicial não se refere a eletrônico. Outro tipo de pictograma são os Stickers11 11 Os Stickers em forma de adesivos e cromos existem há mais de um século. , ou figurinhas digitais, utilizados pelo Facebook desde 2013.

2. A ORIGEM DOS EMOJIS

Os primeiros emojis foram criados por Shigetaka Kurita para uma companhia telefônica japonesa, a NTT Docomo "uma década antes de serem lançados pela Apple", como nos informa Negishi (2014).

Como inspiração, Kurita recorreu ao mangá, caracteres chineses e placas de rua. Ele procurou símbolos que transmitiam, instantaneamente, pensamentos ou emoções sem inspirar sentimentos de gosto ou desgosto fortes na forma como uma imagem poderia representar. Os resultados foram 176 imagens, de 12 por 12 pixels, que se tornaram a base para todos os emojis seguintes. (NEGISHI, 2014)

Os emojis chegaram aos smartphones em 2013 e, como afirma Porter (2014PORTER, C. (2014). Hot-Dog Fan Campaigns for New Emoji. popular texting characters include ice cream, pizza and sushi, but lack other pictures. Wall Street Journal. Disponível em: <Disponível em: http://www.wsj.com/articles/SB10001424052702304834704579403312163025276 >. Acesso em 6 jan. 2015.
http://www.wsj.com/articles/SB1000142405...
), "tornaram-se uma língua franca para determinados usuários de mensagens de texto e mídias sociais". Ela acrecenta que "os emojis permitem que as pessoas pontuem seus textos com centenas de imagens coloridas que variam de um arranha-céu a um copo de martini ou a um focinho de porco". O uso do verbo "pontuar" é especialmente interessante quando pensamos na função dos emojis, pois eles vêm complementar os sinais de pontuação tradicionais que também são usados, de forma limitada, para indicar emoções. O mais tradicional é o ponto de exclamação, mas outros sinais também podem indicar emoções.

Quando fazemos uma crítica nas redes sociais a um fato que nos incomoda e escrevemos, por exemplo, "Até quando?", o ponto de interrogação, na verdade, não está indicando uma pergunta, mas nossa indignação. Araújo e Biasi-Rodrigues (2007ARAÚJO, J. C.; BIASI-RODRIGUES, B. (2007). Questões de estilo no gênero chat aberto e implicações para o ensino de língua materna. In: Internet & ensino: novos gêneros, outros desafios. Rio de Janeiro: Lucerna, pp.78-92.), em um estudo sobre o estilo do chat, incluindo o uso de emoticons, já haviam identificado, em uma "fala" em um chat, o uso de uma sequência de pontos de interrogação com a função de exclamação. Para esses autores, "tanto os emoticons como as repetições de letras e sinais de pontuação são, indubitavelmente, marcas de uma cultura digital, ou de uma cultura em uma realidade virtual" (ARAÚJO e BIASI-RODRIGUES, 2007ARAÚJO, J. C.; BIASI-RODRIGUES, B. (2007). Questões de estilo no gênero chat aberto e implicações para o ensino de língua materna. In: Internet & ensino: novos gêneros, outros desafios. Rio de Janeiro: Lucerna, pp.78-92., p.85).

Os usuários de celular estão sempre demandando mais desenhos; na época em que Porter (2014PORTER, C. (2014). Hot-Dog Fan Campaigns for New Emoji. popular texting characters include ice cream, pizza and sushi, but lack other pictures. Wall Street Journal. Disponível em: <Disponível em: http://www.wsj.com/articles/SB10001424052702304834704579403312163025276 >. Acesso em 6 jan. 2015.
http://www.wsj.com/articles/SB1000142405...
) publicou seu artigo no Wall Street Journal, ela relatava uma campanha para a inclusão de um emoji de cachorro quente e outra para a inclusão de no mínimo quatro rostos com tons de pele diferentes. Essas opções estão hoje disponíveis na tecnologia móvel Android12 e na iOS13. Quando escolhemos um emoji de gesto com as mãos ou o rosto de um homem ou de uma mulher, aparecem seis opções de cor de pele. No entanto, as carinhas tradicionais como o "rosto com lágrimas de alegria" só aparecem em amarelo.

Barros (2016BARROS, T. (2016b). Lista mostra como ficam emojis em diferentes redes sociais e celulares. TechTudo. Disponível em: <Disponível em: http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2016/01/celulares-e-redes-sociais-vao-receber-74-novos-emojis-em-2016-veja-lista-completa-e-prepare-se.html >. Acesso em: 25 jan. 2016
http://www.techtudo.com.br/noticias/noti...
) registra que "[O] consórcio Unicode aceitou 74 emojis como candidatos para o Unicode 9.0, que será lançado em 2016. Isso significa que alguns, ou todos, podem aparecer no iOS 10 e em outros sistemas operacionais, como Android e Windows Phone e PCs". Dentre os candidatos estão: um rosto com chapéu de cowboy, uma carinha rolando de rir, uma grávida e um bacon, novos gestos de mão, uma flor murcha e um coração preto. A escolha é feita por votação popular.

Segundo Porter (2014PORTER, C. (2014). Hot-Dog Fan Campaigns for New Emoji. popular texting characters include ice cream, pizza and sushi, but lack other pictures. Wall Street Journal. Disponível em: <Disponível em: http://www.wsj.com/articles/SB10001424052702304834704579403312163025276 >. Acesso em 6 jan. 2015.
http://www.wsj.com/articles/SB1000142405...
), quem decide sobre a inclusão de novas figuras é, em grande parte, o grupo Unicode, que foi formado por programadores, em 1980. Esse grupo gerencia a codificação para que as imagens possam ser lidas por várias linguagens globais e, assim, possam circular rapidamente pela Internet sem se perderem na tradução.

A rigor emojis são apenas as figuras geradas pelo Unicode que, segundo o glossário da empresa, é um padrão para representação digital de caracteres usado para a escrita de todas as línguas, mas a palavra tem sido usada também para designar os stickers.

Nas próximas seções, discuto o uso de emojis e stickers.

3. O USO DE EMOJIS E STICKERS

Os emojis e stickers podem funcionar como pictogramas e também como ideogramas, como explica Sternbergh (2014) STERNBERGH, A. (2014). Smile, You're speaking emoji: the rapid evolution of a wordless tongue. New York News & Politics. Disponível em: <http://nymag.com/daily/intelligencer/2014/11/emojis-rapid-evolution.html>. Acesso em 16 out. 2015.
http://nymag.com/daily/intelligencer/201...
, exemplificando com os pictogramas de berinjela e pêssego que são, ao mesmo tempo, utilizados com conotação sexual.

Existem também variações culturais, a exemplo de um montinho de fezes (ver CARPANEZ (s/d).), que no Japão é usado para desejar boa sorte, mas pode ser ofensivo no Brasil. O emoji que significa Ok nos Estados Unidos, é um palavrão no Brasil, e o emoji, que foi criado para significar um tipo de cumprimento muito comum na cultura americana, o high-five, tem sido usado como agradecimento no Japão e como prece por muitas pessoas, inclusive no Brasil.

Como argumenta Lebduska (2014LEBDUSKA, L. (2014). Emoji, Emoji, What for Art Thou? Harlot. n.12. Disponível em: <http://harlotofthearts.org/index.php/harlot/article/view/186/157>. Acesso em: 10 set. 2015
http://harlotofthearts.org/index.php/har...
), os emojis, como toda linguagem, sofrem limitações contextuais. Ele cita o exemplo de um emoji reproduzindo um kadomatsu, um tipo decoração feita com hastes de bambu e ramos de pinheiro, usada pelos japoneses no ano novo para trazer sorte. Esse emoji é mais familiar aos japoneses, mas foi usado como sinal de desrespeito por pessoas que desconhecem a tradição cultural e associaram o desenho com o gesto do dedo médio.

Dentro de uma mesma cultura, assim como as palavras, os significados dos emojis podem ter variações de significado sutis, dependendo do contexto, como podemos ver nos seguintes exemplos, retirados de comunicação pessoal da autora pelo WhatsApp.

Exemplo 1

No exemplo 1, comunico à interlocutora que um depósito bancário foi efetuado para ela e a resposta vem acompanhada de um sinal de ok. Neste exemplo, o emoji do polegar para cima tem por função agradecer. Como comenta Júlio Araújo (comunicação pessoal):

É interessante que no turno da sua interlocutora não está expresso apenas um obrigado, pois a escrita já diria isso. Mas, com o acréscimo do emoji, ela introduz algo próximo de uma tautologia, mas que está ali para expressar uma função discursiva (provavelmente, um intensificador), algo como 'super obrigado', ou 'muitíssimo obrigado.

Exemplo 2

O exemplo 2 registra um pedido de desculpas à interlocutora que recebera uma mensagem indevida. A resposta, sem palavras, continha o mesmo emoji do exemplo 1, mas agora interpretado como aceite do pedido de desculpas.

Uma característica dos emojis produzidos pela tecnologia Unicode é o fato de só poderem ser utilizados e vistos em tecnologias móveis. Assim, se alguém envia um e-mail com emojis de um smartphone como o sistema operacional Android ou iOS, os emojis só serão visualizados se forem lidos em outro aparelho com tecnologia semelhante.

Veja um exemplo de uma mensagem enviada por tecnologia móvel e reproduzida com a autorização do autor, o Prof. Acir Karwoski.

Figura 1
exemplo de uso de emojis em mensagem recebida por I-phone

Minha primeira leitura foi pelo iPhone, mas, quando visualizei o mesmo texto no webmail, o formato mudou, como se pode ver na figura 2. Alguns emojis desapareceram, como foi o caso de algumas carinhas, e outras mudaram de forma, como o gatinho assustado e os livros.

Figura 2:
visualização de mensagem com emojis no browser Mozzilla Firefox

Visualização diferente foi obtida quando copiei a mensagem do browser e colei em um documento Word. Como podemos ver na figura 3, apenas 〽(um símbolo que marca onde a parte do cantor se inicia em uma música, segundo a Emojipedia14) foi reproduzido, pois o Word não possui essa codificação para reprodução de emojis. Observem que, na figura 1, temos o emoji desse símbolo, desenhado com linhas amarelas grossas.

Figura 3:
visualização de mensagem com emojis colada em documento Word

Esses exemplos reforçam a afirmação de Adami e Kress (2010KRESS, G. (2010). Multimodality: a social semiotic approach to contemporary communication. London and New York: Routledge ., p. 185) quando dizem que "cada meio, cada tecnologia que usamos para representar e para comunicar - para construir e disseminar sentido - tem propiciamentos, tanto de possibilidades sociais e materiais e restrições". Um exemplo de restrição está no fato de só podemos usar emojis por meio de tecnologias móveis e as mensagens nem sempre serão semelhantes às produzidas se lidas em outros ambientes. Uma exceção são as redes sociais Facebook e Twitter que exibem tanto emojis quanto os stickers próprios dessa rede.

Barros (2016BARROS, T. (2016b). Lista mostra como ficam emojis em diferentes redes sociais e celulares. TechTudo. Disponível em: <Disponível em: http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2016/01/celulares-e-redes-sociais-vao-receber-74-novos-emojis-em-2016-veja-lista-completa-e-prepare-se.html >. Acesso em: 25 jan. 2016
http://www.techtudo.com.br/noticias/noti...
b) alerta que [E]m alguns casos, o visual pode mudar o suficiente para alterar o sentido da mensagem, tornando o uso confuso, ou até mesmo sugerido (sic) o envio de um "emoji errado". A seguir, ele apresenta uma lista de exemplos15 15 Um quadro completo com as comparações de visualização em plataformas diferentes pode ser visto em http://www.unicode.org/emoji/charts/full-emoji-list.html na qual vemos que dependendo da plataforma há alterações no desenho ou mesmo a ausência de qualquer imagem. O emoji 283 (dancer), por exemplo, muda totalmente de forma, como podemos ver na figura 4.

Figura 4:
diferentes visualizações do emoji 28316 16 Veja o significado de cada abreviatura do quadro em http://www.unicode.org/emoji/charts/index.html

Barros (2016BARROS, T. (2016b). Lista mostra como ficam emojis em diferentes redes sociais e celulares. TechTudo. Disponível em: <Disponível em: http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2016/01/celulares-e-redes-sociais-vao-receber-74-novos-emojis-em-2016-veja-lista-completa-e-prepare-se.html >. Acesso em: 25 jan. 2016
http://www.techtudo.com.br/noticias/noti...
b) dá o seguinte conselho:

Para evitar possíveis erros de interpretação ou uma tremenda "saia justa", a dica é usar sempre o painel de emojis oferecido pela rede social ou mensageiro, no lugar do seletor embutido no teclado de dispositivos Android ou iPhone. Isso porque, dentro das redes, os emojis ganham ilustrações padrão, como acontece no WhatsApp e no Facebook. Assim, você sempre irá visualizar as "carinhas" exatamente do mesmo jeito que o seu interlocutor.

Quando lemos um post no Facebook ou no Twitter, no qual são exibidos, por exemplo, pequenos corações coloridos, é possível afirmar que aquela mensagem foi postada de um celular ou tablet. Veja exemplos nas figuras 4 e 5. No exemplo da figura 5, o desenho do coração substitui a palavra coração.

Figura 5
Exemplo de tweet postado de aparelho móvel

Na figura 6, é possível afirmar que a primeira e a segunda respostas foram postadas de um celular Android ou iPhone ou de um tablet com a mesma tecnologia.

Figura 5
Exemplo de post do Facebook com duas respostas digitadas em aparelho móvel e a minha enviada de um desktop utilizando um sticker disponível no Facebook

O uso disseminado de emojis na comunicação humana motivou a criação do emojitracker, um medidor do uso de emojis em tempo real no Twitter. O aplicativo foi criado por Matthew Rothenberg e colocado no ar em 4 julho de 2013, segundo informações do próprio autor em sua página https://github.com/mroth/emojitracker/wiki/FAQ.

De 2013 a 2014, o coração vermelho dentro de um quadro branco foi o mais utilizado, mas, em 2015, perdeu espaço para o "rosto com lágrimas de alegria".

Na página do emojitracker, todos os itens em verde, com os numerais em vermelho, indicam emojis que estavam sendo usados no instante em que a foto foi feita. Os números marcados em verde claro indicam emojis que acabaram de ser publicados no Twitter. Na figura 7, reproduzo apenas os 100 emojis mais utilizados em um instante da tarde do dia 12 de janeiro de 2016.

Um mecanismo interessante da ferramenta é a possibilidade de se clicar no emoji e ter acesso aos últimos tweets onde eles apareceram. Tive a curiosidade de clicar no menos usado e descobri que esse emoji aparecera em um tweet, uma hora antes, e que fora usado outras nove vezes no dia, até às 18:53 daquele dia. Já os tweets com "rosto com lágrimas de alegria" mudam tão rapidamente que seria impossível fazer a contagem de quantas vezes são usados por dia.

Figura 7:
os 100 emojis mais usados no Twitter

A empresa SwiftKey fez uma pesquisa sobre o uso de emojis no período de outubro de 2014 a janeiro de 2015. Eles avaliaram mais de um bilhão de emojis, usados por falantes de 16 línguas ao redor do mundo. Os dados foram retirados do banco de dados da empresa nas nuvens e o relatório (SWIFTKEY, 2015SWIFTKEY. ( 2015). SwiftKey Emoji Report. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/262594751/SwiftKey-Emoji-Report>. Acesso em 30 out. 2015.
http://pt.scribd.com/doc/262594751/Swift...
) revela que os americanos amam as caveiras; os brasileiros, os gatos; e os franceses, os corações do amor.

Outro achado interessante é que, em todas as línguas, o sentimento é mais positivo do que negativo em relação ao uso do emoji. Dentre os top 5 emojis estão as carinhas de felicidade (45%) e depois as de tristeza (14%). Os outros emojis são os corações de todas as cores e o coração quebrado (12,5%); os gestos com a mão, como o polegar para cima, palmas e o sinal de paz (5,3%); e romance, sinalizado por marcas de beijo com batom, a letra do amor e casais se beijando (2,4%).

3.1. A gramática dos emojis

O linguista computacional Tyler Schnoebelen (2012SCHNOEBELEN, T. J. (2012). Emotions are relational: positioning and the use of affective linguistic resources. Tese de Doutorado em Linguística. Universidade de Stanford, Stanford, Estados Unidos.) fez um estudo sobre o uso de emoticons em 500.000 sequências de tweets e, dentre outros achados, descobriu que os emoticons para expressar emoção aparecem em 10% dos tweets e são usados para demonstrar positividade ou negatividade, imediatismo (se a emoção é comunicada de imediato ou se se usa algum recurso de distanciamento), provocação e flerte.

Na época de sua pesquisa de doutorado, os emojis ainda não estavam disponíveis nos celulares, mas, segundo Steinmetz (2014), ele já está empenhado em novo estudo. Em entrevista a Steinmetz (2014), Schnoebelen discute algumas regularidades sintáticas no uso dos emojis. Ele observou, por exemplo, que eles aparecem, geralmente, no final das mensagens e funcionam como pontuação, como um ponto de exclamação. Mesmo quando aparecem no meio dos twits, eles são inseridos depois de um pensamento completo. Ele percebeu, também, que, quando se usam vários emojis, eles obedecem a uma determinada ordem e a atitude ou emoção, como as carinhas, aparecem antes da ação. Segundo ele é mais fácil aparecer um emoji de alguém chorando seguido de um coração partido do que o inverso.

As descobertas de Schnoebelen sobre a sintaxe dos tweets parecem ser válidas também para a análise do uso de emojis e stickers no Whatsapp e no Facebook, como demonstro, a seguir, junto à análise de um conjunto de tweets. Além da sintaxe, considero também relevante investigar a função discursiva dos emojis e stickers.

Para exemplificar as funções sintáticas e discursivas dos emojis e stickers, utilizarei dados das minhas contas no WhatsApp, no Facebook e outros recolhidos do Twitter, em 5 de janeiro de 2016. Para este estudo, selecionei tweets postados em reação à reportagem de Guynn (2016GUYNN, J. (2016). Jack Dorsey hints Twitter to lift 140-character limit. USA TODAY. Disponível em <Disponível em http://www.usatoday.com/story/tech/news/2016/01/05/twitter-may-soon-go-beyond-140-characters/78304512/ >. Acesso em 05 jan. 2016.
http://www.usatoday.com/story/tech/news/...
) sobre o CEO Jack Dorsey ter levantado a hipótese de aumentar o limite de 140 caracteres para 10.000. Logo após a publicação dessa reportagem, a hashtag #Twitter10k virou o top trend17 do dia. Denomino o corpus recolhido do Twitter de Corpus #Twitter10k. Todos os exemplos estão sem identificação para preservar a identidade dos seus produtores. Para a recolha dos dados, utilizei a ferramenta captura do Windows. Para que isso fosse também possível com os dados do WhatsApp, recorri à opção do aplicativo na Web.

3.1.1 A sintaxe dos emojis e stickers

a. Os emojis são inseridos ao final e funcionam como pontuação, como exclamação (SCHNOEBELEN em STEINMETZ, 2014).

Apesar de ter comprovado esse uso como predominante no corpus #Twitter10K e em exemplos do Facebook, observei que o emoji aparece também depois do ponto.

b. Os emojis são inseridos entre pensamentos completos (SCHNOEBELEN em STEINMETZ, 2014).

c. Uma sequência de emojis segue uma ordem linear de tempo e ações (SCHNOEBELEN em STEINMETZ, 2014).

Tanto a representação verbal como a dos emojis coloca em primeiro lugar a criança e em segundo o celular, guardando uma relação icônica com a experiência "criança mais celular" no mundo real.

d. O posicionamento ou atitude aparece antes do fato (SCHNOEBELEN em STEINMETZ, 2014). O exemplo dado por Schnoebelen é o choro e depois o coração quebrado .

Como não encontrei no corpus do dia 5 de janeiro nenhum exemplo ilustrativo, fiz nova pesquisa com a mesma hashtag #Twitter10K e encontrei apenas um exemplo em uma mensagem postada no dia 15 de janeiro. Apesar de ter entre as hashtags #Twitter10K, era uma mensagem de aniversário. Enquanto o texto dizia "feliz aniversário pai te amo" (primeiro o fato e depois a atitude). Nos emojis, temos o inverso, primeiro os corações indicando afeto e só depois os emojis representando a festa do aniversário.

3.1.2 A função discursiva dos emojis e stickers

Emojis e stickers são utilizados para:

a. Substituir palavra(s)

Nesse texto, o autor utiliza um emoji de rosto triste em vez de usar palavras para representar sua tristeza por não conseguir a inserção do botão "editar" no Tweeter.

  1. b. Expressar emoção

  2. b.1. No Tweeter

b.2. No Facebook, uma pessoa recebeu várias mensagens de aniversário e responde com um post emocionado. Os "amigos" reagem com stickers e emojis, todos eles representando carinho.

Outra pessoa manifesta sua estupefação frente ao acidente em Mariana e os "amigos" reagem com stickers e emojis, desta vez para manifestar tristeza e pesar.

c. Indicar afeto

As primeiras três mensagens são reações de três amigas ao verem a foto de minha neta recém-nascida. A última imagem é o meu agradecimento com um beijo e um coração expressando meu afeto por elas.

d. Função de intensificador. A duplicação do mesmo emoji é usada para enfatizar a emoção.

Veja também a reação, no WhatsApp, de uma pessoa ao saber que o sobrinho precisa ser operado do ouvido pela terceira vez.

e. Expressar ironia

Nesse tweet, um crítico da ideia de aumentar o limite de caracteres no Twitter ironiza a situação, dizendo que podemos começar a twitar nossos trabalhos escolares.

4. MIGRAÇÃO DOS EMOJIS PARA OUTROS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

A linguagem publicitária, sempre atenta ao que se passa na sociedade, tem se apropriado de forma muito criativa de elementos da web, levando-os para o texto impresso ou para o vídeo, como é o caso de vídeos publicitários do banco Itaú, com apropriação dos emojis. No entanto, nos vídeos eles só fazem sentido porque temos um texto multimodal: imagem e áudio. Isso se explica porque foram levados para outro contexto de uso e a comunicação é mediada pelo vídeo. Se tirarmos o som do vídeo, o sentido fica prejudicado. Som e imagem compõem um todo que transmite com criatividade uma mensagem publicitária18. Os emojis não são meras ilustrações, pois junto com a mensagem em áudio fazem emergir, de forma muito criativa, uma rede complexa de sentidos.

Outra apropriação foi feita na literatura, segundo informação de Vicentini (2015).

Em outubro de 2009, surgiu em uma plataforma de crowdsourcing o projeto"Emoji Dick", para reescrever o livro "Moby Dick" com emojis. Foram arrecadados 3.676 dólares e o livro foi reescrito, também de forma colaborativa por cerca de 800 pessoas. Cada pessoa que escrevesse uma linha traduzida em emojis, ganharia cerca de R$ 0,13. O livro ficou pronto em 2011.

Assim, como na campanha publicitária do banco Itaú, os emojis sozinhos não produzem sentido no livro. Vicentini (2015)VICENTINI, S. (2005). XD da questão: você conhece a história dos emojis? Disponível em <Disponível em http://xd.globo.com/pra-espiar/xd-da-questao-voce-conhece-historia-dos-emojis-worldemojiday-16802942.html >. Acesso em 02 de nov. 2015
http://xd.globo.com/pra-espiar/xd-da-que...
comenta que quem leu afirma que "só dá pra entender a história acompanhando o original, que vem com o livro". A primeira frase do livro, Call me Ishmael foi reproduzida em emojis da seguinte forma 19.

Na maioria dos casos, precisamos de apoio das palavras para produzir sentido com os exemplos, ou pelo menos um contexto, como é o caso de uma brincadeira de adivinhação que circula na web com nomes de filmes. Veja alguns exemplos na figura 8.

Figura 8
Exemplos de um jogo de adivinhações com emojis sobre nomes de filmes

As respostas são: 1.Procurando Nemo; 2. O diabo veste Prada; 3.Quatro amigas e um jeans viajante; 4. Quem quer ser um milionário?

Apesar da ampla utilização dos emojis, a tentativa de criação de um aplicativo para iOS e Android para comunicação exclusiva por emojis, a Emojli (http://emoj.li/), não foi bem sucedida. Segundo a Wikipedia (EMOJLI), o aplicativo foi lançado em 20 de agosto de 2014 e seus criadores, Matt Gray e Tom Scott, informam no site do aplicativo que ele foi fechado um ano depois, em julho de 2015. Eles explicam que era uma brincadeira entre duas pessoas e que precisariam de muito dinheiro para bancá-la. Mas parece que o problema não foi apenas financeiro, mas também o pouco uso. Eu mesma me cadastrei, criei o login, mas nunca consegui me comunicar com ninguém.

CONCLUSÕES

O crescente uso dos emojis é uma tentativa de transmitir mais sentido de forma mais econômica em determinados contextos de interação, mas, ao mesmo tempo, fazendo emergir sentidos acrescidos de muitos outros significados, especialmente, de emoções. As imagens são sempre mais fortes e é muito mais fácil enviar um coração pulsando do que dizer para um amigo "eu te amo".

As práticas sociais de linguagem acontecem de forma complexa devido à inter-relação dos vários agentes e modos de produção de sentido e das tecnologias que medeiam essas práticas. A linguagem está em constante processo de mudança e se adapta aos propiciamentos e às restrições presentes nas tecnologias digitais. As experiências passadas e as atuais servem de insumo para os novos comportamentos, tanto para os desenvolvedores de tecnologia como para seus usuários.

A ação de um agente pode influenciar toda uma rede, como foi o caso da criação do grupo Unicode, associado às tecnologias móveis e seus teclados de emojis, que mudou a forma como interagimos, mediados pelos nossos smartphones e tablets, no Twitter, no WhatsApp, no Facebook, no Instagram e em outros ambientes virtuais.

É impossível prever quais novas tecnologias vão surgir, como as redes sociais atuais vão se desenvolver ou se serão substituídas por outras. No entanto, podemos prever que sempre haverá mudanças. Novas formas de comunicação podem emergir, novos gêneros podem surgir e outros poderão ter sua "relativa estabilidade" alterada.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • ADAMI, E.; KRESS, G. (2010). The social semiotics of convergent mobile devices: new forms of composition and the transformation of habitus. In: KRESS, G. Multimodality: a social semiotic approach to contemporary communication. London and New York: Routledge, pp. 184-197.
  • ARAÚJO, J. (2012). Buddypokes: cenas multimodais de violência no Orkut? ANTARES, vol.4, nº 7, jan./jul., pp.178-190.
  • ARAÚJO, J. C.; BIASI-RODRIGUES, B. (2007). Questões de estilo no gênero chat aberto e implicações para o ensino de língua materna. In: Internet & ensino: novos gêneros, outros desafios. Rio de Janeiro: Lucerna, pp.78-92.
  • BARROS, T. (2016). Celulares e redes sociais vão receber 74 novos emojis em 2016; veja lista completa e prepare-se. TechTudo. Disponível em: <Disponível em: http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2016/01/celulares-e-redes-sociais-vao-receber-74-novos-emojis-em-2016-veja-lista-completa-e-prepare-se.html >. Acesso em: 23 jan. 2016.
    » http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2016/01/celulares-e-redes-sociais-vao-receber-74-novos-emojis-em-2016-veja-lista-completa-e-prepare-se.html
  • BARROS, T. (2016b). Lista mostra como ficam emojis em diferentes redes sociais e celulares. TechTudo. Disponível em: <Disponível em: http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2016/01/celulares-e-redes-sociais-vao-receber-74-novos-emojis-em-2016-veja-lista-completa-e-prepare-se.html >. Acesso em: 25 jan. 2016
    » http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2016/01/celulares-e-redes-sociais-vao-receber-74-novos-emojis-em-2016-veja-lista-completa-e-prepare-se.html
  • BEL-ENGUIX, G.; JIMÉNEZ-LÓPEZ, M.D. (2010). (Eds.). Language as a complex system: interdisciplinary approaches. Newcastle upon Tyne, UK.
  • BYBEE, J.; BECKNER, C. (2015). Emergence at the cross-Linguistic level: attractor dynamics in language change, In: MacWhinney, B. ; O'GRADY, W. (Eds,). The Handbook of Language Emergence. New York: JohnWiley & Sons.
  • CARPANEZ, Juliana. (s/d). Emoji. Disponível em: <Disponível em: http://tab.uol.com.br/emoji/ >. Acesso em: 8 out. 2015.
    » http://tab.uol.com.br/emoji/
  • COSTA, Joan. (1989). Señalética. 2.ª ed. Barcelona: Ceac.
  • ELLIS, Nick C.; LARSEN FREEMAN, D. (2006). (Eds.). Language Emergence: Implications for Applied Linguistics. Applied Linguistics. v. 27, n, 4.
  • ELLIS, N. C. (2011) The emergence of language as a complex adaptive system. In: SIMPSON, J. (Ed.). Routledge Handbook of Applied Linguistics. London: Routledge/Taylor Francis, pp. 666-679.
  • EMOJLI. In: Wikipédia: a enciclopédia livre. Disponível em: <Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Emojli >. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Emojli Acesso em 05 jan. 2016.
    » https://en.wikipedia.org/wiki/Emojli» https://en.wikipedia.org/wiki/Emojli
  • GUYNN, J. (2016). Jack Dorsey hints Twitter to lift 140-character limit. USA TODAY. Disponível em <Disponível em http://www.usatoday.com/story/tech/news/2016/01/05/twitter-may-soon-go-beyond-140-characters/78304512/ >. Acesso em 05 jan. 2016.
    » http://www.usatoday.com/story/tech/news/2016/01/05/twitter-may-soon-go-beyond-140-characters/78304512/
  • HOUSTON, K. (2013). Smile! A History of Emoticons: the digital smiley is 31 years old, but emoticons recur throughout modern history. The Wall Street Journal. Disponível em: <Disponível em: http://www.wsj.com/articles/SB10001424052702304213904579093661814158946 >. Acesso em 07 jan. 2016.
    » http://www.wsj.com/articles/SB10001424052702304213904579093661814158946
  • KRESS, G. (2010). Multimodality: a social semiotic approach to contemporary communication. London and New York: Routledge .
  • KRETZSCHMAR Jr, W. A. (2015). Language and Complex Systems. Cambridge: Cambridge University Press.
  • LARSEN-FREEMAN, D. (1997). Chaos/complexity science and second language acquisition. In: APPLIED Linguistics, v.18, n. 2, pp.141-165.
  • LEBDUSKA, L. (2014). Emoji, Emoji, What for Art Thou? Harlot. n.12. Disponível em: <http://harlotofthearts.org/index.php/harlot/article/view/186/157>. Acesso em: 10 set. 2015
    » http://harlotofthearts.org/index.php/harlot/article/view/186/157
  • MADDOX, M, (2015). Emoji. In: Daily Writing Tips. Disponível em: <http://www.dailywritingtips.com/emoji/>. Acesso em: 11 Jun. 2015.
    » http://www.dailywritingtips.com/emoji/
  • NEGISHI, M. (2014). Meet Shigetaka Kurita, the Father of Emoji. Wall Street Journal. Disponível em: <http://blogs.wsj.com/japanrealtime/2014/03/26/meet-shigetaka-kurita-the-father-of-emoji/>. Acesso em 06 jan. 2016.
    » http://blogs.wsj.com/japanrealtime/2014/03/26/meet-shigetaka-kurita-the-father-of-emoji/
  • NEVES, J.V.M. (2007). Pictografia. Disponível em: <http://repositorio.ipcb.pt/bitstream/10400.11/2100/1/pictografia.pdf>. Acesso em: 06 jan. 2016.
    » http://repositorio.ipcb.pt/bitstream/10400.11/2100/1/pictografia.pdf
  • OLIVEIRA, M. A. (2015). Por uma abordagem etológica e ecológica da variação linguística. In: CAVALARI, S. M. S. et al. (Orgs.). Pesquisas em linguística no século XXI: perspectivas e desafios teóricos-metodológicos. Série Trilhas Linguísticas. nº 27, São Paulo: Cultura Acadêmica, pp. 45-70.
  • PAIVA, V.L.M.O.; NASCIMENTO, M. (2009).(Org.) Sistemas adaptativos complexos: lingua(gem) e aprendizagem Belo Horizonte: Faculdade de Letras/FAPEMIG. (reeditado pela Pontes, em 2011)
  • PORTER, C. (2014). Hot-Dog Fan Campaigns for New Emoji. popular texting characters include ice cream, pizza and sushi, but lack other pictures. Wall Street Journal. Disponível em: <Disponível em: http://www.wsj.com/articles/SB10001424052702304834704579403312163025276 >. Acesso em 6 jan. 2015.
    » http://www.wsj.com/articles/SB10001424052702304834704579403312163025276
  • REED, J. (2014). How social media is changing language. In: Oxford Dictionaries: language matters. Disponível em: <Disponível em: http://blog.oxforddictionaries.com/2014/06/social-media-changing-language >. Acesso em15 out. 2015.
    » http://blog.oxforddictionaries.com/2014/06/social-media-changing-language
  • SCHNOEBELEN, T. J. (2012). Emotions are relational: positioning and the use of affective linguistic resources. Tese de Doutorado em Linguística. Universidade de Stanford, Stanford, Estados Unidos.
  • SILVA, T.; RODRIGUES, J. V. (2015) A emergência da lateral pós-vocálica em ingles-l2 de falantes do português brasileiro. Organon. Porto Alegre, v. 30, n. 58, pp. 33-48.
  • SILVA, T.; LEITE, C. (2015). Padrões sonoros emergentes: (oclusiva alveolar + sibilante) no português brasileiro. Cadernos de Letras. n.24, pp.15-36. Disponível em: <Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/cadernodeletras/article/view/7270 >. Acesso em: 07 jan. 2016.
    » https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/cadernodeletras/article/view/7270
  • STEINMETZ, K. (2014). Here Are Rules of Using Emoji You Didn't Know You Were Following. In: TIME Exclusive. Disponível em: time.com/2993508/emoji-rules-tweets/
    » time.com/2993508/emoji-rules-tweets/
  • STERNBERGH, A. (2014). Smile, You're speaking emoji: the rapid evolution of a wordless tongue. New York News & Politics. Disponível em: <http://nymag.com/daily/intelligencer/2014/11/emojis-rapid-evolution.html>. Acesso em 16 out. 2015.
    » http://nymag.com/daily/intelligencer/2014/11/emojis-rapid-evolution.html
  • SWIFTKEY. ( 2015). SwiftKey Emoji Report. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/262594751/SwiftKey-Emoji-Report>. Acesso em 30 out. 2015.
    » http://pt.scribd.com/doc/262594751/SwiftKey-Emoji-Report
  • The "Five Graces Group" (BECKNER, C. et al.) (2009). Language is a complex adaptive system: position paper. In: ELLIS, N. C.; LARSEN-FREEMAN, D. (Eds.) Language as a complex adaptive system. Special issue. Language Learning, 59, Supplement 1.
  • VICENTINI, S. (2005). XD da questão: você conhece a história dos emojis? Disponível em <Disponível em http://xd.globo.com/pra-espiar/xd-da-questao-voce-conhece-historia-dos-emojis-worldemojiday-16802942.html >. Acesso em 02 de nov. 2015
    » http://xd.globo.com/pra-espiar/xd-da-questao-voce-conhece-historia-dos-emojis-worldemojiday-16802942.html

  • 1
    Uma primeira versão deste texto foi apresentada em uma mesa redonda no 20º InPLA na PUCSP, em 2015. Agradeço aos meus primeiros leitores pelas sugestões para esta versão. São eles: Acir Karwoski, Júlio Araújo, Rodrigo Aragão e Ronaldo Gomes.
  • 2
    Esta e todas as demais traduções são de minha responsabilidade.
  • 3
    Minha tradução de affordances, defendida no texto PAIVA, V.L.M.O. Propiciamento (affordance) e autonomia na aprendizagem de língua inglesa In: LIMA, Diógenes Cândido. Aprendizagem de língua inglesa: histórias refletidas. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2010.
  • 4
    http://etimologias.dechile.net/?pictograma
  • 5
    Notícia veiculada no USA Today, de 5 de janeiro de 2016, (http://www.usatoday.com/story/tech/news/2016/01/05/twitter-may-soon-go-beyond-140-characters/78304512/?hootPostID=a50dc5157235ed304b6eb8e36bfa3d5b) acena com a possibilidade de o Twitter aumentar o limite de caracteres para 10k. O argumento é que algumas pessoas já burlam o limite de caracteres quando transformam seus textos em imagens. Os usuários continuariam a ver 140 caracteres com a possibilidade de clicar em Read More e ver o resto da mensagem. Neste momento (tarde de 5 de janeiro de 2016), o top trend no twitter é #Twitter10k e a maioria dos Tweets é de pessoas contrárias ao aumento do tamanho das mensagens. Muitos argumentam que isso não diferenciaria o Twitter de outros blogs, lamentam a perda do charme dessa rede social e dizem que seria muito melhor ter a possibilidade de edição.
  • 6
    Ver lista completa dos emojis em
  • 7
    Ver http://blog.oxforddictionaries.com/press-releases/oxford-dictionaries-word-of-the-year-2013/
  • 8
    Ver http://www.languagemonitor.com/category/word-of-the-year/
  • 9
    Ver http://blog.oxforddictionaries.com/2015/11/word-of-the-year-2015-emoji/
  • 10
    Esta e outras citações não contêm página por serem retiradas de texto na web sem paginação.
  • 11
    Os Stickers em forma de adesivos e cromos existem há mais de um século.
  • 12
    A tecnologia Android é um sistema operacional para dispositivos móveis desenvolvida pela empresa de tecnologia Google.
  • 13
    A tecnologia iOS, antes denominado iPhone OS (operational system) é um sistema operacional para dispositivos móveis desenvolvido pela empresa Apple. A cada atualização, o sistema vai recebendo um número e, atualmente, já está na versão 10 (iOS10).
  • 14
    http://emojipedia.org/part-alternation-mark/
  • 15
    Um quadro completo com as comparações de visualização em plataformas diferentes pode ser visto em http://www.unicode.org/emoji/charts/full-emoji-list.html
  • 16
    Veja o significado de cada abreviatura do quadro em http://www.unicode.org/emoji/charts/index.html
  • 17
    Quem quiser ler todos os tweets deve acessar https://twitter.com/hashtag/Twitter10k?src=hash
  • 18
    Veja o vídeo do banco Itaú para o dia das mães em https://www.youtube.com/watch?v=TanTwdcUDVQ; o do dia dos namorados em https://www.youtube.com/watch?v=_UG5rr53GDY ; e da festa de São João em https://www.youtube.com/watch?v=CgZaMN-HO2k.
  • 19
    Digitei os emojis, utilizando o WhatsApp, em mensagem para minha neta e utilizei o https://web.whatsapp.com/ para poder copiar.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    May-Aug 2016

Histórico

  • Recebido
    28 Jan 2016
  • Aceito
    05 Jul 2016
UNICAMP. Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) Unicamp/IEL/Setor de Publicações, Caixa Postal 6045, 13083-970 Campinas SP Brasil, Tel./Fax: (55 19) 3521-1527 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: spublic@iel.unicamp.br