Accessibility / Report Error

Escravidão, reprodução endógena e crioulização: o caso do Espírito Santo no Oitocentos

Resumos

O presente artigo avalia a importância da família escrava na sociedade brasileira do Oitocentos, especialmente da reprodução endógena propiciada por tal tipo de enlace, tomando como referência a Província do Espírito Santo no período. Consideraram-se dois recortes temporais, 1790-1821 e 1850- 1872, para a análise das fontes e comparação dos dados relativos às famílias escravas. Buscou-se realizar a identificação da composição sexual e etária das escravarias capixabas, enfocando a região abrangida pela Comarca de Victoria no primeiro quartel do século e incluindo, no segundo quartel, a Comarca de Itapemirim, devido à importância adquirida pela cafeicultura na região sul da Província à época. Como base nesses levantamentos, discutiu-se a crioulização dos cativos em terras capixabas e o crescimento vegetativo como elemento de sobrevivência demográfica da escravidão no Espírito Santo.

escravidão; família escrava; demografia, Brazil, século XIX


This paper evaluates the importance of the slave family in the Brazilian society of the Nineteenth century, especially the endogenous reproduction provided by this kind of arrangement, with regard to the Espírito Santo Province (located in Brazil's east coast) during the period. Two time sections, 1790-1821 and 1850- 1872, were considered in evaluating the sources and in comparing the slave families' data. Besides that, both the gender and the age composition of the slave population were identified, focusing, initially, in the region covered by the Province's capital, Victoria, during the first quarter of the century. In the second quarter, the analysis includes the southern Itapemirim county due to the importance attained by its coffee growing activity in the Province's overall economy. From the database collected, the paper discusses the so-called crioulização of captives, as well as their demographic growth, as elements of survival of the slavery system in Espírito Santo at that time.

slavery; slave family; demography; Brazil; Nineteenth century


Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

  • ALMADA, Vilma Paraíso Ferreira de. Escravismo e transição: o Espírito Santo, 1850-1888. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984. p.118.
  • CARVALHO, Enaile Flauzina. Política e economia mercantil nas terras do Espírito Santo (1790 a 1821). Dissertação de Mestrado apresentado no Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em História da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, 2008.
  • FERRER, Ada. Cuban Slavery. Atlantic Antislavery Review, Volume XXXI, n. 3, 2008, p. 267-296.
  • FLORENTINO, Manolo Garcia. Em costas negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (Séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.
  • FLORENTINO, Manolo Garcia; GOÉS, José Roberto. A paz nas senzalas: famílias escravas e tráfico atlântico. Rio de Janeiro: c. 1790-1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.
  • FRAGOSO, João Luís Ribeiro. Homens de grossa aventura: acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro (1790-1830). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1992.
  • FRAGOSO, João Luís Ribeiro; FLORENTINO, Manolo Garcia; SAMPAIO, Antonio Carlos Jucá de; CAMPOS, Adriana Pereira (Orgs.). Nas rotas do Império: eixos mercantis, tráfico e relações sociais no mundo português. Vitória: EDUFES; Lisboa: IICT, 2006.
  • FLORENTINO, Manolo Garcia e MACHADO, Cacilda. Ensaios sobre a escravidão. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.
  • LOBO, Eulalia Maria Lameyer. História do Rio de Janeiro: do capital comercial ao capital industrial e financeiro. Rio de Janeiro: IBMEC, 1978.
  • MERLO, Patricia Maria da Silva. O nó e o ninho: estudo sobre a família escrava no Espírito Santo, 1800-1871. Tese de Doutorado apresentada no Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2008.2008
  • SALETTO, Nara. Transição para o trabalho livre e pequena propriedade no Espírito Santo: 1888-1930. Vitória: Edufes, 1996.
  • SHWARTZ, Stuart B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-1835. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.
  • VASCONCELLOS, Ignacio Accioli de. Memoria statistica da Provincia do Espirito Santo escrita no anno de 1828. Transcrição do manuscrito original por Fernando Achiamé. Vitória: Arquivo Público Estadual, 1978.
  • 1
    ALMEIDA, Eduardo de Castro (Org.). Inventário dos documentos relativos ao Brasil existentes no Arquivo dos documentos relativos ao Brasil existentes no Arquivo de Marinha e Ultramar de Lisboa (8 vol). Rio de Janeiro, 1913-36. [Inventário IV, 46 da BN].
  • 2
    FERRER, Ada. Cuban Slavery. Atlantic Antislavery Review, Volume XXXI, N° 3, 2008, p. 267-296.
  • 3
    FLORENTINO, Manolo. Em costas negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (Séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995. p. 58.
  • 4
    ALMADA, Vilma Paraíso Ferreira de. Escravismo e transição: o Espírito Santo, 1850-1888. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.
  • 5
    FLORENTINO, Manolo Garcia; GOÉS, José Roberto. A paz nas senzalas: famílias escravas e tráfico atlântico. Rio de Janeiro: c. 1790-1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997, p. 61.
  • 6
    Informação obtida em inventários post-mortem constantes em FLORENTINO, Manolo Garcia. Em costas negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (Séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995. Apêndice 33, p. 295.
  • 7
    Informação obtida em inventários post-mortem guardados no Cartório de 1° Ofício de Vitória.
  • 8
    ALMADA, Vilma Paraíso Ferreira de. Op. cit.
  • 9
    Pretendia-se realizar levantamento até o ano de 1821, mas dificuldades de acesso ao arquivo do Cartório de 1° Ofício de Vitória impediram o cumprimento do objetivo inicial da pesquisa.
  • 10
    SCHWARTZ, Stuart B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-1835. São Paulo: Companhia das Letras, 1988. p. 290.
  • 11
    SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit.
  • 12
    VASCONCELLOS, Ignacio Accioli de. Memoria statistica da Provincia do Espirito Santo escrita no anno de 1828. Transcrição do manuscrito original por Fernando Achiamé. Vitória: Arquivo Público Estadual, 1978.
  • 13
    LOBO, Eulalia Maria Lameyer. História do Rio de Janeiro: do capital comercial ao capital industrial e financeiro. Rio de Janeiro: IBMEC, 1978. p. 88.
  • 14
    Discuti a composição das escravarias capixabas em CAMPOS, Adriana Pereira. Escravidão e crioulização: a Capitania do Espírito Santo. In: FRAGOSO, João Luis Ribeiro; FLORENTINO, Manolo Garcia; SAMPAIO, Antonio Carlos Jucá de; CAMPOS, Adriana Pereira (Orgs.). Nas rotas do Império: eixos mercantis, tráfico e relações sociais no mundo português. Vitória: EDUFES; Lisboa: IICT, 2006. p. 571-608.
  • 15
    CARVALHO, Enaile Flauzina. Política e economia mercantil nas terras do Espírito Santo (1790 a 1821). Dissertação de Mestrado apresentada no Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em História da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, 2008. p. 121.
  • 16
    FRAGOSO, João Luís Ribeiro. Homens de grossa aventura: acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro (1790-1830). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1992.
  • 17
    A região compunha-se das seguintes paróquias: N. S. da Victoria, São José do Queimado, São João de Cariacica, São João de Carapina, Santa Leopoldina, N. S. da Conceição de Vianna, Santa Izabel, N. S. do Rosário do Espírito Santo, N. S. de Conceição da Serra.
  • 18
    SALETTO, Nara. Transição para o trabalho livre e pequena propriedade no Espírito Santo: 1888-1930. Vitória: Edufes, 1996. p. 64.
  • 19
    Por meio de inventários post-mortem depositados no Arquivo do Tribunal de Justiça do Espírito Santo, Patrícia Merlo encontrou dados percentuais semelhantes, confirmando a veracidade da amostragem analisada. Ver MERLO, Patricia Maria da Silva. O nó e o ninho: estudo sobre a família escrava no Espírito Santo, 1800-1871. Tese de Doutorado apresentada no Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2008.
  • 20
    ALMADA, Vilma Paraíso Ferreira de. Op. cit., p.118.
  • 21
    Idem, ibidem, p. 141.
  • 1
    MACHADO, Cacilda; ENGEMANN, Carlos; FLORENTINO, Manolo Garcia. Entre o geral e o singular: histórias de fazendas escravistas da América do Sul - séculos XVIII e XIX. In: FLORENTINO, Manolo Garcia e MACHADO, Cacilda. Ensaios sobre a escravidão. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003. p. 167.
  • 23
    Ver SALETTO, Nara. Op. cit., p. 75.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Jul-Dec 2011
Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro Largo de São Francisco de Paula, n. 1., CEP 20051-070, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel.: (55 21) 2252-8033 R.202, Fax: (55 21) 2221-0341 R.202 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: topoi@revistatopoi.org