A Saúde Mental dos Profissionais da Saúde: Um Olhar ao Sofrimento de quem Cuida

Daniela Trevisan Monteiro Jussara Maria Rosa Mendes Carmem Lúcia Colomé Beck Sobre os autores

Resumo

Este estudo teve como objetivo conhecer as características do trabalho no contexto hospitalar e os possíveis efeitos na saúde mental dos profissionais que realizam o cuidado de pacientes no fim de vida. Realizou-se um estudo descritivo e qualitativo com base em entrevistas e observações. Foram entrevistados 34 médicos e enfermeiros que atuam nas unidades de clínica médica e pronto-socorro em um hospital de ensino do Rio Grande do Sul. Os resultados, obtidos a partir da análise de conteúdo, mostraram que na clínica médica há maior sofrimento quando acontece a morte ou a piora do paciente, fontes de prejuízo à saúde mental. No pronto-socorro, a morte gera sofrimento apenas quando traumática. As intercorrências próprias da emergência e da organização do trabalho são as maiores fontes de estresse para os profissionais, afetando sua saúde mental. Logo, a saúde mental dos profissionais encontra-se fragilizada frente às exigências do trabalho em saúde. É necessário repensar a organização institucional, redefinir ações e agir coerentemente com as necessidades dos profissionais, buscando melhorias no trabalho e na saúde mental.

Palavras-chave:
Atitude frente à morte; pessoal de saúde; assistência integral à saúde; saúde mental

Sociedade Brasileira de Psicologia R. Florêncio de Abreu, 681/1005 - CEP 14015-060 / Ribeirão Preto - SP, Brasil - Ribeirão Preto - SP - Brazil
E-mail: comissaoeditorial@sbponline.org.br