Níveis de resiliência em adolescentes com TDAH: um estudo de família utilizando medidas quantitativas

Maria Angélica Rates Regalla Daniel Segenreich Priscilla Rodrigues Guilherme Paulo Mattos Sobre os autores

Resumo

Objetivos

Investigar níveis de resiliência em adolescentes com transtorno do déficit de atenção/hiperatividade (TDAH) empregando medidas quantitativas de modo comparativo a irmãos não afetados e controles. Também se investigou a correlação entre resiliência e depressão, ansiedade, quociente de inteligência (QI) e status socioeconômico, que podem afetar os níveis de resiliência e atuar como confundidores potenciais.

Métodos

Adolescentes (n=45) diagnosticados com TDAH e encaminhados para um serviço ambulatorial de TDAH e seus irmãos sem o transtorno (n=27), com idades entre 12 e 17 anos, foram entrevistados junto com seus pais utilizando-se uma entrevista semiestruturada (Children’s Interview for Psychiatric Syndromes - Parent Version), em português). A inteligência foi mensurada com os subtestes Blocos e Vocabulário da Bateria Wechsler. Ansiedade e depressão foram investigados com o Inventário de Estado-Traço Infantil [Children State-Trait Anxiety Inventory (CSTAI)] e o Inventário de Depressão Infantil [Child Depression Inventory (CDI)], respectivamente. A resiliência foi mensurada utilizando-se a Escala de Resiliência. Um grupo controle [adolescentes com desenvolvimento típico (ADT) e seus irmãos; n=39] foi recrutado em outro serviço ambulatorial e em duas escolas, empregando a mesma metodologia.

Resultados

O status socioeconômico e os níveis de inteligência, que podem afetar a resiliência, foram similares em todos os grupos. Adolescentes com TDAH apresentaram menores níveis de resiliência comparados aos seus irmãos e a ADT, mesmo após ajuste para níveis de ansiedade e depressão, que eram mais altos no TDAH. Os níveis de resiliência foram mais altos em irmãos do que nos portadores de TDAH, porém menores que em ADT – este último resultado sem significância estatística.

Conclusão

Em nossa amostra, adolescentes com TDAH apresentaram menor resiliência, mesmo após controle para confundidores habitualmente associados ao transtorno.

Resiliência; adolescentes; transtorno do déficit de atenção/hiperatividade

Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul Av. Ipiranga, 5311/202, 90610-001 Porto Alegre RS/ Brasil, Tel./Fax: (55 51) 3024 4846 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: trends@aprs.org.br