Adaptação transcultural da escala Maltreatment and Abuse Chronology of Exposure (MACE) para o português brasileiro

Bruno Kluwe-Schiavon Thiago Wendt Viola Rodrigo Grassi-Oliveira Sobre os autores

Introdução

: Há evidências robustas na literatura indicando que os maus-tratos na infância podem afetar negativamente a saúde física e mental. Além disso, há um crescente interesse em compreender a ocorrência e as consequências dessas experiências. Vários instrumentos vêm sendo desenvolvidos para investigar retrospectivamente experiências de maus-tratos na infância, mas a maioria deles não investiga a experiência de testemunhar violência familiar durante a infância ou a ocorrência de bullying . Além disso, a maioria não identifica quando as experiências ocorreram, quem estava envolvido ou os sentimentos que evocaram, como desespero ou terror. A escala Maltreatment and Abuse Chronology of Exposure (MACE) foi desenvolvida para superar essas limitações.

Objetivos

: Considerando as vantagens dessa nova escala em relação aos instrumentos de autorrelato existentes e o reduzido número de questionários de autorrelato disponíveis no Brasil para avaliar maus-tratos na infância, este estudo teve como objetivo conduzir a adaptação transcultural da escala MACE para o português brasileiro.

Método

: Foram realizadas as etapas de tradução, retrotradução, análise de equivalência semântica e correspondência conceitual por um comitê avaliador e teste de aceitabilidade.

Resultados

: Adaptações semânticas e estruturais foram realizadas na entrevista para a realidade cultural brasileira, e todos os 75 itens incluídos na versão estendida da MACE foram traduzidos. Os resultados do teste de aceitabilidade sugerem que os itens foram adequadamente compreendidos.

Conclusões

: A escala MACE é uma ferramenta útil para a investigação de maus-tratos na infância, contribuindo para a pesquisa no Brasil. Futuros estudos devem considerar testar a validade e fidedignidade das três versões do instrumento traduzidas para o português do Brasil.

Estrese precoce; negligência; abuso; validação; instrumento


Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul Av. Ipiranga, 5311/202, 90610-001 Porto Alegre RS/ Brasil, Tel./Fax: (55 51) 3024 4846 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: trends@aprs.org.br