Trends in Psychiatry and Psychotherapy, Volume: 37, Issue: 1, Published: 2015
  • Biomarkers and staging of bipolar disorder: a systematic review Review Articles

    Roda, Ângela; Chendo, Inês; Kunz, Mauricio

    Abstract in Portuguese:

    INTRODUÇÃO: Níveis crescentes de evidência sugerem que o transtorno bipolar (TB) exibe um caráter progressivo, em nível tanto clínico, quanto bioquímico e neuroimagiológico. Este estudo revisa a literatura existente sobre a relação entre biomarcadores específicos e estágios do TB. MÉTODOS: Uma busca extensa da literatura nas bases de dados MEDLINE e PubMed foi conduzida para identificar estudos publicados em inglês e em português utilizando as palavras-chave biomarker (biomarcador), neurotrophic factors (fatores neurotróficos), inflammation (inflamação), oxidative stress (estresse oxidativo), neuroprogression (neuroprogressão) e staging models (modelos de estadiamento), em referência cruzada com o termo bipolar disorder (transtorno bipolar). RESULTADOS: Estudos morfométricos em doentes bipolares mostraram a existência de alterações neuroanatômicas, tais como o alargamento dos ventrículos, a perda de substância cinzenta no hipocampo e no cerebelo, a diminuição do volume de determinadas áreas do córtex pré-frontal e variações no tamanho da amígdala. Além disso, outros estudos apontam para a potencialidade do uso dos valores séricos dos fatores neurotróficos, de mediadores inflamatórios e de estresse oxidativo como biomarcadores do TB. CONCLUSÕES: O conhecimento das alterações neurobiológicas, associadas à progressão e atividade do TB, é fundamental para a identificação de biomarcadores. A incorporação de biomarcadores nos modelos de estadiamento do TB poderá permitir um aperfeiçoamento dos algoritmos terapêuticos, possibilitando a elaboração de esquemas de tratamento mais personalizados e eficazes, com destaque para a importância da intervenção precoce na atenuação da progressão da doença.

    Abstract in English:

    INTRODUCTION: A growing body of evidence suggests that bipolar disorder (BD) is a progressive disease according to clinical, biochemical and neuroimaging findings. This study reviewed the literature on the relationship between specific biomarkers and BD stages. METHODS: A comprehensive literature search of MEDLINE and PubMed was conducted to identify studies in English and Portuguese using the keywords biomarker, neurotrophic factors, inflammation, oxidative stress, neuroprogression and staging models cross-referenced with bipolar disorder. RESULTS: Morphometric studies of patients with BD found neuroanatomic abnormalities, such as ventricular enlargement, grey matter loss in the hippocampus and cerebellum, volume decreases in the prefrontal cortex and variations in the size of the amygdala. Other studies demonstrated that serum concentrations of neurotrophic factors, inflammatory mediators and oxidative stress may be used as BD biomarkers. CONCLUSIONS: The analysis of neurobiological changes associated with BD progression and activity may confirm the existence of BD biomarkers, which may be then included in staging models that will lead to improvements in treatment algorithms and more effective, individually tailored treatment regimens. Biomarkers may also be used to define early interventions to control disease progression.
  • Resilience of caregivers of people with dementia: a systematic review of biological and psychosocial determinants Review Articles

    Dias, Rachel; Santos, Raquel Luiza; Sousa, Maria Fernanda Barroso de; Nogueira, Marcela Moreira Lima; Torres, Bianca; Belfort, Tatiana; Dourado, Marcia Cristina Nascimento

    Abstract in Portuguese:

    Introdução: Apesar das dificuldades enfrentadas por cuidadores de pessoas com demência, sentimentos positivos quanto aos cuidados podem estar relacionados à resiliência. Objetivo: Revisamos sistematicamente a literatura sobre a conceituação, abordagens metodológicas e modelos determinantes relacionados à resiliência dos cuidadores de pessoas com demência. Métodos: Foi realizada uma busca por artigos publicados entre 2003 e 2014 nas bases de dados ISI, PubMed/MEDLINE, SciELO e Lilacs, usando os descritores resilience [resiliência], caregivers [cuidadores] e dementia [demência]. Resultados e conclusões: A resiliência foi definida como adaptação positiva para enfrentar adversidades, flexibilidade, bem-estar psicológico, força, vida saudável, sobrecarga, rede social e satisfação com o apoio social recebido. Não se encontrou consenso sobre o conceito de resiliência em relação à demência. As variáveis determinantes foram classificadas em modelos biológicos, psicológicos e sociais. Níveis mais altos de resiliência foram relacionados com taxas mais baixas de depressão e melhor saúde física. Os outros aspectos biológicos relacionados a níveis mais altos de resiliência foram idade avançada, etnia de origem africana e sexo feminino. Menos sobrecarga, estresse, neuroticismo e percepção de controle foram os principais aspectos psicológicos relacionados à resiliência. O apoio social foi um fator moderador da resiliência, pois uma variedade de tipos de apoio parece aliviar a sobrecarga física e mental causada pelo estresse.

    Abstract in English:

    Introduction: Although caregivers of people with dementia may face difficulties, some positive feelings of caregiving may be associated with resilience. Objective: This study systematically reviewed the definitions, methodological approaches and determinant models associated with resilience among caregivers of people with dementia. Methods: Search for articles published between 2003 and 2014 in ISI, PubMed/MEDLINE, SciELO and Lilacs using the search terms resilience, caregivers and dementia. Results and conclusions: Resilience has been defined as positive adaptation to face adversity, flexibility, psychological well-being, strength, healthy life, burden, social network and satisfaction with social support. No consensus was found about the definition of resilience associated with dementia. We classified the determinant variables into biological, psychological and social models. Higher levels of resilience were associated with lower depression rates and greater physical health. Other biological factors associated with higher levels of resilience were older age, African-American ethnicity and female sex. Lower burden, stress, neuroticism and perceived control were the main psychological factors associated with resilience. Social support was a moderating factor of resilience, and different types of support seemed to relieve the physical and mental overload caused by stress.
  • Phenomenological aspects of the cognitive rumination construct Review Articles

    Meyer, Leonardo Fernandez; Taborda, José Geraldo Vernet; Costa, Fábio Antônio da; Soares, Ana Luiza Alfaya Galego; Mecler, Kátia; Valença, Alexandre Martins

    Abstract in Portuguese:

    Objetivo: Verificar a importância de aspectos fenomenológicos relacionados ao construto de ruminação cognitiva (RC) nas pesquisas empíricas psiquiátricas atuais. Método: Foram pesquisadas as bases de dados SciELO, Scopus, ScienceDirect, MEDLINE, OneFile (GALE), SpringerLink, Cambridge Journals e Web of Science, entre fevereiro e março de 2014, buscando artigos cujo tópico ou título contivessem os seguintes termos-chave: ruminação cognitiva; escala de resposta ruminativa; e autorreflexão. Os critérios de inclusão foram: estudos clínicos empíricos; RC como principal objeto de pesquisa; e estudos que incluíssem uma definição conceitual de RC. Foram considerados apenas artigos em inglês publicados em periódicos biomédicos nos últimos 10 anos. Nossa análise fenomenológica se fundamentou na Psicopatologia Geral de Jaspers. Resultados: Os conceitos de RC atualmente encontrados nas pesquisas empíricas utilizam majoritariamente elementos fenomenológicos em suas definições. Entretanto, esses elementos cognitivos são indistintamente entendidos como elementos objetivos (empíricos), passíveis de mensuração, e não parecem ser cuidadosamente examinados. Este fato pode contribuir para uma compreensão enganosa sobre RC, além de favorecer a interpretação errônea de resultados e a elaboração de paradoxos teóricos problemáticos. Conclusão: As pesquisas empíricas atuais sobre RC falham ao avaliar os aspectos fenomenológicos inerentes ao construto de RC. A psicopatologia e o método fenomenológico podem ajudar a definir características relacionadas aos elementos da RC, bem como contribuir para a sua compreensão e organização hierárquica enquanto construto. Um retorno aos princípios da psicopatologia, nos moldes de Jaspers, poderia trazer esclarecimentos ao tema.

    Abstract in English:

    Objective: To evaluate the importance of phenomenological aspects of the cognitive rumination (CR) construct in current empirical psychiatric research. Method: We searched SciELO, Scopus, ScienceDirect, MEDLINE, OneFile (GALE), SpringerLink, Cambridge Journals and Web of Science between February and March of 2014 for studies whose title and topic included the following keywords: cognitive rumination; rumination response scale; and self-reflection. The inclusion criteria were: empirical clinical study; CR as the main object of investigation; and study that included a conceptual definition of CR. The studies selected were published in English in biomedical journals in the last 10 years. Our phenomenological analysis was based on Karl Jaspers' General Psychopathology. Results: Most current empirical studies adopt phenomenological cognitive elements in conceptual definitions. However, these elements do not seem to be carefully examined and are indistinctly understood as objective empirical factors that may be measured, which may contribute to misunderstandings about CR, erroneous interpretations of results and problematic theoretical models. Conclusion: Empirical studies fail when evaluating phenomenological aspects of the cognitive elements of the CR construct. Psychopathology and phenomenology may help define the characteristics of CR elements and may contribute to their understanding and hierarchical organization as a construct. A review of the psychopathology principles established by Jasper may clarify some of these issues.
Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul Av. Ipiranga, 5311/202, 90610-001 Porto Alegre RS/ Brasil, Tel./Fax: (55 51) 3024 4846 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: trends@aprs.org.br