(Atualizado: 31/01/2022)

 

Sobre o periódico

 

Informações básicas

 

Editada pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), a revista Ciência & Saúde Coletiva - criada ao final de 1996 – é um espaço científico para discussões, debates, apresentação de pesquisas, exposição de novas ideias e de controvérsias sobre a área. A partir de 2011, passou a ser mensal, publicando 12 números anuais. Em cada número há sempre de 10 a 12 textos temáticos e cerca de 20 outros sobre temas variados e opiniões, mais resenhas, num total de 30 artigos. Atualmente, a revista recebe uma média de 2.300 artigos originais por ano. Houve, no decorrer da história da Revista, um crescimento visível de participação de autores nacionais e internacionais e do número de artigos publicados. O site recebe diversas colaborações de pesquisadores de países de língua inglesa, francesa e espanhola. Desde sua origem, Ciência & Saúde Coletiva cumpre fielmente os requisitos de periodicidade e de normalização para publicação científica, seguindo as regras da Convenção de Vancouver, habitualmente utilizadas pelas áreas de medicina e saúde pública. Desde 2014, a versão impressa em português tornou-se disponível on-line, na base de dados SciELO, com diversos artigos traduzidos para o inglês. Atualmente Ciência & Saúde Coletiva está classificada com a categoria A3 no Qualis/Capes.

Redes Sociais:
Facebook: https://www.facebook.com/revistacienciaesaudecoletiva/
Twitter: https://twitter.com/RevistaCSC

 

 

Fontes de indexação

 

A revista é indexada por:

 

 

Propriedade Intelectual

 

Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons do tipo atribuição BY.

 

 

Patrocinador

 

A revista recebe financiamento do:

 

 

 

 

 

 


Corpo Editorial

 

Editores chefes

 

Maria Cecília de Souza Minayo (Fundação Oswaldo Cruz - Rio de Janeiro - Brasil)

Romeu Gomes (Fundação Oswaldo Cruz - Rio de Janeiro - Brasil)

Antônio Augusto Moura da Silva (Universidade Federal do Maranhão – Maranhão – Brasil)

 

 

Comitê editorial executivo

 
  • Raimunda Matilde do Nascimento Mangas - Coordenadora Editorial
  • Telma Freitas da Silva Pereira - Coordenadora de Comunicação Editorial
  • Danúzia da Rocha de Paula - Coordenadora Técnica
  • Luiza Pimenta Gualhano – Assistente Editorial
  • Marcelo Zabrieszach Afonso – Revisor de Português
  • Livia Marinho da Silva - Revisora de Português
  • Adriana Ribeiro Fontes – Diagramadora
  • American Journal Experts – Tradutor de Inglês 
  • Derrick Guy Phillips – Tradutor de Inglês
  • Jean-Pierre Barakat – Tradutor de Inglês
  • Peter Lenny – Revisor de inglês
  • Philip Gradon Reed – Revisor de inglês
  • Karine Morais de Oliveira - Bolsista PIBIC
 

 

Conselho Político-Editorial

 
  • Cesar Gomes Victora – Universidade Federal de Pelotas, Rio Grande do Sul-RS, Brasil - cvictora@gmail.com
  • Eleonor Conil – Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina-SC, Brasil - eleonorconill@gmail.com
  • Everardo Duarte Nunes – Universidade Estadual de Campinas,São Paulo-SP, Brasil - evernunes@uol.com.br
  • Hillegonda M.D. Novaes – Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil - hidutilh@usp.br
  • Jairnilson Silva Paim – Universidade Federal da Bahia - Bahia-BA, Brasil - jairnil@ufba.br
  • Jorge Iriart – Universidade Federal da Bahia, Bahia-BA,Brasil - iriart@ufba.br
  • Nelson Gouveia – Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil - ngouveia@usp.br
  • Zulmira M. A. Hartz – Universidade Nova de Lisboa, Portugal-PT, Brasil - zhartz@ihmt.unl.pt
 

 

Editor de Comunicação e Divulgação em Saúde

 

Neyson Pinheiro Freire (Conselho Federal de Enfermagem – Brasília– Brasil)

 

 

Editores associados

 
  • Editora de Resenha: ADALGISA PEIXOTO RIBEIRO (Universidade Federal de Minas Gerais – Minas Gerais - Brasil)
  • Alimentação, Nutrição e Saúde: VÂNIA MATOS FONSECA (Fundação Oswaldo Cruz – Rio de Janeiro - Brasil)
  • Assistência Farmacêutica: CLÁUDIA GARCIA SERPA OSORIO DE CASTRO (Fundação Oswaldo Cruz – Rio de Janeiro - Brasil)
  • Atenção Primária à Saúde: LUIZ FELIPE DA SILVA PINTO (Universidade Federal do Rio de Janeiro – Rio de Janeiro - Brasil)
  • Avaliação de Serviços de Saúde: MARIA JOSÉ SCOCHI (Universidade Estadual de Maringá – Paraná - Brasil)
  • Políticas em Saúde: AYLENE EMILIA MORAES BOUSQUAT (FSP/USP - São Paulo - Brasil)
  • Ciências Sociais: MARTHA CRISTINA NUNES MOREIRA (Fundação Oswaldo Cruz - Brasil)
  • Educação em Saúde: VALÉRIA VERNASCHI LIMA (Universidade Federal de São Carlos – São Paulo - Brasil)
  • Epidemiologia: SÉRGIO WILLIAM VIANA PEIXOTO (Fundação Oswaldo Cruz - Minas Gerais - Brasil)
    EDSON ZANGIACOMI MARTINEZ (Universidade de São Paulo - São Paulo - Brasil) 
  • História e Saúde: GILBERTO HOCHMAN (Fundação Oswaldo Cruz – Rio de Janeiro - Brasil)
  • Informação e Comunicação em Saúde: JANINE MIRANDA CARDOSO (Fundação Oswaldo Cruz – Rio de Janeiro - Brasil)
  • Planejamento e Gestão em Saúde: SHEYLA MARIA LEMOS LIMA (Fundação Oswaldo Cruz – Rio de Janeiro - Brasil)
  • Saúde Bucal: RAQUEL CONCEIÇÃO FERREIRA (Universidade Federal de Minas Gerais - Minas Gerais - Brasil)
  • Saúde da Criança e do Adolescente: ANA LUCIA FERREIRA (Universidade Federal do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil)
  • Saúde do Idoso: JOSÉLIA OLIVEIRA ARAÚJO FIRMO (Fundação Oswaldo Cruz – Minas Gerais - Brasil)
  • Saúde e Ambiente: SANDRA DE SOUZA HACON (Fundação Oswaldo Cruz - Rio de Janeiro - Brasil) 
  • Saúde e Gênero: WILZA VILELA (Universidade Federal de São Paulo - São Paulo - Brasil)
  • Saúde e Trabalho: TÂNIA MARIA DE ARAÚJO (Universidade Estadual de Feira de Santana- Bahia- Brasil)
  • Saúde Mental: ROSANA TERESA ONOCKO-CAMPOS (Universidade Estadual de Campinas – São Paulo - Brasil)
 

 

Conselho editorial

 
  • Adrian C. Sleigh (AUSTRALIAN N. U.) - Canberra - Austrália
  • Adriana Estevão (UFES/ES) - Espírito Santo - Brasil
  • Akira Homma (Bio Manguinhos/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Alberto Pelegrini (PAHO/WHO Consultant) - Washington - EUA
  • Alessandro L. Cavalcanti (UFCG/PB) - Paraíba - Brasil
  • Amélia Cohn (MP/USP) - São Paulo - Brasil
  • Ana Canesqui (MP/UNICAMP) - São Paulo - Brasil
  • Ana Maria Malik (FGV/SP) - São Paulo - Brasil
  • Anne-Emanuelle Birn (University of Toronto) - Toronto - Canadá
  • Ángel Martínez Hernáez (UNIVERSITAT ROVIRA I VIRGILI (URV)/Spain) - Catalunha - Espanha
  • Antonio Pithon Cyrino (FMB/UNESP) - São Paulo - Brasil
  • Brian Godman (INSTITUTO KAROLINSKA e UNIVERSIDADE DE STRATHCLYDE) - Glasgow - Escócia - Reino Unido
  • Carlos Calderón Gómez (SERVICIO VASCO DE SALUD - OSAKIDETZA) - San Sebastián, Espanha
  • Carlos Machado de Freitas (ENSP/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Carlos Minayo Gómez (ENSP/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Carlos Morel (IOC/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Carlos Oropeza (INSP, MÉXICO) - Morelos - México
  • Claudine Herzlich (CERMES/INSERM/France) - Paris - França
  • Daniel Forsin Buss (IOC/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Daniela Riva Knauth (UFRGS) - Rio Grande do Sul - Brasil
  • David Sanders (WSC/South Africa) Western Cape - África do Sul
  • Duncan Pedersen (HRC/DHRC/Canadá) - Quebec - Canadá
  • Edinilsa Ramos de Souza (ENSP/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Euclides Ayres de Castilho (USP) - São Paulo - Brasil
  • Francisco Bastos (ICICT/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Francisco J. Mercado Martinez (U. de Guadalajara/México) - Jalisco - México
  • Francisco Viacava (ICICT/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Gabriela Nora Ruiz (ENSP/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Gary Barker (PROMUNDO) - Washington - EUA
  • Gastão W. S. Campos (FCM/UNICAMP) - São Paulo - Brasil
  • Gisela Cordeiro Pereira Cardoso (UFRJ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Hugo Spinelli (U. Nacional de Lanús/Argentina) - Lanús - Argentina
  • Ilara Hammerli S. Moraes (ENSP/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Ilona Kickbush (Yale U./USA) - Connecticut - EUA
  • Jadete Barbosa Lampert (FM/UFSM) - Rio Grande do Sul - Brasil
  • Jean-Louis (École Nationale D' Administration Publique/Canadá)
  • João Guilherme Bezerra Alves (IMIP) - Pernambuco - Brasil
  • Jorge Alberto Cordón Portillo (UNB) - Brasília - Brasil
  • José Augusto Barros (DSC/UFJF) - Minas Gerais - Brasil
  • José Ricardo de C. M. Ayres (MP/USP) - São Paulo - Brasil
  • Juan Guilhermo Figueroa Perrea (EL COLEGIO DE MEXICO Y UNIVERSIDAD NACIONAL AUTONOMA DE MEXICO) - Cidade do México - México
  • Juan Stuardo Yazlle Rocha (USP/RP) - São Paulo - Brasil
  • Laura Macruz Feuerwerker (FSP/USP) - São Paulo - Brasil
  • Ligia Bahia (IESC-URFJ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Ligia de Salazar (U. Colômbia) - Bogotá - Colômbia
  • Ligia Vieira da Silva (ISC/UFBA) - Bahia - Brasil
  • Lilia Blima Schraiber (MP/USP) - São Paulo - Brasil
  • Lynn Silver (Public Health Institute)-
  • Louise Potvin (Un. Montreal/CA) - Quebec - Canadá
  • Márcia M. V. Skaba (INCA/RJ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Marc Bigras (DÉPARTEMENT DE PSYCHOLOGIE, UNIVERSITÉ DU QUÉBEC À MONTRÉAL/CANADÁ) - Quebec - Canadá
  • Marcos Bagrichevsky (UFES) - Espírito Santo - Brasil
  • Maria Fátima de Souza (UNB) - Brasília - Brasil
  • Maria Helena Mello Jorge (FSP/USP) - São Paulo - Brasil
  • Maria José Sanches Martins (FAMEMA) - São Paulo - Brasil
  • Mariana M. A. Barcinski (PUC/RS) - Rio Grande do Sul - Brasil
  • Miriam Schenker (UERJ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Paulete Goldenbert (MP/UNIFESP) - São Paulo - Brasil
  • Paulo Amarante (ENSP/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Paulo Frazão (PUC/SP) - São Paulo - Brasil
  • Raimunda M. da Silva (UNIFOR) - Ceará - Brasil
  • Regina Cele Bodstein (ENSP/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Reinaldo Guimarães (IMS/UERJ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Roberto Briceño-León (Central/Venezuela) - Caracas - Venezuela
  • Roberto Castro (UNAM, México) - Cidade do México - México
  • Roger Shrimpton (Tulane University/EUA) - Louisiana - EUA
  • Rosana Hartes Griep (IOC/Fiocruz)- Rio de Janeiro – Brasil
  • Rosana Magalhães (ENSP/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Rosângela Minardi Mitre Cotta (UFV/MG) - Minas Gerais - Brasil
  • Roseni Pinheiro (IMS/UERJ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Sandra Vallenas (PUCP/Peru) - Lima - Peru
  • Saint Clair dos S. G. Junior (IFF/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Sandy Cairncross (London School/UK) - Londres - Inglaterra - Reino Unido
  • Sarah Jane Atkinson (U. Durham/UK)- Durham - Inglaterra - Reino Unido
  • Saul Franco Agudelo (U. N. Bogotá/Colômbia) - Bogotá - Colômbia
  • Sherman James (Duke University/EEUU) - Carolina do Norte - EUA
  • Simone Gonçalves de Assis (ENSP/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Thomas Gohel (EHP/EEUU) - Carolina do Norte - EUA
  • Túlia Falleti (University of Pennsylvania)
  • Vera Lúcia Edais Pepe (ENSP/FIOCRUZ) - Rio de Janeiro - Brasil
  • Wendy Chavkin (COLUMBIA UNIVERSITY) - Nova York - EUA
 

 

Associação Brasileira de Saúde Coletiva - Gestão 2018 - 2021

 

Presidente

Gulnar Azevedo e Silva (Instituto de Medicina Social – Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ)

Vice presidentes

Antônio Boing (UFSC)
Bernadete Perez Coelho (UFPE)
Guilherme Werneck (IESC/UFRJ) e (IMS/Uerj)
José Ivo Pedrosa (UFPI)
Marcio Florentino Pereira (UFSB)
Mario César Scheffer (FM/USP)
Naomar de Almeida Filho Aposentado UFSB e (UFBA)
Reinaldo Guimarães (UFRJ)
Rosana Onocko Campos (Unicamp)
Tatiana Engel Gerhardt (UFRGS)

Conselho Deliberativo

Ana Paula Muraro (ISC/UFMT)
Anaclaudia Fassa (DMS-FM/UFPel )
Cristiani Vieira Machado (Ensp/Fiocruz)
Deivisson Vianna(UFPR)
Edna Araújo(UEFS)
Eli Iola Gurgel Andrade(UFMG)
Luis Eduardo Batista (Instituto de Saúde/SES-SP)
Luis Eugenio Portela de Souza(ISC/UFBA)
Luiza Garnelo( ILMD/Fiocruz Amazônia
Marilia Louvison(FSP/USP)
Regina Flauzino(ISC/UFF)

Secretaria Executiva

  • Thiago Barreto – Secretário Executivo
  • Dayana Rosa – Secretária Executiva Adjunta

  Relacionamento com Associados

  • Nayara Alves – Coordenadora
  • Isabella Mendes
  Assessoria de Comunicação

 

  • Bruno Cesar Dias - Coordenador
  • Hara Flaeschen
  • Pedro Martins

  Setor Financeiro 

  • Cátia Pinheiro – Gerente
  • Dayane Souza
  • Juliano Messias – Jovem Aprendiz

 Setor Administrativo 

  • Fernanda Sousa – Gerente
  • Jorge Luiz Lucas
  • Roberta Nascimento

 Abrasco Livros

  • André de Abreu Azevedo – Supervisor
  • Fidel Pinheiro
  • Marcelo Barreira
 

 


Instruções aos autores

 

Instruções para colaboradores

 

Ciência & Saúde Coletiva publica debates, análises e resultados de investigações sobre um tema específico considerado relevante para a saúde coletiva; e artigos de discussão e análise do estado da arte da área e das subáreas, mesmo que não versem sobre o assunto do tema central. A revista, de periodicidade mensal, tem como propósitos enfrentar os desafios, buscar a consolidação e promover uma permanente atualização das tendências de pensamento e das práticas na saúde coletiva, em diálogo com a agenda contemporânea da Ciência & Tecnologia.

Política de Acesso Aberto - Ciência & Saúde Coletiva é publicado sob o modelo de acesso aberto e é, portanto, livre para qualquer pessoa a ler e download, e para copiar e divulgar para fins educacionais.

A Revista Ciência & Saúde Coletiva aceita artigos em preprints de bases de dados nacionais e internacionais reconhecidas academicamente.

No momento em que você apresenta seu artigo, é importante estar atento ao que constitui um preprint e como você pode proceder para se integrar nesta primeira etapa da Ciência Aberta. O preprint disponibiliza artigos e outras comunicações científicas de forma imediata ou paralela à sua avaliação e validação pelos periódicos. Desta forma, acelera a comunicação dos resultados de pesquisas, garante autoria intelectual, e permite que o autor receba comentários que contribuam para melhorar seu trabalho, antes de submetê-lo a algum periódico. Embora o artigo possa ficar apenas no repositório de preprints (caso o autor não queira mandá-lo para um periódico), as revistas continuam exercendo as funções fundamentais de validação, preservação e disseminação das pesquisas. Portanto:

  1. Você pode submeter agora seu artigo ao servidor SciELO preprints (https://preprints.scielo.org)  ou a outro servidor confiável.  Nesse caso, ele será avaliado por uma equipe de especialistas desses servidores, para verificar se o manuscrito obedece a critérios básicos quanto à estrutura do texto e tipos de documentos. Se aprovado, ele receberá um doi que garante sua divulgação internacional imediata.
  2. Concomitantemente, caso você queira, pode submetê-lo à Revista Ciência & Saúde Coletiva. Os dois processos são compatíveis.
  3. Você pode optar por apresentar o artigo apenas à Revista Ciência & Saúde Coletiva. A submissão a repositório preprint não é obrigatória.
 

 

Orientações para organização de números temáticos

 

A marca da Revista Ciência & Saúde Coletiva dentro da diversidade de Periódicos da área é o seu foco temático, segundo o propósito da ABRASCO de promover, aprofundar e socializar discussões acadêmicas e debates interpares sobre assuntos considerados importantes e relevantes, acompanhando o desenvolvimento histórico da saúde pública do país.

Os números temáticos entram na pauta em quatro modalidades de demanda:

  • Por Termo de Referência enviado por professores/pesquisadores da área de saúde coletiva (espontaneamente ou sugerido pelos editores-chefes) quando consideram relevante o aprofundamento de determinado assunto.
  • Por Termo de Referência enviado por coordenadores de pesquisa inédita e abrangente, relevante para a área, sobre resultados apresentados em forma de artigos, dentro dos moldes já descritos. Nessas duas primeiras modalidades, o Termo de Referência é avaliado em seu mérito científico e relevância pelos Editores Associados da Revista.
  • Por Chamada Pública anunciada na página da Revista, e sob a coordenação de Editores Convidados. Nesse caso, os Editores Convidados acumulam a tarefa de selecionar os artigos conforme o escopo, para serem julgados em seu mérito por pareceristas. Os artigos para essa modalidade só serão aceitos os enviados no e-mail informado na chamada.
  • Por Organização Interna dos próprios Editores-chefes, reunindo sob um título pertinente, artigos de livre demanda, dentro dos critérios já descritos.

O Termo de Referência deve conter: (1) título (ainda que provisório) da proposta do número temático; (2) nome (ou os nomes) do Editor Convidado; (3) justificativa resumida em um ou dois parágrafos sobre a proposta do ponto de vista dos objetivos, contexto, significado e relevância para a Saúde Coletiva; (4) listagem dos dez artigos propostos já com nomes dos autores convidados; (5) proposta de texto de opinião ou de entrevista com alguém que tenha relevância na discussão do assunto; (6) proposta de uma ou duas resenhas de livros que tratem do tema.

Por decisão editorial o máximo de artigos assinados por um mesmo autor num número temático não deve ultrapassar três, seja como primeiro autor ou não.

Sugere-se enfaticamente aos organizadores que apresentem contribuições de autores de variadas instituições nacionais e de colaboradores estrangeiros. Como para qualquer outra modalidade de apresentação, nesses números se aceita colaboração em espanhol, inglês e francês

 

 

Recomendações para a submissão de artigos

 

Notas sobre a Política Editorial

A Revista Ciência & Saúde Coletiva reafirma sua missão de veicular artigos originais, que tragam novidade e proporcionem avanço no conhecimento da área de saúde coletiva. Qualquer texto que caiba nesse escopo é e será sempre bem-vindo, dentro dos critérios descritos a seguir:

  1. O artigo não deve tratar apenas de questões de interesse local ou situar-se somente no plano descritivo.
  2. Na sua introdução, o autor precisa deixar claro o caráter inédito da contribuição que seu artigo traz. Também é altamente recomendado que, na carta ao editor, o autor explicite, de forma detalhada, porque seu artigo constitui uma novidade e em que ele contribui para o avanço do conhecimento.
  3. As discussões dos dados devem apresentar uma análise que, ao mesmo tempo, valorize especificidade dos achados de pesquisa ou da revisão, e coloque esses achados em diálogo com a literatura nacional e internacional.
  4. O artigo qualitativo precisa apresentar, de forma explícita, análises e interpretações ancoradas em alguma teoria ou reflexão teórica que promova diálogo das Ciências Sociais e Humanas com a Saúde Coletiva. Exige-se também que o texto valorize o conhecimento nacional e internacional.
  5. Quanto aos artigos de cunho quantitativo, a revista prioriza os de base populacional e provenientes de amostragem aleatória. Não se encaixam na linha editorial: os que apresentam amostras de conveniência, pequenas ou apenas descritivas; ou análises sem fundamento teórico e discussões e interpretações superficiais.
  6. As revisões não devem apenas sumarizar o atual estado da arte, mas precisam interpretar as evidências disponíveis e produzir uma síntese que contribua para o avanço do conhecimento. Assim, a nossa orientação é publicar somente revisões de alta relevância, abrangência, originalidade e consistência teórica e metodológica, que de fato tragam novos conhecimentos ao campo da Saúde Coletiva.

Nota importante - Dado o exponencial aumento da demanda à Revista (que em 2020 ultrapassou 4.000 originais), todos os artigos passam por uma triagem inicial, realizada pelos editores-chefes. Sua decisão sobre o aceite ou não é baseada nas prioridades citadas e no mérito do manuscrito quanto à originalidade, pertinência da análise estatística ou qualitativa, adequação dos métodos e riqueza interpretativa da discussão. Levando em conta tais critérios, apenas uma pequena proporção dos originais, atualmente, é encaminhada para revisores e recebe parecer detalhado.

A revista C&SC adota as “Normas para apresentação de artigos propostos para publicação em revistas médicas”, da Comissão Internacional de Editores de Revistas Médicas, cuja versão para o português encontra-se publicada na Rev Port Clin Geral 1997; 14:159-174. O documento está disponível em vários sítios na World Wide Web, como por exemplo, www.icmje.org ou www.apmcg.pt/document/71479/450062.pdf. Recomenda-se aos autores a sua leitura atenta.

Seções da publicação

Editorial: de responsabilidade dos editores chefes ou dos editores convidados, deve ter no máximo 4.000 caracteres com espaço.

Artigos Temáticos: devem trazer resultados de pesquisas de natureza empírica, experimental, conceitual e de revisões sobre o assunto em pauta. Os textos de pesquisa não deverão ultrapassar os 40.000 caracteres.

Artigos de Temas Livres: devem ser de interesse para a saúde coletiva por livre apresentação dos autores através da página da revista. Devem ter as mesmas características dos artigos temáticos: máximo de 40.000 caracteres com espaço, resultarem de pesquisa e apresentarem análises e avaliações de tendências teórico-metodológicas e conceituais da área.

Artigos de Revisão: Devem ser textos baseados exclusivamente em fontes secundárias, submetidas a métodos de análises já teoricamente consagrados, temáticos ou de livre demanda, podendo alcançar até o máximo de 45.000 caracteres com espaço.

Opinião: texto que expresse posição qualificada de um ou vários autores ou entrevistas realizadas com especialistas no assunto em debate na revista; deve ter, no máximo, 20.000 caracteres com espaço.

Resenhas: análise crítica de livros relacionados ao campo temático da saúde coletiva, publicados nos últimos dois anos, cujo texto não deve ultrapassar 10.000 caracteres com espaço. Os autores da resenha devem incluir no início do texto a referência completa do livro. As referências citadas ao longo do texto devem seguir as mesmas regras dos artigos. No momento da submissão da resenha os autores devem inserir em anexo no sistema uma reprodução, em alta definição da capa do livro em formato jpeg.

Cartas: com apreciações e sugestões a respeito do que é publicado em números anteriores da revista (máximo de 4.000 caracteres com espaço).

Observação: O limite máximo de caracteres leva em conta os espaços e inclui da palavra introdução e vai até a última referência bibliográfica. O resumo/abstract e as ilustrações (figuras/ tabelas e quadros) são considerados à parte.

 

 

Apresentação de manuscritos

 

1. Os originais podem ser escritos em português, espanhol, francês e inglês. Os textos em português e espanhol devem ter título, resumo e palavras-chave na língua original e em inglês. Os textos em francês e inglês devem ter título, resumo e palavras-chave na língua original e em português. Não serão aceitas notas de pé-de-página ou no final dos artigos.

2. Os textos têm de ser digitados em espaço duplo, na fonte Times New Roman, no corpo 12, margens de 2,5 cm, formato Word e encaminhados apenas pelo endereço eletrônico (http://mc04.manuscriptcentral.com/csc-scielo) segundo as orientações do site.

3. Os artigos publicados serão de propriedade da revista C&SC, ficando proibida a reprodução total ou parcial em qualquer meio de divulgação, impressa ou eletrônica, sem a prévia autorização dos editores-chefes da Revista. A publicação secundária deve indicar a fonte da publicação original.

4. Os artigos submetidos à C&SC não podem ser propostos simultaneamente para outros periódicos.

5. As questões éticas referentes às publicações de pesquisa com seres humanos são de inteira responsabilidade dos autores e devem estar em conformidade com os princípios contidos na Declaração de Helsinque da Associação Médica Mundial (1964, reformulada em 1975,1983, 1989, 1989, 1996 e 2000).

6. Os artigos devem ser encaminhados com as autorizações para reproduzir material publicado anteriormente, para usar ilustrações que possam identificar pessoas e para transferir direitos de autor e outros documentos.

7. Os conceitos e opiniões expressos nos artigos, bem como a exatidão e a procedência das citações são de exclusiva responsabilidade dos autores.

8. Os textos são em geral (mas não necessariamente) divididos em seções com os títulos Introdução, Métodos, Resultados e Discussão, às vezes, sendo necessária a inclusão de subtítulos em algumas seções. Os títulos e subtítulos das seções não devem estar organizados com numeração progressiva, mas com recursos gráficos (caixa alta, recuo na margem etc.).

9. O título deve ter 120 caracteres com espaço e o resumo/abstract, com no máximo 1.400 caracteres com espaço (incluindoa palavra resumo até a última palavra-chave), deve explicitar o objeto, os objetivos, a metodologia, a abordagem teórica e os resultados do estudo ou investigação. Logo abaixo do resumo os autores devem indicar até no máximo, cinco (5) palavras-chave. palavras-chave/key words. Chamamos a atenção para a importância da clareza e objetividade na redação do resumo, que certamente contribuirá no interesse do leitor pelo artigo, e das palavras-chave, que auxiliarão a indexação múltipla do artigo. As palavras-chaves na língua original e em inglês devem constar obrigatoriamente no DeCS/MeSH (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/mesh/e http://decs.bvs.br/). 

10. Na submissão dos artigos na plataforma da Revista, é obrigatório que apenas um autor tenha o registro no ORCID (Open Researcher and Contributor ID), mas quando o artigo for aprovado e para ser publicado no SciELO, todos os autores deverão ter o registro no ORCID. Portanto, aos autores que não o têm ainda, é recomendado que façam o registro e o validem no ScholarOne. Para se registrar no ORCID entre no site (https://orcid.org/) e para validar o ORCID no ScholarOne, acesse o site (https://mc04.manuscriptcentral.com/csc-scielo), e depois, na página de Log In, clique no botão Log In With ORCID iD.

Autoria

1. As pessoas designadas como autores devem ter participado na elaboração dos artigos de modo que possam assumir publicamente a responsabilidade pelo seu conteúdo. A qualificação como autor deve pressupor: a) a concepção e o delineamento ou a análise e interpretação dos dados, b) redação do artigo ou a sua revisão crítica, e c) aprovação da versão a ser publicada. As contribuições individuais de cada autor devem ser indicadas no final do texto, apenas pelas iniciais (ex. LMF trabalhou na concepção e na redação final e CMG, na pesquisa e na metodologia).

2. O limite de autores no início do artigo deve ser no máximo de oito. Os demais autores serão incluídos no final do artigo.

Nomenclaturas

1. Devem ser observadas rigidamente as regras de nomenclatura de saúde pública/saúde coletiva, assim como abreviaturas e convenções adotadas em disciplinas especializadas. Devem ser evitadas abreviaturas no título e no resumo.

2. A designação completa à qual se refere uma abreviatura deve preceder a primeira ocorrência desta no texto, a menos que se trate de uma unidade de medida padrão.

Ilustrações e Escalas

1. O material ilustrativo da revista C&SC compreende tabela (elementos demonstrativos como números, medidas, percentagens, etc.), quadro (elementos demonstrativos com informações textuais), gráficos (demonstração esquemática de um fato e suas variações), figura (demonstração esquemática de informações por meio de mapas, diagramas, fluxogramas, como também por meio de desenhos ou fotografias). Vale lembrar que a revista é impressa em apenas uma cor, o preto, e caso o material ilustrativo seja colorido, será convertido para tons de cinza.

2. O número de material ilustrativo deve ser de, no máximo, cinco por artigo (com limite de até duas laudas cada), salvo exceções referentes a artigos de sistematização de áreas específicas do campo temático. Nesse caso os autores devem negociar com os editores-chefes.

3. Todo o material ilustrativo deve ser numerado consecutivamente em algarismos arábicos, com suas respectivas legendas e fontes, e a cada um deve ser atribuído um breve título. Todas as ilustrações devem ser citadas no texto.

4. As tabelas e os quadros devem ser confeccionados noprograma Word ou Excell e enviados com título e fonte. OBS: No link do IBGE (http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv23907.pdf) estão as orientações para confeccionar as tabelas. Devem estar configurados em linhas e colunas, sem espaços extras, e sem recursos de "quebra de página". Cada dado deve ser inserido em uma célula separada. Importante: tabelas e quadros devem apresentar informações sucintas. As tabelas e quadros podem ter no máximo 15 cm de largura X 18 cm de altura e não devem ultrapassar duas páginas (no formato A4, com espaço simples e letra em tamanho 9).

5. Gráficos e figuras podem ser confeccionados no programa Excel, Word ou PPT. O autor deve enviar o arquivo no programa original, separado do texto, em formato editável (que permite o recurso "copiar e colar") e também em pdf ou jpeg, TONS DE CINZA. Gráficos gerados em programas de imagem devem ser enviados em jpeg, TONS DE CINZA, resolução mínima de 200 dpi e tamanho máximo de 20cm de altura x 15 cm de largura. É importante que a imagem original esteja com boa qualidade, pois não adianta aumentar a resolução se o original estiver comprometido. Gráficos e figuras também devem ser enviados com título e fonte. As figuras e gráficos têm que estar no máximo em uma página (no formato A4, com 15 cm de largura x 20cm de altura, letra no tamanho 9).

6. Arquivos de figuras como mapas ou fotos devem ser salvos no (ou exportados para o) formato JPEG, TIF ou PDF. Em qualquer dos casos, deve-se gerar e salvar o material na maior resolu¬ção (300 ou mais DPI) e maior tamanho possíveis (dentro do limite de 21cm de altura x 15 cm de largura). Se houver texto no interior da figura, deve ser formatado em fonte Times New Roman, corpo 9. Fonte e legenda devem ser enviadas também em formato editável que permita o recurso "copiar/colar". Esse tipo de figura também deve ser enviado com título e fonte.

7. Os autores que utilizam escalas em seus trabalhos devem informar explicitamente na carta de submissão de seus artigos, se elas são de domínio público ou se têm permissão para o uso.

Agradecimentos

1. Quando existirem, devem ser colocados antes das referências bibliográficas.

2. Os autores são responsáveis pela obtenção de autorização escrita das pessoas nomeadas nos agradecimentos, dado que os leitores podem inferir que tais pessoas subscrevem os dados e as conclusões.

3. O agradecimento ao apoio técnico deve estar em parágrafo diferente dos outros tipos de contribuição.

Financiamento

A RC&SC atende a Portaria nº 206 de 2018 do Ministério da Educação / Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior / Gabinete sobre citação obrigatória da CAPES para obras produzidas ou publicadas, em qualquer meio, decorrentes de atividades financiadas total ou parcialmente pela CAPES. Esses trabalhos científicos devem identificar a fonte de financiamento através da utilização do código 001 para todos os financiamentos recebidos.

Referências

1. As referências devem ser numeradas de forma consecutiva de acordo com a ordem em que forem sendo citadas no texto. No caso de as referências serem de mais de dois autores, no corpo do texto deve ser citado apenas o nome do primeiro autor seguido da expressão et al.

2. Devem ser identificadas por números arábicos sobrescritos, conforme exemplos abai­­xo:

ex. 1: “Outro indicador analisado foi o de maturidade do PSF” 11 (p.38).

ex. 2: “Como alerta Maria Adélia de Souza 4, a cidade...”
As referências citadas somente nos quadros e figuras devem ser numeradas a partir do número da última referência citada no texto.

3. As referências citadas devem ser listadas ao final do artigo, em ordem numérica, seguindo as normas gerais dos Requisitos uniformes para manuscritos apresentados a periódicos biomédicos(http://www.nlm.nih.gov/bsd/uniform_requirements.html).

4. Os nomes das revistas devem ser abreviados de acordo com o estilo usado no Index Medicus (https://www.ncbi.nlm.nih.gov/nlmcatalog/journals).

5. O nome de pessoa, cidades e países devem ser citados na língua original da publicação.

Exemplos de como citar referências

Artigos em periódicos

1. Artigo padrão (incluir todos os autores sem utilizar a expressão et al.)
Pelegrini MLM, Castro JD, Drachler ML. Eqüidade na alocação de recursos para a saúde: a experiência no Rio Grande do Sul, Brasil. Cien Saude Colet 2005; 10(2):275-286.

Maximiano AA, Fernandes RO, Nunes FP, Assis MP, Matos RV, Barbosa CGS, Oliveira-Filho EC. Utilização de drogas veterinárias, agrotóxicos e afins em ambientes hídricos: demandas, regulamentação e considerações sobre riscos à saúde humana e ambiental. Cien Saude Colet 2005; 10(2):483-491.

2. Instituição como autor
The Cardiac Society of Australia and New Zealand. Clinical exercise stress testing. Safety and performance guidelines. Med J Aust 1996; 164(5):282-284

3. Sem indicação de autoria
Cancer in South Africa [editorial]. S Afr Med J 1994; 84:15.

4. Número com suplemento
Duarte MFS. Maturação física: uma revisão de literatura, com especial atenção à criança brasileira. Cad Saude Publica 1993; 9(Supl. 1):71-84.

5. Indicação do tipo de texto, se necessário  
Enzensberger W, Fischer PA. Metronome in Parkinson’s disease [carta]. Lancet 1996; 347:1337.  

Livros e outras monografias

6. Indivíduo como autor
Cecchetto FR. Violência, cultura e poder. Rio de Janeiro: FGV; 2004.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8ª Edição. São Paulo, Rio de Janeiro: Hucitec, Abrasco; 2004.

7. Organizador ou compilador como autor
Bosi MLM, Mercado FJ, organizadores. Pesquisa qualitativa de serviços de saúde. Petrópolis: Vozes; 2004.

8. Instituição como autor
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Controle de plantas aquáticas por meio de agrotóxicos e afins. Brasília: DILIQ/IBAMA; 2001.

9. Capítulo de livro
Sarcinelli PN. A exposição de crianças e adolescentes a agrotóxicos. In: Peres F, Moreira JC, organizadores. É veneno ou é remédio. Agrotóxicos, saúde e ambiente. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p. 43-58.

10. Resumo em Anais de congressos
Kimura J, Shibasaki H, organizadores. Recent advances in clinical neurophysiology. Proceedings of the 10th International Congress of EMG and Clinical Neurophysiology; 1995 Oct 15-19; Kyoto, Japan. Amsterdam: Elsevier; 1996.

11. Trabalhos completos publicados em eventos científicos
Coates V, Correa MM. Características de 462 adolescentes grávidas em São Paulo. In: Anais do V Congresso Brasileiro de adolescência; 1993; Belo Horizonte. p. 581-582.

12. Dissertação e tese
Carvalho GCM. O financiamento público federal do Sistema Único de Saúde 1988-2001 [tese]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública; 2002.

Gomes WA. Adolescência, desenvolvimento puberal e sexualidade: nível de informação de adolescentes e professores das escolas municipais de Feira de Santana – BA [dissertação]. Feira de Santana (BA): Universidade Estadual de Feira de Santana; 2001.

Outros trabalhos publicados

13. Artigo de jornal
Novas técnicas de reprodução assistida possibilitam a maternidade após os 40 anos. Jornal do Brasil; 2004 Jan 31; p. 12

Lee G. Hospitalizations tied to ozone pollution: study estimates 50,000 admissions annually. The Washington Post 1996 Jun 21; Sect. A:3 (col. 5).

14. Material audiovisual
HIV+/AIDS: the facts and the future [videocassette]. St. Louis (MO): Mosby-Year Book; 1995.

15. Documentos legais
Brasil. Lei nº 8.080 de 19 de Setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União 1990; 19 set.

Material no prelo ou não publicado

Leshner AI. Molecular mechanisms of cocaine addiction. N Engl J Med. In press 1996.

Cronemberg S, Santos DVV, Ramos LFF, Oliveira ACM, Maestrini HA, Calixto N. Trabeculectomia com mitomicina C em pacientes com glaucoma congênito refratário. Arq Bras Oftalmol. No prelo 2004.

Material eletrônico

16. Artigo em formato eletrônico
Morse SS. Factors in the emergence of infectious diseases. Emerg Infect Dis [serial on the Internet] 1995 Jan-Mar [cited 1996 Jun 5];1(1):[about 24 p.]. Available from: http://www.cdc.gov/ncidod/EID/eid.htm

Lucena AR, Velasco e Cruz AA, Cavalcante R. Estudo epidemiológico do tracoma em comunidade da Chapada do Araripe – PE – Brasil. Arq Bras Oftalmol [periódico na Internet]. 2004 Mar-Abr [acessado 2004 Jul 12];67(2): [cerca de 4 p.]. Disponível em: http://www.abonet.com.br/abo/672/197-200.pdf

17. Monografia em formato eletrônico
CDI, clinical dermatology illustrated [CD-ROM]. Reeves JRT, Maibach H. CMEA Multimedia Group, producers. 2ª ed. Version 2.0. San Diego: CMEA; 1995.

18. Programa de computador
Hemodynamics III: the ups and downs of hemodynamics [computer program]. Version 2.2. Orlando (FL): Computerized Educational Systems; 1993.

Os artigos serão avaliados através da Revisão de pares por no mínimo três consultores da área de conhecimento da pesquisa, de instituições de ensino e/ou pesquisa nacionais e estrangeiras, de comprovada produção científica. Após as devidas correções e possíveis sugestões, o artigo será aceito se tiver dois pareceres favoráveis e rejeitado quando dois pareceres forem desfavoráveis.

 

 


 

ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br