Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de Educação Médica]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0100-550220200003&lang=en vol. 44 num. 3 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Analysis of the Perception of Academics about Emergency and Emergency Medical Education]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300201&lng=en&nrm=iso&tlng=en Resumo: Introdução: O atendimento em urgência e emergência (UE) envolve situações de risco que exigem intervenção imediata para aumentar as chances de sobrevivência do paciente. O ensino dessa disciplina durante a graduação de Medicina não tem sido efetivo, e os alunos apresentam deficiência no atendimento, tornando-se importante realizar avaliação para conhecer a realidade sobre esse processo formativo. O objetivo deste estudo foi avaliar o conhecimento e a satisfação pessoal dos acadêmicos de Medicina que se encontram no internato quanto à disciplina de Urgência e Emergência, em faculdade privada do norte de Minas Gerais. Método: Trata-se de um estudo transversal, quantitativo e descritivo, com aplicação de 185 questionários que abordaram dados demográficos, conhecimento da política de atenção à UE aplicada ao Samu, conhecimento da epidemiologia dos atendimentos pré-hospitalares do Samu, avaliação e conduta durante o atendimento, e percepção do ensino de UE. A população foi constituída por estudantes de Medicina, do oitavo ao 12º período, divididos em dois grupos em relação ao estágio em UE. Realizou-se análise estatística por meio do teste qui-quadrado de Pearson ou exato de Fisher com significância p &lt; 0,05. Resultados: A população foi predominantemente do sexo feminino. Quanto à opção de trabalho, 123 (66,5%) dos estudantes optaram por consultório médico, 35,1% escolheram os serviços de UE, e 95 (51,4%) citaram a saúde da família. Quanto aos profissionais que compõem a ambulância básica ou avançada, 40,5% e 54,1% acertaram a composição da básica e avançada, respectivamente, sendo estatisticamente significante com p-valor 0,001 e 0,002. Dos participantes do estudo, 15,7% marcaram corretamente todas as causas de atendimento pelo Samu, e 36,2% acertaram a natureza clínica como a maior demanda de atendimento. Não houve diferenças estatísticas quanto à percepção da importância do conhecimento do médico generalista sobre UE. Quanto à percepção dos acadêmicos em relação à própria formação, foi identificada diferença estatística nas questões relacionadas às temáticas triagem - Protocolo de Manchester, monitorização, suporte básico e avançado de vida, e emergências pediátricas. Conclusões: O ensino de UE, na percepção dos alunos, mostra-se efetivo nessa avaliação, mas com lacunas em urgências pediátricas e toxicológicas. Os alunos formam-se inseguros quanto ao atendimento nessa área. Há a necessidade de discutir mais essa temática por causa da relevância dela para a prática profissional.<hr/>Abstract: Introduction: Urgency and emergency service involves risk situations that require immediate intervention to increase the patient’s chances of survival. The teaching of this discipline during undergraduate medical school has not been effective and the students show deficient training; thus, carrying out an evaluation aiming to know the reality about this formative process becomes important. Objectives: to evaluate the knowledge and personal satisfaction of the undergraduate medical students attending internship regarding the discipline of Urgency and Emergency, in private medical schools in the North of Minas Gerais. Method: transversal, quantitative, descriptive study, which applied 185 questionnaires addressing demographic data; knowledge of the Urgency and Emergency care policy applied to SAMU; knowledge of the epidemiology of pre-hospital care at SAMU, assessment and conduct during care; and perception of UE education. The population consisted of medical students, from the 8th to the 12th periods of medical school, divided into two groups in relation to the internship in UE. The statistical analysis was performed using Pearson’s Chi-square test or Fisher’s exact test, with significance set at p &lt;0.05. Results: The population was predominantly female. As for the job option, 123 (66.5%) chose working at a doctor’s office, 35.1% chose UE services, and 95 (51.4%) cited family health. As for the professionals who work at the basic or advanced ambulance, 40.5% and 54.1% agreed on the composition of the basic and advanced ambulances, respectively. Being statistically significant with a p-value of 0.001 and 0.002. 15.7% correctly answered all causes of care provided by SAMU, and 36.2% correctly answered the clinical nature as the highest demand for care. There were no statistical differences regarding the perception of the importance of the general practitioner’s knowledge of urgency and emergency. Regarding the perception of students in relation to their training, a statistical difference was identified in questions related to the topics Screening - Manchester protocol, Monitoring, Basic and advanced life support, Pediatric emergencies. Conclusions: the urgency and emergency teaching, according to the students’ perception, is effective in this evaluation, but has gaps in pediatric and toxicological emergencies. Students are unsure of how to work in this area. It is necessary to further discuss this topic, due to its relevance to professional practice. <![CDATA[Medical Students in a Talking Circle: the Popular Extension Dialogues with Potiguara Indigenous People]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300202&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract: Introduction: University extension projects with socially excluded populations can be a strategy for the training of professionals in the cultural and social diversity of the Brazilian population. The practice of Popular Health Education (PHE) through university extension is one of the possibilities to foster dialogic interactions between teaching and the community and has been a space for the development of health education with social commitment. The Îandé Gûatá Extension Project was created in Paraíba in 2013, based on the principles of PHE and Popular Extension, focusing on the meeting between Potiguara indigenous people and Medical students. This study aimed to evaluate the learning built by this project students’ for their medical education. Method: Therefore, a qualitative approach research was developed through the analysis of discursive practices, using the talking circle technique at the end of the project cycle. To analyze the material, linguistic repertoires were identified from the subjects’ speech and three sets of meanings were built: extension university as a counter-hegemonic space of medical education; building skills for the future doctor; relations between health and culture in care. The linguistic repertoires were discussed based on theoretical references, such as popular health education, indigenous health and competences in medical education. Results: According to the students, this project allowed them gains in the attributes of: knowledge, as it allowed reflections, identification of gaps and greater understanding about the health-disease process in the context of the indigenous population; allowed gains in the ability of making and receiving criticism, teamwork and dialogue between different cultures; and allowed gains in attitudes, broadening the attitude of professionalism, the comprehension and performance on ethical issues and the construction of social commitment. Conclusion: Therefore, they highlight both the development of general competences for the future doctor, but also more specific ones, such as cultural competence. Moreover, the challenge of dialoguing in the polarity: aiming to reduce the distances within the same institutional space; cultural conflicts; and understanding and acting in an emancipatory education. This group of students wished, with the indigenous community, that these distances would be lessened, in a collective commitment aimed at producing change and social transformation.<hr/>Resumo: Introdução: A extensão universitária com populações excluídas socialmente pode ser uma estratégia na formação de profissionais sobre a diversidade cultural e social brasileira. A perspectiva da Educação Popular em Saúde (EPS) nesse contexto é uma das possibilidades para fomentar interações dialógicas entre ensino e comunidade, favorecendo espaço para o desenvolvimento da formação em saúde com compromisso social. O Projeto de Extensão Îandé Gûatá surge em 2013, na Paraíba, a partir dos princípios da EPS e da Extensão Popular, com foco no encontro entre indígenas Potiguara e estudantes de Medicina. Esta pesquisa objetivou avaliar os aprendizados construídos pelos extensionistas desse projeto em sua formação médica. Método: Para tanto, desenvolveu-se uma pesquisa com abordagem qualitativa a partir dos referenciais teórico-metodológicos das práticas discursivas. Utilizou-se a técnica da roda de conversa para construção de dados, realizada no momento de encerramento do ciclo do projeto. Para análise do material, foram identificados repertórios linguísticos a partir das falas dos sujeitos com construção de três conjuntos de sentidos: a extensão universitária como espaço contra-hegemônico de formação médica; o desenvolvimento de competências gerais para o futuro profissional de saúde; o encontro entre diferentes culturas nas vivências da extensão. Os repertórios linguísticos foram discutidos com base em referenciais teóricos de EPS, saúde indígena e competências na educação médica. Resultados: Nas falas dos estudantes, o projeto permitiu ganhos nos seguintes atributos: conhecimento, porque permitiu reflexões, identificação de lacunas e maior entendimento sobre o processo saúde-doença no contexto da população indígena; habilidades de fazer e receber críticas, de trabalho em equipe e de diálogo entre culturas diferentes; e atitudes, ampliando a postura do profissionalismo, a compreensão e a ação perante as questões éticas e sociais. Conclusões: Dessa forma, destacam não somente o desenvolvimento de competências gerais para o futuro médico, mas também as mais específicas, como a competência cultural. Além disso, enfatizam o desafio de dialogar na polaridade, de modo a diminuir as distâncias dentro do mesmo espaço institucional e do conflito cultural, e promover a compreensão e ação numa educação emancipatória. Esse coletivo de estudantes esperançou com a comunidade indígena a aproximação dessas distâncias, num compromisso coletivo de produzir mudança e transformação social. <![CDATA[The Characteristics of a Model Teacher from the Viewpoint of Students and Teachers]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300203&lng=en&nrm=iso&tlng=en Resumo: Introdução: Na área médica, a forma de ensinar e aprender vem mudando com o tempo. Dessa forma, a investigação dos atributos que tornam um professor exemplar é importante para formular novas estratégias de ensino na educação médica. O presente estudo objetiva avaliar a percepção dos discentes e docentes do curso de Medicina sobre quais qualidades o docente deve ter para ser considerado um modelo. Método: Trata de um estudo quantitativo, transversal, com estudantes e professores do curso de Medicina da Universidade de Fortaleza (Unifor). Foi aplicado aos participantes um questionário elaborado pelos autores sobre os atributos mais importantes para ser considerado um bom professor. Cada atributo deveria receber peso de 1 a 5 caso o participante o julgasse menos ou mais importante. Resultados: Participaram do estudo 74 professores e 344 alunos. As maiores médias nos dois grupos foram para a “atitude no ambiente de ensino” e “interação com os alunos e colegas”, embora os professores tenham valorizado mais esses domínios (p = 0,03 e p = 0,006, respectivamente). O domínio “características pessoais” foi menos valorizado pelos alunos (p = 0,02). No domínio “atitude no ambiente de ensino”, facilitar a aprendizagem e ter uma atitude ética com o paciente foram as características mais valorizadas, embora os professores tenham valorizado ainda mais este último (p = 0,001). No domínio “interação com os alunos e colegas”, a capacidade de estimular a participação do aluno foi considerada menos importante pelos alunos (p = 0,001). No domínio “características pessoais”, ter entusiasmo pelo ensino foi bastante valorizado, entretanto os professores tenderam a dar um peso maior que os alunos (p = 0,001). A avaliação do domínio “desenvolvimento profissional” mostrou que o envolvimento com pesquisa foi o menos valorizado pelos participantes. Conclusões: Esses resultados sugerem que, para a identificação de um professor exemplar, os dois grupos valorizaram não apenas as atitudes relacionadas à docência, mas sobretudo as atitudes no ambiente de ensino e na interação com alunos e colegas. Sugerem ainda a necessidade de desenvolver estratégias de valorização da pesquisa científica, inclusive com incentivos para uma maior participação dos docentes e discentes, ressaltando a sua a importância na formação médica.<hr/>Abstract: Introduction: Learning and teaching methods have changed over time in medical education. Therefore, there is a strong case for investigating the attributes of a model professor in order to formulate new teaching strategies in medical education. This study aimed to ascertain which character traits are viewed in the eyes of medical students and teachers as essential to the profile of a model teacher. Methods: This is a quantitative, cross-sectional study conducted with medical students and teachers of the University of Fortaleza (UNIFOR) School of Medicine. Participants were invited to respond to a questionnaire, developed by the authors, addressing the most important characteristics of a model teacher. The respondents were asked to score each characteristic from 1 to 5 to reflect its respective importance. Results: A total of 418 people were surveyed, of whom 74 were teachers and 344 students. The highest scoring characteristics in both groups were “Attitude in the teaching environment” and “Interaction with students and colleagues”, although teachers placed more value on these attributes (p = 0.03 and p = 0.006 respectively). “Personality traits” was the least appreciated by the students (p = 0.02). In the “Attitude in the teaching environment” category, facilitating learning and maintaining an ethical attitude with the patient were the most valued characteristics in both groups, although the latter was more appreciated by the teachers (p = 0.001). In the “Interaction with students and colleagues” category, the ability to stimulate student participation was considered least important by the students (p = 0.001). Enthusiasm for teaching scored highly in both groups in the “Personality traits” category, though teachers tended to give rate it more highly than the students (p = 0.001). The analysis of the “Professional development” category showed that, for both groups, involvement in research was the least valued characteristic. Conclusions: These results suggest that not only attributes associated with teaching practice, but also teachers’ attitudes in the teaching environment and their interaction with students and colleagues were considered by both groups as important to their identification of a model teacher. They also suggest the necessity for developing strategies to value scientific research and stimulate greater participation of both students and teachers, underlining its importance in medical training. <![CDATA[Motivational Factors in the Choice of Multiprofessional Residency in Primary Care]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300204&lng=en&nrm=iso&tlng=en Resumo: Introdução: A residência multiprofissional (RM) é uma modalidade de pós-graduação que agrega graduados de diversas áreas da saúde. Trata-se de uma modalidade de aprendizado em serviço. O objetivo deste estudo foi investigar os condicionantes motivacionais para a escolha do programa de RM de uma universidade situada no Vale de Itajaí, em Santa Catarina, por seus candidatos. Método: Para a realização desta pesquisa, adotou-se uma abordagem mista, quantitativa e qualitativa, em que se aplicaram questionários aos alunos da graduação do ensino superior e realizaram-se entrevistas com residentes do segundo ano. O número de participantes da pesquisa foi estipulado considerando o número total de alunos em sala de aula e, dentre estes, aqueles que tinham interesse em ingressar na RM. Participaram da amostra 123 alunos, dos quais 81 não tinham interesse em realizar a RM e 42 gostariam de participar do programa. Na análise dos dados oriundos dos questionários, utilizou-se a estatística descritiva (frequência simples e relativa). Os conteúdos da entrevista foram submetidos à análise de conteúdo. Participaram da aplicação de questionários 123 alunos dos últimos períodos dos cursos de Psicologia, Educação Física, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Medicina, Enfermagem e Nutrição; além disso, foram entrevistados oito residentes. Resultados: Constatou-se que 62% dos participantes buscam a residência como uma forma de capacitação profissional, dois quais 21% têm interesse em atuar em saúde coletiva/SUS, e outros 19% referem ter interesse em participar da residência em função da atuação multiprofissional. Conclusões: A análise de conteúdo indica que os residentes percebem como desafios a tarefa de atuar no sistema público devido a falta de mão de obra, dos aparelhos instrumentais e saturação de demanda e relações interpessoais com os colegas de outras especialidades. Entre os fatores motivacionais para entrada dos estudantes no programa de RM, destacam-se a experiência profissional, o interesse em saúde coletiva/SUS e o comprometimento social. A presença de profissionais que são referência na saúde coletiva também emergiu como um aspecto motivador importante na escolha dos profissionais por essa área de atuação. Os resultados deste estudo reforçam o importante do papel da RM na formação profissional visando atendimento em saúde coletiva.<hr/>Abstract: Introduction: Multiprofessional residency (MR) is a postgraduate program which brings together graduates from diverse areas of health. It is a model of in-service learning. The objective of this study was to investigate the motivational factors behind the candidates’ decision to choose the MR program of a university located in the Vale of Itajaí - SC. Method: For this research a mixed, quantitative and qualitative approach was used, applying questionnaires to undergraduate students and interviews with second year residents. The entire study sample was composed of 123 undergraduate students in the final semester of the Psychology, Physical Education, Physiotherapy, Speech Language Pathology, Medicine, Nursing and Nutrition courses: 81 respondents were not interested in MR and 42 were interested in participating in the program. Data from the questionnaires were analyzed using descriptive statistics (simple and relative frequency). A further eight student residents were interviewed. The contents of the interviews were submitted to content analysis. Results: It was found that 62% of the participants seek the residency program as a form of professional training, 21% are interested in working in Collective Health/SUS (Unifed Health Service), another 19% of the participants reported an interest in participating in the residency because of multiprofessional work. Conclusion: The content analysis indicates that residents perceive the task of operating within the public health system as a challenge due to the lack of manpower, instrumental devices coupled with saturated demand and interpersonal relationships with colleagues in other specialties. As motivational factors for their entry into the multiprofessional residency program students cited the professional experience, interest in Collective Health/SUS and social commitment. The presence of professionals who are a reference in collective health also emerged as an important motivational aspect in professional choosing to move into this field. The results of this study reinforce the importance of the role of the multiprofessional residency in vocational training aimed geared toward collective health care. <![CDATA[Mental Health Treatment prior to University Admission: Experience of a Student Support Service]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300205&lng=en&nrm=iso&tlng=en Resumo: Introdução: Dados da literatura apontam para um aumento da frequência de sofrimento mental entre estudantes de Medicina. Entretanto, os fatores responsáveis ou que têm contribuído para isso ainda não estão completamente esclarecidos. Conhecê-los é fundamental para o planejamento de um serviço de apoio que acolha, identifique, acompanhe e, se necessário, encaminhe o estudante com sofrimento mental. Método: Avaliamos, neste trabalho, o relato de tratamento psíquico, anterior ao ingresso na universidade, de estudantes do curso de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais que buscaram atendimento no Núcleo de Apoio Psicopedagógico aos Estudantes da Faculdade de Medicina (Napem). Os relatos, os dados sociodemográficos e os motivos que levaram o aluno a procurar o serviço foram obtidos de uma ficha de inscrição preenchida pelo estudante. Resultados: No ano avaliado, 87 estudantes (47 homens, média de idade 23,3 anos) procuraram os serviços do Napem. Desses alunos, 42 (48,3%) cursavam os dois primeiros anos; 24 (27,6%), o terceiro e quarto anos; e 21 (24,1%), o quinto e sexto anos. Tratamento psíquico antes do ingresso na universidade foi relatado por 53 (60,9%) alunos: 37 (42,5%) declararam ter feito uso de medicamentos psicoativos e 16 relataram tratamento com psicoterapia sem medicação. Os relatos de tratamento psíquico e de uso de medicamentos psicoativos antes do ingresso na universidade foram significativamente mais frequentes (p = 0,04 e p = 0,04, respectivamente) entre os estudantes que cursavam os dois primeiros anos do curso do que entre os dos demais anos. Não se observaram diferenças estatisticamente significativas em relação à média de idade (p = 0,06), à distribuição por sexo (p = 0,87), à procedência (p = 0,68) ou ao tipo de moradia em Belo Horizonte (p = 0,96) quando se compararam os grupos com e sem relato de tratamento psíquico. Dentre os motivos apontados para a busca de atendimento no Napem, “ansiedade”, “depressão/sintomas depressivos” e “instabilidade de humor” foram relatados por 59 (67,8%) estudantes. Problemas relacionados ao curso foram declarados por cinco (5,7%) alunos. Conclusão: Os resultados do estudo sugerem que o tratamento psíquico prévio ao ingresso na universidade pode ser um dos fatores que contribuem para o sofrimento mental do estudante de Medicina durante o curso.<hr/>Abstract: Introduction: Data published in literature point to an increased frequency of psychological distress among medical students. However, the causes or potentially contributory factors for this scenario are not completely understood. Understanding these factors is essential for planning a support service that welcomes, identifies, monitors and, if necessary, guides the student with mental suffering. Methods: We evaluated the pre-university admission mental health treatment report on medical students at the Federal University of Minas Gerais who sought care at the Psychopedagogical Support Center. These data, as well as demographic data and the reasons that led the student to seek the service were obtained from an enrollment form filled out by the student. Results: A total of 87 students (47 males, mean age 23.3 years) were received support from the NAPEM in the year under study. Of those, 42 (48.3%) were in the first two years of the course, 24 (27.6%) in the 3rd/4th year and 21 (24.1%) in the 5th/6th year. Mental Health treatment prior to university admission was reported by 53 (60.9%) students: 37 (42.5%) reported the use of psychoactive drugs and 16 reported psychotherapies without the use of medication. Mental Health treatment and medication prior to university admission were significantly more frequent (p = 0.04 and p = 0,04, respectively) among students in the first two years of the course than among those in other years. No statistically significant differences in relation to the average age (p = 0.06), distribution by sex (p = 0.87), origin (p = 0.68) or type of housing in Belo Horizonte (p = 0.96) were found when comparing those who had undergone psychic treatment with those who had not. Anxiety, depression/depressive symptoms and mood swings were reported by 59 (67.8%) students as reasons to seek help. Problems related to the course were reported by five (5.7%) students. Conclusion: The results of the present study suggest that Mental Health treatment prior to university admission may be one of the factors that contribute to the medical student’s mental suffering during the course. <![CDATA[Quality of Life and Graduation in Medicine]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300206&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract: Introduction: In recent years, the quality of life of medical students has been questioned, given the context in which they are inserted. Stress as a result of the number of long hours, difficulty in reconciling academic and personal life, exposure to situations of pain and suffering, have been shown to be the main factors for the decrease in quality of life of these students. The aim of this study was to assess the quality of life of medical students and its associated factors. Method: Cross-sectional study with 419 medical students from a public institution in Goiás. The study was carried out with students over 18 years old and enrolled in the second to the eighth semester of medical school, between 2017 and 2018. Sociodemographic and lifestyle questionnaires and the World Health Organization Questionnaire for Quality of Life - Brief Form (WHOQOL-BREF) were used. Results: The factors related to low quality of life were: female gender, the use of stimulants, thinking about giving up medical school and having comorbidities. Those related to a better quality of life were consuming fruits and vegetables, practicing physical activity, more sleeping time and stress management. Conclusion: This study found a set of factors capable of interfering with the quality of life of these students, suggesting the need for interventions aimed at pedagogical and psychological support.<hr/>Resumo: Introdução: Nos últimos anos, tem-se questionado sobre a qualidade de vida dos estudantes de Medicina dado o contexto em que estão inseridos. O estresse como resultado do somatório de carga horária extensa, dificuldade de conciliar a vida acadêmica com a pessoal e exposição a situações de dor e sofrimento tem-se mostrado como o principal fator para a queda da qualidade de vida desses acadêmicos. O objetivo deste estudo foi avaliar a qualidade de vida de acadêmicos de Medicina e seus fatores associados. Método: Trata-se de um estudo transversal realizado com 419 acadêmicos do curso de Medicina de uma fundação pública de Goiás. Foram incluídos alunos a partir de 18 anos e matriculados no curso do segundo ao oitavo período, de 2017 a 2018. Utilizaram-se os questionários sociodemográfico e de hábitos de vida e o World Health Organization Questionnaire for Quality of Life - Brief Form (WHOQOL-bref). Resultados: Os fatores relacionados com a baixa qualidade de vida foram: sexo feminino, utilizar estimulantes, pensar em desistir do curso e possuir comorbidade. Os relacionados com melhor qualidade de vida foram consumir frutas e hortaliças, praticar atividade física, mais tempo de sono e gestão do estresse. Conclusão: Este estudo encontrou um conjunto de fatores capazes de interferir na qualidade de vida desses estudantes, sugerindo a necessidade de intervenções direcionadas ao apoio pedagógico e psicológico. <![CDATA[Empathy in Medical Students in Relation to Pedriatic Patients: a Cross-Sectional Study, 2019]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300207&lng=en&nrm=iso&tlng=en Resumo: Introdução: A empatia envolve a capacidade de identificar e perceber os sentimentos e as experiências pessoais do paciente, assim como a capacidade de ver o mundo da perspectiva de outra pessoa. Em pediatria, existe o desafio de buscar o bom relacionamento com o paciente pediátrico e seus acompanhantes, os quais são peças fundamentais no atendimento e no resultado do tratamento. O objetivo desse estudo foi avaliar o nível de empatia dos estudantes de Medicina em relação ao paciente pediátrico. Método: Trata-se de estudo transversal, com amostra de conveniência, realizado com estudantes do quarto e sexto anos do curso de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano, Campus Alfenas. Os níveis de empatia foram avaliados por meio da Escala de Empatia de Jefferson. Questionário sociodemográfico coletou dados sobre as possíveis variáveis independentes, como sexo, idade, estado civil, doença crônica pessoal ou familiar, distúrbio mental, especialidade pretendida, entre outros. Utilizaram-se o teste de t de Student, o teste exato de Fischer bicaudal e a regressão linear. O nível de significância foi de 0,05. Resultados: No período de fevereiro a abril de 2019, dos 196 estudantes elegíveis para o estudo, 159 concordaram em participar. Desses, 10 (6,2%) foram excluídos por preenchimento incompleto do questionário. A amostra final foi de 149 (76,0%) estudantes, sendo 74 (49,7%) do quarto ano e 75 (50,3%) do sexto ano do curso de Medicina. Não houve diferença entre o escore global de empatia entre o quarto e o sexto ano. O escore global de empatia foi maior no sexo feminino (pajustado = 0,011), assim como o escore do domínio “cuidado compassivo” (pajustado = 0,013). Os voluntários com relato de doença crônica familiar e os que tinham dificuldade de realizar exame físico pediátrico apresentaram escore significativamente mais elevado no domínio “cuidado compassivo” (pajustado = 0,038 e pajustado = 0,037, respectivamente). Conclusões: Os níveis de empatia (escore global e diferentes domínios) observados neste estudo foram elevados, com exceção do domínio “capacidade de se colocar no lugar do outro”. Não se observou relação entre escore global de empatia e seus diferentes domínios e o ano do curso médico.<hr/>Abstract: Introduction: Empathy involves the ability to identify and perceive a patient’s personal feelings and experiences, as well as the ability to see the world from another person’s perspective. In Pediatrics, there is the challenge of looking for a good relationship with the patient and their caregivers, who play a key role in both the care and the result of the treatment. The aim of this study was to evaluate the level of empathy of medical students related to pediatric patients. Methods: Cross-sectional study, with a convenience sample, conducted with 4th and 6th-year medicine students at Universidade José do Rosário Vellano, Campus Alfenas. Levels of empathy were assessed using the Jefferson Scale of Empathy. A sociodemographic questionnaire collected data on possible independent variables such as gender, age, marital status, chronic individual and familial diseases, mental disorders and intended medical specialty. Student’s T test, two-tailed Fischer exact test and linear regression were used in statistical analysis. The level of significance was 0.05. Results: From February to April 2019, 159 students, from a total of 196 eligible candidates, agreed to participate in the study. Of these, 10 were excluded due to incomplete questionnaires. The final sample was composed of 149 (76.0%) students, 74 (49.7%) from the 4th-year and 75 (50.3%) from the 6th-year. There was no difference between the overall empathy score between the 4th and 6th-year students. The overall empathy score was higher in females (padjusted=0.011), as was the Compassionate Care domain score (padjusted=0.013). Volunteers reporting chronic familial disease and those who had difficulty performing a pediatric physical examination reported a significantly higher score in the Compassionate Care domain (padjusted=0.038 and padjusted=0.037, respectively). Conclusion: The global empathy score and its different domains were high, except for the Ability to Stand in the Patient’s Shoes domain. No relationship was found between empathy and its different domains and the year of undergraduate medical training. <![CDATA[Effects of Mental Disorders on the Emotional Intelligence Levels of Brazilian Medical Students: a Single Center Cross-Sectional Study, 2017-2018]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300208&lng=en&nrm=iso&tlng=en Abstract: Introduction: Recent studies have shown the direct effects of emotional intelligence (EI) on medical practice and, more specifically, on establishing and maintaining a good doctor-patient relationship. The aim was to compare the EI levels of students from different years of medical school and to evaluate other factors that affect EI levels. Method: This was a cross-sectional study of medical students attending the 1st, 3rd and 6th years in a private institution in Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil. A non-probabilistic convenience sample was used. EI levels were evaluated using the Schutte Self-Report EI Test, and demographic and personal data were collected. All volunteers signed the free and informed consent form prior to study inclusion. Statistical analysis used ANOVA, Student’s t-test, Pearson correlation and linear regression. A significance level of 0.05 was adopted. Results: Two hundred twenty-five volunteers were recruited between October/2017 and April/2018. Sixteen (7.1%) were excluded due to incomplete questionnaires. The final sample comprised 209 participants (71 from the 1st year, 69 from the 3rd year and 69 from the 6th year). Most were women (66.0%), 95.2% were single, 10.0% had previously graduated and 16.3% reported a previous mental disorder diagnosis. The mean age was 23.2 (±3.9) years. There was no difference in the EI overall score and in the different EI domains scores among the students from the three years. Pearson’s test showed a weak positive correlation between age and total score (r=0.172; p=0.013) and perception of emotion (r=0.236; p=0.001). Multiple regression showed a significant positive association between age and the total score (p=0.040), Perception of Emotion (padjusted=0.013) and Managing Others’ Emotions (padjusted=0.020). A significant reduction in the total score (padjusted=0.033), in Managing Own Emotions (padjusted&lt;0.001) and in the Managing Others’ Emotions (padjusted=0.025) was found for volunteers who reported a previous mental disorder. Conclusion: High levels of EI were observed in the 3 years. No association was observed between different EI scores and the course year. There was a positive correlation between age and total EI score, Perception of Emotions, Managing Own Emotions and Managing Others’ Emotions. The presence of a mental disorder was associated with a reduction in the total score and the scores for Managing Own Emotions and Managing Others’ Emotions.<hr/>Resumo: Introdução: Estudos recentes mostram os efeitos diretos da inteligência emocional (IE) na prática médica e, mais especificamente, no estabelecimento e na manutenção de boa relação médico-paciente. Os objetivos deste estudo foram comparar os níveis de IE entre estudantes de diferentes anos de um curso de Medicina e avaliar fatores que influenciam esses níveis. Método: Trata-se de estudo transversal com estudantes de Medicina do primeiro, terceiro e sexto anos de uma instituição privada em Belo Horizonte, Minas gerais, Brasil. Os níveis de IE foram medidos por meio de teste autoaplicado de inteligência emocional de Schutte. Coletou-se também dados pessoais e demográficos. Todos os voluntários assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido antes de sua inclusão no estudo. O teste t de Student, a ANOVA, o teste de correlação de Pearson e a regressão linear foram utilizados na análise estatística. Resultados: Foram recrutados 255 voluntários entre outubro de 2017 e abril de 2018. Dezesseis (7,1%) alunos foram excluídos porque os questionários estavam incompletos. A amostra final foi composta de 209 participantes (71 do primeiro ano, 69 do terceiro ano e 69 do sexto ano). A maioria era do sexo feminino (66,0%), 95,2% eram solteiros, 10,0% tinham graduação prévia e 16,3% relataram diagnóstico prévio de distúrbio mental. A idade média foi de 23,2 (±3,9) anos. Não houve diferença entre os escores total de IE e de seus diferentes domínios entre os 3 anos. O teste de Pearson mostrou correlação positiva fraca entre a idade e o escore total (r = 0,172; p = 0,013) e a “percepção das emoções” (r = 0,236; p = 0,001). A análise multivariada mostrou associação positiva significativa entre a idade e o escore total (pajustado= 0,040), a “percepção das emoções” (pajustado = 0,013) e o “gerenciamento das emoções dos outros” (pajustado= 0,020). Redução significativa do escore total (pajustado = 0,033), do “gerenciamento das próprias emoções” (pajustado &lt; 0,001) e do “gerenciamento das emoções dos outros” (pajustado = 0,025) foi observada entre os voluntários que relataram distúrbio mental prévio. Conclusões: Níveis elevados de IE foram observados nos 3 anos. Houve correlação positiva entre a idade e o escore total, a “percepção das emoções”, o “gerenciamento das próprias emoções” e o “gerenciamento das emoções dos outros”. A presença de distúrbio mental foi associada à redução do escore total, do “gerenciamento das próprias emoções” e do “gerenciamento das emoções dos outros”. <![CDATA[Factors Associated with the Choice of Specializing in Family Medicine]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300209&lng=en&nrm=iso&tlng=en Resumo: Introdução: A Medicina de Família e Comunidade (MFC) é considerada a especialidade mais relacionada com os princípios de longitudinalidade, integralidade e coordenação do cuidado da atenção primária à saúde (APS). A escolha da especialidade de MFC pode ser considerada por aspectos pessoais, profissionais e do currículo médico. O objetivo deste estudo foi analisar o perfil dos médicos residentes e egressos dos programas de residência de MFC de Pernambuco e os fatores associados à escolha da especialidade. Método: Realizou-se um estudo de corte transversal envolvendo 129 médicos ingressantes nas residências de MFC de Pernambuco, de 2012 a 2017. A coleta de dados foi feita com a aplicação de questionário eletrônico do LimeSurvey em escala tipo Likert de cinco pontos, com perguntas sobre fatores que contribuíram para a escolha da especialidade. Fizeram-se análises descritivas das variáveis do estudo no Epi Info 7.0, apresentadas em distribuição de frequência e medidas de tendência central e dispersão. Avaliou-se a consistência interna dos dados pelo alfa de Cronbach. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Pernambucana de Saúde. Resultados: Responderam ao questionário 104 médicos, com média de idade de 31 + 6,1 anos. Do total de participantes, 58,6% eram mulheres, 70% eram egressos de faculdades públicas e 66,3% escolheram a MFC após a conclusão da faculdade. Os aspectos pessoais analisados como influenciadores na escolha da especialidade de MFC foram: compromisso social, aptidão e afinidade com a especialidade, e circunstâncias da vida pessoal. Em relação às características da residência, a duração e a disponibilidade de vagas favoreceram a escolha. A maior parte dos aspectos relacionados com as caraterísticas próprias da especialidade exerceu influência positiva na escolha dos participantes. Os fatores do currículo da graduação que favoreceram a escolha da especialidade foram: influência de preceptores modelos e atividades práticas no contexto da MFC. O coeficiente alfa de Cronbach foi de 0,847. Conclusões: Entre os fatores referidos pelos residentes como influenciadores na escolha da especialidade de MFC, incluem-se os aspectos pessoais e as características do programa de residência e da especialidade. Por sua vez, os aspectos do currículo da graduação, de forma geral, não contribuíram para a essa escolha, entretanto houve concordância de que a vivência em cenário de prática de MFC e o exemplo de preceptores modelos influenciaram na decisão.<hr/>Abstract: Introduction: Family Medicine (FM) is considered the specialty which is most closely related to the primary health care (PHC) principles of longitudinality, comprehensiveness and coordination. The choice to specialize in FM can be related to personal, professional and curricular aspects. Objective: To analyze the profile of family medicine residents in Pernambuco and the factors associated with the choice of this specialty. Method: Cross-sectional study, involving 129 physicians entering FM residency in Pernambuco from 2012 to 2017. Data collection was performed by applying an electronic LimeSurvey questionnaire using a five-point Likert scale with questions about factors that may have contributed to their choice of the specialty. Descriptive analyses of the study variables were performed in EpiInfo® 7.0, presented in frequency distribution and measures of central tendency and dispersion. The internal consistency of the data was assessed using Alpha Cronbach. The study was approved by the Research Ethics Committee of the Faculdade Pernambucana de Saúde. Results: 104 physicians answered the questionnaire, with a mean age of 31 + 6.1 years, 58.6% women, 70% were graduates from public universities and 66.3% of the medics decided to specialize in FM after graduating. Personal aspects analysed in relation to influence on the physician’s choice to specialize in FM are social commitment, aptitude, affinity with the specialty and personal life circumstances. In terms of the characteristics of medical residency, both the duration and the availability of places in the state’s FM programs played a part in the choice. Most aspects related to the choice of following a career in FM were classed as a positive influence on that choice. Factors related to the undergraduate curriculum included model preceptors and practical activities in the family medicine setting. Cronbach’s alpha coefficient was 0.847. Conclusion: The factors cited by residents as influencing their choice to specialize in FM include personal aspects, characteristics of the residency program as well as characteristics of the specialty itself. On the other hand, aspects related to the undergraduate curriculum in general did not contribute to this choice. There was, however, agreement that practical experience in a FM setting and the example of model tutors influenced the decision. <![CDATA[Performance in Health Education Competency: Self-Assessment of Medical Students]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300210&lng=en&nrm=iso&tlng=en Resumo: Introdução: As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para o curso de Medicina, publicadas no ano de 2014, descrevem as competências esperadas para o egresso. O objetivo deste estudo foi investigar como os estudantes de Medicina se avaliam na área de competência educação em saúde. Método: Trata-se de um estudo transversal analítico com estudantes dos dois últimos anos de quatro escolas médicas de Minas Gerais, Brasil. Aplicou-se um questionário embasado nas DCN e fundamentado em três ações-chave: identificação de necessidades de aprendizagem individual e coletiva, promoção da construção e socialização do conhecimento e promoção do pensamento científico e crítico e apoio à produção de novos conhecimentos. Realizou-se a análise descritiva e bivariada pelo teste qui-quadrado de Pearson, com nível de significância 5%. O teste analisou desempenhos na área de educação em saúde conforme sexo, ano de graduação e autoavaliação da experiência na atenção primária à saúde (APS). Resultados: Participaram 524 estudantes, a maioria do sexo feminino (57,0%), com idade entre 21 e 25 anos (66,9%), matrícula no último ano da graduação (65,3%), com participação em liga acadêmica (55,6%) e experiência positiva no âmbito da APS (78,5%). A maioria dos estudantes considerou “ótimo” o próprio desempenho nos quesitos de aprendizado com as relações interprofissionais (69,0%), identificação das próprias necessidades de aprendizagem (63,5%) e promoção de ações de educação em saúde da mulher (66,5%). Os estudantes avaliaram que o desempenho deles é “ruim/regular” no uso de sistemas de informação (33,8%) e na adoção de metodologia científica na leitura crítica de artigos técnico-científicos (21,2%). Foram associados à “boa/ótima” experiência em APS os seguintes desempenhos: apoio à produção de novos conhecimentos, construção e socialização de conhecimentos para a comunidade e promoção de ações de educação em saúde da mulher (p &lt; 0,05). Nesse último desempenho, destaca-se a diferença significante entre sexos: as estudantes do sexo feminino avaliaram-se melhor que os homens (p &lt; 0,05). Conclusão: A experiência positiva na APS está associada com desempenhos de fundamental importância para atuação médica, tanto na abordagem individual como na coletiva.<hr/>Abstract: Introduction: The National Curriculum Guidelines (NCGs) for the medical course, published in 2014, describe the expected competencies for graduating medical students. Objective: To investigate how medical students evaluate themselves in the area of Health Education. Method: Cross-sectional analytical study among student interns from four medical schools in Minas Gerais, Brazil. The questionnaire was based on the NGCs and substantiated by three key actions: ‘Individual and Collective Learning Needs Identification’; ‘Knowledge Construction and Socialization Promotion’; and ‘Scientific and Critical Thinking Promotion and Support for New Knowledge Production’. Descriptive and bivariate analysis was performed using Pearson’s Chi-square Test, with a significance level of 5%. The test assesssed performance in Health Education according to sex, year of undergraduate training and self-evaluation of experience in Primary Health Care (PHC). Results: A total of 524 students participated in the study, mostly females (57.0%), aged between 21 and 25 years (66.9%), in their final year of undergraduate training (65.3%), belonging to an academic league (55.6%) and having reported a positive experience in PHC (78.5%). The majority evaluate themselves as ‘very good’ at ‘learning with interprofessional relationships’ (69.0%), ‘identification of personal learning needs’ (63.5 %), and ‘promotion of education actions in Women’s Health’ (66.5%). Students evaluate themselves as ‘poor/satisfactory’ at ‘using information systems’ (33.8%), and ‘adoption of scientific methodology in critical reading of technical-scientific articles’ (21.2%). The following performances were associated to a ‘good/very good’ PHC experience: ‘support for new knowledge production’; ‘knowledge construction and socialization in the community’ and ‘promotion of education actions in Women’s Health’ (p &lt; 0.05). For this last performance there is a significant difference in sex, where female students evaluated themselves better than male students (p &lt; 0.05). Conclusion: A positive experience in PHC was associated with performances considered of fundamental importance to medical practice, both from an individual and collective perspective. <![CDATA[Teaching-Learning Strategies for Humanistic, Critical, Reflective and Ethical Undergraduate Medical Training: a Systematic Review]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300301&lng=en&nrm=iso&tlng=en Resumo: Introdução: A medicina é uma área do conhecimento diretamente associada às relações humanas e influenciada por elas. A prática médica requer mais que conhecimento técnico, necessita de habilidades que possibilitem a aplicação adequada da técnica para a recuperação e promoção da saúde de um indivíduo. As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) atuais trazem em seu texto as competências necessárias à formação médica, que vão além do campo técnico. As DCN orientam que a graduação médica deve ser pautada em uma formação generalista, humanista, crítica, reflexiva e ética. Nesse contexto, buscou-se com esta revisão identificar estratégias de ensino-aprendizagem utilizadas para o alcance das referidas competências psicossociais na graduação médica. Método: Foi realizada revisão sistemática, em que se pesquisaram artigos que apresentassem intervenções e/ou métodos pedagógicos para a aquisição, durante a graduação médica, de competências necessárias a uma formação médica generalista, humanista, crítica, reflexiva e ética. Os estudos selecionados foram sintetizados e analisados com base nos critérios do sistema Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (Grade). Resultados: A estratégia de busca inicialmente resultou em 98 artigos elegíveis, dos quais, após segunda avaliação, 11 artigos primários foram selecionados. Inicialmente, agruparam-se os artigos conforme a competência segundo a qual foram pesquisados e reorganizados de acordo com o critério conceitual em que se enquadraram. Assim, dos 11 artigos selecionados com a estratégia de busca, seis foram classificados como formação humanista, dois como formação crítica, dois como formação reflexiva e um como formação ética. Conclusões: Os estudos encontrados mostram que dimensões importantes da formação médica, muitas vezes deixadas de lado durante a graduação, podem ser abordadas de maneira sistemática e com métodos pedagógicos já validados na literatura, pois trata-se de métodos de ensino-aprendizagem efetivos que agregam habilidades fundamentais ao graduando em Medicina, retirando do currículo oculto competências fundamentais ao médico em formação. Com a passagem dessas competências para um currículo formal, torna-se possível avaliá-las e melhorar a qualidade da formação médica. Dessa forma, essas estratégias de ensino-aprendizagem incorporam atitudes que podem significar o sucesso ou insucesso profissional médico.<hr/>Abstract: Introduction: Medicine is an area of knowledge directly related to and influenced by human relationships. Medical practice requires not only technical knowledge but also skills that enable one to properly apply techniques for the recovery and promotion of an individual’s health. The current Brazilian National Curricular Guidelines (DCN) outline the essential skills for medical training, which extend beyond the technical field. According to the DCN, undergraduate medical training should be based on a generalist, humanistic, critical, reflective and ethical formation. In view of this, the aim of this review was to identify teaching-learning strategies used to achieve these psychosocial competences in undergraduate medical training. Method: A systematic review of articles that present pedagogical interventions and/or methods used to teach the necessary competences for a generalist, humanistic, critical, reflexive and ethical medical training at undergraduate level. The selected studies were synthesized and analysed using the Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (GRADE) system. Results: The research strategy initially resulted in 98 eligible articles, of which, after a second evaluation, 11 primary articles were selected. The articles were initially grouped by the competence in relation to which they were researched and reorganized according to the conceptual criterion by which they were framed. Thus, of the 11 articles selected with the search strategy, six articles were classified as addressing humanist formation, two critical formation, two reflective formation and one ethical formation. Conclusion: The studies reviewed show that important dimensions of medical education, often disregarded during undergraduate training, can be approached in a systematic way and with validated pedagogical methods. These effective teaching-learning methods provide the medical student with fundamental skills that may have previously been part of the hidden curriculum. Incorporating such competencies into a formal curriculum allows for their evaluation and for improvement in the quality of medical training, thus leading to the adoption of attitudes key to success in the medical profession. <![CDATA[Implementation of the Brazilian National Network for Practices and Research with Progress Testing - BRAZ-NPT]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300601&lng=en&nrm=iso&tlng=en Resumo: Introdução: A medicina é uma área do conhecimento diretamente associada às relações humanas e influenciada por elas. A prática médica requer mais que conhecimento técnico, necessita de habilidades que possibilitem a aplicação adequada da técnica para a recuperação e promoção da saúde de um indivíduo. As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) atuais trazem em seu texto as competências necessárias à formação médica, que vão além do campo técnico. As DCN orientam que a graduação médica deve ser pautada em uma formação generalista, humanista, crítica, reflexiva e ética. Nesse contexto, buscou-se com esta revisão identificar estratégias de ensino-aprendizagem utilizadas para o alcance das referidas competências psicossociais na graduação médica. Método: Foi realizada revisão sistemática, em que se pesquisaram artigos que apresentassem intervenções e/ou métodos pedagógicos para a aquisição, durante a graduação médica, de competências necessárias a uma formação médica generalista, humanista, crítica, reflexiva e ética. Os estudos selecionados foram sintetizados e analisados com base nos critérios do sistema Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (Grade). Resultados: A estratégia de busca inicialmente resultou em 98 artigos elegíveis, dos quais, após segunda avaliação, 11 artigos primários foram selecionados. Inicialmente, agruparam-se os artigos conforme a competência segundo a qual foram pesquisados e reorganizados de acordo com o critério conceitual em que se enquadraram. Assim, dos 11 artigos selecionados com a estratégia de busca, seis foram classificados como formação humanista, dois como formação crítica, dois como formação reflexiva e um como formação ética. Conclusões: Os estudos encontrados mostram que dimensões importantes da formação médica, muitas vezes deixadas de lado durante a graduação, podem ser abordadas de maneira sistemática e com métodos pedagógicos já validados na literatura, pois trata-se de métodos de ensino-aprendizagem efetivos que agregam habilidades fundamentais ao graduando em Medicina, retirando do currículo oculto competências fundamentais ao médico em formação. Com a passagem dessas competências para um currículo formal, torna-se possível avaliá-las e melhorar a qualidade da formação médica. Dessa forma, essas estratégias de ensino-aprendizagem incorporam atitudes que podem significar o sucesso ou insucesso profissional médico.<hr/>Abstract: Introduction: Medicine is an area of knowledge directly related to and influenced by human relationships. Medical practice requires not only technical knowledge but also skills that enable one to properly apply techniques for the recovery and promotion of an individual’s health. The current Brazilian National Curricular Guidelines (DCN) outline the essential skills for medical training, which extend beyond the technical field. According to the DCN, undergraduate medical training should be based on a generalist, humanistic, critical, reflective and ethical formation. In view of this, the aim of this review was to identify teaching-learning strategies used to achieve these psychosocial competences in undergraduate medical training. Method: A systematic review of articles that present pedagogical interventions and/or methods used to teach the necessary competences for a generalist, humanistic, critical, reflexive and ethical medical training at undergraduate level. The selected studies were synthesized and analysed using the Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (GRADE) system. Results: The research strategy initially resulted in 98 eligible articles, of which, after a second evaluation, 11 primary articles were selected. The articles were initially grouped by the competence in relation to which they were researched and reorganized according to the conceptual criterion by which they were framed. Thus, of the 11 articles selected with the search strategy, six articles were classified as addressing humanist formation, two critical formation, two reflective formation and one ethical formation. Conclusion: The studies reviewed show that important dimensions of medical education, often disregarded during undergraduate training, can be approached in a systematic way and with validated pedagogical methods. These effective teaching-learning methods provide the medical student with fundamental skills that may have previously been part of the hidden curriculum. Incorporating such competencies into a formal curriculum allows for their evaluation and for improvement in the quality of medical training, thus leading to the adoption of attitudes key to success in the medical profession. <![CDATA[SHOULD MEDICAL STUDENTS KEEP THEIR CLINICAL ACTIVITIES DURING THE COVID-19 PANDEMIC?]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300602&lng=en&nrm=iso&tlng=en Resumo: Introdução: A medicina é uma área do conhecimento diretamente associada às relações humanas e influenciada por elas. A prática médica requer mais que conhecimento técnico, necessita de habilidades que possibilitem a aplicação adequada da técnica para a recuperação e promoção da saúde de um indivíduo. As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) atuais trazem em seu texto as competências necessárias à formação médica, que vão além do campo técnico. As DCN orientam que a graduação médica deve ser pautada em uma formação generalista, humanista, crítica, reflexiva e ética. Nesse contexto, buscou-se com esta revisão identificar estratégias de ensino-aprendizagem utilizadas para o alcance das referidas competências psicossociais na graduação médica. Método: Foi realizada revisão sistemática, em que se pesquisaram artigos que apresentassem intervenções e/ou métodos pedagógicos para a aquisição, durante a graduação médica, de competências necessárias a uma formação médica generalista, humanista, crítica, reflexiva e ética. Os estudos selecionados foram sintetizados e analisados com base nos critérios do sistema Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (Grade). Resultados: A estratégia de busca inicialmente resultou em 98 artigos elegíveis, dos quais, após segunda avaliação, 11 artigos primários foram selecionados. Inicialmente, agruparam-se os artigos conforme a competência segundo a qual foram pesquisados e reorganizados de acordo com o critério conceitual em que se enquadraram. Assim, dos 11 artigos selecionados com a estratégia de busca, seis foram classificados como formação humanista, dois como formação crítica, dois como formação reflexiva e um como formação ética. Conclusões: Os estudos encontrados mostram que dimensões importantes da formação médica, muitas vezes deixadas de lado durante a graduação, podem ser abordadas de maneira sistemática e com métodos pedagógicos já validados na literatura, pois trata-se de métodos de ensino-aprendizagem efetivos que agregam habilidades fundamentais ao graduando em Medicina, retirando do currículo oculto competências fundamentais ao médico em formação. Com a passagem dessas competências para um currículo formal, torna-se possível avaliá-las e melhorar a qualidade da formação médica. Dessa forma, essas estratégias de ensino-aprendizagem incorporam atitudes que podem significar o sucesso ou insucesso profissional médico.<hr/>Abstract: Introduction: Medicine is an area of knowledge directly related to and influenced by human relationships. Medical practice requires not only technical knowledge but also skills that enable one to properly apply techniques for the recovery and promotion of an individual’s health. The current Brazilian National Curricular Guidelines (DCN) outline the essential skills for medical training, which extend beyond the technical field. According to the DCN, undergraduate medical training should be based on a generalist, humanistic, critical, reflective and ethical formation. In view of this, the aim of this review was to identify teaching-learning strategies used to achieve these psychosocial competences in undergraduate medical training. Method: A systematic review of articles that present pedagogical interventions and/or methods used to teach the necessary competences for a generalist, humanistic, critical, reflexive and ethical medical training at undergraduate level. The selected studies were synthesized and analysed using the Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (GRADE) system. Results: The research strategy initially resulted in 98 eligible articles, of which, after a second evaluation, 11 primary articles were selected. The articles were initially grouped by the competence in relation to which they were researched and reorganized according to the conceptual criterion by which they were framed. Thus, of the 11 articles selected with the search strategy, six articles were classified as addressing humanist formation, two critical formation, two reflective formation and one ethical formation. Conclusion: The studies reviewed show that important dimensions of medical education, often disregarded during undergraduate training, can be approached in a systematic way and with validated pedagogical methods. These effective teaching-learning methods provide the medical student with fundamental skills that may have previously been part of the hidden curriculum. Incorporating such competencies into a formal curriculum allows for their evaluation and for improvement in the quality of medical training, thus leading to the adoption of attitudes key to success in the medical profession. <![CDATA[THE WORKS OF HERCULES AND COVID-19 LESSONS FOR MEDICAL EDUCATION]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300603&lng=en&nrm=iso&tlng=en Resumo: Introdução: A medicina é uma área do conhecimento diretamente associada às relações humanas e influenciada por elas. A prática médica requer mais que conhecimento técnico, necessita de habilidades que possibilitem a aplicação adequada da técnica para a recuperação e promoção da saúde de um indivíduo. As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) atuais trazem em seu texto as competências necessárias à formação médica, que vão além do campo técnico. As DCN orientam que a graduação médica deve ser pautada em uma formação generalista, humanista, crítica, reflexiva e ética. Nesse contexto, buscou-se com esta revisão identificar estratégias de ensino-aprendizagem utilizadas para o alcance das referidas competências psicossociais na graduação médica. Método: Foi realizada revisão sistemática, em que se pesquisaram artigos que apresentassem intervenções e/ou métodos pedagógicos para a aquisição, durante a graduação médica, de competências necessárias a uma formação médica generalista, humanista, crítica, reflexiva e ética. Os estudos selecionados foram sintetizados e analisados com base nos critérios do sistema Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (Grade). Resultados: A estratégia de busca inicialmente resultou em 98 artigos elegíveis, dos quais, após segunda avaliação, 11 artigos primários foram selecionados. Inicialmente, agruparam-se os artigos conforme a competência segundo a qual foram pesquisados e reorganizados de acordo com o critério conceitual em que se enquadraram. Assim, dos 11 artigos selecionados com a estratégia de busca, seis foram classificados como formação humanista, dois como formação crítica, dois como formação reflexiva e um como formação ética. Conclusões: Os estudos encontrados mostram que dimensões importantes da formação médica, muitas vezes deixadas de lado durante a graduação, podem ser abordadas de maneira sistemática e com métodos pedagógicos já validados na literatura, pois trata-se de métodos de ensino-aprendizagem efetivos que agregam habilidades fundamentais ao graduando em Medicina, retirando do currículo oculto competências fundamentais ao médico em formação. Com a passagem dessas competências para um currículo formal, torna-se possível avaliá-las e melhorar a qualidade da formação médica. Dessa forma, essas estratégias de ensino-aprendizagem incorporam atitudes que podem significar o sucesso ou insucesso profissional médico.<hr/>Abstract: Introduction: Medicine is an area of knowledge directly related to and influenced by human relationships. Medical practice requires not only technical knowledge but also skills that enable one to properly apply techniques for the recovery and promotion of an individual’s health. The current Brazilian National Curricular Guidelines (DCN) outline the essential skills for medical training, which extend beyond the technical field. According to the DCN, undergraduate medical training should be based on a generalist, humanistic, critical, reflective and ethical formation. In view of this, the aim of this review was to identify teaching-learning strategies used to achieve these psychosocial competences in undergraduate medical training. Method: A systematic review of articles that present pedagogical interventions and/or methods used to teach the necessary competences for a generalist, humanistic, critical, reflexive and ethical medical training at undergraduate level. The selected studies were synthesized and analysed using the Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (GRADE) system. Results: The research strategy initially resulted in 98 eligible articles, of which, after a second evaluation, 11 primary articles were selected. The articles were initially grouped by the competence in relation to which they were researched and reorganized according to the conceptual criterion by which they were framed. Thus, of the 11 articles selected with the search strategy, six articles were classified as addressing humanist formation, two critical formation, two reflective formation and one ethical formation. Conclusion: The studies reviewed show that important dimensions of medical education, often disregarded during undergraduate training, can be approached in a systematic way and with validated pedagogical methods. These effective teaching-learning methods provide the medical student with fundamental skills that may have previously been part of the hidden curriculum. Incorporating such competencies into a formal curriculum allows for their evaluation and for improvement in the quality of medical training, thus leading to the adoption of attitudes key to success in the medical profession. <![CDATA[Covid-19 and the Need to reframe Epidemiology Teaching in Medical Schools: What Do National Curriculum Guidelines Teach Us?]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000300604&lng=en&nrm=iso&tlng=en Resumo: Introdução: A medicina é uma área do conhecimento diretamente associada às relações humanas e influenciada por elas. A prática médica requer mais que conhecimento técnico, necessita de habilidades que possibilitem a aplicação adequada da técnica para a recuperação e promoção da saúde de um indivíduo. As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) atuais trazem em seu texto as competências necessárias à formação médica, que vão além do campo técnico. As DCN orientam que a graduação médica deve ser pautada em uma formação generalista, humanista, crítica, reflexiva e ética. Nesse contexto, buscou-se com esta revisão identificar estratégias de ensino-aprendizagem utilizadas para o alcance das referidas competências psicossociais na graduação médica. Método: Foi realizada revisão sistemática, em que se pesquisaram artigos que apresentassem intervenções e/ou métodos pedagógicos para a aquisição, durante a graduação médica, de competências necessárias a uma formação médica generalista, humanista, crítica, reflexiva e ética. Os estudos selecionados foram sintetizados e analisados com base nos critérios do sistema Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (Grade). Resultados: A estratégia de busca inicialmente resultou em 98 artigos elegíveis, dos quais, após segunda avaliação, 11 artigos primários foram selecionados. Inicialmente, agruparam-se os artigos conforme a competência segundo a qual foram pesquisados e reorganizados de acordo com o critério conceitual em que se enquadraram. Assim, dos 11 artigos selecionados com a estratégia de busca, seis foram classificados como formação humanista, dois como formação crítica, dois como formação reflexiva e um como formação ética. Conclusões: Os estudos encontrados mostram que dimensões importantes da formação médica, muitas vezes deixadas de lado durante a graduação, podem ser abordadas de maneira sistemática e com métodos pedagógicos já validados na literatura, pois trata-se de métodos de ensino-aprendizagem efetivos que agregam habilidades fundamentais ao graduando em Medicina, retirando do currículo oculto competências fundamentais ao médico em formação. Com a passagem dessas competências para um currículo formal, torna-se possível avaliá-las e melhorar a qualidade da formação médica. Dessa forma, essas estratégias de ensino-aprendizagem incorporam atitudes que podem significar o sucesso ou insucesso profissional médico.<hr/>Abstract: Introduction: Medicine is an area of knowledge directly related to and influenced by human relationships. Medical practice requires not only technical knowledge but also skills that enable one to properly apply techniques for the recovery and promotion of an individual’s health. The current Brazilian National Curricular Guidelines (DCN) outline the essential skills for medical training, which extend beyond the technical field. According to the DCN, undergraduate medical training should be based on a generalist, humanistic, critical, reflective and ethical formation. In view of this, the aim of this review was to identify teaching-learning strategies used to achieve these psychosocial competences in undergraduate medical training. Method: A systematic review of articles that present pedagogical interventions and/or methods used to teach the necessary competences for a generalist, humanistic, critical, reflexive and ethical medical training at undergraduate level. The selected studies were synthesized and analysed using the Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (GRADE) system. Results: The research strategy initially resulted in 98 eligible articles, of which, after a second evaluation, 11 primary articles were selected. The articles were initially grouped by the competence in relation to which they were researched and reorganized according to the conceptual criterion by which they were framed. Thus, of the 11 articles selected with the search strategy, six articles were classified as addressing humanist formation, two critical formation, two reflective formation and one ethical formation. Conclusion: The studies reviewed show that important dimensions of medical education, often disregarded during undergraduate training, can be approached in a systematic way and with validated pedagogical methods. These effective teaching-learning methods provide the medical student with fundamental skills that may have previously been part of the hidden curriculum. Incorporating such competencies into a formal curriculum allows for their evaluation and for improvement in the quality of medical training, thus leading to the adoption of attitudes key to success in the medical profession.