Scielo RSS <![CDATA[Pesquisa Veterinária Brasileira]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0100-736X20010001&lang=pt vol. 21 num. 1 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>Editorial</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X2001000100001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<B>Intoxicação experimental por <I>Asclepias curassavica </I>(Asclepiadaceae) em bovinos. Dados complementares</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X2001000100002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt In experiments in bovines, which received repeated daily sublethal doses of Asclepias curassavica (2.5 and 5.0 g/kg/day during 12 days) till reaching the lethal dose or more, the fresh leaves of the plant did not show a cumulative effect. One animal developed tolerance against a dose which previously caused symptoms (5 g/kg), but not against a larger one (10 g/kg) which was given subsequently. The dried plant continued toxic up to 2 months after collection, but after 6 months had lost its toxicity. A mixture of the hacked fresh plant with fresh hacked grass, was not eaten by the animals in amounts that possibly could cause symptoms of poisoning, when given in proportions that varied from 1:2 to 1:6, plant:grass. A mixture of the recently dried hacked plant with dried hacked grass, in the proportion of 1:3, was eaten only by one of four bovines in amounts that possibly could cause symptoms; but even that animal did not show symptoms of poisoning.<hr/>Em experimentos com bovinos, que receberam diariamente doses subletais repetidas (2,5 e 5,0 g/kg/dia durante 12 dias) até alcançar a dose letal e/ou ultrapassá-la, A. curassavica recém-coletada não demonstrou efeito acumulativo. Em um animal houve desenvolvimento de tolerância contra a dose que anteriormente causou sintomas de intoxicação (5,0 g/kg), mas não contra uma dose maior (10 g/kg). A planta dessecada continuou tóxica até 2 meses após a coleta, mas após 6 meses tinha perdido a sua toxidez. A mistura da planta fresca picada com capim fresco picado não foi ingerida pelos animais em quantidades que pudessem causar sintomas de intoxicação, em nenhuma das proporções que variaram de 1:2 a 1:6, planta : capim. A planta recentemente dessecada picada em mistura com capim fenado picado, na proporção de 1:3, só foi consumida por um de quatro bovinos em quantidades que poderiam provocar sintomas de intoxicação; mas mesmo esse bovino não chegou a adoecer. <![CDATA[<B>Alterações histológicas na intoxicação experimental por <I>Riedeliella graciliflora</I> (Leg. Papilionoideae) em bovinos e animais de laboratório</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X2001000100003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Tissues from cattle, mice, rats and guinea pigs experimentally intoxicated by Riedeliella graciliflora were studied histologically. Cattle lymph nodes, spleen, Peyer patches and peribronchial lymphoid tissues had diffuse necrosis of lymphocytes, mainly in the germinal centers of the follicles. This lesion was less severe in laboratory animals. All species had severe enteritis with infiltration of the lamina propria by mononuclear cells. Some cells in this infiltrate were necrotic. Degeneration and necrosis of the epithelial cells, mainly in the tip of the villi, and detachment of the epithelial lining from the lamina propria were also observed. In the liver the trabecular structure was disrupted and the hepatocytes had some degree of individual necrosis and degeneration. A tubular nephrosis was observed in the kidneys. Liver, lung, kidney, intestine and lymph nodes had different degrees of congestion. Those lesions are similar than those caused by Polygala klotzschii, a plant that contains 5-metoxi-podophyllotoxin.<hr/>Foi realizado um estudo histológico de bovinos, camundongos, ratos e coelhos intoxicados experimentalmente por Riedeliella graciliflora. Em bovinos os gânglios linfáticos, baço, placas de Peyer e tecido peribronquial apresentavam necrose do tecido linfático, afetando, principalmente, os centros germinativos dos folículos. Esta lesão foi menos severa em animais de laboratório. Em todas as espécies havia severa enterite e infiltração da lâmina propria do intestino por células mononucleares. Algumas destas células estavam necróticas. Degeneração e necrose do epitélio, principalmente na superfície das vilosidades, e descamação das células epiteliais foram, também, observadas. No fígado havia desorganização da estrutura trabecular e alguns hepatócitos apresentavam-se degenerados ou necróticos. Os rins apresentavam nefrose tubular. Diferentes graus de congestão foram observados no fígado, pulmão, rins, intestinos e linfonodos. As lesões observadas são similares às causadas por Polygala klotzschii, uma planta que contém 5-metoxi-podofilotoxina. <![CDATA[<b>Intoxicação experimental pelas favas de<i> Stryphnodendron obovatum </i>(Leg. Mimosoideae) em bovinos. 1. Caracterização do quadro clínico</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X2001000100004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt In order to contribute to the characterization of the clinical-pathological picture of poisoning by Stryphnodendron obovatum Benth. (Leg. Mimosoideae), the pods of the tree were given orally to 17 young bovines. Six animals received the pods only once: Those which received doses of 10 and 20 g/kg, did not show any symptoms of poisoning. Those which received 30, 40 and 40 g/kg of pods, showed respectively moderate, severe and slight symptoms of poisoning, but all recovered. The animal that was fed 60 g/kg, died. Eleven bovines received repeated doses of the pods: Two of them, which received 2,5 g/kg during 30 days, showed discrete to slight symptoms. Two animals received 5 g/kg during 13 and 14 days and showed moderate to severe poisoning. Three animals received 10 g/kg during 20, 8 and 6 days; the first of them showed slight symptoms, the second died and the third showed moderate to severe symptoms. Two animals received 20 g/kg during 2 and 3 days; the first showed slight symptoms, the second died. The two bovines which were fed 30 and 40 g/kg during 2 days, died. First symptoms of poisoning were observed from the first day of the experiments on, and the clinical course varied from 3 to 63 days. Digestive disorders predominated in the clinical-pathological picture. Symptoms were mainly loss of appetite up to anorexia, faeces slightly dry to liquid, distention of the abdomen without tympanism, loss of ruminal fluid during rumination, decrease in ruminal activity up to atonia, ruminal acidosis, gastro-intestinal colics, sialorrhoea, apathy, loss of weight, debility, erosions and ulcers of the oral mucosa. There was congestion of the visible mucous membranes (without icterus) and of the interdigital parts of the hoofs, areas of focal alopecia and/or hypotrichia in the axillary regions, the lateral parts of the tighs and members, loss of hair on the tip of the tail, alterations which can be interpreted as slight photosensitization. In two bovines aspiration pneumonia was verified. In three animals intermittent prolapse of the prepuce was seen, as well as polacuria; sometimes these animals sighed during urination. In all experimental animals the urine was generally turbid, acid, dark ambar, with a sweat smell and high density, and there was proteinuria; in a few animals glicosuria was diagnosed. Bilirubine values were normal. Thus, the severe photosensitization reported in the literature could not be reproduced. Loss of weight, slight photosensitization and absence of icterus, observed in our experiments, are in accordance with the symptoms reported by farmers of the Cerrado-regions (Savanna) where S. obovatum occurs.<hr/>Com o objetivo de melhor caracterizar o quadro clínico na intoxicação experimental por Stryphnodendron obovatum Benth., procedeu-se a administração das favas, por via oral, a seis bovinos, em doses únicas e a 11 outros, em doses repetidas. Doses únicas de 10 e 20g/kg não provocaram sintomas. Doses únicas de 30 e 40g/kg provocaram quadros clínicos desde leves até graves, porém só morreu o animal que ingeriu 60g/kg. Os animais que ingeriram doses repetidas de 2,5g/kg por 30 dias adoeceram levemente, já os que receberam 5g/kg durante 13 e 14 dias mostraram sintomatologia moderada e grave, respectivamente. Um bovino que recebeu 10g/kg por 8 dias, outro que ingeriu 20g/kg por 3 dias e dois outros que receberam 30 e 40g/kg por 2 dias morreram da intoxicação. Os outros três bovinos que receberam doses repetidas (dois com doses de 10g/kg por 20 e 6 dias, outro com dose de 20 g/kg por 2 dias) adoeceram, mas se recuperaram. Os primeiros sintomas de intoxicação, em ambos os grupos, foram observados a partir do primeiro dia do experimento e a evolução variou de 3 a 63 dias. Os sintomas consistiram em anorexia, fezes levemente ressecadas a líquidas, distensão do abdômen, sem timpanismo, perda de fluido ruminal durante a ruminação, atonia e acidose ruminal, cólica, sialorréia, apatia, emagrecimento, fraqueza, erosões e úlceras na cavidade oral. Em alguns animais foram observadas congestão de mucosas visíveis (sem icterícia) e de partes despigmentadas da pele, do córion laminar e da região interdigital dos quatro membros, áreas de alopecia focal e/ou hipotricose nas regiões axilares, na face lateral das coxas e membros e perda dos pêlos da ponta da cauda, alterações estas que podem ser interpretadas como as de leve fotossensibilização. Em três bovinos se observaram relaxamento intermitente do prepúcio, micção freqüente e em gotejamento e, por vezes, gemidos ao eliminar a urina que, em geral, se apresentava turva, ácida, de cor âmbar-escura, com odor adocicado e com a densidade elevada; os níveis de bilirrubina na urina foram normais. <![CDATA[<b>Anemia hemolítica causada por <i>Indigofera suffruticosa</i> (Leg. Papilionoideae)<i> </i>em bovinos</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X2001000100005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt The aereal parts of Indigofera suffruticosa Mill. (family Leg. Papilionoideae) were force-fed fresh to 6 bovines in daily doses of 10 to 40 g/kg. Cattle breeders of various parts of the Northeast of Brazil accuse this plant as the cause of a non-fatal disease characterized by hemoglobinuria. The disease occurs only in years when the plant proliferates well invading the native pastures. All experimental animals had hemoglobinuria, which was transitory, inspite continuation of the administration of the plant. Two animals had no further manifestations, a third animal showed only slight other manifestations, and the other three had additional symptoms of moderate intensity. These were apathy, whitish visible mucous membranes, rough hair coat, anorexia, descrease in frequency and intensity of the ruminal movements, tachycardia, positive venous pulse and dispnoea. Before the occurrence of the hemolytic crisis the urine had a bluish-green colour. None of the experimental animals died, but one was euthanized whilst showing hemoglobinuria. Post-mortem findings were anemia, the bladder containing wine-red urine, swollen dark-brown kidneys, liver on the outside and on the cut-surface bluish and with perceptible lobular design. The main histological changes were found in liver and kidney. In the liver there was coagulative necrosis and cloudy swelling and/or cytoplasmatic microvacuolization of the hepatocytes; in the kidney there was severe nephrosis, associated with large amounts of filtrate and/or hemoglobine in the Bowman spaces, in the tubules and also in the cytoplasm of the epithelial cells.<hr/>As partes aéreas de Indigofera suffruticosa Mill. (família Leg. Papilionoideae), planta incriminada pelos criadores de diversas áreas do Nordeste por doença caracterizada por hemoglobinúria em bovinos, foram administradas por via oral a seis bovinos, em doses diárias repetidas de 10 a 40 g/kg, Todos os animais experimentais apresentaram hemoglobinúria, porém passageira, apesar continuidade da administração da planta. Dois desses bovinos não apresentaram manifestações adicionais, um terceiro animal evidenciou manifestações leves, e os três outros, sintomas adicionais de intensidade moderada: apatia, mucosas visíveis de coloração esbranquiçada, pêlos arrepiados, anorexia, diminuição da freqüência e intensidade dos movimentos ruminais, taquicardia, pulso venoso positivo e dispnéia. Antes da crise hemolítica a urina apresentava coloração verde azulada. Nenhum animal experimental morreu, porém um foi sacrificado durante a fase hemoglobinúrica. À necropsia observaram-se anemia, bexiga contendo urina cor de vinho tinto, rins aumentados de volume com coloração marrom-escura, fígado, na superfície e ao corte, de coloração azulada com lobulação perceptível. As principais alterações histológicas foram verificadas no fígado, sob forma de necrose coagulativa e tumefação e/ou microvacuolização citoplasmática dos hepatócitos, e no rim representadas por acentuada nefrose, associada a grande quantidade de filtrado e/ou hemoglobina nos espaços de Bowman dentro de túbulos e do citoplasma das células epiteliais. <![CDATA[<B>Estudo comparativo entre citopatologia e histopatologia no diagnóstico de neoplasias caninas</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X2001000100006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A comparative study between cytology and histopathology of various neoplasms from 150 dogs was carried out. Several staining methods including Wright, May-Grünwald-Giemsa, New-Methylene Blue and Papanicolau, and histological staining methods such as Hematoxilin & Eosin, van Gieson, Sudan, Toluidine Blue and Periodic Acid Schiff were used. The data obtained indicated an 85.3% accuracy for the cytological diagnosis when the histopathological diagnosis was considered as the correct parameter. In 4.0% of the cases only the embrionary origin of the neoplasms was determined, and in 1.3% only the prognosis was established. The cytological diagnosis differed from the histopathological diagnosis in 8.1% of the cases. In two cases (1.3%), although the cytological and histopathological diagnoses differed, a reexamination determined that the former was correct which increased its accuracy up to 86.6%. Fine needle aspiration biopsy proved to be the best technique to obtain samples for the study. Cytology was found not suitable for the diagnosis of mammary neoplasms due to the wide variation of the cytological aspects from different areas. The imprint on slides is a technique not recommended to evaluate mesenchymal tumors and should be replaced by exfoliative cytology. The Wright method proved to be the more efficient staining method. Adapted staining methods from histopathology such as van Gieson for leiomyomas and leiomyosarcomas, Sudan Black B for lipomas and liposarcomas, and Periodic Acid of Schiff and Toluidine Blue for mastocytomas, were especially useful in visualizing the fine morphological details of various epithelial and mesenchymal neoplasms examined.<hr/>Foi realizado um estudo comparativo entre os diagnósticos citológico e histopatológico em diversas neoplasias de 150 cães, pelas colorações de Wright, May-Grünwald-Giemsa, Novo Azul de Metileno e Papanicolau. Colorações histológicas como Hematoxilina-Eosina, van Gieson, Sudan, Azul de Toluidina e Ácido Periódico de Schiff também foram empregadas. Os dados revelaram uma eficácia de ordem de 85,3% no diagnóstico citopatológico, considerando-se os resultados histopatológicos como corretos. Em 4,0% dos casos somente a origem embrionária das neoplasias foi estabelecida. Em 1,3% das neoplasias apenas o prognóstico foi determinado; o diagnóstico citológico diferiu da histopatologia em 8,1% dos casos. Em dois casos (1,3%) o diagnóstico citológico diferiu do histológico, mas um reexame determinou que o primeiro estava correto, o que elevou a sua eficácia para 86,6%. Entre as técnicas utilizadas, a punção aspirativa por agulha fina foi o melhor método para obter amostras. A citologia não foi adequada para o diagnóstico de neoplasias mamárias, dadas às variações morfológicas em diferentes áreas. A impressão em lâmina não é recomendada para análise de tumores mesenquimais e deve ser substituída pela citologia esfoliativa. O Wright revelou-se o método de coloração mais eficiente. As colorações adaptadas da histopatologia, van Gieson em leiomiomas e leiomiossarcomas, Sudan em lipomas e lipossarcomas, e Ácido Periódico de Schiff e Azul de Toluidina em mastocitomas, foram empregadas com sucesso fornecendo assim maior clareza de detalhes para as diversas neoformações de origem epitelial e mesenquimal. <![CDATA[<B>ELISA de bloqueio monoclonal para o diagnóstico sorológico de infecções pelo herpesvírus bovino tipo 1 (BHV-1)</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X2001000100007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A monoclonal antibody-based blocking enzyme linked immunosorbent assay (ELISA-M) was developed and standardized for the detection of antibodies to infectious bovine rhinotracheitis virus (Bovine Herpesvirus type 1; BHV-1). A total of 266 samples of bovine sera (148 negative and 118 positive) were tested and compared with the results of a standard serum neutralization (SN) test. The ELISA-M was adjusted to 92.37% sensitivity, 92.56% especificity, 93.83% negative predictive value, 90.83% positive predictive value and to an accuracy of 92.48%, with an agreement index (k) equal to 0.85. The main advantages presented by the ELISA-M were its practicality and rapidity in performance. This test was shown to be a suitable alternative to SN tests in the detection of BHV-1 antibodies in cattle. However, the ELISA was unable to discriminate between BHV-1 and bovine herpesvirus type 5 (BHV-5) antibodies.<hr/>Um ensaio imunoenzimático do tipo ELISA de bloqueio com anticorpo monoclonal (ELISA-M) foi desenvolvido e padronizado para a detecção de anticorpos contra o vírus da Rinotraqueíte Infecciosa Bovina (Herpesvírus Bovino tipo 1; BHV-1). Foram utilizadas nesta avaliação 266 amostras de soros bovinos, sendo 148 negativos e 118 positivos em testes de soroneutralização (SN). Em comparação com este último, o ELISA-M demonstrou uma sensibilidade de 92,37%, especificidade de 92,56%, valor preditivo positivo de 90,83%, valor preditivo negativo de 93,83% e precisão de 92,48%. O índice de concordância (k) entre os testes foi de 0,85. O ELISA-M apresentou como vantagens a rapidez e a praticidade de execução. Com base nestes resultados, o ELISA-M foi considerado uma alternativa apropriada para o diagnóstico sorológico de infecções pelo BHV-1. Entretanto, o teste não foi capaz de diferenciar anticorpos induzidos por BHV-1 ou BHV-5. <![CDATA[<B>Intoxicações por plantas em ruminantes no Brasil e no Uruguai</B>: <B>importância econômica, controle e riscos para a saúde pública</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X2001000100008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt As intoxicações por plantas em animais de produção, no Brasil e no Uruguai são conhecidas desde que os pioneiros Espanhóis e Portugueses introduziram as primeiras cabeças de gado em pastagens naturais da região. As perdas econômicas ocasionadas pelas intoxicações por plantas podem ser definidas como diretas ou indiretas. As perdas diretas são causadas pelas mortes de animais, diminuição dos índices reprodutivos (abortos, infertilidade, malformações), redução da produtividade nos animais sobreviventes e outras alterações devidas a doenças transitórias, enfermidades subclínicas com diminuição da produção de leite, carne ou lã, e aumento à susceptibilidade a outras doenças devido a depressão imunológica. As perdas indiretas incluem os custos de controlar as plantas tóxicas nas pastagens, as medidas de manejo para evitar as intoxicações como a utilização de cercas e o pastoreio alternativo, a redução do valor da forragem devido ao atraso na sua utilização, a redução do valor da terra, a compra de gado para substituir os animais mortos, e os gastos associados ao diagnóstico das intoxicações e ao tratamento dos animais afetados (Riet-Correa et al. 1993, James 1994). As perdas econômicas causadas pelas intoxicações por plantas são difíceis de se estimar por que não existem dados confiáveis sobre todos esses componentes, no entanto, as perdas causadas por mortes são fáceis de determinar quando dispomos de dados elaborados por laboratórios de diagnóstico, sobre a freqüência das causas de mortes dos animais numa determinada região.