Scielo RSS <![CDATA[Contexto Internacional]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0102-852920120002&lang=en vol. 34 num. 2 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Terrorism and international politics</b>: <b>an approach to South America</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292012000200001&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo tem como objetivo: i) analisar como a definição do conceito de terrorismo varia de acordo com distintos contextos e objetivos políticos, partindo-se do pressuposto de que a compreensão política sobre o terrorismo é contextualmente determinada; ii) questionar como o fenômeno do terrorismo pode ser compreendido pela teoria de Relações Internacionais, discutindo os limites e possibilidades das diferentes abordagens; e iii) analisar como países sul-americanos têm se adaptado a uma agenda antiterror marcadamente exógena ao contexto político regional. A proposta teórica do estudo consiste em um debate desde o fenômeno político do terrorismo contemporâneo ao marco mais geral da teoria de Relações Internacionais, propondo um questionamento teórico entre o fenômeno e as capacidades explicativas das teorias que compõem o mainstream da teoria de RI. Finalmente, tentamos explorar a Escola de Copenhague como uma via analítica e teórica de pesquisa, e para tanto debatemos a questão do terrorismo na América do Sul.<hr/>This study analyzes: i) how the definition of terrorism varies between distinct political contexts and goals, arguing that that such definitions depend on political context; ii) how terrorism might be analyzed using mainstream International Relations Theory, debating the limits and possibilities of these schools of thought, and; iii) how South American countries have adopted a global counterterrorism strategy which is clearly exogenous to their proper political agendas. The theoretical proposal of this article is to analyze terrorism as a political phenomenon using the theoretical apparatus of the Copenhagen School, availing itself of several South American cases. <![CDATA[<b>Reflections on the place of sport in international relations</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292012000200002&lng=en&nrm=iso&tlng=en As obras clássicas da disciplina Relações Internacionais praticamente ignoram a questão do esporte. A maioria dos trabalhos sobre as relações entre o esporte e as relações internacionais foi produzida por estudiosos do esporte ou por historiadores das relações internacionais, geralmente sem uma proposta teórica explícita, com primazia das abordagens descritivas e empíricas e com propostas normativas. Apenas recentemente essa "negligência" dos especialistas de Relações Internacionais pelo esporte, mesmo entre aqueles autores que consideravam relevantes os fatores culturais nas suas análises, começou a ter fim. O presente ensaio analisa criticamente os principais temas relativos aos vínculos do esporte com as relações internacionais que foram explorados nos últimos anos, suas implicações e as perspectivas de futuras pesquisas sobre o assunto.<hr/>The classic works in the discipline of International Relations virtually ignore the issue of sport. Most studies on the relationship between sport and international relations were produced by scholars of sport or historians of international relations, usually without a explicit theoretical framework, using descriptive approaches and empirical and normative proposals at best. Only recently has this "negligence" of sports by International Relations specialists, even among those authors that take in consideration relevant cultural factors in their analyses, begun to wane. This article critically examines the main recent issues relating to the ties between sport and international relations, their implications and the prospects for future research on the subject. <![CDATA[<b>Validating war</b>: <b>the construction of the strategic <i>Expertise</i> regime</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292012000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente artigo interroga os mecanismos do pensamento estratégico que contribuíram para tornar a guerra moderna uma prática social julgada tecnicamente viável e, assim, legítima para os militares. Para tal, a análise proposta inscreve-se nos campos da sociologia pragmática (inspirando-se em autores como Luc Boltanski, Nicolas Dodier e Francis Chateauraynaud) e da sociologia da ciência (apoiando-se fundamentalmente nos trabalhos de Bruno Latour). Por um lado, a sociologia da ciência desenvolveu uma problemática muito fértil acerca da construção dos fatos científicos que servirá de inspiração para este estudo. Por outro lado, a sociologia pragmática elaborou um quadro analítico das ações coletivas que se articula à pesquisa sobre a construção social dos fatos. A partir dessas abordagens, propõe-se investigar a formação de um regime de expertise estratégica que sustenta a legitimidade técnica do uso da força militar. Juntas, a sociologia da ciência e a sociologia pragmática lançam luz sobre elementos particularmente importantes acerca da questão da guerra.<hr/>This article is intended to contribute to the interpretative analysis of war. For that purpose, it investigates how some apparatuses located in strategic thinking help to make modern war a social practice considered both technically feasible and, at the same time, legitimate for soldiers. In so doing, it makes use of two different but closely related theoretical fields, pragmatic sociology (finding inspiration in the work of scholars such as Luc Boltanski, Nicolas Dodier and Francis Chateauraynaud), and the sociology of scientific knowledge (based mostly on the work of Bruno Latour). On the one hand, the sociology of scientific knowledge has developed a productive questioning of the construction of scientific facts that is particularly relevant to the present research. On the other hand, pragmatic sociology generates a compatible framework able to describe collective actions. The combination of both approaches allows the description of the formation of a strategic expertise regime that supports the technical legitimacy of the use of military force. Together, the sociology of scientific knowledge and pragmatic sociology bring a particularly relevant perspective to research pertaining to war. <![CDATA[<b>The moral foundations of pre-juridical international relations based on Kant</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292012000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Esta pesquisa pretende apresentar uma fundamentação moral para as relações internacionais pré-jurídicas a partir de Kant, especificamente a partir dos artigos preliminares de À paz perpétua . Esses artigos constituem as condições morais mínimas através das quais os indivíduos, os Estados e os povos são protegidos contra os abusos oriundos do estado de natureza. Sem eles, as relações internacionais ficam sujeitas ao direito positivo ou ao realismo político. Seus elementos morais constituem os princípios fundamentais através dos quais as relações internacionais em Kant têm sua legitimidade.<hr/>This research presents the moral foundations of pre-juridical international relations based on the preliminary articles of Immanuel Kant's Towards Perpetual Peace. These articles establish the minimal moral conditions through which individuals, states and people are protected against the abuses of the state of nature. Without them, international relations are subject to positive law or to political realism. These moral elements make up the fundamental principles which, to Kant, constitute the legitimacy of international relations. <![CDATA[<b>Soft China</b>: <b>the changing nature of china's charm strategy</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292012000200005&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente artigo analisa outra vertente (por vezes ignorada ou subestimada) do conceito de poder, o soft power, relacionando-o com o caso concreto de uma potência em ascensão: a China. Inicia-se por definir a noção de soft power, distinguindo-a, para este efeito, dos conceitos de hard power e de smart power. Se, numa primeira fase se recorrerá, sobretudo, à teoria para destacarmos as principais características do soft power, a segunda etapa, essencialmente prática, baseia-se em um estudo de caso: investiga o comportamento da China em matéria de soft power. Desta forma, pretende-se conferir à teoria uma aplicabilidade, sendo ambas duas peças que não se excluem, antes interagem harmoniosamente. Como se concretiza a "ofensiva de charme" chinesa no Sudeste Asiático? Que pontos fortes e pontos fracos tem o soft power chinês? Como se comporta a China perante a questão dos Estados-pária? Como se comporta o soft power chinês no que diz respeito à estratégia marítima da China? Estas e outras questões serão abordadas pelo presente artigo. Na prática, procura-se demonstrar que, ao contrário do passado, o soft power já não é um elemento "estranho" no discurso oficial chinês. Na verdade, a China de hoje parece estar mais preocupada com a imagem que o mundo tem dela.<hr/>This article examines another aspect (sometimes ignored or underestimated) of the concept of power - soft power - relating it to the case of a rising power: China. It begins by defining the notion of soft power, distinguishing it, for this purpose, from the concepts of hard power and smart power. In a first phase, the text brings to bear theory in order to highlight the main features of soft power. The second - essentially practical - phase is based on a case study: the analysis of China's behavior in terms of soft power. The text thus provides the notion of soft power with practical applicability, these two elements being shown to be not mutually exclusive, but rather able to interact harmoniously. How does the Chinese "charm offensive" manifest itself in Southeast Asia? What are the strengths and weaknesses of Chinese soft power? How does China behave when dealing with the issue of rogue states? How does the Chinese soft power behave in the framework of China's maritime strategy? These and other issues are addressed in this article. In practice,it will be demonstrated that, unlike in the past, soft power is no longer a "strange" element in Chinese official discourse. In fact, the China of today seems to be more concerned with the image it has in the world. <![CDATA[<b>Towards a new world energy order? potentialities and perspectives of the energy issue between the BRICS countries</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292012000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente artigo propõe analisar a questão energética entre os BRICS e o potencial de rearticulação da ordem energética global que dela emerge. Para tal, realiza três movimentos. Em primeiro lugar, investiga o crescente impacto agregado dos países BRICS no cenário energético global, com vistas a analisar seu avanço em uma temática até então reduto dos países desenvolvidos. Em segundo lugar, aborda a matriz energética de cada um dos cinco países do ponto de vista de suas economias políticas e da questão da sustentabilidade. Em terceiro lugar, e com base na seção anterior, propõe mapear as áreas de conflito e de possível aproximação entre os BRICS, na tentativa de localizar as possibilidades e limites da sua cooperação energética. Com base nessa investigação, conclui que, diante das potencialidades para a cooperação entre os países, a organização de suas ofertas e demandas energéticas nacionais pode permitir ao agrupamento articular-se como um novo polo no cenário energético global.<hr/>The article analyzes energy-related issues among the BRICS countries and the potential refashioning of the world energy order that might spring from them. It begins by investigating the growing impact of the BRICS countries within the international order, with the intention of tracking their progress in an ambit so far restricted to developed countries and their oil suppliers. The text subsequently analyzes the energy matrix of each of the five BRICS countries from the points of view of political economy and sustainability. Finally, based on the previous sections, the final section of the article maps the tensions and complementarities between the BRICS and outlines the possibilities and limits of their cooperation on energy issues. The analysis concludes that given the potential for energy-related cooperation between these countries, a clear definition of their national energy supply and demand may allow the grouping to position itself as a new pole in the world energy market. <![CDATA[<b>Hydropolitics in the river plate basin in the context of the South American regional security complex</b>: <b>between conflict and cooperation (1960-1979)</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292012000200007&lng=en&nrm=iso&tlng=en Em várias regiões do mundo, os múltiplos usos de águas compartilhadas apresentam-se como um componente importante no jogo de poder regional. Essa situação explica por que a gestão de recursos hídricos se encontra vinculada a preocupações de ordem estratégica ou outras questões de alta política em muitos desses casos. Mas em que intensidade? Em busca de respostas para essa questão, o presente estudo analisa o caso da Bacia do Prata, empregando, para tanto, conceitos como securitização, atores securitizadores, objetos de referência, Complexos Regionais de Segurança (CRS) e, também, a ideia dos Complexos Hidropolíticos, originalmente desenvolvida por Michael Schulz como uma forma distinta de CRS aplicável em áreas onde as questões relacionadas aos recursos hídricos se destacam como uma característica proeminente nas dinâmicas políticas regionais.<hr/>In many regions of the world, the multiple uses of transboundary fresh water have been seen as a critically important component for regional stability. This situation explains why, in many cases, water management has commonly become linked to national security concerns or other issues of a "high politics" nature. But, at what intensity? In search of answers for this question, this research analyzes the case of the River Plate Basin employing Barry Buzan's central concepts of securitization, securitizing actors, referent objects, Regional Security Complex (RSC) and the related concept of Hydropolitical Complex (HC) developed by Michael Schulz as a distinct form of RSC applicable on areas where water-related issues stand out as a salient feature in regional political dynamics. <![CDATA[<b>Legislative power and foreign policy in Brazil</b>: <b>playing with the rules</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292012000200008&lng=en&nrm=iso&tlng=en Quais são os cursos de ação que um legislador talentoso, com preferências intensas em alguma área de política externa, seria capaz de identificar no atual arranjo institucional brasileiro, com vistas a ampliar a sua participação no processo decisório relacionado a tal tema? Este artigo toma como objeto o processo decisório relativo à política externa brasileira, dividindo-o, analiticamente, em dois tempos: o primeiro tempo abriga o jogo ex ante do exame das matérias de política externa pelo Poder Legislativo, ou seja, antes de as proposições serem formalmente apresentadas para tramitação e decisão legislativas. No segundo tempo, é jogado o jogo ex post no início da apreciação formal das referidas proposições pelo Poder Legislativo, sejam quais forem os seus autores. Para tanto, foi mobilizado o conceito de heresthetics, de William Riker, significando a capacidade de estruturar o mundo de forma a ganhar o jogo, transformando a situação de desfavorável em favorável para consecução de seus objetivos.<hr/>What courses of action would allow a talented legislator in the current Brazilian institutional arrangement, with intense preferences in any area of foreign policy, to identify avenues for increasing their participation in decision-making in that issue area? This article centres on decision-making regarding Brazilian foreign policy, dividing it analytically in two stages: the first consists of an ex ante examination of foreign policy matters by the Legislature, that is, before bills are formally presented for legislative deliberation. In the second stage, the game is played ex post at the beginning of the formal assessment of these propositions by the Legislature. The text's approach is based on William Riker's concept of heresthetics, taken as the ability to structure the world in order to win the game, transforming an unfavorable situation into one favorable to the achievement of given goals. <![CDATA[<b>The possible domestic causes of Brazilian leadership in South America</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292012000200009&lng=en&nrm=iso&tlng=en A internacionalização do Estado brasileiro tem sido vista como uma consequência de sua ascensão internacional, muito embora também pudesse ser considerada uma das causas de sua crescente liderança e projeção no exterior. Neste artigo, resume-se o debate atual sobre o processo de formulação da política externa brasileira, discutindo o papel do Ministério das Relações Exteriores, da Presidência da República e sua burocracia e do Congresso. Além disso, propõe-se uma comparação original com a atuação de instituições congêneres da Argentina. Por fim, conclui-se que a menor internacionalização do Estado argentino poderia explicar tanto a perda da influência internacional desse país nos últimos vinte anos, como o êxito brasileiro na região.<hr/>The Internationalization of the state in Brazil has often been considered an effect of the country's recent rise as an emerging power, even when it could easily rather be seen as the cause of its mounting projection and leadership. This article summarizes the recent Brazilian debate on foreign policy decision-making, analyzing the role of the Ministry of Foreign Affairs, the President, the bureaucracy and the Congress. It also proposes an original comparative approach to their equivalents in Argentina. The results show that the lower levels of internationalization of the Argentinean state could easily be interpreted as diminishing the country's international influence in the last twenty years, while explaining Brazilian leadership in the region.