Scielo RSS <![CDATA[Mana]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0104-931320150002&lang=pt vol. 21 num. 2 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[VIVENDO DO REBOLADO: FEMINILIDADES, CORPOS E EROTISMOS NO <strong>SHOW BUSINESS</strong> TELEVISIVO]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200237&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Durante os anos 1970 e 1980, um conjunto de dançarinas sensuais, as chacretes, ganhou destaque na televisão. Além de auxiliar o apresentador Chacrinha em programas de auditório, compunha paralelamente um crescente mercado erótico. Este artigo procura dar um passo atrás no auge do estrelato e compreender como as dançarinas chegavam a esse nicho de mercado. A ideia é analisar os processos de seleção a que foram submetidas, enfocando principalmente os requisitos necessários para se tornarem uma dessas mulheres do show business televisivo. O fio argumentativo central do artigo é que gêneros, corpos e erotismos se entrelaçam na construção da figura televisiva dessas mulheres e se explicitam nos processos que regulam o recrutamento e a exposição de suas imagens. A importância dada à estética corporal das chacretes acionava assim uma plêiade variada de marcadores sociais da diferença (como o gênero, a idade, a cor/raça, a sexualidade, a classe etc.) que, quando em interseção, operavam como critérios de distinção, tornando alguns corpos mais desejáveis do que outros, sendo alguns deles alvo de recrutamento e atenção e outros não, nesse contexto das artes populares.<hr/>Abstract During the 1970s and 1980s, a group of erotic dancers known as the Chacretes gained notoriety in Brazilian television. As well as being stagehands for the host Chacrinha during his talk show, they were also players in a growing erotic market. This article takes a step back from the pinnacle of their stardom to analyse how these dancers came to occupy this market niche. It aims to analyse the selection process these dancers were submitted to, focusing mainly on the requirements for becoming show business women on TV. Its main argument is that genders, bodies and eroticisms become enmeshed in the construction of the television image of these women, and that they are made explicit in the processes that regulate the recruitment and exposition of their images. The emphasis on the bodily aesthetic of the Chacretes trigger a varied constellation of social markers of difference (such as gender, age, colour/race, sexuality, class, etc.), all which intersect as a function of criteria of distinction, making some bodies more desirable than others, as some became the objects of recruitment and attention while others do not. <![CDATA[A INVENÇÃO DO ECOMUSEU: O CASO DO ÉCOMUSÉE DU CREUSOT MONTCEAU-LES-MINES E A PRÁTICA DA MUSEOLOGIA EXPERIMENTAL]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200267&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo A descolonização dos museus, à qual se referiram alguns museólogos que pretendiam fazer uma museologia de vanguarda nos anos 1960 e 1970, diz respeito a um conjunto de conceitos que tinham por objetivo revolucionar a prática museológica do final do século XX. A ideia do "ecomuseu", como o protótipo para uma prática museológica experimental, é "inventada" no bojo dessa transformação. A partir da análise histórica do Écomusée du Creusot Montceau-les-Mines, criado na França, na região da Borgonha, em 1974, este artigo investiga o processo de mudança da "gramática axiológica" local, engendrado pela gramática museal, bem como traça uma reflexão mais ampla sobre a própria mudança de valores atravessada pela museologia internacional a partir do conceito do "ecomuseu" e do movimento da nova museologia.<hr/>Abstract The decolonization of museums, an important idea for some museologists from the 1960's and 1970's who wanted to create an avant-guard museology, relates to a set of concepts that hoped to revolutionize museological practice at the end of the 20th century. The idea of the "ecomuseum" as a prototype for experimental museological practice emerged in the midst of this transformation. Through a historical analysis of the Écomusée du Creusot Montceau-les-Mines, created in the French region of the Bourgogne in 1974, this article investigates changes in the local "axiological grammar" as engendered by museum grammar. It also reflects more widely on the changes in values in international museology effected by the concept of the "ecomuseum" and the new museology movement. <![CDATA[ENSAIO SOBRE PRÁTICAS COSMOPOLÍTICAS ENTRE FAMÍLIAS WAJÃPI SOBRE A IMAGINAÇÃO, O SENSÍVEL, O XAMANISMO E OUTRAS OBVIEDADES]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200297&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Tendo como base uma pesquisa etnográfica entre famílias wajãpi (grupo Tupi, que habita a bacia do rio Jari-AP), este artigo aborda alguns temas candentes na etnologia das terras baixas da América do Sul por uma rota diversa: examinarei o perspectivismo ameríndio e o xamanismo a partir das relações cotidianas de pessoas não "empajezadas" com seres não humanos, em especial com as plantas. Por esse caminho etnográfico emergem questões acerca de como o mundo de outrem pode também ser conhecido fora do afamado vértice xamânico, passando por distintos dispositivos de conhecimento, tais como: a "lógica do sensível", a capacidade imaginativa e a existência de passagens entre naturezas, as quais permitem uma comunicação em amplo sentido - o que proponho caracterizar como um xamanismo rarefeito.<hr/>Abstract Based on ethnographic research among the Wajãpi (Tupi speaking people, Amapá State, Brazil), this article takes a different tack to central issues in the ethnology of lowland South America: it examines Amerindian perspectivism and shamanism through the lens of quotidian relations of non-shamans with non-human beings, in particular with plants. This line of inquiry raises questions about how the world of others can be apprehended outside of the famous shamanic vertex, exploring other knowledge devices, such as the "logic of the sensible", imaginative capacity, and the existence of passages between natures, all of which enable communication in a general sense - a condition I call a "rarefied shamanism". <![CDATA[MORALIDADES, RACIONALIDADES E POLÍTICAS SEXUAIS NO BRASIL CONTEMPORÂNEO]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200323&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Neste artigo, discuto a hipótese de que a emergência da noção de direitos sexuais e a crescente utilização da linguagem dos direitos humanos para consolidar uma ampla agenda de reivindicações relativas aos prazeres, aos corpos e às práticas sexuais significam mais que o mero reconhecimento de que essa dimensão da experiência humana foi alvo da ingerência autoritária do Estado no passado, e de que precisa agora de proteção especial. Tendo como referência a já significativa literatura etnográfica brasileira sobre práticas, valores, identidades e intervenções públicas relativas à sexualidade, tomo a emergência da noção de direitos sexuais como aspecto central de um processo mais amplo de transformação que acontece no nível das políticas sexuais e que incide sobre o próprio dispositivo da sexualidade. Fruto da relação dinâmica entre diferentes atores sociais (ativistas, gestores públicos, políticos, juristas, pesquisadores etc.), tais direitos são aqui considerados como símbolo da emergência histórica de um "novo" regime secular da sexualidade, acompanhado por um estilo de regulação moral que lhe é próprio.<hr/>Abstract In this article, I discuss the hypothesis that the emergence of the concept of sexual rights, alongside an increase in the use of the language of human rights in social claims relating to pleasure, bodies and sexual practices, signal more than the mere recognition of the fact that this dimension of human experience was the target of authoritarian intrusions by the state in the past and that it now merits special protection. Based on the already significant Brazilian ethnographic literature on practices, values, identities and public interventions related to sexuality, I analyse the emergence of the concept of sexual rights as a central aspect within a wider process of transformation at the level of sexual politics - one which changes, in crucial aspects, the device of sexuality itself. As the result of the dynamic relationship between different social actors (activists, policy makers, politicians, lawyers, researchers etc.), these rights are here considered a symbol of the historical emergence of a "new" secular regime of sexuality, accompanied by a moral regulatory style of its own. <![CDATA[HISTÓRIAS QUE SÃO PASSADAS. VOZES E ENTIDADES QUE CIRCULAM NAS RECONSTRUÇÕES DO PASSADO DE UMA ANTIGA FAZENDA]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200347&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Com base em um episódio destacado na memória de organizações sindicais sobre as lutas de trabalhadores rurais no Rio Grande do Norte, Brasil, examino as diversas reconstruções elaboradas por pessoas que ocupam posições diferentes em relação a tal episódio. O artigo resulta de uma etnografia multissituada, cujas múltiplas localizações se configuraram a partir das recomendações de pessoas para conversar sobre as questões que eu indagava. Meus/minhas interlocutores/as no campo me contavam histórias e, ao longo do trabalho, foi possível observar que nas histórias daqueles que estavam unidos/as por essas recomendações surgiam regularidades que estruturavam de modos diferentes meu objeto de estudo. No artigo reflito sobre as entidades diversas que tais histórias constroem, as quais nos remetem a passados diferentes, e destaco o lugar prioritário que as relações sociais adquirem na composição dessas histórias. Interessa-me mostrar etnograficamente como elas envolvem não só um conteúdo, mas também uma dinâmica social.<hr/>Abstract This article explores the different reconstructions of a prominent episode concerning the struggle of rural workers in the Brazilian State of Rio Grande do Norte. My concern is with how Union members who occupied different positions in relation to the episode remember it. The article is based on a multi-sited ethnography: the places in which research was carried out were chosen by following the suggestions of people I spoke to, who guided me to certain locales in order to obtain the answers I was looking for. My interlocutors narrated histories, and the histories of those people linked by the suggestions that I followed revealed certain regularities. I consider the diverse entities that these histories construct and the different pasts that they refer to, and I stress the importance of social relations in their construction. I intend to ethnographically demonstrate that these histories not only reveal a content, but also a social dynamic. <![CDATA[QUARUP: TRANSFORMAÇÕES DO RITUAL E DA POLÍTICA NO ALTO XINGU]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200377&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O famoso Quarup - um grande ritual mortuário realizado pelos povos do Alto Xingu em honra a chefes falecidos - tem sido cada vez mais visto pelos xinguanos como uma ocasião apropriada para receber visitantes brancos, a fim de obter recursos materiais, criar alianças políticas e chamar a atenção da mídia para assuntos indígenas. A partir da descrição de alguns rituais mortuários organizados nos últimos anos, este artigo discute como a objetificação dos rituais como "cultura" para os não índios põe em movimento processos políticos de escala local, regional e nacional. A intenção é compreender como os rituais se tornaram uma dobradiça entre o mundo dos brancos e a política ritual indígena, e como isso pode afetar as formas xinguanas de produzir pessoas e coletivos. Além disso, espera-se esclarecer alguns aspectos das ideias xinguanas sobre a chefia e a noção de "dono".<hr/>Abstract The famous Quarup - a great mortuary ritual carried out by the peoples of the Upper Xingu in honour of deceased chiefs - has been increasingly seen by Xinguanos as an appropriate occasion to welcome white visitors, in order to obtain material resources, create political alliances, and call the media´s attention to indigenous issues. Based on the description of some of the mortuary rituals held in the last few years, this paper discusses how the objectification of rituals as "culture" to non-Indians puts in motion political processes at local, regional and national scales. The article intends to understand how rituals have become a hinge between the white world and indigenous ritual politics, and how this may affect Xinguano forms of producing persons and collectives. Finally, I expect to clarify some aspects of Xinguano ideas on chieftaincy and the concept of "owner". <![CDATA[Entrevista com George Marcus]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200407&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O famoso Quarup - um grande ritual mortuário realizado pelos povos do Alto Xingu em honra a chefes falecidos - tem sido cada vez mais visto pelos xinguanos como uma ocasião apropriada para receber visitantes brancos, a fim de obter recursos materiais, criar alianças políticas e chamar a atenção da mídia para assuntos indígenas. A partir da descrição de alguns rituais mortuários organizados nos últimos anos, este artigo discute como a objetificação dos rituais como "cultura" para os não índios põe em movimento processos políticos de escala local, regional e nacional. A intenção é compreender como os rituais se tornaram uma dobradiça entre o mundo dos brancos e a política ritual indígena, e como isso pode afetar as formas xinguanas de produzir pessoas e coletivos. Além disso, espera-se esclarecer alguns aspectos das ideias xinguanas sobre a chefia e a noção de "dono".<hr/>Abstract The famous Quarup - a great mortuary ritual carried out by the peoples of the Upper Xingu in honour of deceased chiefs - has been increasingly seen by Xinguanos as an appropriate occasion to welcome white visitors, in order to obtain material resources, create political alliances, and call the media´s attention to indigenous issues. Based on the description of some of the mortuary rituals held in the last few years, this paper discusses how the objectification of rituals as "culture" to non-Indians puts in motion political processes at local, regional and national scales. The article intends to understand how rituals have become a hinge between the white world and indigenous ritual politics, and how this may affect Xinguano forms of producing persons and collectives. Finally, I expect to clarify some aspects of Xinguano ideas on chieftaincy and the concept of "owner". <![CDATA[SOBRE TUTELA E PARTICIPAÇÃO :POVOS INDIGENAS E FORMAS DE GOVERNO NO BRASIL, SÉCULOS XX/XXI]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200425&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O famoso Quarup - um grande ritual mortuário realizado pelos povos do Alto Xingu em honra a chefes falecidos - tem sido cada vez mais visto pelos xinguanos como uma ocasião apropriada para receber visitantes brancos, a fim de obter recursos materiais, criar alianças políticas e chamar a atenção da mídia para assuntos indígenas. A partir da descrição de alguns rituais mortuários organizados nos últimos anos, este artigo discute como a objetificação dos rituais como "cultura" para os não índios põe em movimento processos políticos de escala local, regional e nacional. A intenção é compreender como os rituais se tornaram uma dobradiça entre o mundo dos brancos e a política ritual indígena, e como isso pode afetar as formas xinguanas de produzir pessoas e coletivos. Além disso, espera-se esclarecer alguns aspectos das ideias xinguanas sobre a chefia e a noção de "dono".<hr/>Abstract The famous Quarup - a great mortuary ritual carried out by the peoples of the Upper Xingu in honour of deceased chiefs - has been increasingly seen by Xinguanos as an appropriate occasion to welcome white visitors, in order to obtain material resources, create political alliances, and call the media´s attention to indigenous issues. Based on the description of some of the mortuary rituals held in the last few years, this paper discusses how the objectification of rituals as "culture" to non-Indians puts in motion political processes at local, regional and national scales. The article intends to understand how rituals have become a hinge between the white world and indigenous ritual politics, and how this may affect Xinguano forms of producing persons and collectives. Finally, I expect to clarify some aspects of Xinguano ideas on chieftaincy and the concept of "owner". <![CDATA[BLANES, Ruy & ESPÍRITO SANTO, Diana (eds). 2014. <strong><em>The social life of spirits</em></strong>. Chicago and London: The University of Chicago Press. 305pp.]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200459&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O famoso Quarup - um grande ritual mortuário realizado pelos povos do Alto Xingu em honra a chefes falecidos - tem sido cada vez mais visto pelos xinguanos como uma ocasião apropriada para receber visitantes brancos, a fim de obter recursos materiais, criar alianças políticas e chamar a atenção da mídia para assuntos indígenas. A partir da descrição de alguns rituais mortuários organizados nos últimos anos, este artigo discute como a objetificação dos rituais como "cultura" para os não índios põe em movimento processos políticos de escala local, regional e nacional. A intenção é compreender como os rituais se tornaram uma dobradiça entre o mundo dos brancos e a política ritual indígena, e como isso pode afetar as formas xinguanas de produzir pessoas e coletivos. Além disso, espera-se esclarecer alguns aspectos das ideias xinguanas sobre a chefia e a noção de "dono".<hr/>Abstract The famous Quarup - a great mortuary ritual carried out by the peoples of the Upper Xingu in honour of deceased chiefs - has been increasingly seen by Xinguanos as an appropriate occasion to welcome white visitors, in order to obtain material resources, create political alliances, and call the media´s attention to indigenous issues. Based on the description of some of the mortuary rituals held in the last few years, this paper discusses how the objectification of rituals as "culture" to non-Indians puts in motion political processes at local, regional and national scales. The article intends to understand how rituals have become a hinge between the white world and indigenous ritual politics, and how this may affect Xinguano forms of producing persons and collectives. Finally, I expect to clarify some aspects of Xinguano ideas on chieftaincy and the concept of "owner". <![CDATA[LOWENKRON, Laura. 2015. <strong><em>O monstro contemporâneo: a construção social da pedofilia em múltiplos planos</em></strong>. Rio de Janeiro: EdUERJ. 459pp.]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200462&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O famoso Quarup - um grande ritual mortuário realizado pelos povos do Alto Xingu em honra a chefes falecidos - tem sido cada vez mais visto pelos xinguanos como uma ocasião apropriada para receber visitantes brancos, a fim de obter recursos materiais, criar alianças políticas e chamar a atenção da mídia para assuntos indígenas. A partir da descrição de alguns rituais mortuários organizados nos últimos anos, este artigo discute como a objetificação dos rituais como "cultura" para os não índios põe em movimento processos políticos de escala local, regional e nacional. A intenção é compreender como os rituais se tornaram uma dobradiça entre o mundo dos brancos e a política ritual indígena, e como isso pode afetar as formas xinguanas de produzir pessoas e coletivos. Além disso, espera-se esclarecer alguns aspectos das ideias xinguanas sobre a chefia e a noção de "dono".<hr/>Abstract The famous Quarup - a great mortuary ritual carried out by the peoples of the Upper Xingu in honour of deceased chiefs - has been increasingly seen by Xinguanos as an appropriate occasion to welcome white visitors, in order to obtain material resources, create political alliances, and call the media´s attention to indigenous issues. Based on the description of some of the mortuary rituals held in the last few years, this paper discusses how the objectification of rituals as "culture" to non-Indians puts in motion political processes at local, regional and national scales. The article intends to understand how rituals have become a hinge between the white world and indigenous ritual politics, and how this may affect Xinguano forms of producing persons and collectives. Finally, I expect to clarify some aspects of Xinguano ideas on chieftaincy and the concept of "owner". <![CDATA[MIZRAHI, Mylene. 2014. A <strong><em>estética funkcarioca: criação e conectividade em Mr. Catra.</em></strong> Rio de Janeiro: 7 Letras. 314 pp.]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200465&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O famoso Quarup - um grande ritual mortuário realizado pelos povos do Alto Xingu em honra a chefes falecidos - tem sido cada vez mais visto pelos xinguanos como uma ocasião apropriada para receber visitantes brancos, a fim de obter recursos materiais, criar alianças políticas e chamar a atenção da mídia para assuntos indígenas. A partir da descrição de alguns rituais mortuários organizados nos últimos anos, este artigo discute como a objetificação dos rituais como "cultura" para os não índios põe em movimento processos políticos de escala local, regional e nacional. A intenção é compreender como os rituais se tornaram uma dobradiça entre o mundo dos brancos e a política ritual indígena, e como isso pode afetar as formas xinguanas de produzir pessoas e coletivos. Além disso, espera-se esclarecer alguns aspectos das ideias xinguanas sobre a chefia e a noção de "dono".<hr/>Abstract The famous Quarup - a great mortuary ritual carried out by the peoples of the Upper Xingu in honour of deceased chiefs - has been increasingly seen by Xinguanos as an appropriate occasion to welcome white visitors, in order to obtain material resources, create political alliances, and call the media´s attention to indigenous issues. Based on the description of some of the mortuary rituals held in the last few years, this paper discusses how the objectification of rituals as "culture" to non-Indians puts in motion political processes at local, regional and national scales. The article intends to understand how rituals have become a hinge between the white world and indigenous ritual politics, and how this may affect Xinguano forms of producing persons and collectives. Finally, I expect to clarify some aspects of Xinguano ideas on chieftaincy and the concept of "owner". <![CDATA[OAKDALE, Suzanne & COURSE, Magnus (eds.). 2014. <strong><em>Fluent selves: autobiography, person, and history in Lowland South America.</em></strong> Lincoln & London: University of Nebraska Press. 320 pp.]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200468&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O famoso Quarup - um grande ritual mortuário realizado pelos povos do Alto Xingu em honra a chefes falecidos - tem sido cada vez mais visto pelos xinguanos como uma ocasião apropriada para receber visitantes brancos, a fim de obter recursos materiais, criar alianças políticas e chamar a atenção da mídia para assuntos indígenas. A partir da descrição de alguns rituais mortuários organizados nos últimos anos, este artigo discute como a objetificação dos rituais como "cultura" para os não índios põe em movimento processos políticos de escala local, regional e nacional. A intenção é compreender como os rituais se tornaram uma dobradiça entre o mundo dos brancos e a política ritual indígena, e como isso pode afetar as formas xinguanas de produzir pessoas e coletivos. Além disso, espera-se esclarecer alguns aspectos das ideias xinguanas sobre a chefia e a noção de "dono".<hr/>Abstract The famous Quarup - a great mortuary ritual carried out by the peoples of the Upper Xingu in honour of deceased chiefs - has been increasingly seen by Xinguanos as an appropriate occasion to welcome white visitors, in order to obtain material resources, create political alliances, and call the media´s attention to indigenous issues. Based on the description of some of the mortuary rituals held in the last few years, this paper discusses how the objectification of rituals as "culture" to non-Indians puts in motion political processes at local, regional and national scales. The article intends to understand how rituals have become a hinge between the white world and indigenous ritual politics, and how this may affect Xinguano forms of producing persons and collectives. Finally, I expect to clarify some aspects of Xinguano ideas on chieftaincy and the concept of "owner". <![CDATA[PRICE, Richard. 2013. <strong><em>Fesiten</em></strong>. La Roque-d'Anthéron: Vents d'Ailleurs. 252pp.]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200471&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O famoso Quarup - um grande ritual mortuário realizado pelos povos do Alto Xingu em honra a chefes falecidos - tem sido cada vez mais visto pelos xinguanos como uma ocasião apropriada para receber visitantes brancos, a fim de obter recursos materiais, criar alianças políticas e chamar a atenção da mídia para assuntos indígenas. A partir da descrição de alguns rituais mortuários organizados nos últimos anos, este artigo discute como a objetificação dos rituais como "cultura" para os não índios põe em movimento processos políticos de escala local, regional e nacional. A intenção é compreender como os rituais se tornaram uma dobradiça entre o mundo dos brancos e a política ritual indígena, e como isso pode afetar as formas xinguanas de produzir pessoas e coletivos. Além disso, espera-se esclarecer alguns aspectos das ideias xinguanas sobre a chefia e a noção de "dono".<hr/>Abstract The famous Quarup - a great mortuary ritual carried out by the peoples of the Upper Xingu in honour of deceased chiefs - has been increasingly seen by Xinguanos as an appropriate occasion to welcome white visitors, in order to obtain material resources, create political alliances, and call the media´s attention to indigenous issues. Based on the description of some of the mortuary rituals held in the last few years, this paper discusses how the objectification of rituals as "culture" to non-Indians puts in motion political processes at local, regional and national scales. The article intends to understand how rituals have become a hinge between the white world and indigenous ritual politics, and how this may affect Xinguano forms of producing persons and collectives. Finally, I expect to clarify some aspects of Xinguano ideas on chieftaincy and the concept of "owner". <![CDATA[SAHLINS, Marshall. 2013. <strong><em>What kinship is... and is not.</em></strong> Chicago: The University of Chicago Press. 120 pp.]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200474&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O famoso Quarup - um grande ritual mortuário realizado pelos povos do Alto Xingu em honra a chefes falecidos - tem sido cada vez mais visto pelos xinguanos como uma ocasião apropriada para receber visitantes brancos, a fim de obter recursos materiais, criar alianças políticas e chamar a atenção da mídia para assuntos indígenas. A partir da descrição de alguns rituais mortuários organizados nos últimos anos, este artigo discute como a objetificação dos rituais como "cultura" para os não índios põe em movimento processos políticos de escala local, regional e nacional. A intenção é compreender como os rituais se tornaram uma dobradiça entre o mundo dos brancos e a política ritual indígena, e como isso pode afetar as formas xinguanas de produzir pessoas e coletivos. Além disso, espera-se esclarecer alguns aspectos das ideias xinguanas sobre a chefia e a noção de "dono".<hr/>Abstract The famous Quarup - a great mortuary ritual carried out by the peoples of the Upper Xingu in honour of deceased chiefs - has been increasingly seen by Xinguanos as an appropriate occasion to welcome white visitors, in order to obtain material resources, create political alliances, and call the media´s attention to indigenous issues. Based on the description of some of the mortuary rituals held in the last few years, this paper discusses how the objectification of rituals as "culture" to non-Indians puts in motion political processes at local, regional and national scales. The article intends to understand how rituals have become a hinge between the white world and indigenous ritual politics, and how this may affect Xinguano forms of producing persons and collectives. Finally, I expect to clarify some aspects of Xinguano ideas on chieftaincy and the concept of "owner".