SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.87 issue2Anatomy and fructan distribution in vegetative organs of Dimerostemma vestitum (Asteraceae) from the campos rupestresIsotopic niches of sympatric native and exotic fish species in a Neotropical floodplain author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Anais da Academia Brasileira de Ciências

Print version ISSN 0001-3765On-line version ISSN 1678-2690

Abstract

SOUZA, Marcelo C. de; BUENO, Paula C.P.; MORELLATO, Leonor P.C.  and  HABERMANN, Gustavo. Ecological strategies of Al-accumulating and non-accumulating functional groups from the cerrado sensu stricto. An. Acad. Bras. Ciênc. [online]. 2015, vol.87, n.2, pp.813-823.  Epub June 09, 2015. ISSN 1678-2690.  https://doi.org/10.1590/0001-3765201520140222.

A flora do cerrado é composta por espécies acumuladoras e não acumuladoras de alumínio (Al), coexistentes em solos ácidos, ricos em Al e com baixa fertilidade. Apesar da coexistência desses grupos funcionais, sua importância ecológica e suas estratégias biológicas são pouco conhecidas. Nós estudamos os padrões fenológicos de brotação foliar de ambos os grupos ao longo do ano, as concentrações foliares de N, P, K, Ca, Mg, S, Al, flavonoides totais e polifenóis e a área foliar específica (AFE) em folhas jovens e maduras, dentro e entre os grupos. Para as espécies acumuladoras de Al as brotações foliares foram distribuídas ao longo do ano, com maior intensidade entre maio e setembro; para as espécies não acumuladoras de Al observamos um pico de brotação durante a transição das estações seca e chuvosa. No entanto, estes comportamentos não podem ser associados às estratégias ligadas ao acúmulo foliar de metabólitos secundários por estes grupos funcionais. As espécies acumuladoras de Al apresentaram menores concentrações de nutrientes foliares, enquanto que as não acumuladoras concentraram mais macronutrientes e produziram folhas com alta AFE desde a fase juvenil. Isso demonstra que o aumento de AFE é mais lento nas espécies acumuladoras de Al, que devem atingir valores de AFE comparáveis ao resto da comunidade apenas na estação úmida, quando a captação de luz é importante para o crescimento de novos ramos.

Keywords : alumínio; comunidade; herbivoria; nutrição mineral; fenologia; área foliar específica.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )