SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49 número4Eficácia da monitorização subcutânea contínua da glicemia (CGMS) na detecção da hipoglicemia assintomática em crianças e adolescentes com diabetes tipo 1Educação médica continuada a distância em endocrinologia e metabologia índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia

versão On-line ISSN 1677-9487

Resumo

LIMA, Nicolau et al. Impacto médico-social do tratamento medicamentoso da moléstia de Graves-Basedow em Hospital Público Universitário: avaliação retrospectiva e projeção prospectiva de conduta terapêutica. Arq Bras Endocrinol Metab [online]. 2005, vol.49, n.4, pp.575-583. ISSN 1677-9487.  https://doi.org/10.1590/S0004-27302005000400017.

O objetivo do presente estudo foi avaliar esquema terapêutico medicamentoso para aumentar a aderência ao tratamento da moléstia de Graves-Basedow (MGB) em Hospital Público Universitário. Os pacientes foram selecionados segundo critérios rigorosos, que incluíam volume glandular inferior a 60cm3, origem da área urbana de São Paulo e não submetidos a terapia prévia da MGB. Receberam gratuitamente a medicação, eram avisados antecipadamente da data da consulta e acompanhados por um único médico durante todo o tratamento. Foram incluídos 229 pacientes, tratados inicialmente com metimazol (MMI - 60mg/dia) em dose única diária, seguindo-se com combinação de MMI (20mg) com LT4 (100µg) em dose única diária por 24 meses. Apenas 83 pacientes (36,2%) completaram o protocolo quando foram subdivididos em 2 grupos, após a suspensão do MMI+LT4: Grupo 1 (n= 34), que permaneceram em remissão por 3 anos, e Grupo 2 (n= 49), que apresentaram recidiva da doença entre 2 e 36 meses. Os fatores preditivos associados à remissão foram: decréscimo do volume glandular, tireoglobulina sérica < 40ng/ml e valores séricos normais de anticorpos anti-receptor de TSH. Constatamos que apesar do planejamento cuidadoso, mais de 60% dos portadores de MGB não completaram o protocolo e foram encaminhados a tratamento com radioiodo. Admitimos que esse baixo êxito terapêutico poderia ser melhorado mediante identificação dos fatores capazes de indicar quais pacientes estariam propensos a seguir um tratamento de longa duração.

Palavras-chave : Hipertiroidismo; Graves-Basedow; TRAb; Tireoglobulina; Auto-anticorpos.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons