SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.63 número3Propagação de oliveira 'Koroneiki' pelo método de estaquia em diferentes épocas, concentrações de AIB e presença de folhasAvaliação de um programa interlaboratorial de controle de qualidade de resultados de análise de solo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Ceres

versão impressa ISSN 0034-737Xversão On-line ISSN 2177-3491

Resumo

KURIHARA, Carlos Hissao; KIKUTI, Hamilton; BINOTTI, Flávio Ferreira da Silva  e  SILVA, Cesar José da. Marcha de acúmulo, exportação e ciclagem de nutrientes em plantas de pinhão-manso ( Jatropha curcas L.). Rev. Ceres [online]. 2016, vol.63, n.3, pp.361-370. ISSN 2177-3491.  https://doi.org/10.1590/0034-737X201663030013.

O estabelecimento da marcha de acúmulo de nutrientes permite definir a quantidade e a época mais adequada para seu fornecimento. A estimativa da extração de nutrientes pela parte aérea torna-se particularmente importante para espécies como o pinhão-manso, cultura para a qual ainda não existem resultados consistentes de trabalhos de calibração que permitam indicar doses de adubos a serem aplicadas. Com o objetivo de avaliar a marcha de acúmulo, a exportação e a ciclagem de nutrientes em plantas de pinhão-manso, conduziu-se um experimento a campo em Cassilândia, MS, por um período de 52 meses. Adotou-se o delineamento experimental inteiramente ao acaso, com quatro repetições e 15 tratamentos, correspondentes às épocas de avaliação. Verificou-se grande variação da quantidade de nutrientes acumulados nas folhas, por causa da senescência e da abscisão foliar nos períodos mais secos ou mais frios do ano. O acúmulo de nutrientes na parte aérea é relativamente baixo nos primeiros 22 meses. Para suprir a demanda, a adubação nos dois primeiros anos deve fornecer 40; 50; 50; 21; 16; 5; 0,7; 0,3; 4; 8 e 1 kg ha-1 de N, P2O5, K2O, Ca, Mg, S, B, Cu, Fe, Mn e Zn, respectivamente. A partir do terceiro ano de cultivo, a adubação de cobertura deve visar à restituição de 40, 110, 55 e 3 kg ha-1 de N, P2O5, K2O e S, respectivamente. Para a reposição da quantidade de nutrientes exportados, deve-se fornecer mais 50, 100, 30 e 3 kg ha-1 de N, P2O5, K2O e S, respectivamente, por tonelada de grãos a ser produzida.

Palavras-chave : demanda nutricional; extração; adubação.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )