SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.48 número1Transtornos mentais comuns e violência por parceiro íntimo durante a gravidezAdolescência, comportamento sexual e fatores de risco à saúde índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0034-8910

Resumo

RENESTO, Helana Maria Ferreira; FALBO, Ana Rodrigues; SOUZA, Edvaldo  e  VASCONCELOS, Maria Gorete. Enfrentamento e percepção da mulher em relação à infecção pelo HIV. Rev. Saúde Pública [online]. 2014, vol.48, n.1, pp.36-42. ISSN 0034-8910.  https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048003186.

OBJETIVO

Analisar o enfrentamento e as percepções das mulheres em relação à descoberta da infecção pelo HIV.

MÉTODOS

Estudo qualitativo em Serviço de Assistência Especializada em HIV/aids em Recife, PE, de janeiro a setembro de 2010. Participaram oito mulheres entre 27 e 37 anos de idade vivendo com HIV, assintomáticas, sem critérios de diagnóstico de aids, infectadas por meio de relação sexual, e acompanhadas no serviço há pelo menos um ano. Foram utilizados formulário para caracterizar o quadro clínico e entrevista semiestruturada para compreender as percepções e sentimentos relacionados à trajetória pessoal após o diagnóstico e as diferentes maneiras de enfrentar o diagnóstico no meio familiar e social. Foi realizada análise de conteúdo na modalidade temática segundo Bardin.

RESULTADOS

A categoria temática emergente foi estigma e discriminação. As mulheres apresentavam trajetórias de vida marcadas pelo estigma, percebido como discriminação desde o diagnóstico e nas vivências do cotidiano. A revelação da infecção foi sentida como limitante para uma vida normal, levando à necessidade de ocultação do diagnóstico. As posturas discriminatórias por parte de alguns profissionais dos serviços de saúde não especializados em HIV/aids repercutiram negativamente nas experiências futuras em outros serviços de saúde. Além dos efeitos do estigma institucional, o serviço especializado não contemplou espaço para a expressão de outras necessidades para além da doença, o que poderia ajudar no enfrentamento da infecção.

CONCLUSÕES

A convivência com o HIV esteve fortemente ligada ao estigma. É importante fortalecer as abordagens educativas e o apoio emocional no momento do diagnóstico para favorecer o enfrentamento da condição de soropositividade.

Palavras-chave : Mulheres; Infecções por HIV, psicologia; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; Impacto Psicossocial; Pesquisa Qualitativa.

        · resumo em Espanhol | Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )