SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.51Evolução da taxa de incidência de depressão e do desemprego em Portugal entre 1995–2013: dados da Rede Médicos SentinelaPrevalence and clinical profile of chronic pain and its association with mental disorders índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Saúde Pública

versão On-line ISSN 1518-8787

Resumo

FONSECA, Sandra Costa et al. Escolaridade e idade materna: desigualdades no óbito neonatal. Rev. Saúde Pública [online]. 2017, vol.51, 94.  Epub 17-Nov-2017. ISSN 1518-8787.  https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2017051007013.

OBJETIVO

Avaliar a interação entre idade e escolaridade materna na mortalidade neonatal, assim como investigar a evolução temporal da mortalidade neonatal em cada estrato formado pela combinação desses dois fatores de risco.

MÉTODOS

Estudo de coorte não concorrente, resultante de relacionamento probabilístico entre o Sistema de Informações sobre Mortalidade e o Sistema de Informações sobre Nascidos vivos. Para investigar o risco de óbito neonatal, foi realizada regressão logística, com estimativa de odds ratio para variável combinada escolaridade e idade materna, além da avaliação de interação aditiva e multiplicativa. A série temporal da taxa de mortalidade neonatal, de acordo com escolaridade e idade maternas, foi estimada pelo programa Joinpoint regression.

RESULTADOS

A taxa de mortalidade neonatal no período foi de 8,09‰, sendo mais elevada em recém-nascidos de mães com baixa escolaridade: 12,7‰ (mães adolescentes) e 12,4‰ (mães com 35 anos e mais). A baixa escolaridade, sem efeito da idade, aumentou a chance de óbito neonatal em 25% (OR = 1,25; IC95% 1,14–1,36). Já o efeito isolado da idade no óbito neonatal foi maior para mães adolescentes (OR = 1,39; IC95% 1,33–1,46) do que para mães com idade ≥ 35 anos (OR = 1,16; IC95%1,09–1,23). Na análise temporal, nenhuma faixa etária de mulheres com baixa escolaridade apresentou redução da taxa de mortalidade neonatal no período, em contraponto às mulheres com escolaridade intermediária ou elevada, onde a redução foi significante, em torno de 4% anualmente.

CONCLUSÕES

Detectaram-se dois grupos mais vulneráveis – adolescentes de baixa escolaridade e mulheres mais velhas de baixa escolaridade – em relação ao risco de óbito neonatal e à desigualdade na redução da taxa de mortalidade.

Palavras-chave : Mortalidade Infantil, tendências; Fatores Socioeconômicos; Mães; Escolaridade; Idade Materna; Desigualdades em Saúde.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )