SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.41 número2Paracoccidioides brasiliensis: Estudo de duas amostras sob o ponto de vista micológico e imunoquímicoDiagnóstico sorológico da toxocaríase através do método de ELISA indireto de competição índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo

versão On-line ISSN 1678-9946

Resumo

OLIVEIRA, Marcia Rosa de et al. Influência da microbiota normal na leishmaniose cutânea experimental em camundongos suíços. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo [online]. 1999, vol.41, n.2, pp.87-94. ISSN 1678-9946.  https://doi.org/10.1590/S0036-46651999000200005.

Neste trabalho, estudamos a infecção experimental de camundongos Suíços/NIH com Leishmania major em comparação com camundongos isogênicos C57BL/6 e BALB/c que são resistentes e suceptíveis a esta infecção, respectivamente. Camundongos Suiços mostraram lesões que se curaram espontaneamente e se restringiram ao local de inoculação. Células linfóides derivadas destes animais desenvolveram uma resposta do tipo Th1, caracterizada pela produção de níveis altos de IFN-g e níveis baixos de IL-4. Com o objetivo de estudar a importância da microbiota no desenvolvimento da leishmaniose cutânea neste modelo, camundongos Suiços sem germes foram infectados na pata com promastigotas de L. major, convencionalizados após 3 semanas de infecção e as lesões comparadas com as observadas em camundongos convencionais. Os camundongos convencionalizados apresentaram lesões significativamente maiores do que as observadas nos camundongos convencionais. A análise histopatológica das lesões de todos os animais convencionalizados mostrou abcessos de tamanhos e formas variáveis e a presença de numerosos macrófagos parasitados. Nas lesões dos camundongos convencionais não houve a formação de abscessos e foram observados poucos macrófagos parasitados. Entretanto, células de ambos os grupos experimentais desenvolveram uma resposta similar do tipo Th1, caracterizada pela produção de altos níveis de IFN-g e baixos níveis de IL-4. Neste trabalho, demonstramos que os camundongos Suíços/NIH são resistentes à infecção por L. major, com o desenvolvimento de um fenótipo do tipo Th1 e que a ausência da microbiota no início da infecção influencia significativamente o tamanho da lesão e no processo inflamatório nestes animais.

Palavras-chave : Leishmania; Swiss mice; Microbiota; Germfree; Th1; Leishmaniasis.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons