SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.56 número3Caracterização molecular de surto de vírus influenza B em cruzeiro marítimo no Brasil 2012Resistência à amoxicilina, claritromicina e ciprofloxacina de Helicobacter pylori isolados de pacientes do Sul do Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo

versão On-line ISSN 1678-9946

Resumo

MANCINI, Dalva Assunção Portari et al. Presença de vírus respiratórios em equinos do Brasil. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo [online]. 2014, vol.56, n.3, pp.191-195. ISSN 1678-9946.  https://doi.org/10.1590/S0036-46652014000300002.

Os equinos são susceptíveis aos vírus respiratórios, como o vírus influenza, e também tem sido citado o vírus parainfluenza. Doenças respiratórias têm impactado a economia em todo mundo. Este estudo intencionou determinar a presença dos vírus influenza e parainfluenza em equinos não vacinados de certas regiões do Estado de São Paulo, Brasil. Os soros coletados de 72 equinos, de diferentes cidades deste Estado, foram submetidos ao teste de Inibição da Hemaglutinação (IH) com objetivo de detectar anticorpos contra os referidos vírus, usando antígenos correspondentes. Cerca de 98,8% (72) e 97,2% (70) desses equinos responderam com títulos protetores (≥ 80 UIH/25µL) para os subtipos H7N7 e H3N8 de vírus influenza, respectivamente. Todos equinos (72) responderam com títulos protetores (≥ 80 UIH/25µL) contra o vírus parainfluenza 3. A diferença entre as médias de anticorpos contra o vírus influenza A não foi estatisticamente significante (p > 0,05). As médias de títulos dos vírus influenza e parainfluenza, por outro lado, demonstraram diferença estatisticamente significante (p < 0,001). Esses resultados indicam melhor resposta de anticorpos pelos equinos ao vírus parainfluenza 3 do que ao vírus da influenza equina. Nenhuma diferença estatística foi observada nas respostas contra os vírus da influenza equina A (H7N7 e H3N8) e parainfluenza 3, com relação ao gênero (fêmeas e machos) e grupo etário (≤ 2 até 20 anos) nos equinos avaliados. Este estudo fornece evidência da presença concomitante dos dois subtipos vírus influenza A (H7N7 e H3N8) e do parainfluenza 3 em cavalos no Brasil. Portanto, é aconselhável a vacinação dos cavalos contra esses vírus respiratórios.

Palavras-chave : Parainfluenza virus; Influenza virus; Serology; Hemagglutination inhibition test; Equines.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )