SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.43 número6Preditores de adesão à vacinação contra influenza em profissionais de um hospital de ensino: um estudo na era pré-pandêmicaDetecção por PCR do DNA de vários herpesvírus humanos na saliva de indivíduos infectados pelo HIV em Teresina, Estado do Piauí, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versão impressa ISSN 0037-8682

Resumo

DIAS-BASTOS, Maria Regina; OLIVEIRA, Cláudia Di Lorenzo  e  CARNEIRO-PROIETTI, Anna Bárbara de Freitas. Declínio na prevalência e distribuição assimétrica do vírus linfotrópico de células T humanas em doadores de sangue, Estado de Minas Gerais, Brasil, 1993 a 2007. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2010, vol.43, n.6, pp.615-619. ISSN 0037-8682.  https://doi.org/10.1590/S0037-86822010000600002.

INTRODUÇÃO: Os vírus linfotrópicos de células T humanas 1 e 2 (HTLV-1/2) são endêmicos no Brasil e são testados nos serviços de transfusão desde 1993. Este estudo avaliou a evolução da prevalência do HTLV-1 e 2 em doadores de sangue da Hemominas, de 1993 a 2007, bem como sua distribuição geográfica no Estado de Minas Gerais, Brasil. MÉTODOS: A Hemominas é um serviço transfusional centralizado em Minas Gerais, Brasil. As fontes de dados foram o Boletim Técnico da Fundação Hemominas, e os dados informatizados do laboratório central de sorologia. Os doadores foram testados no período utilizando ensaio enzimático (ELISA), seguido de Western blot, para confirmação, se repetidamente reagentes. Os dados foram analisados utilizando EPIINFO 6.2 e TABWIN 3.5. RESULTADOS: A prevalência media no período 1993-2007 foi de 0,1%. Houve declínio contínuo de 0,4% em 1993 para menos de 0,1% de 2002 em diante, com um pico transitório de 0,5% em 1994. A distribuição do HTLV foi assimétrica, com alternância de regiões de alta e baixa prevalências. A comparação entre doadores positivos e negativos mostrou que a idade aumenta a positividade para o vírus. A OR para idade variou de 1,43 (30 a 39 anos) a 3,09 (50 a 65 anos). As mulheres tiveram chance maior de ser positivas (OR-1,64), como descrito anteriormente. CONCLUSÕES: As possíveis explicações para o declínio do HTLV-1/2 foram a exclusão de doadores positivos, aumento nos doadores de repetição, e melhora nos testes de ELISA, com redução do número de testes falso positivos.

Palavras-chave : HTLV-1/2; Soroprevalência; Distribuição; Doador de sangue; Minas Gerais; Brasil.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons