SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.58 issue5Sperm tail flexibility test: a simple test for selecting viable spermatozoa for intracytoplasmic sperm injection from semen samples without motile spermatozoa author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista do Hospital das Clínicas

On-line version ISSN 1678-9903

Abstract

SAPUCAHY, Manuela V. et al. Esplenectomia laparoscópica versus aberta no tratamento de doenças hematológicas. Rev. Hosp. Clin. [online]. 2003, vol.58, n.5, pp.243-249. ISSN 1678-9903.  https://doi.org/10.1590/S0041-87812003000500002.

A esplenectomia é o melhor tratamento disponível para formas graves de esferocitose hereditária, púrpura trombocitopênica idiopática e outras entidades hematológicas refratárias à abordagem conservadora. Ela tem sido empregada há muitas décadas com baixa mortalidade e taxas de remissão favoráveis. A alternativa de esplenectomia laparoscópica em anos recentes foi adotada rapidamente e até entusiasticamente, todavia o papel exato das intervenções abertas em contraposição às laparoscópicas para doenças hematológicas ainda é objeto de debate. Num estudo de 58 pacientes adultos, os procedimentos laparoscópicos foram comparados com as esplenectomias convencionais em indicações semelhantes. MÉTODOS: Todos os pacientes foram operados num período de 8 anos. Eles foram submetidos a operações análogas sob a supervisão da mesma escola cirúrgica e eram comparáveis no tocante a idade, sexo, índice de massa corporal e diagnóstico. Os casos abordados laparoscopicamente (Grupo I, n= 30) foram seguidos prospectivamente de acordo com protocolo escrito, ao passo que a mesma investigação foi aplicada retrospectivamente no que concerne aos doentes de esplenectomia aberta (Grupo II, n= 28). Os métodos incluíram achados gerais e demográficos, duração e passos técnicos da cirurgia, perda sangüínea, peso do baço, necessidade de conversão (nos casos minimamente invasivos), complicações intra e pós-operatórias, tempo para realimentação, hospitalização pós-operatória, mortalidade e seguimento tardio, incluindo recidivas. RESULTADOS: A púrpura trombocitopênica idiopática foi a indicação cirúrgica em mais de 50% dos enfermos de ambos os grupos, entretanto esferocitose familiar, talassemia, mielodisplasia e linfomas também estavam representados nesta série. As intervenções laparoscópicas demoraram mais (p=0,004) e sua hospitalização pós-operatória foi dois dias mais breve, porém esta diferença não foi estatisticamente significativa. O hematócrito pós-operatório e o volume de transfusões foram equivalentes, no entanto os casos laparoscópicos exibiam um hematócrito pré-operatório ligeiramente inferior (NS) e a recuperação desta variável foi melhor (p=0,03). Mais pacientes do Grupo I toleraram dieta oral no primeiro dia que casos abordados convencionalmente (p<0,05). Relativamente poucas conversões foram necessárias no decurso das laparoscopias (13,3%), e as complicações pós-operatórias precoces e tardias assim como as recidivas distribuíram-se de forma eqüitativa. Também não foi possível demonstrar-se diferenças no peso do baço, ainda que no Grupo I nenhum órgão excedesse a 2,0 kg, sendo que no Grupo II este valor chegou até 4,0 kg, notando-se ainda que o peso médio foi 50% mais elevado nesta última população. CONCLUSÕES: 1) A esplenectomia minimamente invasiva foi essencialmente comparável à variante aberta no tocante à segurança, eficácia e resultados tardios; 2) Não foi possível comprovar-se vantagens relativas à menor hospitalização pós-operatória, embora a realimentação fosse mais precoce e houvesse uma tendência não-significativa para alta hospitalar antecipada; 3) Esta nova modalidade deve ser considerada uma excelente opção para casos de moléstias hematológicas sempre que o baço não estiver fortemente aumentado.

Keywords : Esplenectomia; Operação laparoscópica; Esferocitose hereditária; Púrpura trombocitopênica idiopática; Doença hematológica.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License