SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.104 número4Insulino-resistência, Dislipidemia e Alterações Cardiovasculares num Grupo de Crianças ObesasVariação da Pressão Arterial na Gestação Segundo o IMC no Início da Gravidez: Uma Coorte Brasileira índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivos Brasileiros de Cardiologia

versão impressa ISSN 0066-782X

Resumo

ALMEIDA, André Luiz Cerqueira de et al. Disfunção Ventricular Subclínica Detectada por Speckle Tracking Dois Anos após Uso de Antraciclina. Arq. Bras. Cardiol. [online]. 2015, vol.104, n.4, pp.274-283.  Epub 27-Jan-2015. ISSN 0066-782X.  https://doi.org/10.5935/abc.20140209.

Fundamento:

A insuficiência cardíaca é uma complicação grave associada ao uso da doxorrubicina (DOX). O strain, avaliado por speckle tracking bidimensional (2D-STE), tem se mostrado útil na identificação de disfunção ventricular subclínica.

Objetivos:

a) Investigar o comportamento do strain na identificação de disfunção ventricular subclínica em pacientes que usaram DOX; b) investigar determinantes do comportamento do strain nestes pacientes.

Métodos:

Estudo transversal com 81 participantes: 40 pacientes que usaram DOX ± 2 anos antes do estudo e 41 controles. Todos tinham fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE) ≥ 55%. A dose total de DOX foi de 396 mg (242 mg/m2). A função sistólica do VE foi avaliada pela FEVE (Simpson), assim como pelo strain longitudinal (εLL), circunferencial (εCC) e radial (εRR). Realizamos análise de regressão linear multivariada (RLM) usando como variáveis dependentes o εLL (modelo 1) e o εCC (modelo 2).

Resultados:

Os valores da pressão arterial sistólica e diastólica foram maiores no grupo controle (p < 0,05). O εLL foi menor no grupo DOX (-12,4 ± 2,6%) versus controle (-13,4 ± 1,7%; p = 0,044). O mesmo ocorreu em relação ao εCC: -12,1 ± 2,7% (DOX) versus -16,7 ± 3,6% (controles; p < 0,001). A onda S' foi menor no grupo DOX (p = 0,035). Na RLM, a DOX foi preditora independente de redução do εCC (B = -4,429, p < 0,001). DOX (B = -1,289, p = 0,012) e idade (B = -0,057, p = 0,029) foram marcadores independentes de redução do εLL.

Conclusões:

a) O εLL, o εCC e a onda S' estão reduzidos nos pacientes que usaram DOX ±2 anos antes do estudo, apesar da FEVE ser normal, sugerindo presença de disfunção ventricular subclínica; b) a DOX foi preditora independente de redução do εCC; c) o uso prévio da DOX e a idade foram marcadores independentes de redução do εLL.

Palavras-chave : Insuficiência Cardíaca; Disfunção Ventricular Esquerda / induzido quimicamente; Ecocardiografia; Antraciclinas / efeitos adversos.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )