SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 número3Desfecho reprodutivo após septoplastia histeroscópica: estudo retrospectivo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

versão impressa ISSN 0100-7203

Resumo

ROSA, Karen Felix da; AMANTEA, Vinícius Atrib; SANTOS, Antônio Cardoso dos  e  SAVARIS, Ricardo Francalacci. Eficácia do bloqueio anestésico paraespinhal em pacientes com dor pélvica crônica refratária a terapia medicamentosa: um ensaio clínico randomizado. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online]. 2015, vol.37, n.3, pp.105-109. ISSN 0100-7203.  https://doi.org/10.1590/SO100-720320150005201.

OBJETIVO:

Avaliar se o bloqueio paraespinhal reduz os escores de dor quando comparado com placebo em mulheres com dor pélvica crônica refratária a terapia medicamentosa.

MÉTODOS:

As pacientes com dor pélvica crônica de origem benigna que eram refratárias a terapia medicamentosa foram convidadas a participar nesse estudo de superioridade, randomizado, duplo-cego, em um centro de referência terciário. As pacientes foram alocadas randomicamente para receber o bloqueio anestésico paraespinhal com lidocaína 1% sem epinefrina ou placebo (controle). A lidocaína foi injetada ao longo do processo espinhal do segmento doloroso, nos ligamentos supra e interespinhal, usando uma agulha de 25G X 2". O placebo consistia na introdução da agulha no mesmo segmento sem injetar qualquer substância. O desfecho principal foi a medida dos escores de dor, baseado numa escala análogo visual nos tempos T0 (basal), T1 (dentro de 15 minutos depois do procedimento) e T2 (uma semana depois do procedimento). A análise estatística realizada utilizou ANOVA e o intervalo de confiança de 95% (IC95%).

RESULTADOS:

A média de idade das pacientes foi similar: 51,2 (bloqueio anestésico paraespinhal) e 51,8 anos (controle). Um examinador, cegado quando ao tratamento, mediu o grau de dor de acordo com a escala análogo visual de 0 (sem dor) a 10 (pior dor imaginável). De acordo com a escala análogo visual, a média dos escores para o grupo bloqueio anestésico paraespinhal em T0, T1 e T2 foi 5,50 (DP=2,92; IC95% 3,84-7,90), 2,72 (DP=2,10; IC95% 1,53-3,90) e 4,36 (DP=2,37; IC95% 1,89-6,82), respectivamente. A diferença entre T0 e T1 foi estatisticamente significativano grupo bloqueio anestésico paraespinhal, com p=0,03.

CONCLUSÕES:

O bloqueio anestésico paraespinhal tem um pequeno efeito na redução da dor(escala análogo visual) imediatamente após a injeção, mas esse benefício não permanece após uma semana. Outros estudos são necessário para avaliar a eficácia do bloqueio anestésico paraespinhal usando outras doses de anestésicos no tratamento da dor visceral por outras causas.

Palavras-chave : Dor pélvica; Nervos periféricos; Anestésicos locais; Lidocaína.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )