SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 número3Eficácia do bloqueio anestésico paraespinhal em pacientes com dor pélvica crônica refratária a terapia medicamentosa: um ensaio clínico randomizadoTratamento minimamente invasivo dos abcessos tubo-ováricos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

versão impressa ISSN 0100-7203

Resumo

FERNANDES, Sílvia Maria Madeira; MACAES, Ana Margarida Novais; MARQUES, Andreia Leitão  e  LEITE, Helena Vasconcelos Barros. Desfecho reprodutivo após septoplastia histeroscópica: estudo retrospectivo. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online]. 2015, vol.37, n.3, pp.110-114. ISSN 0100-7203.  http://dx.doi.org/10.1590/SO-720320150005258.

OBJETIVO:

Avaliar os resultados reprodutivos após septoplastia histeroscópica.

MÉTODOS:

Estudo retrospetivo observacional por meio de análise dos registos clínicos de 28 mulheres com antecedentes de infertilidade ou de abortos recorrentes, submetidas à septoplastia histeroscópica. Para a avaliação do desfecho reprodutivo foram consultados os registos informáticos dos Cuidados de Saúde Primários e do nosso Centro Hospitalar, no período compreendido entre a septoplastia e a primeira gravidez ou o presente. Os outcomes primários foram a taxa de gravidez, de recém-nascidos e de abortos após septoplastia. O septo uterino foi diagnosticado por ecografia 2D ou 3D e classificado de acordo com a classificação da American Fertility Society. A septoplastia foi realizada na fase folicular do ciclo menstrual, com recurso da energia monopolar, bipolar e/ou microtesoura. Os programas Microsoft Excel e SPSS versão 17 foram utilizados para comparação do desfecho reprodutivo prévio e posterior à septoplastia. Foi utilizado o teste exato de Fisher, considerando significado estatístico quando p<0,05.

RESULTADOS:

Foi realizada septoplastia histeroscópica em 20 doentes (72%) com infertilidade secundária e 8 (28%) com infertilidade primária, tendo sido necessária segunda intervenção para remoção completa do septo em 5 casos (18%). Ocorreu um caso perfuração uterina minor. Após septoplastia histeroscópica, 64% das mulheres engravidaram, obtendo-se uma taxa de nados vivos de 48%; gravidez tubária de 4%; e 19% das doentes tiveram abortos espontâneos.

CONCLUSÕES:

Os resultados do presente estudo estão de acordo com o descrito na literatura, tendo-se obtido uma melhoria significativa dos desfechos reprodutivos, com uma redução da taxa de aborto espontâneo de cinco vezes após a septoplastia histeroscópica.

Palavras-chave : Histeroscopia/métodos; Infertilidade feminina; Aborto habitual; Útero/anormalidades.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )